A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS DISCIPLINA: Governo eletrônico na sociedade em rede - Prof. Aires José Rover Estado.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS DISCIPLINA: Governo eletrônico na sociedade em rede - Prof. Aires José Rover Estado."— Transcrição da apresentação:

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS DISCIPLINA: Governo eletrônico na sociedade em rede - Prof. Aires José Rover Estado Moderno e governo eletrônico - Prof. Orides Mezzaroba EQUIPE 3 – Daiane Tramontini Jaqueline Albino Augusto César da Silva A sociedade individualizada vidas contadas e histórias vividas. ZYGMUNT BAUMAN

2 CONHECENDO ZYGMUNT BAUMAN

3 TRAGETÓRIA Sociólogo polonês; nasceu no dia 19 de novembro de 1925, em Poznán. Ele principiou sua trajetória acadêmica na Universidade de Varsóvia, mas logo foi obrigado a deixar a academia, em 1968, ao mesmo tempo em que sua obra era proibida neste país. Sem muitas perspectivas, o sociólogo abandonou sua pátria e partiu para a Inglaterra, depois de passar pelo Canadá, EUA e Austrália. Atualmente é professor emérito de sociologia das universidades de Leeds e Varsóvia.

4 TEMÁTICA Seus livros são povoados por ideias sobre as conexões sociais potenciais na sociedade contemporânea, comumente conhecida como pós-modernidade. Para o sociólogo, a fluidez dos vínculos, que marca a sociedade contemporânea, encontra-se inevitavelmente inserida nas próprias características da modernidade, discussão esta que está perfeitamente retratada nas obras do autor

5 Sociedade Individualizada Em A Sociedade Individualizada, o sociólogo dá continuidade em suas observações sobre a nossa dificuldade de vivermos em sociedade e o desafio da confiança e do cuidado mútuo, já tratado em outras obras. Enfatiza a insegurança, a fragilidade dos relacionamentos e o individualismo.

6 Aspectos selecionados para a apresentação Relações de poder e dominação; Privado e subjetivo; Ambiente social e do trabalho; Moralidade;

7 Trabalho A "modernidade pesada" era o tempo do compromisso entre capital e trabalho, fortificado pela mutualidade de sua dependência. (P. 33). – Mobilização sindical e equilíbrio de forças; O capital substitui a dependência para os consumidores.

8 A passagem da modernidade "pesada" ou "sólida" para a "leve" ou "liqüefeita" constitui a estrutura na qual a história do movimento trabalhista foi inscrita.. P. 43.

9 LOCAL X GLOBAL ORDEM. As coisas são ordenadas se elas se comportam como você espera, ou seja, você pode não levá-las em conta quando planeja suas ações. Essa é a principal atração da ordem: segurança que vem da capacidade de prever, com pequeno ou nenhum erro, quais serão os resultados de suas ações.. P. 44.

10 MANUTENÇÃO DA ORDEM. O estado da incerteza, a "impureza" das classificações, a nebulosidade e a porosidade das fronteiras são fontes constantes de medo e agressividade inseparáveis dos esforços de criar e manter a ordem.

11 GLOBALIZAÇÃO. se refere à natureza desordenada dos processos que ocorrem acima do território "principalmente coordenado" e administrado pelo "mais alto nível" do poder institucionalizado, isto é, Estados soberanos.. P. 48.

12 A precariedade é hoje o principal bloco construtivo da hierarquia de poder global e a principal técnica de controle social. P. 51. O grau de imobilização é hoje a principal medida de privação social e a principal dimensão da falta de liberdade, um fato simbolicamente refletido na crescente popularidade do confinamento prisional como forma de lidar com os indesejáveis.. P. 53. INVERSÃO DO NOMADISMO X SEDENTARISMO.

13 LIBERDADE X SEGURANÇA A liberdade sem segurança não tende a causar menos infelicidade do que a segurança sem liberdade. P. 58. ECONOMIA POLÍTICA DA INCERTEZA. O resultado geral desse processo é, como observa Manuel Castells, um mundo no qual o poder flutua, enquanto as políticas continuam atadas em seu lugar; o poder é crescentemente global e extraterritorial, mas as instituições políticas permanecem territoriais e acham difícil, se não impossível, subir além do nível local. P. 72.

14 MODERNIDADE E CLAREZA UTOPIAS - concentravam as ideias e anseios pela ordem e ausência de incertezas. P QUERER X PODER - "O princípio de realidade", em termos simples, significa podar o "eu quero" até ficar do tamanho do "eu posso".. P. 89.

15 RESPONSABILIDADE E MORALIDADE Quer eu admita, quer, não, sou o guardião do meu irmão porque o bem-estar do meu irmão depende do que eu faço ou do que me abstenho de fazer. P Nossa sociedade de risco enfrenta uma tarefa assustadora quando se trata de conciliar seus membros com os riscos e pavores da vida cotidiana.. P. 102.

16 A moralidade tem apenas a ela mesma para se apoiar: é melhor se preocupar do que lavar as próprias mãos, melhor ser solidário com a infelicidade do outro do que ser indiferente, é muito melhor ser moral, mesmo que isso não faça as pessoas mais ricas nem as companhias mais lucrativas.. P. 109.

17 IDENTIDADE E IMAGEM Em vez de construir nossa identidade de maneira gradual e paciente, como se constrói uma casa, lidamos com formas montadas instantaneamente, apesar de desmanteladas com facilidade, pintadas umas sobre as outras; é uma identidade palimpséstica. É o tipo de identidade que se adapta a um mundo em que a arte de esquecer é um bem mais importante do que a arte de memorizar [...]. P. 115.

18 CIDADE, ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS. Na cidade, o lar de uma pessoa é um terreno hostil para outra. Isso é assim porque a liberdade de movimento dentro da cidade se tornou o principal fator de estratificação.. P – FORTALEZAS URBANAS.

19 Crítica - privatizada e desarmada COMO PENSAMOS Crítica - privatizada e desarmada 1) Teoria crítica x Hospitalidade crítica Teoria Crítica (Adorno e Horkheimer): defendia a autonomia humana e a liberdade de escolher e auto afirmar-se, frente ao totalitarismo. (p.133) Hospitalidade crítica: (novo sentido) a sociedade contemporânea traz uma acomodação de ação e pensamentos mantendo- se imune às consequências.(p.130)

20 Crítica - privatizada e desarmada COMO PENSAMOS Crítica - privatizada e desarmada 2) Crítica ao estilo Consumidor X Produtor (estacionamento de trailers) (p.130/131) Não criticam a filosofia gerencial; não querem quebrar paradigmas; não desafiam, renegociam o modelo; O Eu primeiro Busca do melhor serviço e satisfação própria Questionamento: Universidade pública é serviço ao consumidor?

21 Crítica - privatizada e desarmada COMO PENSAMOS Crítica - privatizada e desarmada 3) Sociedade moderna – Modernização compulsiva (p.135) É a modernização que não pára, a ânsia avassaladora e endêmica pela destruição criativa (ou criatividade destrutiva) para limpar o terreno em nome do design novo e melhorado, para desmantelar, cortar, defasas e diminuir em prol da maior produtividade ou concorrência;

22 Crítica - privatizada e desarmada COMO PENSAMOS Crítica - privatizada e desarmada Ser moderno significa ser incapaz de parar; deve continuar movendo não tanto pelo atraso na satisfação como sugeriu Marx Weber – mas, pela impossibilidade de sermos satisfeitos; (p.135) A satisfação está sempre no futuro; é impossível sermos satisfeitos por completo. (p.136)

23 Crítica - privatizada e desarmada COMO PENSAMOS Crítica - privatizada e desarmada 4)Indivíduo de JURE e de FACTO: Indivíduo de jure: A quem culpar? significa não ter ninguém para culpar sobre os seus fracassos e desilusões a não ser a si mesmo. (p.138) Indivíduo de facto: ter o controle sobre seus destinos e toma as decisões que assim deseja. Entretanto, para que seja de facto é necessário que seja um cidadão

24 Crítica - privatizada e desarmada COMO PENSAMOS Crítica - privatizada e desarmada Lacuna entre o indivíduo de jure e facto: E essa brecha não pode ser preenchida apenas pelos esforços individuais nem pelos meios e recursos disponíveis dentro da política da vida. (p.139) Crítica da política-vida: a verdadeira libertação requer mais da esfera pública e do poder público; onde a autonomia individual carece de medidas públicas, na medida em que flui a sua relação interpessoal e o complexo meio da sociedade autônoma.

25 Crítica - privatizada e desarmada COMO PENSAMOS Crítica - privatizada e desarmada 5) Soluções BIOGRÁFICAS para CONTRADIÇÕES SISTÊMICAS: buscamos modelos, experiências individuais para resolvermos questões sistêmicas. Problemas do esvaziamento dos espaços públicos: e principalmente do intermediário a Ágora. o aumento da liberdade individual pode coincidir com o aumento da impotência coletiva na medida em que as pontes entre a vida pública entre a vida pública e privada são destruídas ou, para começar, nem foram construídas; (Modernidade Líquida, p.10, 2001)

26 Onde está a Ágora? Ágora era a praça principal na constituição da pólis, a cidade grega da Antiguidade clássica. Manifesta-se como a expressão máxima da esfera pública na urbanística grega, sendo o espaço público por excelência. É nela que o cidadão grego convive com o outro para comprar coisas nas feiras, onde ocorrem as discussões políticas e os tribunais populares: é, portanto, o espaço da cidadania. era considerada um símbolo da democracia direta, e, em especial, da democracia ateniense, na qual todos os cidadãos tinham igual voz e direito a voto. Fonte:

27 Crítica - privatizada e desarmada COMO PENSAMOS Crítica - privatizada e desarmada 6) CRÍTICA ATUAL A crítica hoje deve ser feita para reconectar os dois lados do abismo que se abriu entre a realidade do indivíduo de jure e as possibilidades do indivíduo de facto – construindo uma ponte. (p.141) Entender-se como cidadão para reconectar

28 Progresso: Igual e Diferente COMO PENSAMOS Progresso: Igual e Diferente 1) O progresso tem como característica o desprezo à história Henry Ford: A história é um palavrório, em maior ou menos grau. Não queremos tradição. Queremos viver no presente e a única história que vale a pena é a que fazemos hoje (P.143) Pierre Bourdieu: para dominar o futuro, precisamos controlar o presente 2) Vida fatiada em episódios período de vida como um todo é fatiado em episódios enfrentados e atacados um de cada vez. (P.147)

29 USOS DA POBREZA COMO PENSAMOS USOS DA POBREZA 1)Visão sobre a pobreza: o marco cognitivo – é puramente econômico (dinheiro) – o da distribuição de riqueza e renda e do acesso a emprego remunerado. A ideia do IDH para confrontar o PIB: os três pilares que constituem o IDH (saúde, educação e renda) – mudança de foco

30 Vídeo: Quanto Vale ou é Por Quilo? – Sérgio Bianchi

31 USOS DA POBREZA COMO PENSAMOS USOS DA POBREZA 2)Pobreza = Medo ambiente / insegurança O restante da sociedade não pode ser libertado de seu medo ambiente e impotência a não ser que sua parte mais pobre seja libertada da penúria. (p. 150) 2.1 o papel dos novos pobres

32 Confrontos na periferia de Londres: Hackney foi um dos bairros atingidos (agosto/2011) Bauman em entrevista ao GLOBO, por , ele afirma que as imagens de caos na capital britânica nada mais representaram que uma revolta motivada pelo desejo de consumi r, não por qualquer preocupação maior com mudanças na ordem social. Não estamos falando de uma revolta de gente miserável ou faminta ou de minorias étnicas e religiosas reprimidas. Foi um motim de consumidores excluídos e frustrados. Fonte: consumidores-excluidos-diz-sociologo-zygmunt-bauman #ixzz22ogcK6rh

33 USOS DA POBREZA COMO PENSAMOS USOS DA POBREZA 3.2. economia política da incerteza: (insegurança ao futuro e à estabilidade) o trabalho cada vez mais flexivel (contratos renovável trabalhos temporários, facilidade de demitir a baixo custo); oenfraquecimento dos sindicatos etc oatualmente o trabalho é visto como o custo de manter-se vivo.

34 Cerca de 25 mil manifestantes desafiaram uma proibição do governo da Espanha e continuaram acampados durante a noite desta sexta-feira em uma praça da capital, Madri – Maio/2011 Praça Porta do Sol Fonte: em-madri-indignados-dizem-que-continuarao- acampados-em-praca.shtml

35 A voz do povo não é ilegal", diz cartaz colocado em poste próximo de praça em Madri "As democracias europeias foram sequestradas pelos mercados financeiros", indica o manifesto do grupo francês em palavras semelhantes às do manifesto da Porta do Sol, em Madri. "Espanha, Portugal, Grécia e Irlanda foram atingidos em cheio pelas políticas antissociais da União Europeia (UE) e do Fundo Monetário Internacional aplicadas na ausência de um debate democrático", indicou a ONG francesa ATTAC.

36 Jovens (PORTUGUESES) de todo o país queixam-se contra o discurso de inevitabilidade da austeridade num protesto no Rossio (março/2011) – GERAÇÃO À RASCA

37 USOS DA POBREZA COMO PENSAMOS USOS DA POBREZA 3) Globalização x universalização Globalização – é a separação entre o poder e a política. Os verdadeiros poderes de hoje são essencialmente extraterritoriais, enquanto os lugares de ação política permanecem locais. Indica o que está acontecendo conosco hoje. Enquanto que universalização é aquilo que precisamos, devemos ou pretendemos fazer.

38 USOS DA POBREZA COMO PENSAMOS USOS DA POBREZA 5-Agências globais x mercados globais e do capital financeiro Diante desta situação insegura o autor acredita que devem existir a força das agência para combater esta visão, como ONGs, e organismos internacionais. Como exemplo citamos o PNUD que é o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, fundado em 1965 com sede em Nova Iorque. Este Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) é o órgão da Organização das Nações Unidas (ONU) visa: promover o desenvolvimento e eliminar a pobreza no mundo. é conhecido por elaborar o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

39 Educação: sob, para e apesar da pós-modernidade COMO PENSAMOS Educação: sob, para e apesar da pós-modernidade 1) Racionalizar x treinar seres racionais Cita a preocupação da ocupação dos cursos de curta duração e de treinamento das empresas como substituidores dos cursos científicos. Conclui que a versão atual da teoria da evolução nos diz que as espécies generalistas, não seletivas, têm uma capacidade muito maior de sobrevivência do que as espécies perfeitamente acomodadas num nicho ecológico particular. (p.174)

40 Educação: sob, para e apesar da pós-modernidade COMO PENSAMOS Educação: sob, para e apesar da pós-modernidade 2) Reputação/fama X jogo da notoriedade A autoridade intelectual era medida pelo tamanho da multidão de discípulos que se arrebanhavam; Notoriedades são descartáveis pela mídia Como a notoriedade tomou conta da fama – os graduados das universidades estão competindo com estrelas pop, esportistas, terroristas – sem qualquer chance de vencê-los.

41 Identidade no mundo globalizante COMO PENSAMOS Identidade no mundo globalizante 1) Identidade x identificação estaria mais próximo da realidade do mundo globalizado falar de identificação, pois, nunca termina sempre incompleta, na qual todos nós, por necessidade ou escolha estamos engajados. a busca da identidade é o efeito colateral e o subproduto da combinação das pressões globalizantes e individualizadoras e das tensões que elas geram. (p.193)

42 Identidade no mundo globalizante COMO PENSAMOS Identidade no mundo globalizante 2)Indivíduo x coletividade A individualização/ a emancipação do indivíduo da determinação atribuída: uma característica muito clara e seminal da condição moderna. A identidade não é uma questão privada – a falta ostensiva de relacionamento é uma ilusão – erro grave. Homens e mulheres buscam grupos aos quais possam pertencer, com certeza e para sempre, num mundo onde tudo o mais está se movendo e mudando, onde nada mais é garantido.

43 Fé e Satisfação Instantânea COMO PENSAMOS Fé e Satisfação Instantânea Relacionamentos = Consumo; (p.199) O Mundo como um contêiner descartável: Precarização dos laços e parceiros/ ausência compromisso; A insegurança impede a ocorrência da fé – valores estáveis

44 COMO AGIMOS 13. O Amor precisa da razão? O amor precisa da razão como instrumento, não como desculpa, justificativa ou esconderijo (pg.215)

45 Amor e Razão – convergem p/ falha de comunicação: 1)O amor trata do valor (qualidade da coisa) e a razão do uso (atributo de quem utiliza) 2)As orientações de uso e valor colocam a razão e o amor em trilhos separados. (amor – infinitos; razão - estanca o infinito) 3)A razão inspira lealdade no próprio self, já o amor apela para a solidariedade pelo Outro - A razão oferecer ao self a habilidade de converter suas proprias intenções nos objetivos que guiam a conduta de outros; O amor, inspira o self a aceitar as intenções do outro como seu próprio objetivo.

46 Amor como molde para o eu ético e o relacionamento moral: A ética é feita à semelhança do amor, qualquer coisa dita sobre o amor se aplica à ética. Antes de ser um ser pensante ou um ser que deseja, o homem é um ser que ama. Antes de assumir qualquer compromisso com a sociedade, qualquer regra ou obrigação legal – o ser já é responsável (ético). Assim, antes mesmo da construção de regras essa responsabilidade já adquire força com o primeiro vislumbre do Outro (ela é vazia de conteúdo) – responsabilidade incondicional (Levinas)

47 Incerteza do Amor (assim como da moral) – consequências: - Necessita de ajuda para contabilizar riscos e chances, antecipar efeitos, etc. – Razão atua como instrumento. Instrumento porque? Porque utilizar o pensamento racional não libera o amante da sua responsabilidade pelas consequências. - Busca-se alivio na forma de uma autoridade poderosa o bastante para garantir a correção de certos passos e a impropriedade do restante Ex. de Autoridade = governando impiedosos, autoridade dos números (armada com a ameaça do ostracismo social) – Na sociedade moderna, todas afirmando falar em nome da razão – assim, quem desobedece, vira não só um transgressor mas um ser irracional

48 -Na sociedade moderna a ajuda da Razão vem da absolvição das preocupações éticas. Desculpa do amor por seu fracasso, um refúgio contra a não- enunciação da demanda ética e da incondicionalidade da responsabilidade moral. - Conclui: esses são usos errados da razão, oferecem apenas um escape das questões morais, não a chance de enfrentar e lidar com seus dilemas.

49 14. Moralidade privada, mundo imoral A moralidade não precisa de códigos ou regras, razão ou conhecimento, argumento ou convicção – ela esta antes de tudo isso – Partido moral de dois (Levinas) -Tal moralidade muda com o aparecimento do Terceiro: a sociedade verdadeira aparece e o ingênuo impulso moral, sem regra e indisciplinado, não satisfaz mais. - O Outro transformou-se em Muitos (pg.225).

50 A falta da necessária compreensão ética não pode ser culpada pelas catástrofes das condições globais. Existem outros fatores: -Forças de Mercado - capital financeiro PODER (flui). Ao posso que a política, permanece atada ao solo. O poder foi emancipado da política. (pg. 235) - Mobilidade do capital – fator estratificador - matéria com a qual se constroem e reconstroem novas hierarquias políticas, econômicas, culturais e sociais. Poder que se move. (pg. 236). A informação flutua independentemente de seus portadores (pg. 237) Foi retirada das mãos do Estado a função de manutenção de um equilíbrio dinâmico entre os ritmos do crescimento do consumo e o aumento da produtividade (Cornelius Castoriadis).

51 - Efemeridade das economias, não-territorialidade = os mercados financeiros globais imponham suas leis e preceitos. - Estados contemporâneos como executores de forças que eles não têm a esperança de controlar politicamente. (pg. 239) - Consequências: a separação da economia da política (e a consequente dispensa da intervenção da primeira na segunda), tornou problemática a capacidade de fazer escolhas coletivamente comprometidas e levá-las a cabo (Claus Offe). - dificuldade de reforjar questões sociais em ações coletivas que sejam efetivas Pg. 242

52 A nossa civilização parou de se questionar (Cornelios Castoriadis). A classe erudita da era moderna tardia ou pós- moderna = intelectuais orgânicos (auto-referencialidade, preocupados com a sua própria atividade profissional, postura evasiva em relação a sociedade) (pg. 247) O ciberespaço – terreno da prática intelectual pós- moderna – alimenta-se da fragmentação e a promove, ao mesmo tempo seu produto e sua principal causa efficiens. (pg. 249)

53 15. Democracia em duas frentes de batalha Democracia: é a prática da translação contínua entre o público e o privado, de reforjar problemas privados em questões públicas e redistribuir o bem-estar público em tarefas e projetos privados (pg. 252/252) Essa translação depende da autonomia da sociedade e de seus membros – para decidirem o que é considerado bom. Ameaça à democracia: 1) impotência dos poderes públicos de promulgar o que é considerado bom e implementar o que foi promulgado (poder separado da políticas) e; 2) enfraquecimento da translação entre questões públicas e problemas privados. (pg. 253 )

54 A crescente impotência prática das instituições públicas diminui o interesse em questões e posições comuns de sua esfera de atração, enquanto a capacidade enfraquecida e a vontade definhante de transladar sofrimentos privados para questões públicas facilita o trabalho das força globais que impulsionam essa impotência à medida que se alimenta de seus resultados (pg. 257)

55 16. Violência – antiga e nova Violência – conceito contestável quanto à legitimidade: Na luta pelo poder, a violência é ao mesmo tempo um meio e um risco, cujo objetivo é legitimar a coerção. (pg. 260) A guerra contra a violência é travada em nome do monopólio da coerção, o seu objetivo - a eliminação da violência, é o estado no qual esse monopólio não é mais contestado. A não- violência é ausência de coerção não autorizada. (pg. 262)

56 Coerção institucionalizada com segurança = se dissolve na vida cotidiana, torna-se invisível. Quando a rotina da vida cotidiana é quebrada ou fica sob pressão é que a coerção torna-se visível – aparência de violência (uso não autorizado, injustificado força). (pg. 265) A construção dos Estados-nação modernos – história de violência perpetrada - coerção autoritária– busca de território (pg. 269) Novas guerras globais (ex: Golfo e Kosovo) – não possuem mais o território como objetivo, e sim escancarar a porta para o capital global (pg. 272)

57 17. Sobre os usos pós-modernos do sexo Sexo: natural, não um produto cultural - a cultura (erótica sublimação) que manipulou o sexo. Erotismo: nasce como truque cultural para separar o prazer da experiência sexual da reprodução (função primária). É o excedente do ato sexual - sensações. Revolução erótica e outros aspectos da cultura pós-moderna: 1) Colapso do modelo panóptico de assegurar e perpetuar a ordem social (ex: fábricas industriais e exercito de conscritos – trabalho como medida da norma) (pg. 288/281). Hoje, a ordem social integra pessoa mais pela sedução do que policiamento, mais pela propaganda do que doutrinamento, precisa mais de criação do que regulamentação normativa. Estamos social e culturalmente treinados e moldados para buscar e recolher sensações e não para sermos produtores ou soldados. Boa forma (capacidade de assimilar, resistência – qualidade para absorver sensações) (pg. 282)

58 2) Como as sensações são vividas de maneira subjetiva – a boa forma não pode ser comparada nem medida de modo objetivo. (pg. 283) 3) Dualidade entre corpo e dono - As sensações prazerosas, arrebatadoras, em termos corporais são o que uma pessoa em boa forma busca, mas o coletor das sensações é o corpo, e ao mesmo tempo dono deste. Um busca a imersão (corpo), o outro um julgamento sóbrio (dono). (pg. 284) Esses três aspectos fazem daquele que busca a boa forma – pessoas ansiosas – aflição típica pós-moderna.

59 4) Sexo – substrato material da produção cultural da imortalidade – continuidade durabilidade das formas de vida (pg. 285). 5) Erotismo na construção da identidade pós-moderna e na rede de laços interpessoais: flexível, livre é adaptado à tarefa de tender para o tipo de identidade que, é calculado para obter máximo impacto e obsolescência instantânea (pg. 290) 6) Sexo como articulação de mecanismos de poder e controle social: ex - controle parental (Foucault – pg.291), assédio sexual (ameaça do sorriso), estupro marital (definir o evento como estupro depende apenas de um) – Rápida extenuação das relações humanas, despojando-as de intimidade e emoção, além de um definhamento do desejo de entrar nelas e mantê-las vivas (individualização)

60 18. Existe vida após a imortalidade? Pontes para eternidade: - Individual – oportunidades de permanecer vivo na memória da posteridade – presença no mundo que fez diferença, fez história – poucos e excepcionais (pg. 303). - Pública – livre para todos que não se sobressaem mas obedecem à lei e à rotina mundana – individuo que faz a diferença em prol de algo maior, ex: nação, família – a perpetuidade depende de seus membros. Civilização moderna – crise: - As forças globalizantes retiraram a soberania econômica, militar, cultural e política dos Estados-nação. - Poder do capital extraterritorial e nômade. - Famílias – os casamentos efêmeros e a linhagem diluidas

61 - Imortalidade individual deturpada – fama substituída pela notoriedade (objeto de consumo – instantâneo, no lugar de algo construído laboriosamente). - Sociedade de consumidores = sociedade de peças sobressalentes e materiais descartáveis. (pg. 309) - Os dias de hoje não têm importância e não vale a pena contá-los – antigo carpe diem com novo sentido: colha seus créditos agora, pensar no amanha é perda de tempo. - Cultura que não premia a duração e fatia o tempo em episódios vividos para protelar suas consequências duradouras e evitar compromissos firmes. (pg. 313)

62 Conclusão: Não enfrentamos uma crise cultural, que é condição natural de toda cultura humana. Propõe que nesse estágio de contínua transgressão chegamos a um território que os humanos jamais habitaram, um território que a cultura humana no passado considerou inabitável. A longa história da transcendência (salto para eternidade) não é cobiçada nem parece necessária. Pela primeira vez, os humanos mortais conseguem viver sem a imortalidade, e não parecem se importar.


Carregar ppt "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS DISCIPLINA: Governo eletrônico na sociedade em rede - Prof. Aires José Rover Estado."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google