A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Redes de Computadores Professor Rafael Silva Aula 6.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Redes de Computadores Professor Rafael Silva Aula 6."— Transcrição da apresentação:

1 Redes de Computadores Professor Rafael Silva Aula 6

2 Meios de Transmissão Conteúdo: 1. Introdução 2. Meios de Transmissão 2.1. Par Trançado UTP STP 2.2. Cabo Coaxial Cabo Coaxial Fino Cabo Coaxial Grosso 2.3. Fibra Ótica Transmissores Óticos Receptores Óticos Comparação das Fibras Óticas e dos Fios de Cobre

3 Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto de redes de computadores é fundamental, pois o cabeamento utilizado, ao contrário do software, tem vida útil em torno de 15 anos. É importante saber também qual a topologia mais adequada ao perfil do usuário, como a rede evoluirá com o correr do tempo e quanto se pretende investir na instalação da mesma. Entre os meios de transmissão, os condutores de cobre sob a forma de par trançado ou cabo coaxial são os mais comuns. Recentemente, o uso de fibra óptica tem crescido muito. 1. Introdução

4 2.1. Par Trançado (UTP/STP)UTPSTP O par trançado é o meio de transmissão mais antigo e ainda mais usado para aplicações de comunicações. Consiste em dois fios idênticos de cobre, enrolados em espiral, cobertos por um material isolante. Essa característica ajuda a diminuir a susceptibilidade do cabo a ruídos de cabos vizinhos e de fontes externas por toda sua extensão. Sua transmissão pode ser tanto analógica quanto digital, apesar de ter sido produzido originalmente para transmissão analógica. A largura de banda depende da espessura do fio e da distância percorrida.

5 O conector utilizado é o RJ-45: : Vantagens simplicidade baixo custo do cabo e dos conectores facilidade de manutenção e de detecção de falhas fácil expansão Desvantagens necessidade de outros equipamentos como hubs Existem dois tipos de par trançado: par trançado sem blindagem (UTP - Unshielded Twisted Pair) e par trançado blindado (STP - Shielded Twisted Pair). :

6 Par trançado sem blindagem (UTP) É composto por pares de fios sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa. Não havendo blindagem física interna, sua proteção é encontrada através do "efeito de cancelamento", onde mutuamente reduz a interferência eletromagnética de radiofrequência.

7 Uma grande vantagem é a flexibilidade e espessura dos cabos. O UTP não preenche os dutos de fiação com tanta rapidez como os outros cabos. Isso aumenta o número de conexões possíveis sem diminuir seriamente o espaço útil. Os UTPs são divididos, atualmente, em 7 categorias: fig.3 - Cabo par trançado sem blindagem Categoria 7Transmissão de Dados de 40 a 100Gbps – Ainda em fase de teste

8 Par trançado blindado (STP) Possui uma blindagem interna envolvendo cada par trançado que compõe o cabo, cujo objetivo é reduzir a distorção do sinal. Um cabo STP geralmente possui 2 pares trançados blindados e pode alcançar uma largura de banda de 300 MHz em 100 metros de cabo, 300Mbps. Utiliza uma classificação definida pela IBM, baseada em diferentes características de alguns parâmetros, como diâmetro do condutor e material utilizado na blindagem, sendo ela: 1, 1A, 2, 2A, 6, 6A, 9, 9A. fig.5 - STP em Bobina com 4 condutores

9 Vantagens: alta taxa de transferência pouca distorção do sinal Desvantagens: A blindagem causa uma perda de sinal que torna necessário um espaçamento maior entre os pares de fio e a blindagem, o que causa um maior volume de blindagem e isolamento, aumentando consideravelmente o tamanho, o peso e o custo do cabo.

10 2.2. Cabo Coaxial Consiste num fio de cobre rígido que forma o núcleo, envolto por um material isolante que, por sua vez, é envolto em um condutor cilíndrico, freqüentemente na forma de uma malha entrelaçada. O condutor externo é coberto por uma capa plástica protetora, que o protege contra o fenômeno da indução, causada por interferências elétricas ou magnéticas. fig.6 - Camadas do Cabo Coaxial

11 Além de sua utilização em redes locais, é muito usado para sinais de televisão, como por exemplo transmissão de TV a cabo. Vantagens: fácil instalação baixo custo quando instalado em barramento único sem uso de hub Desvantagens: Fio único de cobre pode quebrar detecção de falhas dificultada, principalmente em ambiente que não contenham hub coaxial

12 Cuidados na hora da instalação: Verificar a qualidade dos elementos que constituem o cabeamento: cabos, conectores e terminadores. Esses devem ser de boa qualidade para evitar folgas nos encaixes, o que poderia causar mal funcionamento a toda rede. Conectores: O tipo mais comum de conector usado por cabos coaxiais é o BNC (Bayone-Neill- Concelman). Diferentes tipos de adaptadores estão disponíveis para conectores BNC incluindo conectores T e terminadores. fig. 7 - Conector BNC

13 Cabo coaxial fino Também conhecido como CABO COAXIAL BANDA BASE ou 10BASE2, é utilizado para transmissão digital, sendo o meio mais largamente empregado em redes locais. A topologia mais usual é a topologia em barramento. A especificação 10BASE2 refere-se à transmissão de sinais Ethernet utilizando esse tipo de cabo. O 2 informa o tamanho máximo aproximado do cabo como sendo de 200 metros. Na verdade, o comprimento máximo é 185 metros. As taxas variam de 10 a 50 Mbps. Vantagens: é maleável fácil de instalar sofre menos reflexões do que o cabo coaxial grosso, possuindo maior imunidade a ruídos eletromagnéticos de baixa freqüência

14 Cabo coaxial grosso Conhecido como CABO COAXIAL BANDA LARGA ou 10BASE5, é utilizado para transmissão analógica. A especificação 10BASE5 refere-se à transmissão de sinais Ethernet utilizando esse tipo de cabo. O 5 informa o tamanho máximo aproximado do cabo como sendo de 500 metros. Esse cabo tem uma cobertura plástica protetora extra que ajuda manter a umidade longe do centro condutor. Vantagens: Comprimento maior que o coaxial fino É muito utilizado para transmissão de imagens e voz. Desvantagens: falhas no Cabo param toda a rede Menos maleável que o Coaxial Fino

15 2.3. Fibra Ótica Uma fibra ótica é constituída de material dielétrico, em geral, sílica ou plástico, em forma cilíndrica, transparente e flexível, de dimensões microscópicas comparáveis às de um fio de cabelo. Esta forma cilíndrica é composta por um núcleo envolto por uma camada de material também dielétrico, chamada casca. Cada um desses elementos possuem índices de refração diferentes, fazendo com que a luz percorra o núcleo refletindo na fronteira com a casca. fig Fibra Ótica

16 A fibra ótica utiliza sinais de luz codificados para transmitir os dados, necessitando de um conversor de sinais elétricos para sinais óticos, um transmissor, um receptor e um conversor de sinais óticos para sinais elétricos. É totalmente imune a interferências eletromagnéticas, não precisa de aterramento e mantém os pontos que liga eletricamente isolados um do outro. O padrão 10BaseF refere-se à especificação do uso de fibras óticas para sinais Ethernet. O conector mais usado com fibras óticas é o conector ST, similar ao conector BNC. No entanto, um novo tipo está ficando mais conhecido, o conector SC. Ele é quadrado e é mais fácil de usar em espaços pequenos.

17 Vantagens: perdas de transmissão baixa e banda passante grande: mais dados podem ser enviados sobre distâncias mais longas. pequeno tamanho e peso: vem resolver o problema de espaço dutos das grandes cidades e em grandes edifícios comerciais. imunidade a interferências: não sofrem interferências eletromagnéticas. isolação elétrica: não há necessidade de se preocupar com aterramento e problemas de interface de equipamento, uma vez que é constituída de vidro ou plástico, que são isolantes elétricos.

18 Desvantagens: fragilidade das fibras óticas: deve-se tomar cuidado ao se lidar com as fibras, pois elas quebram com facilidade. dificuldade de conexões das fibras óticas: por ser de pequeníssima dimensão, exigem procedimentos e dispositivos de alta precisão na realização de conexões e junções. falta de padronização dos componentes óticos: o contínuo avanço tecnológico e a relativa imaturidade não tem facilitado e estabelecimento de padrões. alto custo de instalação e manutenção.

19 Aplicações: Rede Telefônica: serviços de tronco de telefonia, interligando centrais de tráfego interurbano e interligação de centrais telefônicas urbanas. Cabos Submarinos: sistemas de transmissão em cabos submarinos. Redes Locais de Computadores: aplicações em sistemas de longa distância e locais. Na busca de padrões a fim de facilitar a conectividade e minimizar os custos de aquisição e implantação com fibras ópticas. Aplicações médicas: sistemas de monitoração interna ao corpo humano e instrumentação cirúrgica. Automóveis: monitoração do funcionamento do motor e acessórios. aplicações militares

20 Light Rays A fonte emissora da luz é usualmente um laser ou um LED. Os lasers proporcionam para uma grande largura de banda um rendimento da capacidade que é significativamente maior do que outros métodos. Por exemplo, um cabo de dois fios tem um parâmetro de distância de largura de banda de 1Mhz/Km, um cabo coaxial tem 20 Mhz/Km, e a fibra ótica tem 400 Mhz/Km.

21 fig. 13 -fibra ótica multimodo com índice degrau fig fibra ótica multimodo com índice gradual fig fibra ótica monomodo

22 Transmissores Óticos São responsáveis por converter sinais elétricos em sinais óticos que irão trafegar na fibra. A fonte ótica é modulada pela sua intensidade, através da variação da corrente elétrica injetada no gerador ótico. A fonte ótica é um semicondutor, e pode ser de dois tipos: LED (Light-Emitting Diode) utiliza o processo de fotogeração por recombinação espontânea. São utilizados em sistemas de comunicação que exijam taxas de transferência menores do que 100 a 200 Mbits/s. Diodo LASER (Light Amplification by Simulated Emission of Radiation) utiliza o processo de geração estimulada de luz.

23 Receptores Óticos Também chamados de fotodetectores, são responsáveis pela conversão dos sinais óticos recebidos da fibra em sinais elétricos. Devem operar com sucesso nos menores níveis de potência óticas possíveis, convertendo o sinal com um mínimo de distorção e ruído, a fim de garantir o maior alcance possível. Os fotodetectores mais utilizados são os fotodiodos.

24 Comparação das Fibras Óticas e dos Fios de Cobre A fibra tem muitas vantagens: - ela pode gerenciar larguras de banda muito mais largas do que o cobre. - os repetidores só são necessários a cada 30Km de distância, o que em comparação com o cobre, representa economia. - a fibra também tem a vantagem de não ser afetada por interferência magnética. Por mais estranho que possa parecer, as companhias telefônicas gostam da fibra por outra razão: ela é fina e leve. As fibras não desperdiçam luz e dificilmente são interceptadas. Por essas razões, trata-se de uma alternativa muito mais segura contra possíveis escutas telefônicas. Vale lembrar, no entanto, que a fibra é uma tecnologia nova, que requer conhecimentos de que a maioria dos engenheiros não dispõem. As interfaces de fibra são mais caras do que as interfaces elétricas.


Carregar ppt "Redes de Computadores Professor Rafael Silva Aula 6."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google