A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Parceria entre professor e centro de ciências... Encontros III - Temas 4 e 6 Pedro Donizete Colombo Junior André Luiz Silva Especialista.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Parceria entre professor e centro de ciências... Encontros III - Temas 4 e 6 Pedro Donizete Colombo Junior André Luiz Silva Especialista."— Transcrição da apresentação:

1 Parceria entre professor e centro de ciências... Encontros III - Temas 4 e 6 Pedro Donizete Colombo Junior André Luiz Silva Especialista em Ensino de Astronomia – Observatório, USP. Angélica Cristina Porra UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Observatório Dietrich Schiel

2

3 De maneira geral, consiste no estudo da radiação eletromagnética emitida ou absorvida por um corpo. Espectroscopia... É a relação da intensidade de radiação transmitida, absorvida ou refletida em função do comprimento de onda ou frequência da radiação.comprimento de onda frequência

4 Exemplo de espectro: Nosso arco-íris O arco-íris é o espectro da luz do sol no visível, que é formado pela decomposição da luz através da refração (semelhante ao que ocorre num prisma, porém são as gotículas de água no ar que refratam a luz)arco-íris

5 Alguns personagens Isaac Newton - decomposição da luz solar em um prisma Friedrich Herschel - descobre a radiação infravermelha Johann Ritter - descobre a radiação ultravioleta William Hyde Wollaston 574 linhas entre a linha B (no vermelho) e a linha H (no violeta). O espectro solar continha 07 linhas negras

6  O espectroscópio foi primeiramente utilizado em 1859 pelo físico alemão Gustav Kirchhoff ( ) em parceria com o químico alemão Robert Bunsen ( ). O instrumento Gustav Kirchhoff e Robert Bunsen A parceria surgiu pela soma dos conhecimentos  Kirchhoff sugeriu que um elemento químico puro ao ser queimado emite uma radiação com cor bem característica (Teste da Chama). Lítio Sódio Cobre  Bunsen conseguiu inventar um queimador de gás metano (CH 4 ) com controle da entrada de ar e cuja cor não interferia no resultado

7  O espectroscópio em si foi projetado com o seguinte princípio de funcionamento: O instrumento A luz que vinha da chama do elemento químico queimado passava por um colimador, ou seja, a luz ficava com uma única direção. Depois ela atravessava o prisma, sendo refratada, ou seja, dividida no espectro, e observada com um telescópio. Descobrem novos elementos químicos (Césio, Rubídio)

8 Nitrato de chumbo (II), Pb(NO 3 ) 2 Cloreto de bário dihidratado, BaCl 2.2H 2 O Cloreto de cobre (I), CuCl Sulfato de manganês monohidratado, MnSO 4.H 2 O

9 A cor da chama é característica do elemento e permite uma primeira identificação. No entanto, essa identificação só fica completa com a análise do espectro dessa chama (comparar o espectro obtido com os espectros de referência). Se a luz dessas chamas incidir sobre um prisma, será obtido um espectro descontínuo, ou seja, serão observadas apenas algumas linhas luminosas coloridas intercaladas por regiões sem luz. Para cada elemento, teremos um espectro diferente.

10 Análise espectral Leis de Kirchhoff - Espectroscopia -

11 Análise espectral Um corpo opaco quente, sólido, líquido ou gasoso, emite um espectro contínuo. Um gás transparente produz um espectro de linhas brilhantes (emissão). O número e a posição destas linhas dependem dos elementos químicos presentes no gás. Se um espectro contínuo passar por um gás à temperatura mais baixa, o gás frio causa a presença de linhas escuras (absorção). O número e a posição destas linhas dependem dos elementos químicos presentes no gás. discreto

12

13 Modelos atômicos DANTON THOMPSON RUTHERFORD BOHR ATUAL

14  Fundamentado na teoria dos quanta e sustentado experimentalmente com base na espectroscopia.  Distribuição eletrônica em níveis de energia.  Quando um elétron do átomo recebe energia (pacotes), ele salta para outro nível de maior energia.  Quando o elétron volta para o seu nível de energia primitivo, cede à energia anteriormente recebida sob forma de uma onda eletromagnética (pacotes relativos = <). Modelo atômico de Bohr..

15 Velódromo: o ciclista pode ocupar qualquer parte da pista. Neste modelo, os elétrons giram ao redor do núcleo, podendo ocupar qualquer órbita existente. Estado estacionários de energia Algumas órbitas são “proibidas” para os elétrons. Como em um ginásio poliesportivo, onde você não pode sentar-se entre um degrau e outro. E só pode “mudar” de lugar pulando números inteiros de degraus (um ou mais).

16 O elétron pode se mover em determinadas órbitas sem irradiar. Essas órbitas estáveis são denominadas estados estacionários, nas quais não perde energia por radiação Modelo Atômico de Bohr As órbitas estacionárias são aquelas nas quais o momento angular do elétron em torno do núcleo é igual a um múltiplo inteiro de Apenas algumas órbitas são possíveis (função de n 2 )..

17 Relaciona a frequência da radiação às energias dos estados estacionários. Se E i e E f são as energias inicial e final do átomo, a frequência da radiação emitida durante uma transição é dada por: Os valores da energia nestas órbitas seriam: O menor nível de energia do hidrogênio (n = 1) é cerca de eV.

18

19

20 n = 4 n = 3 n = 2 Devido aos diferentes níveis de energia, há possibilidades de diferentes transições. Assim, o elétron pode saltar de n = 3 direto para n = 1, ou ir de n = 3 para n = 2 e depois de n = 2 para n = 1. Cada transição implica numa emissão com frequência diferente. Isso explica o surgimento das linhas no espectro discreto dos elementos. Note que cada transição corresponde a uma cor no espectro abaixo.

21 I Descobrir a presença de um elemento, Medir sua quantidade Descobrir a presença de um elemento, Medir sua quantidade Hidrogênio: linhas características Os átomos existentes no Sol através de seu espectro Presença: descobrindo uma ou várias linhas de absorção ou emissão

22 I Quanto mais intensa e mais escura a linha de absorção, maior a quantidade Mas dá para saber a quantidade?

23 A temperatura na superfície solar Temperatura Superficial do Sol é K Com essa temperatura é impossível fundir hidrogênio I

24 Observação do Espectro Solar A e B – Bandas de Oxigênio Molecular C – Hidrogênio (α)D 1 e D 2 - SódioE - FerroH e K - Cálcio F – Hidrogênio (β)G - Ferro

25 O que mais podemos tirar das linhas espectrais

26

27 Efeito Doppler O comprimento de onda de uma linha espectral, é afetado pelo movimento relativo entre a fonte e o observador O que mais podemos tirar das linhas espectrais

28  Armand Fizeau - objetos se afastando em alta velocidade causam o deslocamento das linhas espectrais para o vermelho (“red- shift”)  Edwin Hubble - comprova a expansão do Universo Red-shift e Blue-Shift

29

30 Efeito Doppler Térmico Movimentos aleatório das partículas do gás (por causa da agitação térmica):  Algumas se aproximam, outras se afastam do observador.  Gás com partículas de massa m a uma temperatura T:  Alargamento Doppler da linha: buicao_Energia_LinhasEspectrais-Bete.pdf O que mais podemos tirar das linhas espectrais

31 Efeito Zeemam Quando um átomo se desloca sob a ação de um campo magnético, cada nível atômico de energia se divide em três ou mais subníveis: Caso as separações entre subníveis sejam tão pequenas que não as pode distinguir nos espectros, então vemos somente uma linha espectral alargada. O que mais podemos tirar das linhas espectrais

32 Embora explicasse adequadamente como os espectros atômicos funcionavam, havia alguns problemas que ainda incomodavam os físicos e químicos: Voltando ao modelo de Bohr... Limitações...  Por que os elétrons ficariam confinados apenas em níveis específicos de energia?  Por que os elétrons não emitiam luz o tempo todo? (os elétrons por mudarem de direção em suas órbitas circulares (aceleravam), eles deveriam emitir luz).  O modelo conseguia explicar muito bem os espectros de átomos com um elétron na camada mais externa, mas não era muito bom para os que tinham mais de um elétron nessa camada.

33  Louis de Broglie sugeriu que os elétrons podiam agir como partículas e ondas. Assim, as ondas produzidas por um elétron confinado em sua órbita ao redor do núcleo definem uma onda estacionária, com λ, E e f específicas (os níveis de energia de Bohr). Limitações do modelo de Bohr  Werner Heisenberg sugeriu não ser possível saber com exatidão o momento e a posição de um elétron no átomo, o que chamou de princípio da incerteza (mesmo se um elétron viajasse como uma onda não seria possível localizar a posição exata deste elétron dentro dessa onda).  Erwin Schrodinger criou uma série de equações (chamadas de funções de onda) para os elétrons. Para Schrodinger, os elétrons confinados em suas órbitas definiriam ondas estacionárias e se poderia descrever somente a probabilidade de onde um elétron estaria.

34

35

36 Construindo um espectroscópio amador


Carregar ppt "Parceria entre professor e centro de ciências... Encontros III - Temas 4 e 6 Pedro Donizete Colombo Junior André Luiz Silva Especialista."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google