A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?1 20/5/14 O QUE A INTERNET ESTÁ FAZENDO COM NOSSAS MENTES (apresentação resumida) Valdemar W.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?1 20/5/14 O QUE A INTERNET ESTÁ FAZENDO COM NOSSAS MENTES (apresentação resumida) Valdemar W."— Transcrição da apresentação:

1 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?1 20/5/14 O QUE A INTERNET ESTÁ FAZENDO COM NOSSAS MENTES (apresentação resumida) Valdemar W. Setzer Depto. de Ciencia da Computação, Universidade de São Paulo google: valdemar setzer (Ver no site: o artigo O que a Internet está fazendo com nossas mentes, na seção Apresentações a apresentação completa e em Vídeos a gravação da palestra de 18/10/11 no IME-USP)

2 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?2 20/5/14 O QUE A INTERNET ESTÁ FAZENDO COMIGO? Valdemar W. Setzer Depto. de Ciencia da Computação, Universidade de São Paulo google: valdemar setzer (Ver no site: o artigo O que a Internet está fazendo com nossas mentes, na seção Apresentações a apresentação completa e em Vídeos a gravação da palestra de 18/10/11 no IME-USP)

3 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?3 20/5/14 TÓPICOS Introdução Resumo de todos os capítulos do livro de Nicholas Carr Meus comentários Minhas complementações Minhas recomendações

4 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?4 20/5/14 1. Introdução Estadão 8/7/12, p. C1: Pesquisa [IBOPE] feita com 350 jovens de 18 a 24 anos em cinco capitais brasileiras mostra que 59% deles escrevem na direção [guiando um carro]. São torpedos, posts no Facebook, conversas em chats.... Perguntados se acham o hábito arriscado, 80% disseram que sim e um em cada três reconheceu que não faz nada para mudar.

5 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?5 20/5/14 1. Introdução (cont.) Smith, Darling e Searles, Perfusion 26(5), 2011, pp [Of a total of 430 responders] The use of a cell phone during the performance of cardiopulmonary bypass (CPB) was reported by 55.6% of perfusionists. Sending text messages while performing CPB was aknowledged by 49.2%... For smart phone features, perfusionists report having accessed (21%), used the internet (15.1%), or have checked/posted on social networking sites (3.1%) while performing CPB. Safety concerns were expressed by 78.3% who believe that cell phones can introduce a potentially significant safety risks to patients.

6 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?6 20/5/14 1. Introdução (cont.) O que está acontecendo? Nicholas Carr, em seu livro A geração superficial – o que a Internet está fazendo com nossos cérebros? Agir/Nova Fronteira, 2011 Trata do impacto da Internet no indivíduo Vamos partir dele Ver minha resenha em meu site O que a Internet está fazendo com nossas mentes? com muitos detalhes; aqui só alguns pontos

7 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?7 20/5/14 2. Prólogo: O cão de guarda e o ladrão A Internet é o último meio a disparar um debate sobre Democratização da cultura Emburrecimento da cultura O que importa não é o conteúdo, mas o que o meio faz conosco Nossa posição convencional a toda a mídia, isto é, que o que importa é a maneira como é usada, representa o estado entorpecido do idiota tecnológico. (McLuhan)

8 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?8 20/5/14 2. Prólogo: O cão de guarda e o ladrão (cont.) O conteúdo da mídia é simplesmente o pedaço suculento de carne levado pelo ladrão para distrair o cão de guarda da mente. (idem.) Nem mesmo McLuhan conseguiu prever a festança que a Internet nos apresenta: um prato depois do outro, cada um mais apetitoso que o outro, sem sequer um momento para respirarmos entre cada mordida Levamos essa festa a todo lugar

9 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?9 20/5/14 3. Cap. 1: HAL e eu O computador HAL do filme 2001 de Stanley Kubrick protesta quando o astronauta Dave Bowman começa a desligá-lo, dizendo Dave, minha mente está indo embora, eu posso senti-lo, eu posso senti-lo Carr diz que também estava sentindo isso: Alguém, ou alguma coisa, estava mexendo com meu cérebro, refazendo os circuitos neurais, reprogramando a memória. Minha mente não estava indo embora, mas mudando.

10 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?10 20/5/14 3. Cap. 1: HAL e eu (cont.) Conta como antes passava horas lendo longos trechos em prosa. Agora isso acontecia raramente Depois de 1-2 páginas, perdia a concentração, divagava, perdia a sequência Acha que sabe a razão: Por mais de uma década, passei muito tempo conectado, buscando, surfando e algumas vezes adicionando coisas aos grandes bancos de dados da Internet.

11 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?11 20/5/14 3. Cap. 1: HAL e eu (cont.) Meu cérebro não estava apenas faminto. Estava pedindo para ser alimentado da maneira como a Internet o alimentava, e quando mais alimentado, mas faminto se tornava. Mesmo longe do computador, eu ansiava por verificar meus s, acionar vínculos, usar o google. Eu queria estar conectado.

12 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?12 20/5/14 4. Cap. 2: Os caminhos vitais O cérebro é, segundo alguns, muito plástico segundo Merzenich, um dos descobridores da plasticidade, maciçamente plástico A plasticidade diminui com a idade, mas nunca desaparece Nossos neurônios estão constantemente quebrando velhas conexões e formando novas, e novas células nervosas estão sendo constantemente criadas.

13 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?13 20/5/14 4. Cap. 2: Os caminhos vitais (cont.) O que aprendemos enquanto vivemos é imerso nas conexões celulares que mudam continuamente. Pessoa cega, que aprende Braille Córtex visual começa a tratar dos impulsos do tato Se há uma lesão e perde-se controle de um membro, repetindo movimentos com ele forçam-se os neurônios a criarem novas sinapses Plasticidade ocorre não só em lesões, mas no funcionamento normal

14 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?14 20/5/14 4. Cap. 2: Os caminhos vitais(cont.) Plasticidade está permanentemente em ação Pode mudar com ações e também com atividades puramente mentais Experiência de um grupo tocar uma melodia no piano, e outra imaginar que a estava tocando Mudanças no cérebro foram as mesmas Neurologicamente, tornamo-nos o que pensamos

15 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?15 20/5/14 5. Digressão: Sobre o que o cérebro pensa quando pensa sobre si próprio Não percebemos o cérebro Tendência é achar que não temos influência sobre a estrutura física do cérebro Achava, assim, que usar um computador não iria influenciar o seu cérebro Mas estava errado

16 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?16 20/5/14 6. Cap. 3: Ferramentas da mente Mapas, relógios Escrita Muda o cérebro Povos que usam ideogramas empregam áreas diferentes do cérebro As tecnologias mais impactantes são as intelectuais As mais interiores Produzem novas maneiras de pensar e encarar o mundo

17 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?17 20/5/14 7. Cap. 4: O aprofundamento da página Neste capítulo, Carr traça a história da escrita e da imprensa Durante séculos, a tecnologia de escrever tinha refletido e reforçado a ética intelectual da cultura oral, comunitária Aí apareceu a ética do livro Desenvolvimento do conhecimento tornou-se cada vez mais pessoal

18 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?18 20/5/14 7. Cap. 4: O aprofundamento da página (cont.) Faltava popularizar o livro Entra Gutenberg, em 1445 Escrever e ler tornaram-se os atributos principais da cidadania O silêncio da leitura profunda [deep reading] tornou-se parte da mente

19 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?19 20/5/14 7. Cap. 4: O aprofundamento da página (cont.) Depois de 550 anos, a gráfica e seus produtos estão sendo empurrados do centro para a periferia da vida intelectual Corrente principal: Computador, tablet, celular, smartphone Companheiros constantes, a qualquer momento e lugar Meios principais para Armazenar, processar, repartir informações de todas as formas, inclusive textos

20 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?20 20/5/14 7. Cap. 4: O aprofundamento da página (cont.)

21 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?21 20/5/14 7. Cap. 4: O aprofundamento da página (cont.) Nova ética intelectual! Caminhos do cérebro estão novamente sendo redirecionados

22 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?22 20/5/14 7. Cap. 5: Um meio de natureza mais geral Internet começou com texto Daí suas páginas Com aumento de velocidade e capacidade Foram incorporados imagens, fotos, gráficos Depois veio o som, vídeo e jogos TNS Global (2008), pesquisa internacional com pessoas entre 18 e 53 anos 30% do tempo livre conectados Na China: 44%

23 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?23 20/5/14 7. Cap. 5: Um meio de natureza mais geral (cont.) Nielsen Co. (2008), celulares nos EEUU Enviam/recebem em média 400 textos/mês Aumento de 4 vezes desde 2006 Adolescente (teen) médio americano textos/mês [!!!] Nielsen Co. (2009): tempo de uso de TV permaneceu o mesmo EEUU: 153 h/mês [5 h/d !!] Sem contar TV nos computadores

24 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?24 20/5/14 7. Cap. 5: Um meio de natureza mais geral (cont.) Tempo em frente a telas aumentou enormemente Ball State Univ. (2009): A maior parte dos americanos gastava > 8,5 h/d usando aparelhos com tela [M.Spitzer: Vorsicht, Bildschirm! Elektronischen Medien, Gehirnentwicklung, Gesundheit und Gesellschaft {Cuidado, tela! Meios eletrônicos, desenvolvimento do cérebro, saúde e sociedade}, Stuttgart: Klett, 2005] O que parece ter diminuído é o tempo dedicado a se ler textos impressos

25 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?25 20/5/14 7. Cap. 5: Um meio de natureza mais geral (cont.) A maneira de se usar a Internet é totalmente diferente do texto impresso Hyperlinks (vínculos) Mais simples pular de página Buscas fragmentam o trabalho Várias janelas numa tela perturbam a concentração Não vemos mais florestas. Nem árvores. Vemos folhas e gravetos.

26 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?26 20/5/14 8. Cap. 7: O cérebro do malabarista Dúzias de pesquisas mostram que pessoas conectadas na rede Têm pensamentos apressados e distraídos Têm aprendizado superficial Não conseguem pensar profundamente É impossível pensar superficialmente quando se lê um livro Com exceção do alfabeto e dos números, a Internet talvez seja a tecnologia mais poderosa para alterar a mente

27 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?27 20/5/14 8. Cap. 7: O cérebro do malabarista (cont.) Leitores de livros Áreas do cérebro ativadas: Ligadas à linguagem, memória e processamento visual Pouca atividade nas áreas de tomada de decisões e resolução de problemas Seguir links e mudar de programa requerem Coordenação mental constante Tomada de decisões Sacrificando a habilidade que torna a leitura profunda (deep reading) possível Leitura profunda permite e desenvolve o pensamento profundo

28 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?28 20/5/14 8. Cap. 7: O cérebro do malabarista (cont.) Lori Bergen (2005): Quando nosso cérebro é sobrecarregado, distrações distraem mais Hipertexto Pesquisa de 1990: leitores de hipertexto não lembravam o que tinham ou não tinham lido Outra, mesmo ano: 2 grupos, um com um texto linear, outro o mesmo com hipertexto Grupo sem hipertexto foi muito melhor

29 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?29 20/5/14 8. Cap. 7: O cérebro do malabarista (cont.) Jean-François Rouet (1996): revisão desses e outros resultados Acharam que os leitores iriam desenvolver alfabetização de hipertexto E aí os problemas iriam diminuir Isso não aconteceu Pessoas que leem textos lineares têm mais compreensão, lembrança, aprendizado

30 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?30 20/5/14 8. Cap. 7: O cérebro do malabarista (cont.) David S. Miall (2001): pesquisa com 70 pessoas Um grupo lendo história curta linear 10% relatou dificuldade em seguir o texto Outro grupo: a mesma história com hipertextos Esse grupo levou mais tempo relatou mais confusão e falta de certeza do que tinha lido 75% disseram que tiveram dificuldade em seguir o texto

31 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?31 20/5/14 8. Cap. 7: O cérebro do malabarista (cont.) Erping Zhu (1999): número variável de links Quando maior o número de links, menor a compreensão Forte correlação entre número de links e desorientação ou sobrecarga cognitiva

32 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?32 20/5/14 8. Cap. 7: O cérebro do malabarista (cont.) Helene Hembrooke (2003): numa classe da Cornell University Um grupo de estudantes sem laptops Outro grupo com laptops com acesso à Internet Esse grupo teve rendimento significativamente mais fraco nas medidas imediatas de memória Independente de o aluno ter navegado em conteúdos que diziam respeito à aula ou não

33 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?33 20/5/14 8. Cap. 7: O cérebro do malabarista (cont.) Lori Bergen (2005): estudantes da Kansas State Univ. Assistiram transmissão de 4 notícias pela CNN Um grupo, transmissão com infográficos, outras notícias na linha inferior Outro grupo só as notícias Esse grupo lembrava muito mais fatos O formato de multimensagem parecia exceder a capacidade de atenção

34 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?34 20/5/14 8. Cap. 7: O cérebro do malabarista (cont.) Por projeto, a Internet é um sistema de interrupção, uma máquina de dividir a atenção Estamos mudando do cultivo do conhecimento pessoal para caçadores e coletores na floresta de dados eletrônicos O conhecimento não está mais na pessoa, está na Internet

35 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?35 20/5/14 8. Cap. 7: O cérebro do malabarista (cont.) Quanto mais se faz várias coisas ao mesmo tempo (multitasking) Menos se tomam decisões Fica-se com menos capacidade de pensar e raciocinar sobre um problema Pode-se superar algumas ineficiências em fazer várias coisas Mas nunca se será tão bom quanto se focalizar em uma só coisa

36 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?36 20/5/14 8. Cap. 7: O cérebro do malabarista (cont.) Podemos assumir que os circuitos neuronais dedicados a escanear e executar múltiplas tarefas estão se expandindo, e se fortalecendo enquanto os usados para ler e pensar profundamente, com concentração duradoura estão enfraquecendo ou sendo erodidos

37 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?37 20/5/14 8. Cap. 7: O cérebro do malabarista (cont.) Eyal Ofir (2009), Stanford Univ. Viciados em multitarefas são ávidos por coisas irrelevantes; qualquer coisa os distrai Merzenich (o da plasticidade do cérebro): Ao realizar multitarefas, estamos treinando nossos cérebros para prestar atenção em lixo As consequências para nossa vida intelectual podem ser mortais

38 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?38 20/5/14 8. Cap. 7: O cérebro do malabarista (cont.) Rede está nos tornando mais espertos Somente se definirmos inteligência pelos padrões da própria rede Um conceito mais amplo de inteligência Amplitude e profundidade, não a rapidez Leva à conclusão de que a rede é muito negativa

39 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?39 20/5/14 9. Cap. 8: A igreja da Google Taylorismo elevado ao paroxismo Princípio básico Chegar mais rápido possível ao dado procurado E sair dele o mais rápido possível

40 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?40 20/5/14 9. Cap. 8: A igreja da Google Ver também, de Scott Cleland Busque e destrua – por que você não pode confiar no Google Inc. Matrix, 2012

41 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?41 20/5/14 9. Cap. 8: A igreja da Google (cont.) George Dyson (1997): Tudo o que seres humanos estão fazendo para tornar a operação de redes de computadores mais fácil está, ao mesmo tempo, mas por razões diferentes, tornando mais fácil redes de computadores operarem seres humanos

42 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?42 20/5/14 9. Cap. 9: Busque, memória Sheila Crowell (2004): O próprio ato de lembrar parece modificar o cérebro de modo a facilitar o aprendizado de ideias e habilidades no futuro. Memória é aparentemente ilimitada

43 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?43 20/5/14 9. Cap. 9: Busque, memória (cont.) A Internet é completamente diferente de outras ajudas à memória de trabalho Coloca mais pressão na memória de trabalho Não somente desvia recursos de nossas faculdades superiores de raciocínio, mas também obstrui a consolidação de memórias de longa duração e o desenvolvimento de esquemas conceituais A rede é uma tecnologia do esquecimento

44 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?44 20/5/ Digressão: Sobre a escrita deste livro Como o autor conseguiu concentrar-se para escrever esse livro? No começo, foi quase impossível Ficou claro que ele devia mudar totalmente de vida Mudou-se para as montanhas do Colorado Eliminou quase todo o uso da Internet Consultava s apenas uma vez por dia Cancelou Twitter Interrompeu o Facebook Bloqueou mensagens instantâneas

45 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?45 20/5/ Digressão: Sobre a escrita deste livro (cont.) Desmantelar a vida conectada não foi fácil Durante meses, minhas sinapses gritavam pela sua dose de rede Com o tempo, a coisa melhorou, e Carr viu que dava para digitar durante horas ou ler um artigo acadêmico complexo sem perder a concentração

46 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?46 20/5/ Digressão: Sobre a escrita deste livro (cont.) Sentiu-se mais calmo em geral e com mais controle de seus pensamentos Menos como um rato apertando alavanquinhas Mais como um ser humano (!!!) No entanto, ao terminar o livro, ele está voltando aos usos anteriores da rede Tenho que confessar: É agradável [cool] Não estou seguro de poder viver sem isso

47 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?47 20/5/ Cap. 10: Uma coisa como eu James A. Evans, 2008 Análise de 34 milhões de artigos publicados em revistas científicas de 1945 a 2005 Quanto mais as revistas eram colocadas na Internet, menos os autores citavam outros trabalhos Quanto mais trabalhos antigos eram inseridos, mais os pesquisadores citavam trabalhos recentes Conclusão de Evans: Uma ampliação da informação disponível levava a um estreitamento da ciência e do conhecimento

48 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?48 20/5/ Cap. 10: Uma coisa como eu (cont.) Marc Berman, dúzias de pessoas foram submetidas a uma série de testes rigorosos mas exaustivos, destinados a testar a memória de trabalho a habilidade de exercer controle sobre a atenção Depois dos testes Um grupo foi passear por 1 hora num parque arborizado isolado Outro grupo passeou em ruas movimentadas da cidade

49 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?49 20/5/ Cap. 10: Uma coisa como eu (cont.) Marc Berman, 2008 (cont.) Depois os grupos voltaram a fazer os testes O grupo do parque melhorou seu rendimento Indicando um aumento substancial de atenção O grupo da cidade não melhorou nos testes Conclusão: Empregar tempo no mundo natural parece ser de importância vital para o funcionamento efetivo da cognição

50 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?50 20/5/ Cap. 10: Uma coisa como eu (cont.) Carr: na Internet não existe local tranquilo onde a contemplação pode exercer sua mágica restauradora Nela há só a agitação hipnotizadora sem fim das avenidas urbanas Exaustivas e distrativas Carr, citando pesquisas do grupo de A.Damásio: Como a Internet diminui a capacidade de contemplar, está alterando a profundidade de nossas emoções e de nossos pensamentos

51 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?51 20/5/14 12.Epilogo: Elementos humanos Lembra os sentimentos da máquina HAL no filme 2001, ao ser desligada: Posso sentir, posso sentir, estou com medo Os seres humanos no filme são todos frios e objetivos Como se estivessem seguindo um algoritmo Esta é a essência da profecia negra de Stanley Kubrick: Na medida em que nos apoiamos em computadores para mediar nossa compreensão do mundo, é nossa própria inteligência que se aplana na [flattens into] inteligência artificial

52 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?52 20/5/14 TÓPICOS ۷Introdução ۷ Resumo de todos os capítulos Meus comentários Minhas complementações Minhas recomendações

53 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?53 20/5/ Meus comentários Pontos mais importantes do livro A Internet é essencialmente distrativa Prejudica a capacidade de concentração mental Prejudica a leitura profunda Atrai pela novidade e pelo imediatismo Para uma boa parte da humanidade a Internet Tornou-se uma obsessão, um vício Ver Kimberley e Abreu: Dependência da Internet – manual e guia de avaliação e tratamento (2011) 2006: 12,5% dos americanos eram dependentes (p. 20) Universitários no mundo: 10 a 14% (p. 20) O problema se alastra a olhos vistos (p. 19)

54 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?54 20/5/ Meus comentários (cont.) Não estou de acordo com o abuso do uso de cérebro, circuitos neuronais etc. Não sabemos cientificamente o que é pensar, sentir e querer, memória, consciência e autoconsciência, isto é, nossas funções mentais Portanto, não se pode afirmar cientificamente que essas funções mentais são geradas pelo cérebro Obviamente, o cérebro participa dessas funções Assim, é relevante mostrar que a tecnologia altera o cérebro como diz Carr em boa parte do livro

55 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?55 20/5/ Meus comentários (cont.) Discurso de Carr: Ex.: título do cápítulo Digressão: no que o cérebro pensa quando pensa sobre si próprio Como ele fala normalmente? Provavelmente: Eu penso que vai chover hoje Ele não diz Meu cérebro pensa que vai chover hoje Portanto, o correto seria O que meu pensamento pensa quando pensa sobre si próprio Dessa maneira, o discurso usado por Carr mistifica as funções cerebrais e a mente Mas isso não diminui a força de seus argumentos

56 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?56 20/5/ Meus comentários (cont.) Uma das minhas hipóteses de trabalho é que a mente é muito mais do que o cérebro P.ex., qualquer um pode ter a vivência de poder ser livre no pensamento, isto é, decidir o que vai pensar em seguida concentrar o pensamento (mantê-lo por algum tempo em um tema escolhido) Sem concentração mental não se pode ler um livro, estudar e produzir intelectualmente O cérebro é apenas matéria, e da matéria não pode advir livre arbítrio Ela está inexoravelmente sujeita às leis e condições físicas

57 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?57 20/5/14 TÓPICOS ۷1. Introdução ۷ 2. Resumo de todos os capítulos ۷ 3. Meus comentários 4. Minhas complementações 5. Minhas recomendações

58 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?58 20/5/ Minhas complementações Outras pesquisas, ex.: Morrisson e Gore (2010): The Relationship between Excessive Internet Use and Depression. Psychopathology 43:2 Bedrosian, T.A. et al. Chronic dim light at night provokes reversible depression-like phenotype. Molecular Psychiatry (2012) 1:7. (Influência de luz artificial [5 lumens vs. 150 do dia] no hipocampo de cobaias.)

59 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?59 20/5/ Minhas complementações (cont.) Carr não tratou das redes sociais Dão uma falsa impressão de sociabilidade Prejudicam a sociabilidade olho no olho Diminuem o contato pessoal Pessoas comunicam em geral o que gostariam de ser Em geral, comunicação de trivialidades inúteis Excitação pela curiosidade do imediatismo

60 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?60 20/5/ Minhas complementações (cont.) A tecnologia tem uma missão Libertar o ser humano das forças da natureza, interiores e exteriores a ele No entanto, em lugar de libertá-lo, ela está escravizando o ser humano, e toda a natureza Temos que mudar essa situação Ver em meu site meu artigo A missão da tecnologia

61 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?61 20/5/ Minhas complementações (cont.) Todos percebem que a natureza está sendo destruída Não pelas religiões e fanatismos religiosos Somos todos contra eles Está sendo destruída pelo mau uso da tecnologia que é a filha dileta da ciência Muita ciência é feita visando a tecnologia Que está a serviço do capital, i.é, egoísmo e ganância No entanto, poucos percebem que o ser humano também está sendo destruído Justamente pela tecnologia Não só fisicamente, como a natureza, mas também seu pensar, sentir, querer, e suas consciência e autoconsciência, e até sua memória Como Carr mostrou muito bem em relação à Internet

62 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?62 20/5/ Minhas complementações (cont.) Uma das maneiras seguras de destruir a humanidade é destruir as crianças e os adolescentes É justamente o que TV, video games, e computadores/Internet estão fazendo Ver meu artigo com mais de uma centena de citações de trabalhos científicos: Os efeitos negativos dos meios eletrônicos em crianças, adolescentes e adultos. pelo google: setzer efeitos negativos

63 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?63 20/5/ Minhas complementações (cont.) A Internet exige enormes Conhecimento Discernimento Autoconsciência Autocontrole Que crianças e adolescentes não têm! Estão desenvolvendo-os!!! Há ainda os perigos de predadores Ver o livro de Gregory Smith Como proteger seus filhos na Internet e minha resenha Como proteger seus filhos e alunos DA Internet Portanto, Internet não é para crianças e adolescentes

64 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?64 20/5/ Minhas complementações (cont.) Qual é a solução? (Para os adultos) Conhecer profundamente cada tecnologia Principalmente seus impactos na natureza e nos seres humanos Dominar o uso de cada tecnologia Usar com consciência Colocar a tecnologia em seu devido lugar Ex.: o lugar correto de todos os video games violentos é no LIXO Fazer a tecnologia deixar de servir ao egoísmo e à ganância E passar a servir ao amor altruísta Pois o egoísmo é destrutivo, o altruísmo é construtivo

65 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?65 20/5/14 TÓPICOS ۷ Introdução ۷ Resumo de todos os capítulos ۷ Meus comentários ۷ Minhas complementações Minhas recomendações

66 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?66 20/5/ Minhas recomendações Atividades imediatas (durante o uso) Interromper periodicamente o uso do computador Usar o sistema MINDFULNESS BELL Quando o gongo tocar, talvez a cada 30 min: Interromper imediatamente qualquer uso do computador De olhos fechados, concentrar-se no som do gongo em seguida fazer um exercício de concentração mental A cada 50 min fazer 10 min de intervalo Passear, exercícios físicos, pequena atividade artística Seguem desenhos de formas feitos por meus alunos Eu interrompo as aulas no meio para essa atividade assim os alunos não ficam só no intelecto!

67 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?67 20/5/14

68 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?68 20/5/ Minhas recomendações (cont.) Atividades imediatas (cont.) Sentar recostado para trás, relaxado Não seguir links enquanto se lê um texto Chegar ao fim do texto, e depois seguir um link Não fazer várias coisas ao mesmo tempo (multitasking); exemplos Não ficar alternando entre vários programas Não ouvir música de fundo (a não ser no carro) Não usar vários aparelhos ao mesmo tempo

69 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?69 20/5/ Minhas recomendações (cont.) Atividades imediatas (cont.) Usar redes sociais exclusivamente para o que é essencial Morrisson e Gore (2010): The Relationship between Excessive Internet Use and Depression. Psychopathology 43:2 H. Krasnova (2013): Envy on Facebook: A Hidden Threat to Users Life Satisfaction? 11 th Intnl Conference on Wirtschaftspolitik, Leipzig, Germany

70 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?70 20/5/ Minhas recomendações (cont.) Atividades de longo prazo Desenvolver autocontrole Ex.: acordar de manhã e adiar o máximo possível o acesso à Internet e o uso do computador Usar no máximo uma vez por dia Fazer atividades artísticas Pintura, desenho, modelagem, cerâmica, teatro,... Ver meu ensaio Um antídoto contra o pensamento computacional Ler pelo menos um bom romance a cada mês ou 2 meses Desenvolve a imaginação e a concentração

71 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?71 20/5/ Minhas complementações (cont.) Atividades de longo prazo (cont.) Ler uma poesia por dia Recomendação de Darwin (!), no fim de sua vida Hemleben, J. Darwin. Reinbeck: Ro Ro Ro, 1976, pp Decorar as que mais gostar Repetir mentalmente durante qualquer tempo livre Ao ler um livro técnico, científico ou filosófico Usar impresso Sublinhar trechos mais importantes Fazer no livro um índice para esses trechos Tudo isso força a concentração no texto Aprender e praticar um instrumento musical Ex.: Qualquer pessoa pode aprender a tocar flauta doce Até sozinho, com ajuda esporádica de alguém Comprar um método

72 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?72 20/5/ Minhas recomendações (cont.) Atividades de longo prazo (cont.) Cantar em um coral Diariamente: exercícios de concentração mental Com olhos fechados, produzir inicialmente calma interior Sensação muito especial Em seguida, pensar em algo sem divagar Ex.: mostrador numérico de senha Imaginar e falar interiormente números vermelhos de 100 a 0 Cuidado para não falar ou imaginar outras imagens Notar a liberdade interior, o livre arbítrio!

73 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?73 20/5/ Minhas recomendações (cont.) O computador produz uma real poluição mental Indisciplina mental, pensamento maquinal Sensações de desafio, de poder e de excitação Ações mecânicas, abafamento do autocontrole As atividades de longo prazo recomendadas têm a finalidade de estabelecer um equilíbrio e higienizar a mente Só praticando-as pode se perceber o seu efeito benéfico

74 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?74 20/5/ Minhas recomendações (cont.) ESPERO QUE VOCES TENHAM ENERGIA E CORAGEM PARA SE CONSCIENTIZAREM DOS PROBLEMAS DA INTERNET E DOS MEIOS ELETRÔNICOS ASSUMIREM O AUTOCONTROLE REDIRECIONAREM E APERFEIÇOAREM SUA VIDA MENTAL E COM ISSO TEREM UMA VIDA MAIS SAUDÁVEL SOCIALMENTE MAIS PRODUTIVA

75 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?75 20/5/14 TÓPICOS ۷Introdução ۷ Resumo de todos os capítulos ۷ Meus comentários ۷ Minhas complementações ۷ Minhas recomendações

76 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?76 20/5/14 F I M

77 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?77 20/5/14 O QUE A INTERNET ESTÁ FAZENDO COMIGO? Valdemar W. Setzer Depto. de Ciencia da Computação, Universidade de São Paulo google: valdemar setzer (Ver no site: o artigo O que a Internet está fazendo com nossas mentes, na seção Apresentações a apresentação completa e em Vídeos a gravação da palestra de 18/10/11 no IME-USP)

78 Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?78 20/5/14 O QUE A INTERNET ESTÁ FAZENDO COM NOSSAS MENTES (apresentação super-resumida) Valdemar W. Setzer Depto. de Ciencia da Computação, Universidade de São Paulo google: valdemar setzer (Ver no site: o artigo O que a Internet está fazendo com nossas mentes, na seção Apresentações, a apresentação completa e em Vídeos a gravação da palestra de 18/10/11 no IME-USP)


Carregar ppt "Valdemar W. Setzer – O que a Internet está fazendo comigo?1 20/5/14 O QUE A INTERNET ESTÁ FAZENDO COM NOSSAS MENTES (apresentação resumida) Valdemar W."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google