A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

© 2005 Pearson Education, Inc. Slide 1- 0 AULA 03: CORONÉIS e OLIGARCAS: AS RELAÇÕES DE PODER NO RN (1870-1930) HISTÓRIA DO RN.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "© 2005 Pearson Education, Inc. Slide 1- 0 AULA 03: CORONÉIS e OLIGARCAS: AS RELAÇÕES DE PODER NO RN (1870-1930) HISTÓRIA DO RN."— Transcrição da apresentação:

1 © 2005 Pearson Education, Inc. Slide 1- 0 AULA 03: CORONÉIS e OLIGARCAS: AS RELAÇÕES DE PODER NO RN ( ) HISTÓRIA DO RN

2 © 2005 Pearson Education, Inc. Slide 1- 1 Entres os anos de , a província do RN encontrava-se convulsionada pelo (a): períodos de seca; conflito entre grandes proprietários de terras e posseiros; luta pelo poder político entre famílias (oligarquias); 1. QUADRO GERAL

3 © 2005 Pearson Education, Inc. Slide 1- 2 Manifestações de violência e revolta, através do(a): Resistência ao recrutamento militar obrigatório; Disputas entre facções políticas opostas; Conflitos armados entre os coronéis; Ataques/saques a fazendas, vilas e cidades por parte de cangaceiros (banditismo); Revoltas populares motivadas pela alta dos preços; Levante de escravos contra os maus-tratos.

4 © 2005 Pearson Education, Inc. Slide MOVIMENTO ABOLICIONISTA NO RN Caráter pouco significativo da mão de obra escrava do RN; Lei Eusébio de Queirós (1850) e tráfico interprovincial – evasão de escravos do RN para as zonas cafeicultoras; Críticas de estudantes, padres, militares, jornalistas, artistas e intelectuais norte- riograndense à escravidão; Fundação de Sociedade(s) Libertadora(s), em: Macaíba (década de 1860); Mossoró (década de 1880); Natal (1888);

5 © 2005 Pearson Education, Inc. Slide 1- 4 Em 30 de setembro de 1883, foi abolida a escravidão em Mossoró, seguida por outras cidades como: Açu; Caraúbas; São José de Mipibu; Assinada a Lei Áurea (1888), o Presidente de Província do RN libertou mais de 480 escravos que ainda existiam no estado.

6 © 2005 Pearson Education, Inc. Slide MOVIMENTO REPUBLICANO NO RN Adesão republicana no RN por parte dos filhos da elite agrária que cursaram Direito e Medicina, em PE e RJ; Propaganda sistemática das ideias republicanas através dos seguintes periódicos: jornal Jaguarari (1851), dirigido por Manuel Brandão; revista Eco Miguelinho (1874), dirigida por Joaquim Teófilo; jornal O Povo (1889 – Caicó), publicação do Manifesto Republicano por Janúncio da Nóbrega Filho;

7 © 2005 Pearson Education, Inc. Slide 1- 6 jornal A República (1889 – Natal), dirigido por Pedro Velho de Albuquerque Maranhão; Fundação do Centro Republicano Seridoense por Janúncio Nóbrega; Fundação do Partido Republicano do Rio Grande do Norte, por Pedro Velho; Proclamada a República (1889), Aristides Lobo (ministro do Interior) nomeou Pedro Velho Presidente do RN.

8 © 2005 Pearson Education, Inc. Slide REPÚBLICA OLIGÁRQUICA NO RN Período marcado pela violência e fraudes eleitorais, através da política coronelística; Controle político das oligarquias: Albuquerque Maranhão – ligada a economia açucareira; Bezerra de Medeiros – ligada a economia algodoeira;

9 © 2005 Pearson Education, Inc. Slide 1- 8 A) GOVERNO DE PEDRO VELHO Eleito Presidente do RN, adotou uma política de nepotismo/clientelismo: Alberto Maranhão (irmão) – Secretário do Governo; Augusto Severo (irmão) – Deputado Federal; João Tavares de Lyra (primo) – Chefe dos Correios; Amaro Cavalcanti (aliado) – Ministro da Fazenda; José Bernardo de Medeiros (aliado) – Senador; B) GOVERNO DE FERREIRA CHAVES Eleito Presidente do RN, foi responsável pelo(a):

10 © 2005 Pearson Education, Inc. Slide 1- 9 construção de açudes em Martins e Pau dos Ferros; início da edificação do Teatro Carlos Gomes; repressão ao movimento messiânico na Serra de João do Vale (Campo Grande) liderado por João Ramalho; alteração constitucional, que reduziu de 35 para 25 anos a idade mínima para se candidatar a Presidente de Estado; C) GOVERNO DE ALBERTO MARANHÃO Atuação política pouco expressiva; Conflito fronteiriço entre CE e RN – Questão de Grossos; Eleito deputado federal, foi substituído por Tavares de Lyra;

11 © 2005 Pearson Education, Inc. Slide D) GOVERNO DE TAVARES DE LYRA Apesar do tradicional nepotismo, sua gestão caracterizou-se pelo(a): fundação do Banco do Natal; edificação da praça Augusto Severo; pavimentação e urbanização de Natal; iluminação pública a gás acetileno; construção da Estrada de Ferro Central, que ligava Natal – Ceará Mirim; Em 1906, afastou-se do governo e tornou-se Ministro da Justiça. E) GOVERNO DE ALBERTO MARANHÃO Regressou ao poder, em 1908, para um governo pleno de realizações como o (a):

12 © 2005 Pearson Education, Inc. Slide eletrificação da Cidade Alta, Alecrim, Tirol e Petrópolis; instalação de redes telefônicas; implantação de linhas férreas para bondes elétricos; conclusão do Teatro Carlos Gomes (Alberto Maranhão); extensão do ensino primário público a todo o RN; fundação do centro educacional Frei Miguelinho; estímulo a cultura local;

13 © 2005 Pearson Education, Inc. Slide edificação do Hospital Juvino Barreto (Onofre Lopes); construção do Asilo dos Alienados (antigo Lazareto da Piedade); F) GOVERNO DE JOSÉ AUGUSTO Caracterizou-se por uma política e reurbanização e reformas médicas e sanitárias; Criação da Comissão de Saneamento de Natal; Implantação do Departamento de Agricultura e Obras Públicas; criação do Serviço Especial do Algodão; implantação da Universidade Popular, com sede em Natal, Goianinha e Touros.

14 © 2005 Pearson Education, Inc. Slide F) GOVERNO DE JUVENAL LAMARTINE Adotou uma série de medidas tais como o (a): importação de mudas de fumo, amoreiras e laranjeiras; criação da Estação de Monta, em Jundiaí; fundação de 50 escolas; inauguração do Leprosário Francisco de Assis; criação do Aero Clube de Natal e da Escola de Aviação; No contexto da Revolução de 30 Lamartine foi deposto e exilou-se na Europa.


Carregar ppt "© 2005 Pearson Education, Inc. Slide 1- 0 AULA 03: CORONÉIS e OLIGARCAS: AS RELAÇÕES DE PODER NO RN (1870-1930) HISTÓRIA DO RN."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google