A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Curso Proteção Respiratória na Indústria da Madeira -Série Solução SST- Aula 1 Departamento Regional Coordenadoria de Educação Local, 00 de mês de ano.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Curso Proteção Respiratória na Indústria da Madeira -Série Solução SST- Aula 1 Departamento Regional Coordenadoria de Educação Local, 00 de mês de ano."— Transcrição da apresentação:

1 Curso Proteção Respiratória na Indústria da Madeira -Série Solução SST- Aula 1 Departamento Regional Coordenadoria de Educação Local, 00 de mês de ano.

2 Introdução Nas atividades de trabalho existem inúmeros contaminantes que, por ficarem suspensos no ar, podem resultar em intoxicações e doenças respiratórias nas pessoas desprotegidas.

3 Objetivo Compreender que a indústria madeireira atual é uma indústria sustentável, cujo processo envolve cobertura florestal, extração e beneficiamento da madeira e que, como em qualquer indústria, é importante proteger-se dos resíduos industriais, que podem causar doenças. Disponível em: http://office.microsoft.com. Acesso em: 27 abr. 2010.

4 Notícias da Mídia Alguns trabalhadores apresentam rinite alérgica em decorrência da exposição ao pó de madeira. Disponível em: www.amazon.com.br. Acesso em: 27 abr. 2010. Alguns trabalhadores apresentam rinite alérgica em decorrência da exposição ao pó de madeira. Disponível em: www.amazon.com.br. Acesso em: 27 abr. 2010.

5 Máquinas muito antigas e sem proteção para o trabalhador aumentam a necessidade de atenção para o uso de EPI. Revista FAE BUSINESS, 9 setembro 2004. Máquinas muito antigas e sem proteção para o trabalhador aumentam a necessidade de atenção para o uso de EPI. Revista FAE BUSINESS, 9 setembro 2004. Notícias da Mídia

6

7 Conceito - Indústria Madeireira Setor da atividade industrial baseado no processamento da madeira, desde o plantio até a transformação em objetos de uso prático, passando pela extração, corte, armazenamento, tratamento bioquímico e modelagem. Disponível em: http://office.microsoft.com. Acesso em: 27 abr. 2010.

8 Cobertura florestal A crescente demanda por matéria-prima do setor madeireiro vem reforçando a importância de incentivos e investimentos em florestas plantadas (ABRAF1, 2007). As exigências do consumidor consciente fazem com que as indústrias se preocupem e façam uso dos recursos naturais de forma adequada e sustentável.

9 Composição do ar limpo Disponível em: http://crv.educacao.mg.gov.br. Acesso em: 27 abr. 2010.

10 Sistema respiratório Disponível em: http://acmarretti.wordpress.com. Acesso em: 27 abr. 2010.

11 Defesas naturais Pelos Cílios Muco Disponível em:http://pt.wikipedia.org. Acesso em: 27 abr. 2010.

12 Principais agentes presentes defensivos agrícolas (no campo); produtos químicos (no tratamento da madeira e na industrialização); e, poeiras da madeira (processo de beneficiamento e industrialização); SESI, 2008.

13 Defensivos agrícolas Também conhecidos como agroquímicos ou agrotóxicos, são produtos empregados para evitar ou reduzir os danos econômicos causados por pragas, doenças e ervas invasoras na área florestal. Disponível em: http://4.bp.blogspot.com. Acesso em: 27 abr. 2010.

14 Defensivos agrícolas Manuseio

15 Manuseio e aplicação Atividades consideradas de maior risco, pois o usuário irá manipular um produto altamente concentrado. Defensivos agrícolas Fundacentro, 2002.

16 Velocidade aproximada do ar na altura do bico DescriçãoSinais visíveisPulverização Menos que 2,0 km/hCalmo A fumaça sobe verticalmente. Pulverização não recomendável De 2,0 a 3,2 km/h Quase calmo A fumaça é inclinada. Pulverização não recomendável De 3,2 a 6,5 km/hBrisa leve As folhas oscilam. Sente-se o vento na face. Ideal para pulverização De 6,5 a 9,6 km/hVento leve Folhas e ramos finos em constante movimento. Evitar pulverização De 9,6 a 14,5 km/h Vento moderado Movimento de galhos. Poeira e pedaços de papel são levantados. Impróprio para pulverização Defensivos agrícolas - aplicação Disponível em: www.andef.com.br. Acesso em: 20 mar. 2010.

17 Boné Árabe Viseira Respirador com carvão ativado Jaleco de algodão com hidrorrepelente Avental Impermeável Luva de nitrila ou neoprene Calça de algodão com hidrorrepelente Bota de borracha EPI Disponível em: http://www.nsafra.com.br. Acesso em: 24 mar. 2010.

18 Forma dos agentes químicos Poeiras Material sólido quebrado, moído ou triturado. Quanto menor, mais tempo fica em suspensão (NO AR): chance de inalação. Névoas Material líquido SPRAY Quebra mecânica, resultando em pequenas gotículas...... OLIVEIRA e DIETRICH, s.d.

19 Fumos Na fundição de metais, o vapor resfria rapidamente, criando partículas muito finas. Vapores Evaporação de líquidos ou sólidos. Geralmente são caracterizados pelos odores. Gases Substâncias que na CNTP (Condições Normais de Temperatura e Pressão) encontram-se na forma gasosa. OLIVEIRA e DIETRICH, s.d.

20 Os produtos químicos podem ser de tipo: Disponível em: http://factor-segur.pt. Acesso em: 27 abr. 2010.

21 Sintomas de intoxicação Intoxicação aguda Intoxicação crônica Disponível em: http://sons.festim.net. Acesso em: 27 abr. 2010.

22 O que fazer em casos de intoxicação? Disponível em: http://www.gojuryu.com.br. Acesso em: 27 abr. 2010. Chame imediatamente: Corpo de Bombeiros: 193 SAMU: 192 Informações importantes podem ser obtidas no Centro de Informações Toxicológicas (CIT) – 0800 722 6001

23 Principais doenças Asma ocupacional Pneumoconiose Doenças granulomatosas

24 Asma ocupacional Pulmões normais Disponível em: http://asmasobcontrole.com.br. Acesso em: 27 abr. 2010. Disponível em: http://www.engtrab.com.br. Acesso em: 27 abr. 2010.

25 Asma Disponível em: http://www.msd-brazil.com. Acesso em: 27 abr. 2010. Figura 1 Figura 2 Figura 3

26 Sintomas da asma ocupacional Dispnéia (falta de ar) Tosse Sibilos Espirros Lacrimejamento Disponível em: http://portalsaofrancisco.com.br. Acesso em: 27 abr. 2010.

27 Diagnóstico da asma ocupacional Disponível em: http://www.asmasobcontrole.com.br. Acesso em: 27 abr. 2010.

28 Prevenção e tratamento da asma Disponível em: http://www.asmasobcontrole.com.br. Acesso em: 27 abr. 2010.

29 Pneumoconiose Vista frontal dos pulmões (cortados) Disponível em: http://portalsaofrancisco.com.br. Acesso em: 27 abr. 2010.

30 Sintomas da pneumoconiose Disponível em: http://pat.feldman.com.br. Acesso em: 27 abr. 2010.

31 Diagnóstico da pneumoconiose Publio, 2008. Espirometria

32 Prevenção da pneumoconiose Publio, 2008.

33 Doenças granulomatosas Doença potencialmente letal. Nessa doença, os vasos sanguíneos dos pulmões inflamam e pode haver uma destruição parcial do tecido pulmonar.

34 Sintomas e diagnóstico da granulomatosa Disponível em: http://clinotavora.planetaclix.pt. Acesso em: 27 abr. 2010.

35 Tratamento da granulomatosa Caso não seja tratada, a doença pode piorar rapidamente e levar à morte. Por essa razão, o tratamento deve ser iniciado imediatamente após o estabelecimento do diagnóstico.

36 Fatores que podem desencadear uma doença profissional a concentração do agente contaminante no ambiente de trabalho; o tempo de exposição; as características pessoais de cada indivíduo; a presença de vários agentes contaminantes ao mesmo tempo; a falta da devida proteção.

37 O que devemos fazer para nos protegermos? ? ? ? ? ? ? ? ? ?

38 Agradecemos sua participação e esperamos você na próxima aula.

39 Curso Proteção Respiratória na Indústria da Madeira - Série Solução SST - Aula 2 Departamento Regional Coordenadoria de Educação Local, 00 de mês de ano.

40 Resgatando os principais temas da aula 1 Você aprendeu sobre a indústria madeireira e suas atuações sustentáveis; conheceu o sistema respiratório e seu mecanismo de funcionamento; foi instruído sobre os riscos dessa atividade profissional; foi informado sobre as principais doenças respiratórias relacionadas às atividades profissionais da Indústria Madeireira, suas formas de diagnóstico e tratamento.

41 Usando-se equipamento de proteção individual – EPI. O EPI estabelece um certo grau de proteção, entretanto o usuário deverá manter atenção ao que está fazendo e procurar se expor o mínimo necessário. O risco pode ser administrado

42 O empregador avalia os riscos para a segurança e a saúde dos trabalhadores de acordo com a presença de agentes prejudiciais. A empresa assegura que os riscos sejam minimizados. Disponível em: http://office.microsoft.com. Acesso em: 27 abr. 2010.

43 Medidas de Prevenção Coletiva Fundacentro, 2002.

44 EPI - Equipamentos de Proteção Individual O uso dos EPI é fundamental para reduzir o risco de absorção do produto tóxico pelo organismo, protegendo a saúde do trabalhador.

45 A empresa fornece aos empregados, gratuitamente, EPI adequado ao risco, em perfeito estado de conservação e funcionamento, nas seguintes situações: NR6 – 6.3

46 Respiradores Disponível em: http://www.rubberplastic.com.br. Acesso em: 27 abr. 2010.

47 com filtros mecânicos (contra partículas); com filtros químicos (contra gases ou vapores nocivos). Respiradores Disponível em: http://dmvr.com.br. Acesso em: 27 abr. 2010.

48 Disponível em: www.3m.com.br. Acesso em: 10 mar. 2010.

49 Em um respirador deve-se considerar a eficiência do filtro; a vedação; o tempo de uso.

50 Treinamento Todo o usuário recebe treinamento inicial, quando designado para uma atividade. Esse treinamento pode se repetir, quando necessário, a cada 12 meses. ANDEF, 2006.

51 Uso correto dos respiradores descartáveis 123 Disponível em: www.3m.com.br. Acesso em: 10 mar. 2010.

52 Uso correto dos respiradores não descartáveis Disponível em: www.3m.com.br. Acesso em: 10 mar. 2010.

53 Cuidados com o respirador Disponível em: www.3m.com.br. Acesso em: 10 mar. 2010.

54 Procedimentos para evitar contaminação Usar o EPI necessário, em bom estado e de forma adequada; lavar bem as mãos e o rosto antes de comer, beber ou fumar; tomar banho com bastante água e sabão ou sabonete, lavando bem o couro cabeludo, as axilas, as unhas e as regiões genitais; mantenha sempre a barba bem feita, unhas e cabelos cortados.

55 Procedimentos para lavar os EPI Os EPI devem ser lavados separadamente da roupa comum. As vestimentas de proteção devem ser enxaguadas com bastante água corrente para diluir e remover os resíduos. A lavagem deve ser feita de forma cuidadosa, com sabão neutro. O enxágue deve remover todo o sabão.

56 Controle médico Nos trabalhadores expostos aos contaminantes o exame clínico é realizado anualmente, enquanto os exames toxicológicos têm uma periodicidade semestral. Não deixe de fazer os exames! Disponível em: http://www.ssm.gov.mo. Acesso em: 27 abr. 2010.

57 Atividade em Grupo

58 PARA REFLETIR Não existem substâncias seguras. Existem formas seguras de utilizá-las!

59 ALVES FILHO, J. P. Cartilha do Trabalhador: Prevenção de Acidentes no Uso de Agrotóxicos. Fundacento: 2002. ANDEF – Associação Nacional de Defesa Vegetal. de Manual de uso Correto e Seguro de Produtos Fitossanitários / Agrotóxicos. BAGATIN, E. et.al. Doenças Granulomatosas Ocupacionais. Jornal Brasileiro de Pneumologia 2006;32(Supl 1):S69-S84. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Pneumoconioses. Editora do Ministério da Saúde, Brasília, 2006. CARNEIRO, L. REACH. Nos Serviços de Segurança e Saúde no Trabalho. ACT – Autoridades para as Condições de Trabalho. Porto, Portugal: Setembro/2009. LIMA, M. M. T. M Desafios e Resultados da Boa Prática da Higiene Ocupacional: Alguns Estudos no Campo da Avaliação das Poeiras. XIII Simpósio do ISMAI Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho. Maia, Portugal: novembro de 2008. PLUBIO, A. Z. Prevalência de sintomas respiratórios entre trabalhadores da indústria moveleira, da cidade de Votuporanga – SP. Tese de Doutorado apresentada à Pós-Graduação da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas, para obtenção de título de Doutor em Saúde Coletiva, área de concentração em Saúde Coletiva. Campinas, São Paulo: 2008. Referências

60 Obrigada pela Atenção.


Carregar ppt "Curso Proteção Respiratória na Indústria da Madeira -Série Solução SST- Aula 1 Departamento Regional Coordenadoria de Educação Local, 00 de mês de ano."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google