A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Slide 1 Capítulo 6: Produção Aborda o lado da oferta de mercado. A teoria da firma trata: Do modo pelo qual uma firma toma decisões de produção minimizadoras.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Slide 1 Capítulo 6: Produção Aborda o lado da oferta de mercado. A teoria da firma trata: Do modo pelo qual uma firma toma decisões de produção minimizadoras."— Transcrição da apresentação:

1 Slide 1 Capítulo 6: Produção Aborda o lado da oferta de mercado. A teoria da firma trata: Do modo pelo qual uma firma toma decisões de produção minimizadoras de custo, otimizando o uso dos fatores de produção Do modo pelo qual os custos de produção variam com o nível de produção e o preço dos fatores De características da oferta de mercado De problemas das atividades produtivas em geral

2 Slide 2 Capítulo 6: Produção O processo produtivo Combinação e transformação de insumos ou fatores de produção em produtos Tipos de insumos (fatores de produção) Trabalho Capital Recursos naturais

3 Slide 3 Produção Função de produção Indica o nível de produção que uma firma pode atingir para cada possível combinação de insumos, dado o estado da tecnologia. Mostra o que é tecnicamente viável quando a firma opera de forma eficiente. No caso de dois insumos a função de produção é: Q = F (K,L) Q = Produto, K = Capital, L = Trabalho Essa função depende do estado da tecnologia.

4 Slide 4 Produção Curto prazo versus longo prazo Curto prazo: Período de tempo no qual as quantidades de um ou mais insumos NÃO podem ser modificadas. Desta forma a firma tem um tamanho dado. Tais insumos são denominados insumos ou fatores fixos. Longo prazo Período de tempo em que todos os insumos ou fatores são variáveis. Não há insumo fixo. A firma está mudando de tamanho.

5 Slide 5 Quantidade Quantidade Produto Produto Produto de trabalho (L)de capital (K) total (Q)médiomarginal Produção com um insumo variável (trabalho)

6 Slide 6 1. À medida que aumenta o número de trabalhadores, o produto (Q) aumenta, atinge um máximo e, então, decresce. 2. O produto médio do trabalho (PM), ou produto por trabalhador, inicialmente aumenta e depoisdiminui. Produção com um insumo variável (trabalho)

7 Slide 7 3. O produto marginal do trabalho (PMg), ou produto de um trabalhador adicional, aumenta rapidamente no início, depois diminui e se torna negativo. Produção com um insumo variável (trabalho)

8 Slide 8 Produto total A: inclinação da tangente = PMg (20) B: inclinação de OB = PM (20) C: inclinação de OC=PMg & PM Trabalho mensal Produção mensal A B C D Produção com um insumo variável (trabalho)

9 Slide 9 Produto médio Produção com um insumo variável (trabalho) Produção mensal por trabalhador Trabalho mensal 30 E Produto marginal Observações: À esquerda de E: PMg > PM & PM crescente À direita de E: PMg < PM & PM decrescente E: PMg = PM & PM máximo

10 Slide 10 Observações Quando PMg = 0, PT encontra-se no seu nível máximo Quando PMg > PMe, PMe é crescente Quando PMg < PMe, PMe é decrescente Quando PMg = PMe, PMe encontra-se no seu nível máximo Produção com um insumo variável (trabalho)

11 Slide 11 Produção com um insumo variável (trabalho) Trabalho mensal Produção mensal A B C D 8 20 E Produção mensal por trabalhador Trabalho mensal PMe = inclinação da linha que vai da origem a um ponto sobre a curva de PT, linhas b & c. PMg = inclinação da tangente em qualquer ponto da curva de TP, linhas a & c.

12 Slide 12 Lei dos rendimentos marginais decrescentes À medida que o uso de determinado insumo aumenta, chega-se a um ponto em que as quantidades adicionais de produto obtidas tornam-se menores (ou seja, o PMg diminui). Produção com um insumo variável (trabalho)

13 Slide 13 Quando a quantidade utilizada do insumo trabalho é pequena, o PMg é grande em decorrência da maior especialização. Quando a quantidade utilizada do insumo trabalho é grande, o PMg decresce em decorrência de ineficiências. Produção com um insumo variável (trabalho) Lei dos rendimentos marginais decrescentes

14 Slide 14 Produção com um insumo variável (trabalho) Trabalho por período Produção por período A O1O1 C O3O3 O2O2 B A produtividade do trabalho aumenta à medida que ocorram avanços tecnológicos, mesmo que cada processo produtivo seja caracterizado por rendimentos decrescentes do trabalho. Efeito dos avanços tecnológicos

15 Slide 15 Malthus previu o alastramento da fome em larga escala, que decorreria dos rendimentos decrescentes da produção agrícola aliados ao crescimento populacional contínuo. No entanto, a previsão de Malthus revelou-se incorreta. Porque? Produção com um insumo variável (trabalho) Exemplo: Malthus e a crise de alimentos

16 Slide 16 Produção com um insumo variável (trabalho) Ano Índice Índice do consumo alimentar mundial per capita

17 Slide 17 Produção com um insumo variável (trabalho) Os dados mostram que o crescimento da produção mundial excedeu o crescimento populacional, o que gerou crescimento da disponibilidade de alimentos per capita. Malthus não levou em consideração os efeitos potenciais dos avanços tecnológicos, que permitiram o aumento da oferta de alimentos à taxas superiores ao crescimento da demanda por alimentos. Inovações resultaram em excesso de oferta e redução de preços. Malthus e a crise de alimentos

18 Slide 18 Produto ou produtividade do trabalho (mão-de-obra) Produção com um insumo variável (trabalho)

19 Slide 19 Produção com um insumo variável (trabalho) ,29 7,86 4,70 3,98 2, ,22 2,29 1,73 2,28 1, ,54 2,64 1,50 2,07 1, ,00 1,19 0,86 2,10 1,98 EUA Japão França Alemanha Inglaterra Taxa de crescimento anual da produtividade da mão-de-obra (%) $ $ $ $ $ Produção real por trabalhador (2001) Exemplo: Produtividade da mão-de-obra nos países desenvolvidos

20 Slide 20 Produção com dois insumos variáveis No curto prazo, trabalho é o insumo variável e capital é o insumo fixo. No longo prazo, tanto o trabalho quanto o capital são variáveis. As ISOQUANTAS descrevem as combinações de quantidades de fatores de produção, trabalho e capital, que geram a mesma produção.

21 Slide 21 Produção com dois insumos variáveis Trabalho por mês No longo prazo, o capital e o trabalho variam e apresentam rendimentos decrescentes. q 1 = 55 q 2 = 75 q 3 = 90 Capital por mês A D B C E

22 Slide 22 Produção com dois insumos variáveis Observações 1. Para qualquer nível de K, o produto aumenta quando L aumenta. 2.Para qualquer nível de L, o produto aumenta quando K aumenta. 3.Várias combinações de insumos podem produzir a mesma quantidade de produto.

23 Slide 23 Produção com dois insumos variáveis Capital Trabalho

24 Slide 24 Produção com dois insumos variáveis Trabalho por mês q 1 = 55 As isoquantas são dadas pela função de produção para níveis de produto iguais a, por exemplo, 55, 75, e 90. A D B q 2 = 75 q 3 = 90 C E Capital por mês Mapa de isoquantas

25 Slide 25 Produção com dois insumos variáveis Flexibilidade do insumo As ISOQUANTAS mostram de que forma diferentes combinações de insumos podem ser usadas para produzir a mesma quantidade de produto. Essa informação permite ao produtor reagir eficientemente às mudanças nos preços dos mercados de insumos (capital e trabalho).

26 Slide 26 Produção com dois insumos variáveis Taxa marginal de substituição decrescente Interpretação das isoquantas 1. Suponha que o nível de capital seja 3 e que o nível de trabalho aumente de 0 para 1, depois para 2 e finalmente para 3. Note que a produção aumenta a uma taxa decrescente (55, 20, 15), o que ilustra a ocorrência de rendimentos decrescentes do trabalho no curto e longo prazos.

27 Slide 27 Rendimentos marginais decrescentes Interpretação das isoquantas 2. Suponha que o nível de trabalho seja 3 e que o nível de capital aumente de 0 para 1, depois para 2 e finalmente para 3. Novamente, a produção aumenta a uma taxa decrescente (55, 20, 15), devido aos rendimentos decrescentes do capital. Produção com dois insumos variáveis

28 Slide 28 Substituição entre insumos Os diretores de uma empresa desejam determinar a combinação de insumos a ser utilizada. Eles devem levar em consideração as possibilidades de substituição entre os insumos utilizados para gerar a produção. A inclinação de cada isoquanta indica a possibilidade de substituição entre dois insumos, dado um nível constante de produção. Produção com dois insumos variáveis

29 Slide 29 A taxa marginal de substituição técnica é dada por: Produção com dois insumos variáveis Substituição entre insumos

30 Slide 30 Trabalho por mês Capital por mês As isoquantas têm inclinação negativa e são convexas, assim como as curvas de indiferença /3 1/3 q 1 =55 q 2 =75 q 3 =90 Produção com dois insumos variáveis Taxa marginal de substituição técnica

31 Slide 31 Observações: 1. A TMST cai de 2 para 1/3 à medida que a quantidade de trabalho aumenta de 1 para 5 unidades. 2. Uma TMST decrescente decorre de rendimentos decrescentes e implica isoquantas convexas. Produção com dois insumos variáveis Substituição entre insumos

32 Slide 32 Observações: 3. TMST e produtividade marginal A variação na produção resultante de uma variação na quantidade de trabalho é dada por: Produção com dois insumos variáveis Substituição entre insumos

33 Slide 33 Observações: 3. TMST e produtividade marginal A variação na produção resultante de uma variação na quantidade de capital é dada por : Produção com dois insumos variáveis Substituição entre insumos

34 Slide 34 Observações: 3. TMST e produtividade marginal Se a quantidade de trabalho aumenta, mantendo-se a produção constante, temos: Produção com dois insumos variáveis Substituição entre insumos

35 Slide 35 Trabalho por mês Capital por mês q1q1 q2q2 q3q3 A B C Produção com dois insumos variáveis Isoquantas quando os insumos são substitutos perfeitos Isoquantas quando os insumos são substitutos perfeitos

36 Slide 36 Funções de produção – dois casos especiais 1) Substitutos perfeitos Observações válidas no caso de insumos perfeitamente substituíveis: 1. A TMST é constante ao longo de toda a isoquanta. Produção com dois insumos variáveis

37 Slide 37 2) Função de produção de proporções fixas Observações válidas no caso de insumos que devem ser combinados em proporções fixas: Não é possível a substituição entre os insumos. Cada nível de produção requer uma quantidade específica de cada insumo (exemplo: trabalho e martelos pneumáticos). Produção com dois insumos variáveis Funções de produção – dois casos especiais

38 Slide 38 Trabalho (horas por ano) Capital (horas- máquina por ano) Produção = bushels por ano A B O ponto A é mais intensivo em capital, e o B é mais intensivo em trabalho. Produção com dois insumos variáveis Isoquanta que descreve a produção de trigo

39 Slide 39 Observações: 1. Operando no ponto A L = 500 horas e K = 100 horas de máquina. Produção com dois insumos variáveis Isoquanta que descreve a produção de trigo

40 Slide 40 Observações: 2. Operando no ponto B L aumenta para 760 e K diminui para 90; TMST < 1: Produção com dois insumos variáveis Isoquanta que descreve a produção de trigo

41 Slide 41 Observações: 3. TMST < 1, portanto, o custo do trabalho deve ser menor do que o custo do capital para que o agricultor substitua capital por trabalho. 4. Se o trabalho for caro, o agricultor usará mais capital (exemplo: EUA). Produção com dois insumos variáveis Isoquanta que descreve a produção de trigo

42 Slide 42 Observações: 5. Se o trabalho não for caro, o agricultor usará mais trabalho (exemplo: produção na Índia e China versus Europa). Produção com dois insumos variáveis Isoquanta que descreve a produção de trigo

43 Slide 43 Rendimentos de escala Medição da relação entre a escala (tamanho) de uma empresa e sua produção. 1. Rendimentos crescentes de escala: a produção cresce mais do que o dobro quando há duplicação do uso dos insumos Produção maior associada a custo mais baixo (automóveis) Uma empresa é mais eficiente do que muitas empresas (utilidades) As isoquantas situam-se cada vez mais próximas

44 Slide 44 Rendimentos de escala Trabalho (horas) Capital (horas- máquina) Rendimentos crescentes: As isoquantas situam-se cada vez mais próximas A

45 Slide 45 Rendimentos de escala Medição da relação entre a escala (tamanho) de uma empresa e sua produção. 2. Rendimentos constantes de escala: a produção cresce na mesma proporção do crescimento do uso dos insumos O tamanho não afeta a produtividade Grande número de produtores As isoquantas são espaçadas igualmente

46 Slide 46 Rendimentos de escala Trabalho (horas) Capital (horas- máquina) Rendimentos constantes: as isoquantas são espaçadas igualmente A 6

47 Slide 47 Rendimentos de escala Medição da relação entre a escala (tamanho) de uma empresa e sua produção. 3. Rendimentos decrescentes de escala: a produção aumenta menos que o dobro quando ocorre duplicação do uso dos insumos Eficiência decrescente à medida que aumenta o tamanho da empresa Redução da capacidade administrativa As isoquantas situam-se cada vez mais afastadas

48 Slide 48 Rendimentos de escala Trabalho (horas) Capital (horas- máquina) Rendimentos decrescentes: as isoquantas situam-se cada vez mais afastadas A

49 Slide 49 Rendimentos de escala A indústria de tapetes nos EUA observou crescimento significativo, bem como o surgimento de algumas empresas muito grandes. Esse crescimento pode ser explicado pela presença de economias de escala? Exemplo: Rendimentos de escala na indústria de tapetes Exemplo: Rendimentos de escala na indústria de tapetes

50 Slide 50 Vendas de tapetes, 2001 (milhões de dólares por ano) Rendimentos de escala 1. Shaw Industries4.012,06. Interface Flooring639,8 2. Mohawk Industries3.350,07. Mannington Mills 555,0 3. Armstrong1.816,68. Collins & Aikman500,0 4. Beaulieu of America 1.300,09. The Dixie Group 484,6 5. Dal-Tile667,010. Domco-Tarkett419,5 A indústria de tapetes nos Estados Unidos

51 Slide 51 Rendimentos de escala Grandes fabricantes Aumentaram o maquinário e o trabalho A duplicação dos insumos mais do que dobrou a produção Logo, verificam-se economias crescentes de escala para os grandes produtores Rendimentos de escala na indústria de tapetes

52 Slide 52 Rendimentos de escala Pequenos fabricantes Pequenos aumentos na escala têm pouco ou nenhum impacto na produção Aumentos proporcionais nos insumos aumentam a produção proporcionalmente Logo, verificam-se rendimentos constantes de escala para os pequenos produtores Rendimentos de escala na indústria de tapetes

53 Slide 53 Resumo Uma função de produção descreve a produção máxima que uma empresa pode obter para cada combinação específica de insumos. Uma isoquanta é uma curva que mostra todas as combinações de insumos que resultam em um determinado nível de produção. O produto médio do trabalho mede a produtividade do trabalhador médio, enquanto o produto marginal do trabalho mede a produtividade do último trabalhador incluído no processo produtivo.

54 Slide 54 Resumo A lei dos rendimentos decrescentes explica que o produto marginal de um insumo diminui quando a quantidade desse insumo é aumentada. As isoquantas inclinam-se sempre para baixo porque o produto marginal de todos os insumos é positivo. O padrão de vida que um país pode oferecer a seus cidadãos está intimamente relacionado a seu nível de produtividade. Na análise de longo prazo, tendemos a enfocar a escolha da empresa em termos de escala ou dimensão de operação.


Carregar ppt "Slide 1 Capítulo 6: Produção Aborda o lado da oferta de mercado. A teoria da firma trata: Do modo pelo qual uma firma toma decisões de produção minimizadoras."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google