A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

4º COLOQUIO CAMINHOS PARA O ESPIRITISMO NOVAS CONVERSAS COM AS VOZES NA OBRA DE KARDEC AGOSTINHO NA CODIFICAÇÃO E NA SUA ENCARNAÇÃO NOS SEC. IV-V JOÃO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "4º COLOQUIO CAMINHOS PARA O ESPIRITISMO NOVAS CONVERSAS COM AS VOZES NA OBRA DE KARDEC AGOSTINHO NA CODIFICAÇÃO E NA SUA ENCARNAÇÃO NOS SEC. IV-V JOÃO."— Transcrição da apresentação:

1 4º COLOQUIO CAMINHOS PARA O ESPIRITISMO NOVAS CONVERSAS COM AS VOZES NA OBRA DE KARDEC AGOSTINHO NA CODIFICAÇÃO E NA SUA ENCARNAÇÃO NOS SEC. IV-V JOÃO CARLOS BARREIRO – 08/12/2013

2 – Quanto a mim, não me envergonharei de aprender se me acho no erro... Por isso, prossiga comigo quem comigo está certo; Procure comigo quem comigo divide a minha dúvida; Volte a mim quem reconhece seu erro; Advirta-me quem descobre o meu. ( Agostinho - De trinitate até 420) 354 – nascimento 386 – conversão 388 – Livro I De Libero Arbitrio 391 – 395 – Livro II e III De Libero Arbitrio 395 – Bispo de Hipona 396 – respostas a Simpliciano 397 – 401 – Confissões morte

3 MANIFESTAÇÕES DE AGOSTINHO NA CODIFICAÇÃO 1.O Livro dos Espíritos: Prolegômenos; questão 495 (Anjo Guardião); questão 919 (Conhecimento de si mesmo) e questão 1009 (Penas e gozos futuros) 2.O Livro dos Médiuns : Cap. XXXI – Dissertações I (Acerca do espiritismo) e XVI (Sobre as sociedades espíritas) 3.O Evangelho Segundo o Espiritismo : Cap. III – item 13 (mundos de expiações e provas); 16 (mundos regeneradores) e 19 (progressão dos mundos). Cap. V – item 19 (o mal e o remédio). Cap. XII – itens 12 e 15 (sobre o duelo). Cap. XIV – item 9 (ingratidão dos filhos e os laços de família). Cap. XXVII – item 23 (felicidade que a prece proporciona). 4.O Céu e o Inferno : comentário sobre a manifestação de um espírito.

4 5. Revista Espírita: 1859 – janeiro: os anjos da guarda - maio: respondendo perguntas sobre mundos transitórios 1862 – fevereiro: o espiritismo é provado por milagres? - março: a vinha do Senhor - abril: sobre os mártires do espiritismo; sobre perseguição - maio: aos membros da Sociedade que partem para a Rússia; comentando comunicação de Voltaire - julho: sobre o suicídio - agosto: à Sociedade Espírita de Paris; sobre a prece - setembro: sobre as férias da Sociedade julho: sobre as comunicações espíritas - agosto: sobre Jean Reynaud - novembro: o verdadeiro espírito das tradições novembro: sobre os espíritos que ainda se julgam vivos - dezembro: sobre os mortos junho: o trabalho

5 11. Santo Agostinho é um dos maiores vulgarizadores do Espiritismo. Manifesta-se quase por toda parte. A razão disso, encontramo-la na vida desse grande filósofo cristão. Pertence ele à vigorosa falange do Pais da Igreja, aos quais deve a cristandade seus mais sólidos esteios. Como vários outros, foi arrancado ao paganismo, ou melhor, à impiedade mais profunda, pelo fulgor da verdade. Quando, entregue aos maiores excessos, sentiu em sua alma aquela singular vibração que o fez voltar a si e compreender que a felicidade estava alhures, que não nos prazeres enervantes e fugitivos; quando, afinal, no seu caminho de Damasco, também lhe foi dado ouvir a santa voz a clamar-lhe: "Saulo, Saulo, por que me persegues?" exclamou: "Meu Deus! Meu Deus! perdoai-me, creio, sou cristão!" E desde então tornou- se um dos mais fortes sustentáculos do Evangelho.

6 Podem ler-se, nas notáveis confissões que esse eminente espírito deixou, as características e, ao mesmo tempo, proféticas palavras que proferiu, depois da morte de Santa Mônica: Estou convencido de que minha mãe me virá visitar e dar conselhos, revelando-me o que nos espera na vida futura. Que ensinamento nessas palavras e que retumbante previsão da doutrina porvindoura! Essa a razão por que hoje, vendo chegada a hora de divulgar-se a verdade que ele outrora pressentira, se constituiu seu ardoroso disseminador e, por assim dizer, se multiplica para responder a todos os que o chamam. Erasto, discípulo de S. Paulo. (Paris, 1863.)

7 O verdadeiro caminho, que é o Salvador, encantava-me, mas ainda me repugnava enveredar por seus estreitos desfiladeiros. Inspiraste-me então a ideia – que, no meu conceito, julguei boa – de ir falar com Simpliciano... Desagradava-me a vida que levava no mundo. Era para mim de grande peso, agora que as paixões e a esperança de honras e dinheiro já me não animavam,... a sofrer tão pesada servidão. Sim, tudo isso já me não deleitava, em vista da vossa doçura e da beleza da vossa casa, que amei. Mas ainda estava tenazmente ligado à mulher. Já encontrara a pérola preciosa que devia comprar, depois de vender tudo o que possuía. Mas duvidava ainda. Dirigi-me, portanto, a Simpliciano... Narrei-lhe os labirintos do meu erro.

8 Quando, porém, lhe disse que tinha lido uns livros platônicos vertidos para o latim por Vitorino – outrora retórico em Roma e de quem eu ouvira dizer ter morrido cristão -, Simpliciano deu- me os parabéns... Em seguida, para me exortar à humildade de Cristo, falou de Vitorino, a quem conhecera intimamente, quando estava em Roma. Contou que Vitorino lia a Sagrada Escritura e que na intimidade dizia a Simpliciano: Sabes que eu já sou cristão? E Simpliciano respondia: Não acreditarei em ti nem te contarei entre os cristãos, enquanto te não vir na Igreja de Cristo. Vitorino sorria, dizendo: Portanto, são as paredes da igreja que nos fazem cristãos? Mas, Um dia Mario Vitorino diz a Simpliciano: Vamos á igreja; quero fazer-me cristão. Sua conversão causou admiração em Roma, principalmente porque não aceitou fazer a profissão de fé num lugar isolado, preferindo expor-se para toda a comunidade cristã. Pareceu-me que Vitorino era tão corajoso como feliz,... Por isso eu suspirava, atado, não pelas férreas cadeias duma vontade alheia, mas pelas minhas, também de ferro. O inimigo dominava o meu querer, e dele me forjava uma cadeia com que me apertava.

9 Ora, a luxúria provém da vontade perversa; enquanto se serve à luxuria, contrai-se o hábito; e, se não se resiste ao hábito origina-se uma necessidade. A vontade nova que começava a existir em mim, a vontade de Vos honrar... ainda não se achava apta para superar a outra vontade, fortificada pela concupiscência. Assim, duas vontades... uma carnal e outra espiritual, trabalhavam mutuamente em mim. Discordando, dilaceravam-me a alma. A vontade é capaz de mover, por exemplo, o corpo e seus membros com um simples querer, a alma manda que a mão, a cabeça ou as pernas se movam e elas se movem; entretanto, o querer não é suficiente para mover a própria vontade, a alma não é suficiente para mover a própria alma: Donde este monstro? E por que isto?.

10 Agostinho vai procurar na própria vontade a divergência entre o querer e poder dentro da alma: a vontade humana não é plena. Agostinho faz questão de ressaltar que era Eu que queria e era Eu que não queria. As direções boas e más da vontade se encerram na própria vontade. E isto já não era eu que operava aquilo, mas por que habitava em mim o pecado, por causa do castigo do pecado aos filhos, porque era filho de Adão (Rm 7,17). Em outras palavras, para Agostinho o pecado original é a causa da vontade cindida, e o pecador justamente por ter a vontade cindida, não consegue mais unificar a vontade, perpetuando o pecado. O homem não consegue voltar sua vontade para o Bem Supremo, preferindo os bens inferiores.

11 A palavra de Iahweh me foi dirigida nestes termos: Que vem a ser este provérbio que vós usais na terra de Israel: Os pais comeram uvas verdes e os dentes dos filhos ficaram embotados? Por minha vida, oráculo do Senhor Iahweh, não repetireis jamais este provérbio em Israel. Todas as vidas me pertencem, tanto a vida do pai, como a do filho. Pois bem, aquele que pecar, esse morrerá. (Ezequiel, 18) Paulo em Rm 7: Sabemos que a Lei é espiritual; mas eu sou carnal, vendido como escravo ao pecado. Realmente não consigo entender o que faço; pois não pratico o que quero, mas faço o que detesto. Ora, se faço o que não quero, reconheço que a Lei é boa. Na realidade, não sou mais eu que pratico a ação, mas o pecado que habita em mim. Eu sei que o bem não mora em mim, isto é, na minha carne.

12 Pois o querer o bem está ao meu alcance, não porém o praticá-lo. Com efeito, não faço o bem que quero, mas pratico o mal que não quero. Ora, se faço o que não quero, já não sou eu que ajo, e sim o pecado que habita em mim. Verifico, pois, esta lei; quando quero fazer o bem, é o mal que se me apresenta. Comprazo-me na lei de Deus segundo o homem interior, mas percebo outra lei em meus membros, que peleja contra a lei da minha razão e que me acorrenta à lei do pecado que existe em meus membros. Infeliz de mim! Quem me libertará deste corpo de morte? Graças sejam dadas a Deus, por Jesus Cristo Senhor nosso. Assim, pois, sou eu mesmo que pela razão sirvo à lei de Deus e pela carne à lei do pecado. [Paulo – Romanos] Assim falava e chorava oprimido pela mais amarga dor do coração. Eis que, de súbito, ouço uma voz vinda da casa próxima. Não sei se era de menino, se de menina. Cantava e repetia frequentes vezes: Toma e lê, toma e lê. Abalado, voltei onde Alípio estava sentado,... agarrei o livro das Epístolas do Apostolo, abri-o e li em silêncio o primeiro capítulo em que pus os olhos: Não caminheis em glutonarias e embriagues, nem em desonestidades e dissoluções, nem em contendas e rixas; mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo e não procureis a satisfação da carne com seus apetites(R, 13,13).

13 Não devais nada a ninguém, a não ser o amor mútuo, pois quem ama o outro cumpriu a Lei. De fato, os preceitos: Não cometerás adultério, não matarás, não furtarás, não cobiçarás, e todos os outros se resumem nesta sentença: Amarás o teu próximo como a ti mesmo,. A caridade não pratica o mal contra o próximo. Portanto, a caridade é a plenitude da Lei. Tanto mais que sabemos em que tempo vivemos: já chegou a hora de acordar, pois nossa salvação está mais próxima agora do que quando abraçamos a fé. A noite avançou e o dia se aproxima. Portanto, deixemos as obras das trevas e vistamos a armadura da luz. Como de dia, andemos decentemente: não em orgias e bebedeiras, nem em devassidão e libertinagem, nem em rixas e ciúmes. Mas vesti- vos do Senhor Jesus Cristo e não procureis satisfazer os desejos da carne. (Paulo, Rm: 13)

14 POSIÇÕES ASSUMIDAS POR AGOSTINHO EM SUAS OBRAS Deus existe. Deus é o criador de todas as coisas. A vontade é criada por Deus. A vontade, faculdade diferente da razão e do desejo, é criada com o livre arbítrio e livre. O livre arbítrio da vontade é possibilidade de escolha. A liberdade da vontade é poder efetivar a boa escolha. Há o evento do pecado original. A vontade, após o pecado original, continua a existir. O livre arbítrio, após o pecado original, permanece como possibilidade de escolha. A vontade, após o pecado original, não consegue ser mais livre de maneira autônoma. A vontade, após o pecado original, também faz aquilo que não quer, pois, permanece presa ao hábito, que se transforma em necessidade A vontade, após o pecado orginal, necessita de uma ajuda externa para retornar ao seu modo de ser original A ajuda concedida pelo Criador à vontade se chama graça. Com a graça a vontade volta a ser livre, e é capaz de retornar ao seu fim (Deus)

15 TEMAPELAGIANOSAGOSTINHO Adão Foi criado mortal e estava destinado a morrer. Passaria à vida eterna. Por sua causa a morte entrou no mundo. Pecado de Adão Prejudicou somente o próprio Adão. A humanidade estava em Adão. Todos foram afetados pelo pecado original. Lei de Deus Basta para orientar a vida humana. Com ela se age bem. É um incentivo ao homem para agir ilicitamente (contrariamente à lei) Récem-nascidos Nascem como Adão, sem pecado algum. Nascem sem pecado particular, mas com o pecado original. Crianças Como não tem pecado, se morrerem ganham a vida eterna. Precisam ser batizadas para remissão do pecado original. Cristo É um exemplo a ser seguido pelos cristãos. A humanidade depende de sua vinda para que seja salva. Graça É o livre arbítrio, a Lei de Deus e a Doutrina cristã. Infunda a Vontade humana para agir bem. Mérito É anterior à graça.É posterior à graça Livre-Arbitrio Tem a capacidade de escolher bem e mal. Salvação Ocorre pela vontade particular de cada indivíduo. Depende da graça divina. Liberdade Sinônimo de livre arbítrio.Perdida após o pecado original, depende da graça para se realizar.

16 Agostinho forneceu à Igreja Católica aquilo de que, em séculos futuros, ela tanto necessitaria: um oásis de absoluta certeza num mundo conturbado; ali estava a biblioteca de um homem cuja vida podia ser vista como uma progressão contínua para a norma eclesiástica da ortodoxia católica. (Brown, P. pg.538)...Procure comigo quem comigo divide a minha dúvida;...

17 REFERÊNCIAS Brown, P. Santo Agostinho: uma biografia. Rio de Janeiro: Ed. Recordo, Nova Cultural. Coleção: Os Pensadores – Santo Agostinho. São Paulo: Ed. Nova Cultural, Allan Kardec. Evangelho Segundo o Espiritismo. São Paulo: Livraria Allan Kardec Ed., Reis, E. V. Boas. A Faculdade da Vontade na Polêmica Antipelagiana em Santo Agostinho. Porto Alegre: PUCRS, (Doutorado em Filosofia), Bíblia de Jerusalém. São Paulo: Paulus, 2002.


Carregar ppt "4º COLOQUIO CAMINHOS PARA O ESPIRITISMO NOVAS CONVERSAS COM AS VOZES NA OBRA DE KARDEC AGOSTINHO NA CODIFICAÇÃO E NA SUA ENCARNAÇÃO NOS SEC. IV-V JOÃO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google