A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Nomear um objeto significa suprimir as três quartas partes do gozo de uma poesia, que consiste no prazer de adivinhar pouco a pouco. Sugerir, eis o sonho.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Nomear um objeto significa suprimir as três quartas partes do gozo de uma poesia, que consiste no prazer de adivinhar pouco a pouco. Sugerir, eis o sonho."— Transcrição da apresentação:

1 Nomear um objeto significa suprimir as três quartas partes do gozo de uma poesia, que consiste no prazer de adivinhar pouco a pouco. Sugerir, eis o sonho. --Mallarmé

2 Pode-se dizer que o precursor do movimento, na França, foi o poeta francês Charles Baudelaire com " As Flores do Mal ", ainda em 1857.Charles Baudelaire 1857 Mas só em 1881 a nova manifestação é rotulada, com o nome decadentismo, substituído por Simbolismo em manifesto publicado em Espalhando-se pela Europa, é na França, porém, que tem seus expoentes, como Paul Verlaine, Arthur Rimbaud e Stéphane Mallarmé.Paul VerlaineArthur RimbaudStéphane Mallarmé

3 Marco inicial = publicação de Missal e Broquéis, ambos de Cruz e Sousa - obras inaugurais em 1893 MISSAL: poemas em prosa BROQUÉIS: poesias Marco final = 1922 com a realização da Semana de Arte Moderna

4 Complexo momento de transição para o séc. XX: o Brasil não teve momento típico para o Simbolismo - produto de importação européia origens estão no Sul (região marginalizada pela elite cultural), palco da Revolução Federalista (1893/1895) Revolta da Armada (1893/1894) navios da Marinha (camada monárquica) em oposição ao governo Floriano

5 Floriano consolida a república apesar dos movimentos de revolta clima marcado por frustrações, angústias, falta de perspectiva, resultando em afastamento do real e busca do sujeito

6 nega Realismo e suas manifestações - contra materialismo, cientificismo e racionalismo valoriza as manifestações metafísicas e espirituais - subjetivismo eu = universo (também critica o eu sentimentalóide dos românticos)

7 buscam a essência do homem - alma (poesia de auto-investigação) matéria X espírito, corpo X alma, sonho e loucura busca da purificação com o espírito atingindo regiões etéreas e integração com o espaço infinito (cosmos)

8 corpo = correntes que aprisionam a alma (libertação só pela morte) primado do símbolo, valorização da metáfora, onde o símbolo é sugestão palavras transcendem significado - cheio de sinestesias, assonâncias e aliterações O fato de preferirem as palavras névoa, neblina, e palavras do genêro, transmite a idéia de uma Obsessão pelo branco.

9 musicalidade do verso - Paul Verlaine, que em seu poema "Art Poétique", afirma: " De la musique avant toute chose... " (" A música antes de mais nada...")Paul Verlaine poesia pura - surge do espírito irracional, não-conceitual e contrária à interpretação lógica temática da consciência da degradação da vida

10 Filho de ex-escravos, foi criado por um Marechal e sua esposa como um filho e teve educação de qualidade. Perseguido a vida inteira por ser negro, culminando com o fato de ter sido proibido de assumir um cargo de juiz só por isso. É ativo na causa abolicionista. Morre jovem de tuberculose, vítima da pobreza e do preconceito.

11 Uma de suas obsessões era cor branca, como mostra a passagem a seguir. "Ó Formas alvas, brancas, Formas claras de luares, de neves, de neblinas!... Ó Formas vagas, fluidas, cristalinas... Incenso dos turíbulos das aras..."

12 É considerado neo-romântico simbolista pois valoriza os impulsos pessoais e sua condição de indivíduo sofredor como fonte de inspiração poética. Suas poesias sempre oferecem dificuldade de leitura. Trata-se de um poeta expressivo, apelidado de Cisne Negro ou Dante Negro". Alma! Que tu não chores e não gemas Teu amor voltou agora. Ei-lo que chega das mansões extremas, Lá onde a loucura mora!

13 Poesia: Broquéis (1893), Faróis (1900), Últimos Sonetos (1905) Poesia em prosa: Tropos e Fantasias (1885), Missal (1893), Evocações (1898)

14 Apaixonado desde jovem por uma prima, sofre com a prematura morte da amada e passa por uma crise de doença e boêmia. Forma-se em Direito e Ciências Sociais, colaborando sempre na melhor imprensa paulistana. Fica conhecido como O Solitário de Mariana.

15 São constantes em sua obra: a presença constante da morte da mulher amada, os tons fúnebres de cemitérios e enterros, a nostalgia de um medievalismo romântico, além do seu famoso marianismo (culto a Virgem Maria). Sua obra prenuncia o surrealismo

16 Seus versos tinham musicalidade e sutileza para a atmosfera religiosa que inspiravam, como mostra a passagem a seguir. "O céu é todo trevas: o vento uiva. Do relâmpago a cabeleira ruiva Vem açoitar o rosto meu. E a catedral ebúrnea do meu sonho Afunda-se no caos do céu medonho Como um astro que já morreu."

17 Poesia: Setenário das Dores de Nossa Senhora (1899), Dona Mística (1899), Câmara Ardente (1899), Kiriale (1902), Pauvre Lyre (1921), Pastoral aos Crentes do Amor e da Morte (1923), Poesias (Nova Primavera, Escada de Jacó, Pulvis, 1938). Prosa: Mendigos (1920)

18 Terceira Dor (Alphonsus de Guimaraens) VI É Sião que dorme ao luar. Vozes diletas Modulam salmos de visões contritas... E a sombra sacrossanta dos Profetas Melancoliza o canto dos levitas... As virgens de Israel as negras comas Aromatizam com os ungüentos brancos Dos nigromantes de mortais aromas... Jerusalém, em meio às Doze Portas, Dorme: e o luar que lhe vem beijar os flancos Evoca ruínas de cidades mortas.

19 Cisnes Brancos Ó cisnes brancos, cisnes brancos, Porque viestes, se era tão tarde? O sol não beija mais os flancos Da Montanha onde mora a tarde. Ó cisnes brancos, dolorida Minhalma sente dores novas. Cheguei à terra prometida: É um deserto cheio de covas. Voai para outras risonhas plagas, Cisnes brancos! Sede felizes... Deixai-me só com as minhas chagas, E só com as minhas cicatrizes. Venham as aves agoireiras, De risada que esfria os ossos... Minhalma, cheia de caveiras, Está branca de padre-nossos.

20 ANTÍFONA (CRUZ E SOUZA) Ó Formas alvas, brancas, Formas claras De luares, de neves, de neblinas! Ó Formas vagas, fluidas, cristalinas... Incensos dos turíbulos das aras (ELEMENTOS DA LITURGIA CATÓLICA) (MUSICALIDADE – assonância e aliteração)

21 Formas do Amor, constelarmante puras, De Virgens e de Santas vaporosas... Brilhos errantes, mádidas frescuras E dolências de lírios e de rosas... (MUSICALIDADE) (VISÕES) (SUGESTÃO REPRESENTADA PELAS RETICÊNCIAS) (SUBSTANTIVOS COMUNS INICIADOS COM MAIÚSCULAS PARA TORNÁ-LOS ABSOLUTOS)

22 Indefiníveis músicas supremas, Harmonias da Cor e do Perfume... Horas do Ocaso, trêmulas, extremas, Réquiem do Sol que a Dor da Luz resume... (SINESTESIA: audição / visão / olfato)

23 Visões, salmos e cânticos serenos, Surdinas de órgãos flébeis, soluçantes... Dormências de volúpicos venenos Sutis e suaves, mórbidos, radiantes... (A força das imagens) (SUGESTÃO – o leitor deve completar o verso)

24 Infinitos espíritos dispersos, Inefáveis, edênicos, aéreos, Fecundai o Mistério destes versos Com a chama ideal de todos os mistérios. (Poema ligado ao mistério, realidades ocultas...)


Carregar ppt "Nomear um objeto significa suprimir as três quartas partes do gozo de uma poesia, que consiste no prazer de adivinhar pouco a pouco. Sugerir, eis o sonho."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google