A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

RAFAEL C.GEISS SANTOS R1 MEDICINA ESPORTIVA 14/09/2012.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "RAFAEL C.GEISS SANTOS R1 MEDICINA ESPORTIVA 14/09/2012."— Transcrição da apresentação:

1 RAFAEL C.GEISS SANTOS R1 MEDICINA ESPORTIVA 14/09/2012

2 Introducao O que e doping? Como e quando se avalia? Quais substancias? De quem e a culpa? Por quanto tempo? Uso terapeutico? Novos metodos de doping Etc…

3 COI The International Olympic Committee Anti-Doping Rules applicable to the Games of the XXX Olympiad, London 2012

4 Artigo 2 º do Código se aplica a determinar a violação das regras antidopagem, com as seguintes alterações: (A) Posse de Substâncias e Métodos Proibidos (A.1) posse por um atleta de uma substância proibida ou de um método proibido, a menos que o Atleta estabelece que a posse decorre de uma isenção para uso terapêutico concedido em conformidade com o artigo 3.2 (Uso Terapêutico) (A.2) A posse de uma substância proibida ou de um método proibido pela equipe do Atleta, Pessoal em conexão com um atleta, competição ou treinamento, a menos que o Atleta ou Pessoal de Apoio estabeleça que a posse decorra do Uso Terapêutico.

5 A Lista Proibida Publicação, incorporação e Revisão da Lista de Substâncias Proibidas Estas normas incorporam a Lista Proibida publicada pela WADA de acordo com o artigo 4.1 do Código em vigor durante o período do Jogos Olímpicos de Londres. Os CONs são responsáveis por garantir que suas delegações, incluindo os seus atletas, são cientes da Lista de Substâncias Proibidas. A ignorância da Lista de Substâncias Proibidas não constitui qualquer desculpa qualquer para qualquer participante a qualquer título, Jogos Olímpicos de Londres.

6 Uso Terapêutico A Comissão Médica do COI nomeará uma comissão de pelo menos três médicos (o "TUEC") WADA, a pedido de um atleta, o COI ou por sua própria iniciativa, poderá rever a concessão ou negação de qualquer TUE a um atleta. Se a WADA determina que a concessão ou negação de uma TUE não cumpriu com o Padrão Internacional para Isenção de Uso Terapêutico então a AMA poderá reverter essa decisão. As decisões sobre TUE estão sujeitos a novo recurso, tal como previsto no artigo 11.

7 Seleção de atletas a serem testados O COI, em consulta com o LOCOG e as respectivas federações internacionais, determina o número de testes a serem realizados durante o Período do Jogos Olímpicos de Londres. Uma quantidade significativa de testes devem ser alvo de teste e de outros testes serão determinados por sorteio.

8 Análise de amostras Armazenamento de amostras e análise de amostras em atraso devem ser armazenados de forma segura no laboratório ou de outra forma dirigido pelo COI e pode ser estudada. Conformidade com o artigo 17 do Código, a propriedade das amostras é investido no COI por oito anos. Durante este período, o COI terá o direito de re-analisar as amostras, sendo certo que as normas internacionais, como eles podem ser alterados ao longo do tempo, aplicável, se necessário. Qualquer violação da regra anti-doping descoberto como um resultado da mesma deve ser tratado de acordo com essas regras.

9 Após este período de oito anos, e desde que o atleta tenha dado a sua / seu consentimento por escrito, no momento da coleta das amostras, a propriedade das amostras devem ser transferidas para o laboratório para fins de pesquisa, desde que todos os meios de identificação dos atletas serão removidos e destruídos e que a prova desta destruição deve ser fornecida ao COI.

10 Notificar atleta ou outras pessoas interessadas da violação da regra anti- doping: O presidente do COI ou uma pessoa por ele designada deve notificar imediatamente o Atleta ou outra pessoa em causa, os Atleta ou outra pessoa chefe de missão, a Federação Internacional em causa e um representante do Programa de Observadores Independentes de: a) o resultado analítico adverso; b) o direito do atleta de solicitar a análise da amostra B ou, na falta desse pedido, que a análise da amostra B pode ser considerada renúncia; c) da data prevista, hora e local para a análise da amostra B, se o atleta optar por solicitar uma análise da Amostra B ou se o COI escolhe ter a amostra B analisada; d) o direito do atleta e / ou representante do atleta para participar da abertura da amostra B e análise se tal análise for solicitada; e) O direito do atleta de solicitar cópias do pacote de laboratório A e B da amostra, que inclui informações como exigido pela Norma Internacional para Laboratórios; Exercício do direito de ser ouvido:

11 The World Anti-Doping Code THE 2012 PROHIBITED LIST INTERNATIONAL STANDARD

12 SUBSTANCES AND METHODS PROHIBITED AT ALL TIMES(IN- AND OUT-OF-COMPETITION) S0. NON-APPROVED SUBSTANCES S1. ANABOLIC AGENTS Anabolic Androgenic Steroids (AAS) Endogenous** AAS when administered exogenously Other Anabolic Agents, including but not limited to: Clenbuterol, selective androgen receptor modulators (SARMs), tibolone, zeranol, zilpaterol.

13 S2. PEPTIDE HORMONES, GROWTH FACTORS AND RELATED SUBSTANCES 1. Erythropoiesis-Stimulating Agents [e.g. erythropoietin (EPO), darbepoetin (dEPO), hypoxia-inducible factor (HIF) stabilizers, methoxy polyethylene glycol-epoetin beta (CERA), peginesatide (Hematide)]; 2. Chorionic Gonadotrophin (CG) and Luteinizing Hormone (LH) in males; 3. Insulins; 4. Corticotrophins; 5. Growth Hormone (GH), Insulin-like Growth Factor-1 (IGF-1), Fibroblast Growth Factors (FGFs), Hepatocyte Growth Factor (HGF), Mechano Growth Factors (MGFs), Platelet-Derived Growth Factor (PDGF), Vascular-Endothelial Growth Factor (VEGF)

14 S3. BETA-2 AGONISTS except salbutamol (maximum 1600 micrograms over 24 hours), formoterol (maximum 36 micrograms over 24 hours) and salmeterol when taken by inhalation in accordance with the manufacturers recommended therapeutic regime. S4. HORMONE AND METABOLIC MODULATORS S5. DIURETICS AND OTHER MASKING AGENTS

15 PROHIBITED METHODS M1. ENHANCEMENT OF OXYGEN TRANSFER 1. Blood doping, including the use of autologous, homologous or heterologous blood or red blood cell products of any origin. 2. Artificially enhancing the uptake, transport or delivery of oxygen, including, but not limited to, perfluorochemicals, efaproxiral (RSR13) and modified haemoglobin products (e.g. haemoglobin-based blood substitutes, microencapsulated haemoglobin products), excluding supplemental oxygen.

16 M2. CHEMICAL AND PHYSICAL MANIPULATION 1. Tampering, or attempting to tamper, in order to alter the integrity and validity of Samples collected during Doping Control is prohibited. These include but are not limited to urine substitution and/or adulteration (e.g. proteases). 2. Intravenous infusions and/or injections of more than 50 mL per 6 hour period are prohibited except for those legitimately received in the course of hospital admissions or clinical investigations. 3. Sequential withdrawal, manipulation and reintroduction of any quantity of whole blood into the circulatory system.

17 M3. GENE DOPING M3. GENE DOPING The following, with the potential to enhance sport performance, are prohibited: 1. The transfer of nucleic acids or nucleic acid sequences; 2. The use of normal or genetically modified cells.

18 SUBSTANCES AND METHODS PROHIBITED IN-COMPETITION S6. STIMULANTS S7. NARCOTICS S8. CANNABINOIDS S9. GLUCOCORTICOSTEROIDS

19 SUBSTANCES PROHIBITED IN PARTICULAR SPORTS P1. ALCOHOL Alcohol (ethanol) is prohibited In-Competition only, in the following sports. Detection will be conducted by analysis of breath and/or blood. The doping violation threshold (haematological values) is 0.10 g/L. Aeronautic (FAI) Archery (FITA) Automobile (FIA) Karate (WKF) Motorcycling (FIM) Powerboating (UIM)

20 P2. BETA-BLOCKERS Unless otherwise specified, beta-blockers are prohibited In- Competition only, in the following sports. Aeronautic (FAI) Archery (FITA) (also prohibited Out-of-Competition) Automobile (FIA) Billiards (all disciplines) (WCBS) Boules (CMSB) Bridge (FMB) Darts (WDF) Golf (IGF) Ninepin and Tenpin Bowling (FIQ) Powerboating (UIM) Shooting (ISSF, IPC) (also prohibited Out-of-Competition) Skiing/Snowboarding (FIS) in ski jumping, freestyle aerials/halfpipe and snowboard halfpipe/big air

21 Gene Doping

22 Recentes avanços biotecnológicos permitiram a manipulação de seqüências genéticas para o tratamento de diversas doenças, em um processo chamado de terapia de gene/genética. No entanto, o avanço da terapia genética, abriu a porta para a possibilidade de utilizar a manipulação genética (GM), para melhorar o desempenho atlético. Em "doping genético", sequências genéticas exógenas são inseridos em um tecido específico, alterando a atividade do gene celular ou que conduzam à expressão de um produto protéico.

23 Os genes exógenos com maior probabilidade de ser utilizados para a dopagem de genes incluem a eritropoietina (EPO), factor de crescimento endotelial vascular (VEGF), insulina como factor de crescimento de tipo 1 (IGF-1), os antagonistas da miostatina e endorfina.

24 No entanto, muitos outros genes poderiam também ser utilizados, tais como os envolvidos nas vias metabólicas da glicose. Porque o doping genético seria muito difícil de detectar, é inerentemente muito atraente para aqueles que buscam vencer a todo custo.

25 No passado, o doping e trapaça no esporte foram habilitados por avanços na farmacologia e fisiologia. Agora, os avanços na genética molecular têm dado origem ao potencial de melhorar várias características humanas, incluindo o desempenho esportivo com o uso da tecnologia GM

26 A expressão genética é regulada principalmente por dois mecanismos principais: a) mudanças na estrutura do DNA e b) o controle direto sobre os processos de transcrição e tradução.

27 Através epigenética, o grau de transcrição de genes é alterada, sem alterações na sequência de ADN Também de grande importância, as mutações promovem alterações na sequência de nucleotídeos do gene e podem inviabilizar o processo de transcrição, ou gerar um novo produto, diferente do original O segundo mecanismo é composto de moléculas de repressao e inducao, fatores de transcrição, intensificadores e modificadores pós-transcricionais Assim, algumas alterações no processo regulador pode resultar num aumento ou diminuição de concentração do produto do gene.

28 A Agência Mundial Anti-Doping (WADA) considera doping genético como o uso de agentes farmacológicos ou biológicos que alteram a expressão gênica, ou a transferência de células ou elementos genéticos (DNA e RNA)

29 algumas mudanças na expressão de genes são potencialmente capazes de aumentar o desempenho desportivo, em um número de maneiras.

30

31 O que e quais deveriam ser os limites sobre o uso da ciência para promover o desempenho atlético? desportistas devem ser permitidos usar terapia genética para o tratamento de doenças, mesmo que isso resulta em um melhor desempenho? A tecnologia GM ameaça minar o espírito do esporte?

32 Os genes candidatos para uso em doping genético Eritropoietina: aumento na produção de energia pelo metabolismo aeróbio. Fattori et al. (29) analisaram a eficácia da administração intramuscular de o gene de EPO com a aplicação de pulsos eléctricos para optimizar o processo de transdução. O gene foi electro-injetado em ratos, coelhos e macacos para testar a produção de proteína e de efeitos biológicos. O estudo concluiu que o gene EPO injetado produz níveis mais elevados de circulação de EPO e um efeito mais pronunciado do que gene endógeno, em todas as espécies testadas, demonstrando assim um grande potencial em abordagens de terapia genetica.

33 Fator de crescimento vascular endotelial Em dopagem genetica, várias cópias do gene que codifica para o VEGF devem ser inseridas dentro do músculo, provavelmente utilizando vetores virais. Assim, se bem sucedido em atletas, a microcirculação muscular seria estimulada e a oferta de oxigênio para os músculos aumentaria

34 Insulin-like Growth Factor tipo 1: aumento no crescimento muscular e diferenciação Em dopagem genetica, múltiplas cópias do gene que codifica para IGF-1 podem ser inseridas no músculo esquelético, promovendo um aumento da massa muscular devido a hipertrofia de células musculares. Esta inserção de genes somáticos pode ser conseguida através do uso de dois vetores alternativos: plasmídeos ou vírus. Os plasmídeos representam o método menos dispendioso, mas também o menos eficiente. Os vetores virais, amplamente utilizados na terapia de gene, ativamente inserem o ADN exógeno no genoma da célula alvo.

35 Antagonistas da miostatina: aumento na hipertrofia muscular e hiperplasia miostatina, um membro da superfamília do fator de transformacao do crescimento (TGF)-A, é um regulador negativo do crescimento do músculo esquelético e da diferenciação, onde a sua expressão e predominante Várias substâncias bloqueiam atividade inibitória da miostatina, com promoção do crescimento e diferenciação muscular. Importante entre estas substâncias são folistatina; todos têm a capacidade de ligar-se a miostatina, tornando-a indisponível para a sua função inibitória

36 Endorfina e encefalina: aumento da resistência a dor A vantagem de uma maior resistência à dor trouxe vários genes candidatos em foco para uso potencial em terapia génica (para dor clínica) ou doping genético. Os genes que codificam endorfina e encefalina são candidatos proeminentes neste contexto. As moléculas expressas são neuropéptidos que se ligam a receptores opióides, promovendo efeitos analgésicos e, portanto, o alívio da dor,. A fim de aumentar o limiar da dor, as cópias desses genes podem ser inseridas, com a expressão sendo dirigida para o sistema nervoso

37 Detecção???

38 A detecção do gene de dopagem é provável que seja difícil, embora possa ser realizado por um certo número de abordagens disponíveis, recorrendo tanto a métodos directos ou indirectos (51). Os métodos diretos envolvem a detecção de proteínas recombinantes ou vetores de genes de inserção (por exemplo, vírus ou plasmídeos). Os métodos indiretos dependem da detecção de alterações de assinaturas associadas com doping genetico.

39 Lasne et al. mostraram algumas diferenças estruturais entre EPO endógeno e recombinante, através do seu comportamento diferente isoelétrico. Uma outra possibilidade para a detecção direta baseia- se no uso de testes moleculares para distinguir o ADN genomico de DNA complementar (cDNA), utilizando técnicas tais como a reação em cadeia da polimerase (PCR) ou Southern blotting

40 Referencias: 1.Braz J Med Biol Res, December 2011, Volume 44(12) The use of genes for performance enhancement: doping or therapy? R.S. Oliveira, T.F. Collares, K.R. Smith, T.V. Collares and F.K. Seixas 2. The International Olympic Committee Anti-Doping Rules applicable to the Games of the XXX Olympiad,London Wada Alternative medicine and doping in sports. Australasian Medical Journal [AMJ 2012, 5, 1, 18-25] 5. Gene Doping. Netherlands Centre For Doping Affairs. (NECEDO)


Carregar ppt "RAFAEL C.GEISS SANTOS R1 MEDICINA ESPORTIVA 14/09/2012."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google