A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Departamento de Lingüística – UFRJ Laboratório Clipsen www.letras.ufrj.br/clipsen Aniela Improta França Aniela Improta França Primeiro Encontro Maryland.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Departamento de Lingüística – UFRJ Laboratório Clipsen www.letras.ufrj.br/clipsen Aniela Improta França Aniela Improta França Primeiro Encontro Maryland."— Transcrição da apresentação:

1 Departamento de Lingüística – UFRJ Laboratório Clipsen Aniela Improta França Aniela Improta França Primeiro Encontro Maryland – UFRJ de Sintaxe e Neurociência da Linguagem Jan 2006 Behavioral and electrophysiological assessments of verbal morphology in Portuguese: the case of supletive forms

2 Morfologia Verbal Regular do Português Eu canto Tu cantas Você canta Ele(a) canta Nós cantamos Vós cantais Vocês cantam Eles(as) cantam Eu parto Tu partes Você parte Ele(a) parte Nós partimos Vós partis Vocês partem Eles(as) partem Eu como Tu comes Você come Ele(a) come Nós comemos Vós comeis Vocês comem Eles(as) comem 1ª conjugação2ª conjugação 3ª conjugação cantar comer partir Presente do Indicativo

3 Eu cantei Tu cantaste Você cantou Ele(a) cantou Nós cantamos Vós cantastes Vocês cantaram Eles(as) cantaram Eu parti Tu partiste Você partiu Ele(a) partiu Nós partimos Vós partistes Vocês partiram Eles(as) partiram Eu comi Tu comeste Você comeu Ele(a) comeu Nós comemos Vós comestes Vocês comeram Eles(as) comeram 1ª conjugação2ª conjugação 3ª conjugação cantar comer partir Pretérito Perfeito Morfologia Verbal Regular do Português ROOT VERBAL MORPHOLOGY tense + agreement

4 Morfologia Verbal Irregular do Português Eu trago Tu trazes Você traz Ele(a) traz Nós trazemos Vós trazeis Vocês trazem Eles(as) trazem Eu trouxe Tu trouxeste Você trouxe Ele(a) trouxe Nós trouxemos Vós trouxestes Vocês trouxeram Eles(as) trouxeram trazer Presente do IndicativoPretérito Perfeito Eu como Tu comes Você come Ele(a) come Nós comemos Vós comeis Vocês comem Eles(as) comem Eu comi Tu comeste Você comeu Ele(a) comeu Nós comemos Vós comestes Vocês comeram Eles(as) comeram ROOT VERBAL MORPHOLOGY tense + agreement

5 Verbos Supletivos no Português Eu sou Tu és Você é Ele(a) é Nós somos Vós sois Vocês são Eles(as) são ser Presente do Indicativo ir Eu fui Tu foste Você foi Ele(a) foi Nós fomos Vós fostes Vocês foram Eles(as) foram Pretérito Perfeito Eu vou Tu vais Você vai Ele(a) vai Nós vamos Vós ides Vocês vão Eles(as) vão Presente do Indicativo Eu fui Tu foste Você foi Ele(a) foi Nós fomos Vós fostes Vocês foram Eles(as) foram Pretérito Perfeito

6 Eu era Tu eras Você era Ele(a) era Nós éramos Vós éreis Vocês eram Eles(as) eram ser Pretérito Imperfeito ir Eu ia Tu ias Você ia Ele(a) ia Nós íamos Vós íeis Vocês iam Eles(as) iam Verbos Supletivos no Português Pretérito Imperfeito ROOT VERBAL MORPHOLOGY tense + agreement Uma peça de vocabulário

7 Era prima fui? Vou prima ia ? Somos prima foste ? Íamos prima vão ?

8 PRIMING DE PALAVRAS COM MORFEMAS SUPLETIVOS Miriam Lemle – Dept de Lingüística Aniela Improta França – Dept. de Lingüística Heloisa Macedo Coelho – Dept. de Lingüística Maurício Cagy – COPPE Antonio Fernando Catelli Infantosi - COPPE Departamento de Lingüística – UFRJ Laboratório Clipsen

9 Objetivo: O objetivo da pesquisa é comparar o processamento de três tipos de verbos: (i) verbos cujas formas se distribuem em conjuntos totalmente distintos fonologicamente, chamados de formas supletivas – sou, fui, era; Obs: No segundo conjunto foram incluídas formas do verbo ser que compartilham traços fonológicos: sou, somos; fui, foi; era, éramos. (ii) verbos cuja raiz pode ser reconhecida por um mínimo que seja de traços fonológicos em todas as formas de sua conjugação – trazer, trago, trouxe; (iii) verbos cujas formas se distribuem em conjuntos de conjugação regulares.

10 Tecnologias: A comparação entre estes dois conjuntos de verbos foi feita a partir de duas tecnologias experimentais: Tempo de resposta = aperto de botão Estímulo Tempo de resposta cortical = onda elétrica relacionada a um evento lingüístico 1. uma comportamental, que mede o tempo de resposta comportamental a um estímulo lingüístico, ou seja, o acionar de um botão de joystick; 2. neurofisiológica, que mede a reação eletrocortical captados por um eletroencefalógrafo a partir de eletrodos fixados ao escalpo em pontos estratégicos denominados derivações. Os sinais coletados são tratados e o resultado final são ondas (ERPs) que podem ser relacionadas a eventos lingüísticos.

11 A metodologia utilizada tanto no teste comportamental como no neurofisiológico foi a de priming, com a apresentação de duas palavras que compartilham alguma propriedade morfológica ou fonológica. Optamos por usar primes encobertos, que ficam na tela por 38 ms, um tempo inferior ao que possibilitaria a percepção consciente da palavra. Teste de priming: assume-se que uma palavra-alvo (target) pode ser acessada mais rapidamente se precedida por outra (prime) com a qual compartilhe unidades da morfologia, segmentos fonológicos ou propriedades semânticas. Metodologia : A estimulação é feita com vários pares prime-alvo, misturados aleatoriamente a um igual número de pares não prime-alvo e a pares prime-não palavra. A tarefa do voluntário é dizer se o alvo é ou não uma palavra.

12 Séries de estímulos: Série 1 – 40 pares de formas verbais sem relação alguma: VEREI-somos Série 2 – 40 pares de formas supletivas: SOU-era Série 3 – 40 pares de formas de verbos irregulares que compartilham traços fonológicos: TRAGO-trouxe, SOU-somos Série 4 – 40 pares de formas de verbos no paradigma regular da conjugação: PARTI-partiu Série 5 – 160 pares de uma forma verbal com uma não palavra: COLEI-frutor

13 COMPARAÇÃO 1: tempo de resposta (teste comportamental) e (SOU-era) COMPARAÇÃO 1: tempo de resposta (teste comportamental) Série 1 (VEREI-somos) e Série 2 (SOU-era) Sabemos que verei não prima somos (Grupo controle - Série 1). O resultado que obtivemos, igualando os tempos da Série 1 com os da 2, nos leva a interpretar que sou também não prima era. Ou seja, através deste parâmetro de tempo de resposta, o fator semelhança morfológica não parece atuar. Resultados: p = 0,09

14 COMPARAÇÃO 1: ERPs Série 1 (VEREI- somos) e Série 2 (SOU-era) Teste neurolingüístico ms: sobreposição; ms: intervalo estatisticamente significativo onde há amplitude maior da Série 2 em relação à Série 1 em 10 das 22 derivações. Amplitude dos ERPs tem sido relacionada a maior esforço cognitivo no empreendimento de tarefas

15 Notem que há uma diferença entre os resultados comportamentais e os neurofisiológicos. Quanto ao tempo de reação, as duas séries se mostraram indistintas. Mas quanto aos Potenciais Bioelétricos Relacionados a Eventos Lingüísticos (ERPs), observa-se uma facilitação discreta para os pares de formas supletivas. Isto é, a técnica de extração de ERPs capturou um efeito de amplitude maior para alvos antecedidos por primes relacionados morfologicamente (sou - era), mesmo sendo supletivos.

16 COMPARAÇÃO 2: COMPARAÇÃO 2: Tempo de resposta e (SOU-somos, TRAGO-trouxe) Série 1 (VEREI- somos) e Série 3 (SOU-somos, TRAGO-trouxe) Esta comparação, baseada no tempo de resposta, nos levaria a dizer que os tempos de reação relativos à Série 1 não são diferentes daqueles da Série 3, porque não houve diferença estatisticamente significativa entre as duas séries. Série 1 Série 3 p = 0,08

17 COMPARAÇÃO 2 : ERPs e (SOU-somos, TRAGO-trouxe) COMPARAÇÃO 2 : ERPs Série 1 (VEREI- somos) e Série 3 (SOU-somos, TRAGO-trouxe) ms: sobreposição; ms: intervalo estatisticamente significativo onde há latência menor e amplitude maior da Série 3 em praticamente todas as derivações. Este achado fala a favor de um efeito de priming operando no reconhecimento do alvo, graças ao fator semelhança morfológica. Diferentemente dos resultados aferidos pelos tempos de resposta, a comparação dos ERPs resultantes destas duas séries foi estatisticamente relevante. Só o método de extração de ERPs chegou a captar o efeito da morfologia.

18 COMPARAÇÃO 3: tempo de reação e (PARTI-partiu) COMPARAÇÃO 3: tempo de reação Série 1 (VEREI- somos) e Série 4 (PARTI-partiu) Esta comparação dos tempos de resposta comportamental nos leva a dizer que a relação de priming no par parti-partiu facilita o processamento mais do que a relação no par verei-somos. Série 1 Série 4 p = 0

19 COMPARAÇÃO 3: ERPs e (PARTI-partiu) COMPARAÇÃO 3: ERPs Série 1 (VEREI-somos) e Série 4 (PARTI-partiu) A primeira seta mostra dois ERPs superpostos por volta dos 200ms ms : A segunda seta mostra dois ERPs que, em praticamente todo o conjunto de derivações deste quadro, divergem quanto à latência e amplitude. O ERP relativo a alvos de pares como parti-partiu (linha grossa) se eleva antes e bem mais do que o correspondente a alvo de pares como verei-somos. Assim, percebemos que aqui a condição de semelhança morfológica pôde ser capturada por ambos os testes.

20 COMPARAÇÃO 4: e (PARTI-partiu) COMPARAÇÃO 4: Série 3 (SOU-somos) e Série 4 (PARTI-partiu) Existe uma diferença estatisticamente significativa entre as duas séries. Houve efeito de priming positivo facilitando o acesso de partiu quando antecedido por parti. p = 0,02 Série 3

21 COMPARAÇÃO 4: ERPs e (PARTI-partiu) COMPARAÇÃO 4: ERPs Série 3 (SOU-somos) e Série 4 (PARTI-partiu) A segunda seta aponta para dois ERPs aos 430ms entre os quais foi encontrada diferença significativa estatisticamente. A maior amplitude do ERP relativo ao alvo somos do par sou-somos pode ser interpretada como maior esforço cognitivo do que o necessário para o acesso a partiu depois de parti. A primeira seta mostra dois ERPs superpostos por volta dos 200ms. A técnica de ERP comparada à de tempo de reação faz ressaltar que o menor esforço cognitivo captado pelo teste neurofisiológico corresponde a uma resposta mais rápida no teste comportamental.

22 Conclusão: 1.Os verbos no paradigma regular, parti partiu, demandam menos esforço cognitivo como pudemos observar pelo resultado do teste neurolingüístico. Isto fez com que estas formas causassem tempo de reação menor, como mostrou o teste de tempo de reação. 2. Não houve diferença em nenhum dos dois métodos entre as formas em conjugações irregulares e as formas regulares de supletivos. Este resultado está dentro das expectativas da Teoria Lingüística, uma vez que os verbos irregulares têm em sua conjugação sub regularidades que são relacionadas pela fonologia, bem como as formas regulares dentro dos alomorfes supletivos. 3. Houve uma diferença entre o teste neurolingüístico e o com- portamental em relação aos pares verei-somos e sou-era. A distinção só foi captada no teste neurolingüístico. A extração de ERPs nos mostrou que sou-era são reconhecidos como parte de um mesmo paradigma e não como palavras distintas como verei-somos. 4.A extração de ERPs capta o processamento de língua com uma granularidade mais fina do que a medida de tempo de reação. Esta diferença foi especialmente vista na nossa primeira comparação.


Carregar ppt "Departamento de Lingüística – UFRJ Laboratório Clipsen www.letras.ufrj.br/clipsen Aniela Improta França Aniela Improta França Primeiro Encontro Maryland."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google