A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Quando solicitar laudo técnico? Quando já é tarde para iniciar um programa de manutenção preventiva, pois os defeitos já estão evidentes e a necessidade.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Quando solicitar laudo técnico? Quando já é tarde para iniciar um programa de manutenção preventiva, pois os defeitos já estão evidentes e a necessidade."— Transcrição da apresentação:

1 Quando solicitar laudo técnico? Quando já é tarde para iniciar um programa de manutenção preventiva, pois os defeitos já estão evidentes e a necessidade de intervenção já se torna obrigatória, é a hora de procurar ajuda. (Techné, 2006)

2 Tipos de ocorrências que envolvem ou podem envolver perícias – NBR Podem ser: a) ações judiciais; b) ações administrativas; c) extrajudiciais. Notações, simbologia e convenções As notações que vierem a ser adotadas pelo perito devem ser devidamente explicitadas no laudo, indicando se também suas respectivas unidades de medida, de acordo com o Decreto Federal nº 81621/78.

3 Os requisitos exigidos em uma perícia – NBR A especificação dos requisitos a priori somente é estabelecida para determinação do empenho no trabalho pericial e não na garantia de um grau mínimo na sua precisão, independendo, portanto, da vontade do perito e/ou do contratante. Os requisitos de uma perícia são condicionados à abrangência das investigações, à confiabilidade e adequação das informações obtidas, à qualidade das análises técnicas efetuadas e ao menor grau de subjetividade emprestado pelo perito, sendo estes aspectos definidos pelos seguintes pontos, quanto: a) à metodologia empregada; b) aos dados levantados; c) ao tratamento dos elementos coletados e trazidos ao laudo; d) à menor subjetividade inserida no trabalho.

4 Os requisitos exigidos em uma perícia – NBR Requisitos essenciais O levantamento de dados deve trazer todas as informações disponíveis que permitam ao perito elaborar seu parecer técnico. A qualidade do trabalho pericial deve estar assegurada quanto à:

5 Os requisitos exigidos em uma perícia – NBR a) inclusão de um número adequado de fotografias por cada bem periciado, com exceção dos casos onde ocorrer impossibilidade técnica; b) execução de um croqui de situação; c) descrição sumária dos bens nos seus aspectos físicos, dimensões, áreas, utilidades, materiais construtivos, etc.; d) indicação e perfeita caracterização de eventuais danos e/ou eventos encontrados. Nas perícias judiciais torna-se obrigatória a obediência: aos requisitos essenciais, sendo que, no caso de avaliações, devem ser obedecidos ainda os critérios das normas aplicadas à espécie, salvo no caso de trabalhos de cunho provisório ou quando a situação assim o obrigar, desde que perfeitamente fundamentado.

6 Os requisitos exigidos em uma perícia – NBR Requisitos complementares Com o objetivo de garantir maior abrangência e profundidade ao trabalho pericial, cujo desenvolvimento ocorre com grande isenção de superficialidade. O conjunto de dados que contribuem para a elaboração do parecer técnico deve estar expressamente caracterizado, usando-se toda a evidência disponível.

7 Os requisitos exigidos em uma perícia – NBR A qualidade do trabalho pericial deve estar assegurada quanto à: a) inclusão de um número ampliado de fotografias, garantindo maior detalhamento por bem periciado; b) descrição detalhada dos bens nos seus aspectos físicos, dimensões, áreas, utilidades, materiais construtivos, etc.; c) apresentação de plantas individualizadas dos bens, que podem ser obtidas sob forma de croqui; d) indicação e perfeita caracterização de eventuais danos e/ou eventos encontrados, com planta de articulação das fotos perfeitamente numeradas; e) análise dos danos e/ou eventos encontrados, apontando as prováveis causas e conseqüências; f) juntada de orçamento detalhado e comprovante de ensaios laboratoriais, quando se fizerem necessários.

8 Os requisitos exigidos em uma perícia – NBR Casos especiais 1) Podem ocorrer trabalhos periciais onde prepondera a superficialidade, ou que não utilizem qualquer instrumento de suporte às conclusões desejadas, não se observando os requisitos contidos nesta Norma. 2) Esta situação é tolerada em determinadas circunstâncias, onde pode haver a necessidade de procedimento rápido que possibilite a elaboração do laudo pericial ou quando as condições gerais assim o permitirem. 3) Nestes casos, em que geralmente as condições não permitem a elaboração de um laudo pericial cujos requisitos sejam atendidos, é admitida a apresentação do trabalho sumário, objetivando uma informação preliminar sem maiores detalhamentos.

9 Os requisitos exigidos em uma perícia – NBR Condições a serem observadas Ao perito é obrigatório a especificação, em qualquer parte do laudo pericial, dos requisitos obedecidos, sejam eles essenciais ou complementares, devendo apresentar justificativa fundamentada nas hipóteses em que isto não ocorrer (casos especiais ). No caso de perícias que envolvam avaliação ou arbitramento, cujo fundamento seja a determinação de valor, os requisitos devem obedecer aos níveis de rigor previstos nas normas específicas editadas pela ABNT, mantida a obrigatoriedade determinada em Competência profissional A realização de perícias de engenharia na construção civil é matéria eminentemente técnica e de exclusiva competência de peritos e assistentes técnicos nos termos da legislação vigente.

10 Os requisitos exigidos em uma perícia – NBR Objeto da perícia Identificar o objeto da perícia a partir dos elementos de cadastro físico, da vistoria, do exame, da avaliação ou do arbitramento. Objetivo da perícia O objetivo é definir a finalidade a que se destina a perícia, sorte a estabelecer o grau de detalhamento das atividades a serem desenvolvidas e do laudo, ou segundo informação de quem o tenha solicitado.

11 Condições específicas – NBR Atividades básicas Correspondem às seguintes etapas: a) vistoria e/ou exame do objeto da perícia; b) diagnóstico dos itens objeto da perícia; c) coleta de informações; d) escolha e justificativa dos métodos e critérios periciais; e) análise das ocorrências e elementos periciais; f) soluções e propostas, quando possível e/ou necessário; g) considerações finais e conclusões.

12 Condições específicas – NBR Vistoria A vistoria deve proporcionar elementos para o prescrito nos itens que caracterizam a vistoria. Caracterização da região a) caracterização física: relevo, solo, subsolo, ocupação, meio ambiente e outros; b) melhoramentos públicos: vias de acesso, urbanização e infra-estrutura urbana; c) equipamentos e serviços comunitários: transporte coletivo, rede bancária, comunicações, correios, coleta de lixo, comércio, combate a incêndio, segurança, saúde, ensino e cultura, lazer, recreação e outros; d) potencial de aproveitamento: parcelamento e uso do solo, restrições físicas, legais e sócio econômicas de uso e outros.

13 Condições específicas – NBR Caracterização do imóvel e de seus elementos Imóvel a) localização e identificação do bairro, logradouro(s), número(s), acessos e elementos de cadastro legais e fiscais; b) equipamento urbano, serviços e melhoramentos públicos; c) ocupação e/ou utilização legal e real, prevista e atual, adequada à região.

14 Condições específicas – NBR13752 Terreno A caracterização do terreno compreende perímetro, relevo, forma geométrica, características de solo e subsolo, dimensões, área e confrontantes. Benfeitorias A caracterização das benfeitorias compreende: a) construções: descrição, compreendendo classificação; características da construção, com ênfase para fundações, estrutura, vedações, cobertura e acabamentos; quantificação, abrangendo número de pavimentos e/ou dependências, dimensões, áreas, idade real e/ou aparente e estado geral de conservação;

15 Condições específicas – NBR13752 b) instalações, equipamentos e tratamentos: compreendendo as instalações mecânicas, eletromecânicas e eletrônicas de ar-condicionado; elétricas e hidráulicas, de gás; de lixo; equipamentos de comunicação interna e externa de sonorização, tratamento acústico e outros. Constatação de danos Caracterizar, classificar e quantificar a extensão de todos os danos observados; as próprias dimensões dos danos definem a natureza das avarias, qualquer que seja a nomenclatura (fissura, trinca, rachadura, brecha, fenda, etc.). Condições de estabilidade do prédio Qualquer anormalidade deve ser assinalada e adequadamente fundamentada.

16 Apresentação de laudos – NBR Na apresentação de laudos deve constar, obrigatoriamente, o seguinte: a) indicação da pessoa física ou jurídica que tenha contratado o trabalho e do proprietário do bem objeto da perícia; b) requisitos atendidos na perícia conforme o item sobre requisitos gerais e complementares; c) relato e data da vistoria, com as informações relacionadas no item vistoria; d) diagnóstico da situação encontrada; e) no caso de perícias de cunho avaliatório, pesquisa de valores, definição da metodologia, cálculos e determinação do valor final; f) memórias de cálculo, resultados de ensaios e outras informações relativas à seqüência utilizada no trabalho pericial;

17 Apresentação de laudos – NBR g) nome, assinatura, número de registro no CREA e credenciais do perito de engenharia. As perícias de engenharia na construção civil devem ser acompanhadas da ART (Anotação de Responsabilidade Técnica), conforme estabelece a Lei nº 6496/77.

18 Caso 02 A partir das definições e critérios de perícia de Engenharia segundo a NBR Com base no histórico realizado, a partir da visita ao edifício do caso 02. Elabore um laudo que contenha os itens de a – d prescritos na NBR

19 Laudo para Inspeção predial Dados que devem constar: INTRODUÇÃO Identificação do solicitante e do imóvel; Classificação do objeto da inspeção; Localização; Data da Diligência; DESENVOLVIMENTO Caracterização das condições verificada na vistoria; Descrição Técnica do objeto: Padrão Construtivo; Relação dos elementos construtivos e equipamentos vistoriados com a descrição das respectivas anomalias, classificadas por grau de risco e urgência; Avaliação do estado de conservação geral do imóvel;

20 Laudo para Inspeção predial CONCLUSÃO Conclusões e recomendações Relação de documentos analisados; Indicação das recomendações técnicas e/ou das medidas preventivas e corretivas necessárias; Data do laudo; Assinatura do profissional responsável técnico, acompanhado do nº do registro no CREA; ANEXOS Fotos e suas legendas; Cópia da Anotação de Responsabilidade Técnica (ART); Plantas ou outros documentos.

21 Impedimentos para o perito judicial Um perito judicial pode ser recusado por impedimento ou suspensão. Os motivos são os seguintes: a) Se o perito faz parte no processo; b) Se tiver trabalhado no processo com outra função; c) Se alguma das partes for parente seu, consangüíneo ou afim, em linha reta ou, na colateral, até o terceiro grau; d) Quando pertencer a órgão que é parte na causa; e) Não versar sobre a matéria da perícia.

22 Código de defesa do consumidor na construção civil Definições: Vícios construtivos são anomalias da construção; vícios por inadequação de qualidade prometida ou esperada, ou de quantidade, são falhas que tornam o imóvel impróprio para o uso ou lhe diminuem o valor. Isso acontece em casos específicos. Por exemplo, um pequeno defeito na pintura, alguma pequena falha no rejuntamento de azulejos, uma esquadria mal regulada, entre muitos outros, nem tornam o imóvel impróprio para uso e nem lhe diminuem o valor.

23 Código de defesa do consumidor na construção civil Definições: Defeitos são falhas que fazem com que o fornecimento de produtos ou serviços afetem ou possam afetar a saúde e a segurança do consumidor. Os vícios e os defeitos podem ser aparentes ou ocultos. Vícios ou defeitos aparentes são os de fácil constatação, que podem ser notados quando da entrega do imóvel.

24 Código de defesa do consumidor na construção civil Definições: Danos são as conseqüências dos vícios e defeitos que, na construção civil, afetam a própria obra, ou o imóvel vizinho, ou os bens, ou as pessoas nele situados, ou ainda a terceiros (transeuntes e outros).

25 Código de defesa do consumidor na construção civil Exemplo: A partir da entrega do imóvel (chaves), de modo geral, o consumidor tem 90 dias para reclamar do vício ou defeito. Quando for o caso de vícios ou defeitos de fácil constatação, o consumidor tem 90 dias, após a entrega da obra, para reclamar. Quando se trata de vício ou defeito oculto, os 90 dias começam a correr a partir do momento em que tal falha é constatada. No caso de vícios, esse prazo de 90 dias após constatada a imperfeição oculta pode ser utilizado até o último dia do quinto ano contado a partir da data da entrega da obra. Já para o defeito (que afeta a solidez e a segurança da obra ou a saúde do morador), esse prazo se estende até 20 anos. Entende-se aqui entrega da obra como entrega das chaves ao consumidor, e não o habite-se.

26 Código de defesa do consumidor na construção civil O construtor (executor da obra) tem responsabilidade pela reparação dos danos causados, independentemente da existência de culpa; basta haver relação de causa e efeito entre o dano causado e o defeito ou vício que originou esse dano. O engenheiro (responsável pela obra) responde apenas se a culpa dele restar provada. A culpa é definida pelo artigo 159 do Código Civil: Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito, ou causar prejuízo a outrem, fica obrigado a reparar o dano.

27 Código de defesa do consumidor na construção civil Direito: O consumidor, assim entendido como toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário final (art. 2º do CDC), deve receber o Manual de Uso e Manutenção do empreendimento, bem como as plantas com a colocação correta dos pontos e das tubulações de luz e de água e receber as informações necessárias nos casos omissos ou duvidosos (CDC e a norma NB-578 da ABNT de julho de 1989).

28 Código de defesa do consumidor na construção civil Dever: O consumidor, u ma vez de posse desses documentos, torna-se responsável pelo uso e manutenção correta do imóvel. Caso não siga as instruções recebidas e disso decorrer algum dano ao imóvel, ele não poderá reclamar, já que usou o imóvel indevidamente.

29 Falhas técnicas na execução

30

31

32 Falhas processuais

33 Estudo de caso

34

35

36

37

38

39

40

41

42

43 Exercício Aponte as principais irregularidades construtivas e manifestações patológicas apresentadas no estudo de caso.


Carregar ppt "Quando solicitar laudo técnico? Quando já é tarde para iniciar um programa de manutenção preventiva, pois os defeitos já estão evidentes e a necessidade."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google