A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Competição Interespecífica

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Competição Interespecífica"— Transcrição da apresentação:

1 Competição Interespecífica
Os indivíduos de uma determinada espécie sofrem uma redução no que se refere à fecundidade, sobrevivência ou crescimento, em resultado da exploração de um determinado recurso ou interferência levada a efeito por indivíduos de outra espécie. Competição entre 2 espécies de Cracas Chthamalus stellatus e Balanus balanoides são duas espécies de organismos designados vulgarmente por cracas, encontrados em diversas praias rochosas do Oceano Atlântico . Os Chthamalus adultos ocorrem numa zona intertidal superior em relação aos indivíduos adultos de Ballanus, mesmo quando os juvernis de Chthamalus se conseguem instalar na zona de Ballanus. Para tentar compreender este tipo de zonação Cornnell (1961) realizou vários trabalhos de monitorização relativos à sobrevivência de juvenis de Chthamalus instalados na zona de Ballanus. Estádio larvar de Chthamalus sp.

2 Distribuição Efeitos relativos Distribuição Efeitos relativos
Distribuição intertidal de duas espécies de Cracas, com representação diagramática os efeitos relativos da dessecação e competição. Dessecação Comp. Interesp. c/ Ballanus Dessecação Comp Intraesp. Distribuição Efeitos relativos Distribuição Efeitos relativos destes factores destes factores

3 Competição entre 2 espécies de diatomáceas
Si Synedra sp. Asterionella sp. Qualquer destas espécies quando é permitida desenvolver-se isoladamente em meio de cultura contendo sílica, mantem os níveis deste elemento estáveis. Quando estas duas espécies são colocadas em conjunto, o consumo acelerado de sílica por parte da população de Synedra leva Asterionella rapidamente à extinção.

4 Competição entre 2 espécies de tabúa Profundidade da água (cm)
A Competição interespecífica é, por vezes, assimétrica, isto é, as conse-quências não são semelhantes para ambas as espécies envolvidas. À semelhança do que se passou no exemplo anterior o diferente padrão de distribuição de Typha latifolia e de T. Angustifolia, na mesma formação aquática levaram ao estudo das causas. Transplantes Populações sem competição naturais (g/peso seco/contentor) (g/peso seco/m2) As populações naturais de T. latifolia encontram-se preferencial-mente em águas menos profundas, enquanto T. angustifolia parece preferir águas um pouco mais profundas. Manipulações experimentais vieram demonstrar que T. latifolia exclui normalmente T. angustifolia de zonas com menor profundidade, enquanto a distribuição da primeira não é afectada pela competição com a segunda espécie. Profundidade da água (cm)

5 Competição ao nível das raízes e partes aéreas de duas plantas
Trifolium sp. A avaliação do grau de competição entre duas espécies, ao nível das raízes, dos caules e das e caules pode ser obtida através da realização de ensaios deste tipo: Chondrilla juncea Chondrilla juncea e Comp. ao nível Comp. ao nível Trifoiium – comp. ao nível da parte da parte aérea e nível radicular aérea da radicular 100% 65% 47% 31% Percentagem de peso seco

6 FIM DA COMPETIÇÃO

7 Natureza da Predação Tipos de Predadores
Os efeitos da herbivoria nas Plantas Respostas Defensivas das Plantas

8 Classificação Taxonómica
Tipo de Predadores Classificação Taxonómica Carnívoros Herbívoros Omnívoros Classificação Funcional Predadores – matam a presa após o ataque e consomem-na quase logo a seguir. Matam várias e diferentes presas no decurso da sua vida. Fitófagos – também atacam várias presas no decurso da sua existência mas, em vez de consumirem a totatlidade ou quase totalidade, deixam sempre parte da presa. Parasitas – consomem partes da presa (hospedeiro). Tal como os fitófagos os seus ataques são perniciosos mas raramente mortais, contudo encontram-se centrados num ou num número reduzido de indivíduos. Existe assim uma intima associação entre parasitas e hospedeiros não encontrada no caso dos fitófagos. Parasitoides – corresponde a um grupo de insectos que utiliza formas de vida livre de outros insectos para colocar os ovos, quer seja no interior ou nas suas proximidades. Por vezes, consomem a totalidade do hospedeiro até atingirem o estádio adulto.

9 Efeitos da Herbivoria em Plantas
.Redução de auto-ensombramento .Mobilização de substâncias de reserva .Alteração do padrão de distribuição do fotossintetisado .Aumento da taxa fotossintética por unidade de folha Vectores de fitopatologias Fitófagos e poluição do ar

10 Respostas Defensivas por parte das Plantas
Defesas induzidas rapidamente – inibidores de proteases Produção de fitoalexinas Escaravelho sobre flores de orquídea

11 FITOALEXINAS A principal contribuição para o estudo da base química dos mecanismos de resistência a doenças em plantas superiores, resultou do enunciado da teoria das Fitoalexinas, proposta por Borger e Muller em 1941. Esta teoria propõe que certas substâncias químicas são produzidas de novo pelas plantas, quando da infecção, actuando depois como compostos que repelem (alexos) os organismos patogénicos em relação à planta (Phytos). Coube a Cruickshank e a Perrin isolarem e identificarem a primeira fitoalexina (1960) (pisatina) obtida de Pisum sativum. A função exacta deste tipo de compostos em situações patogénicas encontra-se ainda sob investigação. Apesar das barreiras físicas e das barreiras químicas certas fitopatologias conseguem desenvolver-se . Existem assim estirpes virulentas de um dado micror-ganismo que têm a capacidade de quebrar as barreiras defensivas. Quando isto acontece ocorre um conjunto de reacções bioquímicas no corpo da planta, desencadeadas pelo organismo invasor.

12 Bases Bioquímicas de Resistência à Doença
Classificação de Factores de Resistência a Doenças em Plantas Superiores Classe Descrição Comp. Pré-Infecção Proibitinas Metabolitos que reduzem ou impedem o desenvolvimento de microrganismos in vitro. Comp. Pós- Infecção Pos.Inibitinas Fitoalexinas Metabolitos formados pela hidrólise ou oxidação de substractos não tóxicos pré-existentes. Metabolitos formados de novo por desrepressão ou activação genétiva de um sistema enzimático pré-existente.

13 Solução de Sulfato de Cobre
FITOALEXINAS Solução de espóros do fungo Botrytes cynerea controlo Solução de Sulfato de Cobre

14 Bioensaio e representação esquemática de uma cromatoplaca de extractos de sementes de Vicia peregrina Crescimento do micélio de Cladosporium herbarum Comp. fungitóxicos

15 Até breve predadores

16 Decompositores e Detritívoros
Imobilização – ocorre quando um nutriente é incorporado na forma orgânica. Mineralização – conversão de elementos da forma orgânica para a forma inorgânica. Decomposição – desintegração gradual da matéria orgânica morta, levada a efeito por agentes físicos e biológicos (culmina com a quebra de moléculas ricas em energia, processada por decompositores e detrítivoros, em díóxido de carbono, água e nutrientes orgânicos.)

17 Organismos Decompositores
Bactérias Zonação de bactérias anaeróbicas em sedimentos aquáticos: - Bactérias desnitrificantes – camada superficial - Bactérias sulfurosas – profundidade média – meio marinho. -Bactérias metanogénicas – em profundidade – água doce Fungos .Penicillium . Mucor .Rhizopus

18

19


Carregar ppt "Competição Interespecífica"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google