A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Professor Alfredo Scheid Lopes Eng o Agr o, MS, PhD, Professor Emérito da UFLA Consultor Técnico da ANDA Professor Luiz Roberto Guimarães Guilherme Eng.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Professor Alfredo Scheid Lopes Eng o Agr o, MS, PhD, Professor Emérito da UFLA Consultor Técnico da ANDA Professor Luiz Roberto Guimarães Guilherme Eng."— Transcrição da apresentação:

1 Professor Alfredo Scheid Lopes Eng o Agr o, MS, PhD, Professor Emérito da UFLA Consultor Técnico da ANDA Professor Luiz Roberto Guimarães Guilherme Eng o Agr o, MS, PhD, Professor Adjunto da UFLA Eduardo Daher Economista e Administrador de Empresas Diretor Executivo da ANDA Professor Alfredo Scheid Lopes Eng o Agr o, MS, PhD, Professor Emérito da UFLA Consultor Técnico da ANDA Professor Luiz Roberto Guimarães Guilherme Eng o Agr o, MS, PhD, Professor Adjunto da UFLA Eduardo Daher Economista e Administrador de Empresas Diretor Executivo da ANDA Tecnologia, Produção Agrícola e Preservação Ambiental Tecnologia, Produção Agrícola e Preservação Ambiental

2 FATORES DE PRODUÇÃO FATORES DE PRODUÇÃO Sementes Sementes Umidade Umidade Temperatura Temperatura Luminosidade Luminosidade Época de plantio Época de plantio Tratos culturais Tratos culturais Rotação de culturas Rotação de culturas Cobertura viva ou morta Cobertura viva ou morta Manejo integrado de pragas e doenças Manejo integrado de pragas e doenças Stand Stand Adubação equilibrada Adubação equilibrada Etc, etc, etc Etc, etc, etc Sementes Sementes Umidade Umidade Temperatura Temperatura Luminosidade Luminosidade Época de plantio Época de plantio Tratos culturais Tratos culturais Rotação de culturas Rotação de culturas Cobertura viva ou morta Cobertura viva ou morta Manejo integrado de pragas e doenças Manejo integrado de pragas e doenças Stand Stand Adubação equilibrada Adubação equilibrada Etc, etc, etc Etc, etc, etc

3 FERTILIZANTES E CORRETIVOS vs PRODUÇÃO E PRODUTIVIDADE FERTILIZANTES E CORRETIVOS vs PRODUÇÃO E PRODUTIVIDADE PRINCÍPIO DE SUBSTITUIÇÃO DA TERRA PRINCÍPIO DE SUBSTITUIÇÃO DA TERRA VALORIZAÇÃO DA AGRICULTURA: SOLUÇÃO DEFINITIVA VALORIZAÇÃO DA AGRICULTURA: SOLUÇÃO DEFINITIVA PRESERVAÇÃO AMBIENTAL PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

4 O GRANDE DESAFIO MUNDIAL POPULAÇÃO MUNDIAL (BILHÕES) 5,2 6,2 8,3 DEMANDA DE ALIMENTOS (BILHÕES t) 1,97 2,45 3,97 PRODUTIVIDADE (t/ha) 2,5 2,9 4,5 Fonte: Bourlaug e Dowswell, 1993.

5 PRODUTIVIDADE MÉDIA BRASIL vs OUTROS PAÍSES – 2007/08 t/ha ARROZMILHOTRIGOFEIJÃOSOJA Fonte: FAO, BRASIL 3,9 4,1 2,1 0,9 2,8 6,4 9,5 CHINA EUA FRANÇA 7,4 2,8 2,9

6 País Terras disponíveis Terra ocupadas milhões ha milhões ha % Brasil ,7 EUA ,9 Rússia ,0 UE ,9 Índia ,0 China ,5 Canadá ,2 Argentina ,0 Disponibilidade de Terra no Mundo Fonte: ING, 2007

7 Fonte: Bot e outros, 2000 MundoAm. do Sul Am. Central/ Norte ÁsiaBrasilFrançaChina EUA Hectares per capita Terra Agricultável Real (1995), Potencial (1994), sem descontar áreas marginais e Potencial Equivalente (1994), após descontadas as áreas marginais, em hectares per capita TERRAS AGRICULTÁVEIS DO BRASIL SÃO AS MAIS EXTENSAS DO MUNDO

8 ÁREA AGRICULTÁVEL DO BRASIL (550 milhões ha) vs ÁREA TOTAL DE 32 PAÍSES DA EUROPA Grécia Ucrânia Bósnia Croácia Macedônia Islândia Iugoslávia Noruega Finlândia Suíça Bielo Rússia ÁustriaHungriaRomêniaHolandaLituâniaItáliaPolôniaEstônia Tchecoslováquia França Irlanda Bélgica Albânia Portugal Espanha Bulgária Reino Unido Alemanha Letônia Dinamarca Suécia Fonte: J. L. Coelho, John Deere, 2001.

9 MATO GROSSO vs CINTURÃO DO MILHO (CORN BELT) NOS ESTADOS UNIDOS Fonte: J. L. Coelho, John Deere, Columbus Nashville Duluth Des Moines Mato Grosso Meio Oeste (E. U. A)

10 Rio Amazonas Rio Tocantins Platina Atlântico Sul Trecho Sudeste Atlântico Sul Trecho Norte e Nordeste Rio São Francisco Atlântico Sul Trecho Leste Principais Bacias Hidrográficas Brasileiras Fonte: 2007

11 FERTILIZANTES E CORRETIVOS vs PRODUÇÃO E PRODUTIVIDADE

12 PRODUÇÃO AGRO-VEGETAL (BASE SECA - 16 CULTURAS) E CONSUMO DE NUTRIENTES BRASIL 1970/71 a 2007/08 Produção agro-vegetal Consumo de fertilizantes (N+P 2 O 5 +K 2 O) Índice 100: 72/73 67,2 millhões t 1,89 milhões t Índice Fonte: ANDA, FIBGE, (1) Preliminar 07/08 (1) 222,4 milhões t 10,1 milhões t Ano

13 CONSUMO MÉDIO DE NUTRIENTES ( ) FRANÇA CHINA HOLANDA 114 EUA BRASIL VENEZUELA kg/ha N-P 2 O 5 -K 2 O Fonte: IFA, (1987/88)

14 CONSUMO MÉDIO DE NUTRIENTES (1998) kg/ha N-P 2 O 5 -K 2 O BRASIL VENEZUELA EUA FRANÇA CHINA HOLANDA Fonte: IFA, 1999, 2003; ANDA, 2003, : 138 kg/ha 2002: 423 kg/ha 2004: 154 kg/ha kg/ha

15 CereaisRaízes e tubérculosFertilizantes Fonte: World Resources – BrasilChinaÍndiaPaíses em desenvolvimento Incremento (%) INCREMENTO NO CONSUMO DE FERTILIZANTES E NA PRODUTIVIDADE ( )

16 CONSUMO DE FERTILIZANTES - BRASIL kg N+P 2 O 5 +K 2 O/ha CITRUS SOJA CANA CAFÉ Fonte: ANDA, Culturas de exportação MANDIOCA FEIJÃO ARROZ MILHO Alimentos básicos

17 BALANÇO DE NUTRIENTES NA AGRICULTURA BRASILEIRA ASSUMINDO EFICIÊNCIAS MÉDIAS DE UTILIZAÇÃO DE 60% PARA NITROGÊNIO, 30% PARA O FÓSFORO E 70% PARA O POTÁSSIO: DÉFICIT DE 888 MIL TONELADAS DE N, MESMO CONSIDERANDO TODO O N DA SOJA E DO FEIJÃO COMO PROVENIENTE DA FIXAÇÃO BIOLÓGICA. DÉFICIT DE 414 MIL TONELADAS DE P 2 O 5. DÉFICIT DE 413 MIL TONELADAS DE K 2 O. Fonte: Yamada e Lopes, 1999.

18 RELAÇÃO DE CONSUMO DE NUTRIENTES BRASIL (TOTAL e SEM SOJA), PAÍSES COM AGRICULTURA TECNIFICADA e MUNDO – 2007/08 NP2O5P2O5 K2OK2ONP2O5P2O5 K2OK2ONP2O5P2O5 K2OK2O COM SOJASEM SOJA PAÍSES COM AGRIC. TECNIFICADA Fonte: ANDA, 2008, IFA, ,75 1,14 1,25 1,00 2,82 1,00 1,30 Relações NP2O5P2O5 K2OK2O MUNDO 2,56 1,00 0,70

19 Fonte: IFA, ChinaÍndiaEUABrasilPaquistãoIndonésiaFrançaCanadá A SUB-UTILIZAÇÃO DE NITROGÊNIO NO BRASIL vs OUTROS PAÍSES – (kg/ha) 2007 K2OK2OP2O5P2O5 N

20 PRODUTIVIDADE MÉDIA ATUAL – 2007 BRASIL – BONS PRODUTORES Arroz: 6 t/ha (sequeiro) Arroz: t/ha (irrigado) Feijão: 3,5 t/ha (irrigado) Milho: t/ha Soja: 4,5 t/ha Milho: t/ha (safrinha) Algodão: Coffee: 40 e 60 sacas/ha sem e com irrigação

21 BALANÇO ECONÔMICO DA CALAGEM (3 t/ha) MOCOCA, SÃO SIMÃO e GUAÍRA) kg/ha Em kg/ha: Custo do calcário Aumento de produção: No 1 o ano No período (5 anos) (3 anos)(4 anos) Fonte: Raij & Quaggio, 1984.

22 CONSUMO DE CALCÁRIO - BRASIL CAPACIDADE INSTALADA: 50 MILHÕES t/ANO DEMANDA ESTIMADA: 75 MILHÕES t/ANO Milhões t Ano Fonte: ABRACAL, ,0 28,3 14,4 06

23 RELAÇÃO DE CONSUMO CALCÁRIO/FERTILIZANTES BRASIL, 1973/2006 RELAÇÃO CALCÁRIO FERTILIZANTES ANO Fonte: ANDA, ABRACAL, 2007 Relação de consumo calcário/fertilizantes 2002 = 0,97:1; 2005 = 0,84:1; 2006 = 0,69:

24 PRINCÍPIO DE SUBSTITUIÇÃO DA TERRA

25 ESTADOS UNIDOS 17 CULTURAS ALIMENTOS MILHÕES t 129 MILHÕES ha MILHÕES t 119 MILHÕES ha - 10 MILHÕES ha COM AS PRODUTIVIDADES DE 1940 SERIAM NECESSÁRIOS 100 MILHÕES DE ha A MAIS! Fonte: Borlaug e Dowswell, 1993.

26 Milhões ha EUA - Área total poupada pelo uso de tecnologia; 17 culturas, a Área usada Área poupada Anos Fonte: Borlaug & Dowswell, Produção: : 252 Milhões t : 596 Milhões t

27 0 0,5 1 1,5 2 2,5 3 3,5 4 Área usada Anos Área poupada 1,4 3,7(2,6X) Produção Produtividade (milhões t) (t/ha) 1970/71 – 51,7 1,4 2007/08 – 222,4 (4,3X) 3,7 (2,6X) Milhões ha Produtividade t/ha Produção agro-vegetal (base seca) em 16 culturas e área poupada, 1970/71 a 2007/08 Terras poupadas no Brasil 71 milhões ha 35,7 60,5 1,7X Fonte: Adaptado de Lopes e Guilherme, 2003; ANDA, 2007 e IBGE, 2008.

28 VALORIZAÇÃO DA AGRICULTURA: SOLUÇÃO DEFINITIVA

29 A FORÇA DO AGRONEGÓCIO A FORÇA DO AGRONEGÓCIO A CONSCIENTIZAÇÃO POPULAR A CONSCIENTIZAÇÃO POPULAR A DECISÃO POLÍTICA A DECISÃO POLÍTICA AS AÇÕES EMERGENCIAIS AS AÇÕES EMERGENCIAISAÇÕES: A PRESERVAÇÃO AMBIENTAL A PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

30 A CONSCIENTIZAÇÃO POPULAR A CONSCIENTIZAÇÃO POPULAR AÇÕES:

31 A FORÇA DO AGRONEGÓCIO A FORÇA DO AGRONEGÓCIO A CONSCIENTIZAÇÃO POPULAR A CONSCIENTIZAÇÃO POPULAR AÇÕES:

32 O AGRONEGÓCIO NO BRASIL R$ 534 BILHÕES( 2007: 642 R$ BILHÕES) (QUASE 33,0% DO PIB DO BRASIL = BILHÕES 2007: 28%) ANTES DA PORTEIRA (58,7 Bi; 11,0 %) DENTRO DA PORTEIRA (137,8 Bi; 25,8 %) 17 milhões de trabalhadores no campo DEPOIS DA PORTEIRA (337,5 Bi; 63,2 %) Fonte: PIB total : IBGE; PIB agronegócio : CEPEA-USP/CNA, % dos empregos; 40 % das exportações (US$30,6 bilhões);

33

34 Anos Milhões t Carne bovina Carne de frango Carne suína 1,0 2,4 4,1 10,6 9,8 3,0 EVOLUÇÃO NA PRODUÇÃO DE CARNES BRASIL – Fonte: Adaptado de ABEF, ABIEC, ABIPECS, 2008.

35 BRASIL – UMA ECONOMIA MOVIDA A AGRICULTURA Fonte: Políticas agrícolas em países não membros da OCDE – OCDE Subsídios agrícolas (% sobre o valor do produto) Países ricosBrasil 30% 5% Participação da agricultura no PIB % 8,5% 3% 2% Balança comercial da agricultura (bilhões US$) ,5

36 EVOLUÇÃO DO SALDO DA BALANÇA COMERCIAL BRASIL Anos Bilhões (US$) Total Agronegócio Demais segmentos Fonte: SECEX, 2008

37 Barreiras (BA) Balsas (MA) Rondonópolis (MT) Juazeiro (BA) Petrolina (PE) Paracatu (MG) Chapecó (SC) Dourados (MS) Barretos (SP) Brasil (%) 12,3 6,5 6,4 5,6 4,7 4,5 4,2 4,0 3,2 CRESCIMENTO ANUAL DO PIB (%) EM MUNICÍPIOS COM GRANDE DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA ( ) Fonte: Regis Bonelli, IPEA (Veja, pg 135, 13/06/2001)

38 Início 70s ALTO MÉDIO BAIXO Anos 90 ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH-ONU), 23 MUNICÍPIOS COM AGRICULTURA DESENVOLVIDA, INÍCIO 70s e ANOS 90 (Brasil) Fonte: Regis Bonelli, IPEA (Veja, pg 135, 13/06/2001) Saúde, Educação, Habitação

39 SORRISO (MT) = 17 anos = habitantes ha (Soja, milho, algodão, arroz); Potencial = ha 50 sc/ha x ha = sc sc / 500 sc = carretas carretas x 22 pneus = pneus km p/ Paranaguá (ida e volta = km) km/ 2,5 km/L = 1840 L/carreta 1840 L x carretas = 101,2 milhões L de óleo ha x 0,4 t adubo/ha = t t / 27 t/carreta = carretas carretas x 3 chapas = homens/dias, etc., etc., etc.,

40 EMPREGOS GERADOS (POR R$ MILHÃO) Agropecuária Madeira Comércio Alim. e bebidas Outras indústrias Prod. químicos Ind. extr. mineral Prod. min. não met. Serv. de transporte Metalurgia básica Construção Celul. e papel Textil e confecção Maquinas e equip. Borracha e plástico Telecomunicações Montadoras Eletrodomésticos Refino petro. e coque Fonte: BNDES (Folha de São Paulo 26/09/99)

41 A DECISÃO POLÍTICA A FORÇA DO AGRONEGÓCIO A CONSCIENTIZAÇÃO POPULAR AÇÕES:

42 Rodovias: 83% das rodovias tem problemas Em km tem buracos e ondulações Rodovias: 83% das rodovias tem problemas Em km tem buracos e ondulações Sistema Portuário: Navio no porto – custo: 35 mil US$/dia Tempo médio no porto: 20 dias Prejuízo dos produtores: US$ 700 mil/navio Sistema Portuário: Navio no porto – custo: 35 mil US$/dia Tempo médio no porto: 20 dias Prejuízo dos produtores: US$ 700 mil/navio Burocracia: Brasil: despesas portuárias – 6 US$/t EUA e Argentina – a metade Burocracia: Brasil: despesas portuárias – 6 US$/t EUA e Argentina – a metade Perdas: 17 US$/t – em relação aos argentinos (Até) 25 US$/t – em relação aos americanos Perda dos produtores: US$ 1 bilhão/ano Perdas: 17 US$/t – em relação aos argentinos (Até) 25 US$/t – em relação aos americanos Perda dos produtores: US$ 1 bilhão/ano Apagão Logístico, Fonte: Pinazza, 2005

43 MATRIZ DE TRANSPORTE DA SOJA % 20% 40% 60% 80% 100% ArgentinaBrasilEUA Hidrovia: US$8,00/ t/1000 kmFerrovia: US$16,00/ t/1000 kmRodovia: US$32,00/ t/1000 km Fonte: Pinazza, 2005

44 Distribuição dos armazéns: 9% nas fazendas, 56% na zona urbana, 6% na área portuária, 29% na zona rural 46,2%Produção de grãos 18,8%Capacidade de armazenamento 1997/2005 Fonte: CONAB, 2006 Millhões t Capacidade de armazenamento Produção de grãos CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO Anos

45 A REGIÃOS DOS CERRADOS NO BRASIL Fonte: IBGE, 2000.

46 PRODUÇÃO EM 1990 (GRÃOS E CARNE) DA REGIÃO DOS CERRADOS ATIVIDADE ÁREA PRODUTIVIDADE PRODUÇÃO (MILHÕES ha) (t/ha/ano) (MILHÕES t) CULTURAS ANUAIS SEQUEIRO 10,0 2,0 20,0 IRRIGADO 0,3 3,0 0,9 GADO DE CORTE 35,5 0,05 1,7 TOTAL 45,8 22,6 Fonte: Macedo, 1995

47 POTENCIAL DE PRODUÇÃO DA REGIÃO DOS CERRADOS NA ÁREA JÁ ABERTA (1990) UTILIZANDO TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS ATIVIDADE ÁREA PRODUTIVIDADE PRODUÇÃO (MILHÕES ha) (t/ha/ano) (MILHÕES t) CULTURAS ANUAIS SEQUEIRO 20 3,2 64 IRRIGADO 5 6,0 30 GADO DE CORTE 20 0,2 4 TOTAL Fonte: Macedo, 1995

48 POTENCIAL DE PRODUÇÃO DA REGIÃO DOS CERRADOS Assumindo: a) 1/3 da área ( 71 milhões ha) para preservação ambiental; b) disponibilidade de água para irrigar 10 milhões ha; c) aumento de produtividade compatível com tecnologias atuais. Fonte:, Macedo,1995 ATIVIDADE ÁREA PRODUTIVIDADE PRODUÇÃO (MILHÕES ha) (t/ha/ano) (MILHÕES t) CULTURAS ANUAIS SEQUEIRO 60,0 3,3 192 IRRIGADO 10,0 6,0 60 GADO DE CORTE 60,0 0,2 12 CULTURAS PERENES 6,0 15,0 90 TOTAL 136,0 354

49 A SOJA LÁ E CÁ Comparação dos custos de produção EUA (Heartland) 2000/01 Brasil (MT) 2001/02 Produtividade (sc/ha) 45,0 50,4 Custo variável (US$/sc) 3,71 4,49 Custo fixo (US$/sc) 8,01 1,74 Custo total (US$/sc) 11,72 6,23 Produtividade (sc/ha) 45,0 50,4 Custo variável (US$/sc) 3,71 4,49 Custo fixo (US$/sc) 8,01 1,74 Custo total (US$/sc) 11,72 6,23 Custos variáveis (US$/ha) 187,1 224,3 Custos fixos (US$/ha) 404,2 87,1 Custo Total (US$/ha) 591,4 311,4 Custos variáveis (US$/ha) 187,1 224,3 Custos fixos (US$/ha) 404,2 87,1 Custo Total (US$/ha) 591,4 311,4 Fonte: USDA e CONAB

50 Foto: Rivian Ferreira Dias

51 Fonte:

52 Participação da Região dos Cerrados na Produção Brasileira Algodão 89% Algodão 89% Sorgo 69% Sorgo 69% Carne bovina 55% Carne bovina 55% Soja 53% Soja 53% Café 48% Café 48% Arroz 37% Arroz 37% Milho 30% Milho 30% Feijão 25% Feijão 25% Cana-de-açúcar 13% 5,6 milhões tons de grãos em 1970 Cana-de-açúcar 13% 5,6 milhões tons de grãos em milhões tons de grãos em 2003 Fonte: Roberto Teixeira Alves, Embrapa-Cerrados, 2006

53 OPORTUNIDADES: 1- Consolidação dos BRICs (Brasil, Rússia, Índia e China) como mercados consumidores. 2 – Retomada no crescimento econômico dos países do leste europeu. 3 – Malásia, Coréia do Sul e outros países emergentes na Ásia. 4 – Globalização também no social. 5 – Acima de tudo: 15 milhões de pessoas que ainda passam fome nesse país gigante.

54 EXPANSÃO DO PLANTIO DIRETO NO BRASIL E REGIÃO DOS CERRADOS 75/7685/8695/9600/0180/8190/9103/04 (e) Ano agrícola Milhões ha Cerrados Brasil Fonte: FEBRAPDP, ,0 25,0 8,9

55 AS AÇÕES EMERGENCIAIS AS AÇÕES EMERGENCIAIS A FORÇA DO AGRONEGÓCIO A FORÇA DO AGRONEGÓCIO A CONSCIENTIZAÇÃO POPULAR A CONSCIENTIZAÇÃO POPULAR A DECISÃO POLÍTICA A DECISÃO POLÍTICA AÇÕES:

56 AS AÇÕES EMERGENCIAIS AS AÇÕES EMERGENCIAIS Operação tapa buracos Operação tapa buracos Dragagem dos principais portos brasileiros Dragagem dos principais portos brasileiros Reforma tributária (guerra inter-estadual) Reforma tributária (guerra inter-estadual) Ampliação da capacidade de armazenagem Ampliação da capacidade de armazenagem Reativação da extensão rural Reativação da extensão rural Desburocratização e timing do crédito rural Desburocratização e timing do crédito rural Desenvolvimento do seguro rural e criação Desenvolvimento do seguro rural e criação de fundo de catástrofe

57 AS AÇÕES EMERGENCIAIS AS AÇÕES EMERGENCIAIS A FORÇA DO AGRONEGÓCIO A FORÇA DO AGRONEGÓCIO A CONSCIENTIZAÇÃO POPULAR A CONSCIENTIZAÇÃO POPULAR A DECISÃO POLÍTICA A DECISÃO POLÍTICA AÇÕES: A PRESERVAÇÃO AMBIENTAL A PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

58 Considerações finais

59 Mito: O agronegócio só privilegia os grandes produtores rurais e as culturas de exportação.

60 O AGRONEGÓCIO NO BRASIL R$ 534 BILHÕES (QUASE 33,0% DO PIB DO BRASIL = BILHÕES) ANTES DA PORTEIRA (58,7 Bi; 11,0 %) DENTRO DA PORTEIRA (137,8 Bi; 25,8 %) 17 milhões de trabalhadores no campo DEPOIS DA PORTEIRA (337,5 Bi; 63,2 %) Fonte: PIB total : IBGE; PIB agronegócio : CEPEA-USP/CNA, % dos empregos; 40 % das exportações (US$30,6 bilhões);

61 AGRICULTURA FAMILIAR 30,5% da área cultivada, 38% do valor da exportação e 30,5% da área cultivada, 38% do valor da exportação e 77% das pessoas que trabalham na agricultura Fonte: IBGE. CNA, Mandioca: 84% Feijão: 67% Leite: 52% Milho: 49% Soja: 32% Arroz: 31% Aves e ovos: 40% Suinos: 59% Fumo: 97%; Cana: 25%

62 E A AGRICULTURA DE SUBSISTÊNCIA? E A AGRICULTURA DE SUBSISTÊNCIA?

63 UM ESTUDO DE CASO NA AGRICULTURA DE SOBREVIVÊNCIA NA ÁFRICA Produtividade atual (t/ha) Ervas daninhas Insetos e doenças Seca Linha de sobrevivência > 2 t/ha Fertilidade do solo Com segurança alimentar Culturas adequadas Estação de crescimento (meses) Produtividade potencial (t/ha) Fonte: Conway & Toenniessen, 2003, Science, 299, Produtividade potencial (t/ha) Estação de crescimento (meses) Linha de sobrevivência Ervas daninhas Insetos e doenças Seca < 1 t/ha Sem segurança alimentar Produtividade atual (t/ha)

64 Ajuda Humanitária de Alimentos de Alimentos Compra no Local Fertilizantes, Sementes Híbridas US$670/t US$240/t US$77 para produzir 1 t extra de alimento MILLENIUM PROJECT – ÁFRICA Palestra: A 2ª Revolução Verde: O Desafio Africano e o Projeto Milênio Dr. Pedro Sanchez, World Food Prize de de julho de 2008 na UFLA

65 Maranhão 1211 kg/ha Norte Centro-Oeste Nordeste Sudeste Sul Regiões: Piauí 638 kg/ha Ceará 686 kg/ha Rio Grande do Norte 447 kg/ha Paraiba 483 kg/ha Pernambuco 983 kg/ha Alagoas 604 kg/ha Sergipe 1293 kg/ha Bahia 2614 kg/ha Norte 569 mil ha 2,0 t/ha Centro-Oeste 746 mil ha 5,5 t/ha Nordeste 2,4 milhões ha 1,1 t/ha Sudeste 2,1 milhões ha 5,5 t/ha Sul 3,4 mi- lhões ha 5,4 t/ha MILHO – BRASIL ÁREA PLANTADA E PRODUTIVIDADE (t/ha) Fonte: Céleres, Menos Bahia 793 kg/ha

66 Uso de tecnologias agrícolas e energia elétrica. Brasil, Censo Agricola 1995/96. Fonte: IBGE, RegiãoNúmeroPropriedades com declaração de uso de X 1.000ATCFCPCSIEE % sobre o número na região Norte443,66,69,544,20,80,710,7 Nordeste2.309,04,118,250,56,54,920,0 Sudeste840,930,664,583,230,112,461,9 Sul1.002,448,676,492,245,55,473,7 Centro Oeste242,232,936,891,619,44,451,9 Total4.848,119,638,466,318,85,939,1 AT = Assistência técnica; CF = Calcário e fertilizantes; CP = Controle de pestes; CS = Conservação do solo; I = Irrigaçãoo EE = Energia elétrica 68% < 10 ha

67 Mito : A agricultura é uma grande vilã ambiental, contribuindo para o desmatamento desenfreado da região amazônica.

68 0 0,5 1 1,5 2 2,5 3 3,5 4 Área usada Anos Área poupada 1,4 3,7(2,6X) Produção Produtividade (milhões t) (t/ha) 1970/71 – 51,7 1,4 2007/08 – 222,4 (4,3X) 3,7 (2,6X) Milhões ha Produtividade t/ha Produção agro-vegetal (base seca) em 16 culturas e área poupada, 1970/71 a 2007/08 Terras poupadas no Brasil 71 milhões ha 35,7 60,5 1,7X Fonte: Adaptado de Lopes e Guilherme, 2003; ANDA, 2007 e IBGE, 2008.

69 Mito: Os benefícios sociais do modelo agrícola brasileiro foram ínfimos.

70 ÍNDICES DE PREÇOS REAIS DA CESTA BÁSICA Setembro de 1975 a Julho de ,2 0,4 0,6 0,8 1 1,2 D-/94 S-75 M-77 S-78 M-80 S-81 M-83 S-84 M-86 S-87 M-89 S-90 M-92 S-93 D-95 J-97 D-98 J-00 Fonte: Portugal, Progressiva transferência de renda (R$ 150 bi/ano) Barros et al., 2006

71 Inflação - Variação desde o Plano Real Fonte: IBGE; Elaboração: CNA, A participação do item Alimentação no Domicílio no IPCA é de cerca de 15 % IPCA (janeiro agosto 2007) = 212%

72 Declaração de Apoio à Proteção da Natureza com Agricultura e Silvicultura de Alta Produtividade CENTER FOR GLOBAL FOOD ISSUES Norman Borlaug, PhD – Prêmio Nobel da Paz Oscar Arias, PhD – Prêmio Nobel da Paz Patrick Moore, PhD – Co-fundador do Greenpeace George McGovern – Embaixador dos Famintos na ONU Eugène Lapointe – Presidente do World Conservation Trust James Lovelock – Autor da The Gaia Hypothesis Per Pinstrup-Andersen, PhD – Prêmio Alimento do Mundo 2001

73 A DEMANDA CRESCENTE NA PRODUÇÃO DE ALIMENTOS É UM DOS MAIORES DESAFIOS DA HUMANIDADE. O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, AQUELE QUE ATENDE AS EXIGÊNCIAS DO PRESENTE, SEM COMPROMETER A CAPACIDADE DAS GERAÇÕES FUTURAS EM ATINGIR SUAS NECESSIDADES, SOMENTE PODERÁ SER ALCANÇADO ATRAVÉS DA INTERAÇÃO HARMÔNICA ENTRE O HOMEM E O AMBIENTE. A AGRICULTURA É A BASE DE SUSTENTAÇÃO DO HOMEM; MANEJAR ADEQUADAMENTE O SOLO É GARANTIR A CONTINUIDADE DA VIDA NO PLANETA. ALFREDO SCHEID LOPES PROFESSOR EMÉRITO FUNDADOR DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS LAVRAS, SETEMBRO DE 1995.

74 Elaboração: Revista VEJA, edição 03/03/2004 Fontes: IBGE e CONAB; Adaptação: MAPA, Distribuição territorial (Estimativa milhões de ha) Floresta Amazônica345 Pastagens220 Áreas protegidas55 Culturas anuais47 Culturas permanentes15 Cidades, lagos e estradas20 Florestas cultivadas5 Sub-total707 Outros usos38 Áreas não exploradas ainda disponíveis para a agricultura 106 TOTAL851 Produção com sustentabilidade

75 Guia de Fertilidade do Solo Versão 3.0 – 2004 (atualizada e ampliada) APOIO: Mais de 700 páginas de informações básicas pertinentes aos tema incluindo: Prof. Luiz Roberto G. Guilherme (DCS/ UFLA) Caixa Postal 3037 Fone/Fax: (35) Prof. Alfredo Scheid Lopes Rua Mário Martins, 42, Bairro Centenário – Lavras, MG Fone/Fax: (35) ; (35) glossário com 314 palavras, 133 gráficos, 201 tabelas, 124 fotos coloridas,42 fichas sobre temas relevantes, 25 painéis de cálculos para situações específicas, 2 fertigramas, 486 perguntas de revisão, procura palavras e 145 referências bibliográficas. Informações adicionais: Página na Internet: assunto solos, guia de fertilidade versão multimídia (atualizada e ampliada) Agora também para Windows XP, NT e 2000, incluindo o aplicativo Procura Palavras (Full Text Search), e publicações em PDF. !!! Um curso completo de Fertilidade do Solo. O único no Brasil na mais avançada tecnologia multimídia,com tudo que você precisa saber sobre o manejo da fertilidade do solo e o uso eficiente de corretivos e fertilizantes.

76 SISTEMA PLANTIO DIRETO: BASES PARA O MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO Alfredo Scheid Lopes Sírio Wiethölter Luiz Roberto Guimarães Guilherme Carlos Alberto Silva ANDA ASSOCIAÇÃO NACIONAL PARA DIFUSÃO DE ADUBOS Pedidos para: ANDA Associação Nacional para Difusão de Adubos Praça Dom José Gaspar 30 9 o andar Centro São Paulo, SP Fax: (011) ou busca direta no site

77 Uma Verdade Inconveniente Um Alerta Global Al Gore

78 ANDA Associação Nacional para Difusão de Adubos

79

80 Quanto mais alimentos conseguirmos tirar da terra, menos terra iremos tirar da natureza. AEASP MUITO OBRIGADO !!! NÃO PERMITAMOS QUE O BRASIL PERCA O BONDE DA HISTÓRIA!!!

81


Carregar ppt "Professor Alfredo Scheid Lopes Eng o Agr o, MS, PhD, Professor Emérito da UFLA Consultor Técnico da ANDA Professor Luiz Roberto Guimarães Guilherme Eng."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google