A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Escola Estadual Adventor Divino de Almeida. Campo Grande 19 de maio de 2008. Professora: Sandra. Disciplina: Biologia. Alunos: Eduardo n° 13. Josiliane.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Escola Estadual Adventor Divino de Almeida. Campo Grande 19 de maio de 2008. Professora: Sandra. Disciplina: Biologia. Alunos: Eduardo n° 13. Josiliane."— Transcrição da apresentação:

1 Escola Estadual Adventor Divino de Almeida. Campo Grande 19 de maio de Professora: Sandra. Disciplina: Biologia. Alunos: Eduardo n° 13. Josiliane n°23. Série 2° ano A_ Ensino Médio. Turno: Vespertino.

2 Histologia vegetal- tecidos primários e secundários das angiospermas

3 As células meristemáticas não são especializadas, mas contêm elementos para a edificação das células diferenciadas. Os meristemas originam tecidos primários, através de divisões anticlinais e periclinais de células denominadas iniciais. As novas células são chamadas de derivadas.

4 Suas características são: tamanho reduzido, compactação, apenas parede primária, muitos vacúolos pequenos e plastídios não diferenciados (proplastídios). E suas funções são: crescimento e cicatrização de injúrias.

5 Meristemas apicais: nas extremidades de caules e de suas ramificações e de raízes e suas ramificações. Originam tecidos primários, sendo portanto, responsáveis pelo crescimento primário da planta (crescimento vertical). Suas células possuem citoplasma denso, núcleo grande e forma aproximadamente isodiamétrica.

6 Protoderme: camada mais externa do conjunto que irá originar a epiderme. Procâmbio: origina os tecidos vasculares a parte do câmbio. Meristema fundamental: origina parênquima, colênquima e esclerênquima.

7 Histo vegetal Angiosperma Monocotiledônea

8 Características: Tecido secundário protetor, substituindo a epiderme. Ocorre em palmeiras, dracenas, etc. Em raízes e caules de Rosaceae (família da roseiras), Myrtaceae (família da goiabeira) e outras, existe um tipo especial de periderme, a poliderme, onde há uma alternância de células suberizadas e não suberizadas.

9 Esclereídes ou esclerócitos: células curtas, espessadas, com numerosas pontoações. O tecido formado é muito rígido. A textura pétrea da pêra é devida à presença de inúmeros esclerócitos isodiamétricos na polpa. Fibras: células longas, com extremidades afiladas, lume reduzido e paredes secundárias espessas. Servem como de elemento de sustentação nas partes vegetais que não mais se alongam. Podem se originar do pró-câmbio, sendo chamadas fibras do floema ou xilema primários ou do câmbio, sendo denominadas fibras do xilema ou floema secundários; além disso, células do parênquima cortical, mesofilo e epiderme podem originar fibras.

10 Translocação de nutrientes orgânicos (principalmente açúcares produzidos pela fotossíntese). -controle sobre o crescimento das diferentes partes da planta.

11 Crescimento Secundário Grupo Angiosperma


Carregar ppt "Escola Estadual Adventor Divino de Almeida. Campo Grande 19 de maio de 2008. Professora: Sandra. Disciplina: Biologia. Alunos: Eduardo n° 13. Josiliane."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google