A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O período em que está incluído foi uma fase de transição entre o Feudalismo e o Capitalismo O Mercantilismo foi uma política econômica adotada pelos Estados.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O período em que está incluído foi uma fase de transição entre o Feudalismo e o Capitalismo O Mercantilismo foi uma política econômica adotada pelos Estados."— Transcrição da apresentação:

1

2 O período em que está incluído foi uma fase de transição entre o Feudalismo e o Capitalismo O Mercantilismo foi uma política econômica adotada pelos Estados Absolutistas Sua função era obter mais recursos financeiros para a nação; Era uma forma de nacionalismo e foi baseado no intervencionismo estatal e no protecionismo alfandegário; Essa prática era feita através de dois princípios fundamentais: o metalismo a balança comercial favorável

3 A forma espanhola Forma primitiva metalista ou bulhonista Metal precioso era considerado a maior riqueza Métodos de acumulação: - elevada taxa de juros - medidas intervencionistas para impedir que saíssem do pais - evitar importação - balança de contratos

4 A forma francesa Industrialista ou colbertismo Empregou-se o formato da indústria A indústria é preferida à agricultura – produtos industrializados têm um valor maior de exportação Medidas intervencionistas: - outorga-se monopólio de produção - regulamenta-se a indústria - se interdita o trabalho livre - Estende-se o corporativismo A forma portuguesa Europa: época de transição do feudalismo para o capitalismo Baseado e comandado pela burguesia Desenvolve-se através da acumulação de capital comercial

5 A forma inglesa A única maneira de fazer com que muito ouro seja trazido de outros remos para o tesouro real é conseguir que grande quantidade de nossos produtos seja levada além dos mares, e menor quantidade de seus produtos seja para cá transportada.... Caracterizado como comercialismo; Os mercantilistas revogaram a proibição da saída de metais preciosos; O poderio naval e o desenvolvimento manufatureiro fizeram da Inglaterra o país que obteve os maiores lucros na Revolução Comercial; Na concepção mercantilista, é a nação, não o indivíduo, o comerciante; O Estado regulamenta rigorosamente a produção, fiscaliza as exportações e controla as vendas no exterior; Grande preocupação política: fiscalização das exportações visará também impedir a saída da produtos e matérias-primas que possam ser úteis à defesa do país ou à condução da guerra; Acentuada tendência do mercantilismo à autarquia econômica, exprimiu-a bem o economista Montchrétien: Toda sociedade deve ser abundantemente abastecida por si própria; não deve tomar de empréstimo aquilo que tenha por necessário, pois, não podendo tê-lo a não ser por misericórdia de outrem, com isto se enfraquece.

6 A forma alemã Caracterizado como cameralismo; Alemanha permanece dividida, enquanto a maioria das nações já havia se unificado, ainda ocorrem lutas entre principados para impor sua soberania, constituindo pequenos Estados, isolados politicamente e economicamente; Predomínio das idéias de Pufendorf ( ), afirmando a autoridade direta e alienável do Estado sobre o povo, justificando o paternalismo político; Estrita subordinação dos interesses do indivíduo aos da coletividade, justificando a forte intervenção do Estado; A preocupação política se revela como a principal, sendo a preocupação econômica secundária e subordinada; Johannes Heinrich von Justi, tenta distinguir os princípios de uma política econômica, constituindo o essencial da ciência cameralista, se esforçando no sentido de separar a ciência da Administração Geral do Estado. Von Justi tenta sistematizar as regras de tributação, insistindo na necessidade de simplificar a avaliação e o recebimento dos impostos, limitarem as taxas para assegurar a produtividade;

7 Por haver sido menos antigido pelo humanismo do Renascimento, o cameralismo tende a negligenciar os aspectos qualitativos dos problemas econômicos, os distinguindo dos outros mercantilistas; Os princípios são sufocados pelos fatos; perdem-se na massa dos detalhes regulamentares e nos minuciosos ensaios de classificação. Tanto na forma como no fundo, a obra dos cameralistas carece de síntese; Porém as aplicações da doutrina cameralista contribuíram de maneira decisiva para assegurar a evolução estrutural da economia alemã, criando condições favoráveis ao progresso rápido de sua industrialização.

8 WILLIAM PETTY ( ) Inglês, médico, trabalhou com Hobbes. Enriqueceu na Irlanda, onde mais tarde tornou-se membro do parlamento. Idéias defendidas: - Expressou-se a favor da versão mercantilista do pleno emprego - idéia da igualdade entre renda e gasto nacional - ajuste automático da moeda - comercio externo mais livre (produtos importados mais caros) - sustentava que o trabalho era fonte de valor Pode-se dizer que sua linha de pensamento aproxima-se mais com Marx e Keynes do que dos liberais pois deseja uma divisão internacional do trabalho.

9 RICHARD CANTILLON Banqueiro e comerciante nascido na Irlanda Autor do primeiro tratado sistemático da economia É considerado grande influenciador de Adam Smith Principais contribuições: - a estrutura das classes sociais - a teoria dos preços e a descrição do sistema de mercado - a teoria monetária e os fluxos de renda JEAN BAPTISTE COLBERT Representa o coração do que é denominado colbertismo na França Foi ministro francês das finanças no reinado de Luís XIV Principais contribuições: - defensor da acumulação de metais preciosos - acreditava que a força do Estado dependia de suas finanças (coleta de impostos) - apoiava a expansão de exportações e redução das importações - fez o máximo para facilitar o comércio interno

10 THOMAS MUN ( ) Inglês,funcionário da Coroa Britânica, um dos primeiros pensadores a sistematizar as idéias mercantilistas; Acreditava que a Inglaterra somente deveria importar para fins de revenda, já que a atividade de intermediação comercial era bastante lucrativa para o país na época; Os produtos para consumo dos ingleses deveriam ser produzidos internamente; As medidas anteriormente citadas favoreceriam o que Mun denominou: lucro na Balança de Comércio. DAVID HUME ( ) Escocês, filósofo, sua maior contribuição para a economia foi uma das primeira ligações entre oferta de moeda no mercado e preço; Acreditava que a ligação citada anteriormente poderia ser atenuada se: - junto com o aumento da oferta monetária, aumentasse também o giro dessa moeda, para que ela não ficasse retida com as pessoas, o que ocasionaria aumento dos preços; - crescimento econômico, para que as moedas entrassem sem pressionar os preços;

11 A Colonização como sistema O sistema colonial do mercantilismo dá sentido à colonização européia no período que media entre os Descobrimentos Marítimos e a Revolução Industrial. Meta fundamental da política mercantilista na utilização do sistema colonial: as colônias garantiriam a auto-suficiência metropolitana. A colonização tinha uma natureza essencialmente comercial: produção para o mercado externo, fornecimento de produtos tropicais e metais nobres à economia européia – eis, no fundo, o sentido da colonização. O comércio colonial que comandava todo o processo de colonização e consistia na aceleração da acumulação primitiva de capital, além de ter como característica de produção a utilização de mão de obra escrava ou de trabalho compulsório. O primeiro passo após a descoberta de um território seria sua exploração inicial, a fim de garantir a posse. A produção açucareira deu inicio ao processo de colonização, efetivamente e recorreu-se aos recursos particulares, capitanias.

12 Formas de monopólio Monopsônio, que era o monopólio exercido por um único empresário que detinha a exclusividade da compra dos produtos externos. Oligopsônio, que representava um grupo com a exclusividade na compra dos produtos coloniais. Ações Contrárias ao sistema colonial As concessões e tratados que Portugal fazia com outras potências, em momentos críticos para a economia lusitana. As licenças à mercadores estrangeiros. O contrabando e a pirataria.

13 Crise do mercantilismo colonial O que gerou a crise: O esgotamento dos recursos naturais dentro da colônia, excessivamente explorada. A mão de obra escravista não permitia o progresso técnico. O acúmulo de capitais pelas potências européias, que possibilitou o desenvolvimento tecnológico e teve como conseqüência o aumento da, cada vez mais ágil, produção de manufaturados. O aumento da produção acarretava na busca constante por mercados consumidores, que não existiam uma vez que as colônias utilizavam mão de obra escrava e a concentração de renda era na mão de poucos, como resultado, os mercados consumidores coloniais eram insuficientes

14 Ricardo Feijó – História do Pensamento econômico Paul Hugon – Historia das doutrinas econômicas Editora Atlas – Era dos Economistas

15 Grupo: Catarina Gentil Arena Daniela de Melo Ourique Marcella dos Reis Manes Maria Paula Mariana Mirella Esteves Paula Priscilla


Carregar ppt "O período em que está incluído foi uma fase de transição entre o Feudalismo e o Capitalismo O Mercantilismo foi uma política econômica adotada pelos Estados."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google