A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A República Oligárquica Colégio Militar de Belo Horizonte – História – 3ª ano/

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A República Oligárquica Colégio Militar de Belo Horizonte – História – 3ª ano/"— Transcrição da apresentação:

1 A República Oligárquica Colégio Militar de Belo Horizonte – História – 3ª ano/

2 Objetivos a.Definir oligarquia e coronelismo. b.Explicar o funcionamento da política do café-com- leite. c.Descrever a Política dos Governadores. d.Definir Convênio de Taubaté. e.Explicar a relação existente entre coronelismo, Política dos governadores e Política do café-com- leite. f.Descrever as principais questões da política externa brasileira, localizando-as geograficamente. g.Citar a participação do Brasil na Primeira Guerra Mundial.

3 República Velha – divisão e duração Rep Espada Rep Oligárquica ( )( )

4 A República Oligárquica Durou os anos de 1894 a Nestes anos o Brasil foi governado por presidentes originários da elite agrária, em especial dos cafeicultores. Esta época foi apelidada Café com Leite pela grande presença de presidentes paulistas e mineiros. Foi o período áureo do coronelismo: grande poder dos proprietários de terra.

5 Convênio de Taubaté (1906) e a valorização do café. Para tentar resolver as crises freqüentes que o café vinha tendo no mercado estrangeiro, foi feita um reunião em Taubaté – cidade paulista – onde políticos e cafeicultores aprovaram uma proposta de valorização do café. Pelo acordo, o governo Brasileiro compraria o café que não conseguisse ser vendido para fazer estoques, revendendo-o em anos de maior demanda. O Acordo prejudicava outros produtos que não eram beneficiados como o café. Foi realizado no governo de Rodrigues Alves ( ).

6 Rodrigues Alves tentando empilhar o café comprado pelo governo

7 A cafeicultura se expande com o Convênio de Taubaté

8 Política dos Governadores Durante este período houve a aplicação da Política dos Governadores, estratégia do Governo central garantir o apoio dos governadores estaduais. Esta estratégia se baseava na Comissão Verificadora de poderes que declarava a validade das eleições dos deputados e senadores. Se um Governador discordava do Presidente, este mandava a comissão degolar os deputados e senadores do estado do governador. A Política dos Governadores foi feita no governo de Campos Sales ( ).

9 Funding Loan Em 1898 Campos Sales (1892 – 1902) promoveu uma reforma econômica para acabar com os problemas gerados pelo Encilhamento. Esta reforma chamou-se funding Loan que em inglês significa moratória. A moratória era o adiamento dos pagamentos da dívida brasileira aos bancos estrangeiros. Além da moratória, o governo diminuiu a quantidade de dinheiro em circulação, aumentando impostos e cortando gastos.

10 O Café com Leite Durante o Período Oligárquico predominou o revezamento político entre São Paulo e Minas Gerais. Minas e São Paulo eram os maiores estados em eleitores podendo fazer facilmente o presidente da república, como o apoio de alguns outros estados.

11 POLÍTICA EXTERNA – QUESTÕES DE FRONTEIRA NA REPÚBLICA VELHA( )

12 As Questões de Fronteira O Brasil teve várias disputas de fronteira durante a República Velha, obtendo vantagens na maioria deles. Foram elas: Palma, Amapá, Pirara, Acre, Ilha de Trindade, além de definição de fronteiras com Peru, Colômbia, Uruguai e Guiana Holandesa. Na resolução destas questões se destacou José Maria da Silva Paranhos, o Barão do Rio Branco.

13 1 – Acre 2 – Pirara (Guiana Inglesa) 3 – Amapá (Guiana Francesa) 4 – Palma (Argentina) 5 – Ilha de Trindade (Inglaterra)

14 Ilha de Trindade (1896) Os ingleses pretendendo ampliar suas comunicações no Atlântico Sul, decretaram a posse sobre a ilha de Trindade. O governo brasileiro, através da mediação portuguesa, manteve a posse da Ilha.

15 Questão de Palma (1895) Desde a época colonial havia um litígio entre Brasil e Argentina, nos atuais estados de SC e PR. A arbitragem do presidente Norte- americano foi favorável ao Brasil, ficando o Brasil com a maior parte do território disputado. O representante brasileiro na questão foi Rio Branco.

16 A Questão do Amapá (1900) A descoberta de ouro na região do Amapá em 1895 fez surgir uma disputa entre Brasil e a França. O Barão de Rio Branco dirigiu as negociações junto ao presidente da Suíça, escolhido com arbítrio pelos dois países. A fronteira foi definida no rio Oiapoque, em 1900, de acordo com as pretensões brasileiras.

17 A Questão do Pirara (1901) Foi uma disputa entre Brasil (Roraima) e a Inglaterra (Guiana Inglesa) Foi a única questão cuja a solução não foi favorável ao Brasil. O Rei da Itália, Vitor Emanuel III deu laudo favorável a Inglaterra, ficando o Brasil com a menor parte do território disputado. O representante brasileiro na questão foi Joaquim Nabuco.

18 A Questão do Acre (1903) Devido a exploração da borracha, o Acre passou a ser invadido por aventureiros de diferentes países. Plácido de Castro, um ex- militar brasileiro, lidera um movimento de seringalistas e determina a independência do território da Bolívia, país o qual o Acre pertencia. Rio Branco, ministro do exterior do Brasil, se oferece ao governo boliviano para resolver a questão, que acaba mediante a compra do território para o Brasil.

19 Moradia dos seringueiros

20 O exército acreano de Plácido de Castro

21 O comandante Plácido de Castro

22

23 Chegado dos batalhões do Exército chefiados pelo general Olímpio da Silveira. José Maria da Silva Paranhos, o Barão de Rio Branco

24 O látex, produto por traz da guerra no Acre

25 Além da indenização, o governo brasileiro se compromete a construção de uma ferrovia – a Madeira-Mamoré - para ajudar nas exportações bolivianas. O tratado entre os dois países foi assinado em Petrópolis.

26 MOVIMENTOS SOCIAIS NA REPÚBLICA VELHA ( )

27 REVOLTA DE CANUDOS ( )

28 A Revolta de Canudos foi um movimento messianico, ligado a grande pobreza e abandono das populações do interior do Nordeste. O movimento ocorreu pela junção de vaqueiros pobres pelo religioso Antônio Conselheiro que os reuniu na fazenda abandonada de Canudos. Por querelas com um comerciante local, os vaqueiros ameaçaram de invadir a cidade de Belo Monte. Foram mandadas quatro expedições da Força Pública (Polícia Militar) e do Exército.

29 - Somente com expedição de Artur Oscar com mais de homens que o arraial de Canudos foi cercado e destruído em outubro de A razão da preocupação governamental em acabar com o movimento foi a denúncia dele estar vinculado com o reação monárquica. - Destaque especial para a ação do Marechal Bittencourt, então Ministro da Guerra, que organiza o abastecimento ds tropas envolvidas na Guerra de Canudos.

30 - A Matadeira, canhão levado pela Expedição do Gen Artur Oscar (1897) - Foto do arraial de Canudos época.

31

32 Morte de Antônio Conselheiro, ao final da Revolta de Canudos

33 REVOLTA DA VACINA (1904)

34 Revolta da Vacina (Presidente Rodrigues Alves). Causas: –Destruição de cortiços e favelas, ampliação das avenidas, construção de novos prédios inspirando- se em Paris. –Expulsão de comunidades pobres das regiões centrais e a alta do custo de vida. –Vacinação obrigatória contra a varíola (Oswaldo Cruz) desencadeia conflito. –Durante o conflito, um grupo de partidários radicais do Mal. Floriano Peixoto, denominados jacobinos florianistas tenta tomar o poder, não obtendo resultados satisfatórios.

35 Charges sobre a Revolta da vacina

36 REVOLTA DA CHIBATA (1910)

37 Revolta da Chibata Revolta dos Marinheiros ou Chibata (RJ 1910) –João Cândido (líder), posteriormente apelidado de Almirante Negro. –Causas: maus tratos, baixos soldos, péssima alimentação e castigos corporais (como a chibata, por exemplo) dentro da marinha.

38 O couraçado Minas Gerais, navio principal da Revolta da Chibata

39 REVOLTA DO CONTESTADO ( )

40 A Revolta do Contestado foi um movimento semelhante a Canudos. - Ocorreu no oeste de Santa Catarina e sul do Paraná, em uma região disputada (contestada) pelos dois estados. - O movimento foi feito por camponeses que eram posseiros em terras adquiridas por companhias madereiras e pela Brazil Raiway Company, empresa de capital americano. - Os camponeses expulso das terras foram arregimentados por um fanático religioso, conhecido como Monje João Maria e seu ministro Adeodato.

41 O CONTESTADO

42

43 MOVIMENTO TENENTISTA ( )

44 O Movimento Tenentista foi um conjunto de revoltas surgida dentro do próprio Exército. - A razão deste movimento está ligado a uma revolta contra o coronelismo, a política café-com-leite e a corrupção política. - O Exército, em especial os jovens oficiais representavam a emergência das classes médias e a modernização industrial e urbana do Brasil. - Foram três episódios fundamentais: 1)A Revolta do Forte Copacabana (os 18 do Forte); 2)A Revolta de 1924 de São Paulo; 3)A Coluna Prestes-Miguel Costa.

45 Revolta dos 18 do Forte de Copacabana – 1922.

46 Revolta Tenentista de 1924 – São Paulo

47 Particapantes da Coluna Prestes. No centro, abaixo, o coronel Miguel Costa. A direita dele o capitão Luiz Carlos Prestes.

48

49 O Cangaço - Banditismo Social ou Cangaço (NE 1890 – 1940): –Bandos armados que percorriam o interior nordestino sobrevivendo de delitos. –Principais bandos: Lampião e Curisco. –Causas: miséria crônica da população nordestina, seca, má distribuição de terras, descaso do Estado e dos coronéis para com os mais pobres, violência, etc. –Mito do Robin Hood.

50 1ª GUERRA MUNDIAL ( )

51 O Brasil na 1ª Guerra Mundial O afundamento de navios brasileiros (seis) em 1917, foi a causa da declaração de guerra do Brasil para com a Alemanha. A participação do Brasil foi restrita. Foi enviado um grupo de navios (a D.N.O.G.) para patrulhar o Oceano; um grupo de médicos e enfermeiros para apoio de saúde e militares na condição de observadores.

52 Os submarinos alemães trouxeram conseqüências para o Brasil

53 Rebocador Laurindo Pitta, o único navio da época da 1ª Guerra. Faz passeios turísticos no Rio, a partir da Praça XV.

54 Cartaz chamado ao alistamento Cartaz alertando sobre a espionagem inimiga

55 Corpo médico que participa da 1ª Guerra

56 Entre as consequências que tivemos com a Primeira Guerra Mundial foi o grande desenvolvimento industrial. Houve varias greves devido a exploração do operariado nesta época, em especial as greves de 1917,1918 e 1919.

57 O Colégio Arnaldo em Belo Horizonte. Invadido por populares durante a 1ª Guerra Mundial. Os padres alemães teriam colocado canhões prontos para bombardear a cidade nas cúpulas do prédio!!!!

58 A Semana de Arte Moderna (SP – 1922): –Crítica aos padrões artísticos e literários formais (métrica, rima, saudosismo, sentimentalismo). –Criação de uma nova estética sem fórmulas fixas e limitadoras da criatividade. –Paulicéia Desvairada – MÁRIO DE ANDRADE: primeira obra modernista. –Principais representantes: Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Manuel Bandeira, Menotti del Picchia (literatura), Anita Malfatti, Tarsila do Amaral, Di Cavalcanti (pintura), Villa-Lobos (música), Vitor Brecheret (escultura).

59 Os modernistas da Semana de 1922 e o Abaporu, sucesso e escândalo na exposição de arte.

60 Propaganda de remédio que utiliza um personagem de Monteiro Lobato, o Jeca Tatu.


Carregar ppt "A República Oligárquica Colégio Militar de Belo Horizonte – História – 3ª ano/"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google