A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A República Oligárquica Colégio Militar de Belo Horizonte – História – 3ª ano/

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A República Oligárquica Colégio Militar de Belo Horizonte – História – 3ª ano/"— Transcrição da apresentação:

1 A República Oligárquica Colégio Militar de Belo Horizonte – História – 3ª ano/

2 Objetivos a.Definir oligarquia e coronelismo. b.Explicar o funcionamento da política do café-com- leite. c.Descrever a Política dos Governadores. d.Definir Convênio de Taubaté. e.Explicar a relação existente entre coronelismo, Política dos governadores e Política do café-com- leite. f.Descrever as principais questões da política externa brasileira, localizando-as geograficamente. g.Citar a participação do Brasil na Primeira Guerra Mundial.

3 República Velha – divisão e duração Rep Espada Rep Oligárquica (1889-1894)(1894- 1930)

4 A República Oligárquica Durou os anos de 1894 a 1930. Nestes anos o Brasil foi governado por presidentes originários da elite agrária, em especial dos cafeicultores. Esta época foi apelidada Café com Leite pela grande presença de presidentes paulistas e mineiros. Foi o período áureo do coronelismo: grande poder dos proprietários de terra.

5 Convênio de Taubaté (1906) e a valorização do café. Para tentar resolver as crises freqüentes que o café vinha tendo no mercado estrangeiro, foi feita um reunião em Taubaté – cidade paulista – onde políticos e cafeicultores aprovaram uma proposta de valorização do café. Pelo acordo, o governo Brasileiro compraria o café que não conseguisse ser vendido para fazer estoques, revendendo-o em anos de maior demanda. O Acordo prejudicava outros produtos que não eram beneficiados como o café. Foi realizado no governo de Rodrigues Alves (1902- 1906).

6 Rodrigues Alves tentando empilhar o café comprado pelo governo

7 A cafeicultura se expande com o Convênio de Taubaté

8 Política dos Governadores Durante este período houve a aplicação da Política dos Governadores, estratégia do Governo central garantir o apoio dos governadores estaduais. Esta estratégia se baseava na Comissão Verificadora de poderes que declarava a validade das eleições dos deputados e senadores. Se um Governador discordava do Presidente, este mandava a comissão degolar os deputados e senadores do estado do governador. A Política dos Governadores foi feita no governo de Campos Sales (1898-1906).

9 Funding Loan Em 1898 Campos Sales (1892 – 1902) promoveu uma reforma econômica para acabar com os problemas gerados pelo Encilhamento. Esta reforma chamou-se funding Loan que em inglês significa moratória. A moratória era o adiamento dos pagamentos da dívida brasileira aos bancos estrangeiros. Além da moratória, o governo diminuiu a quantidade de dinheiro em circulação, aumentando impostos e cortando gastos.

10 O Café com Leite Durante o Período Oligárquico predominou o revezamento político entre São Paulo e Minas Gerais. Minas e São Paulo eram os maiores estados em eleitores podendo fazer facilmente o presidente da república, como o apoio de alguns outros estados.

11 POLÍTICA EXTERNA – QUESTÕES DE FRONTEIRA NA REPÚBLICA VELHA(1895-1903)

12 As Questões de Fronteira O Brasil teve várias disputas de fronteira durante a República Velha, obtendo vantagens na maioria deles. Foram elas: Palma, Amapá, Pirara, Acre, Ilha de Trindade, além de definição de fronteiras com Peru, Colômbia, Uruguai e Guiana Holandesa. Na resolução destas questões se destacou José Maria da Silva Paranhos, o Barão do Rio Branco.

13 1 – Acre 2 – Pirara (Guiana Inglesa) 3 – Amapá (Guiana Francesa) 4 – Palma (Argentina) 5 – Ilha de Trindade (Inglaterra)

14 Ilha de Trindade (1896) Os ingleses pretendendo ampliar suas comunicações no Atlântico Sul, decretaram a posse sobre a ilha de Trindade. O governo brasileiro, através da mediação portuguesa, manteve a posse da Ilha.

15 Questão de Palma (1895) Desde a época colonial havia um litígio entre Brasil e Argentina, nos atuais estados de SC e PR. A arbitragem do presidente Norte- americano foi favorável ao Brasil, ficando o Brasil com a maior parte do território disputado. O representante brasileiro na questão foi Rio Branco.

16 A Questão do Amapá (1900) A descoberta de ouro na região do Amapá em 1895 fez surgir uma disputa entre Brasil e a França. O Barão de Rio Branco dirigiu as negociações junto ao presidente da Suíça, escolhido com arbítrio pelos dois países. A fronteira foi definida no rio Oiapoque, em 1900, de acordo com as pretensões brasileiras.

17 A Questão do Pirara (1901) Foi uma disputa entre Brasil (Roraima) e a Inglaterra (Guiana Inglesa) Foi a única questão cuja a solução não foi favorável ao Brasil. O Rei da Itália, Vitor Emanuel III deu laudo favorável a Inglaterra, ficando o Brasil com a menor parte do território disputado. O representante brasileiro na questão foi Joaquim Nabuco.

18 A Questão do Acre (1903) Devido a exploração da borracha, o Acre passou a ser invadido por aventureiros de diferentes países. Plácido de Castro, um ex- militar brasileiro, lidera um movimento de seringalistas e determina a independência do território da Bolívia, país o qual o Acre pertencia. Rio Branco, ministro do exterior do Brasil, se oferece ao governo boliviano para resolver a questão, que acaba mediante a compra do território para o Brasil.

19 Moradia dos seringueiros

20 O exército acreano de Plácido de Castro

21 O comandante Plácido de Castro

22

23 Chegado dos batalhões do Exército chefiados pelo general Olímpio da Silveira. José Maria da Silva Paranhos, o Barão de Rio Branco

24 O látex, produto por traz da guerra no Acre

25 Além da indenização, o governo brasileiro se compromete a construção de uma ferrovia – a Madeira-Mamoré - para ajudar nas exportações bolivianas. O tratado entre os dois países foi assinado em Petrópolis.

26 MOVIMENTOS SOCIAIS NA REPÚBLICA VELHA (1895-1927)

27 REVOLTA DE CANUDOS (1895-1897)

28 A Revolta de Canudos foi um movimento messianico, ligado a grande pobreza e abandono das populações do interior do Nordeste. O movimento ocorreu pela junção de vaqueiros pobres pelo religioso Antônio Conselheiro que os reuniu na fazenda abandonada de Canudos. Por querelas com um comerciante local, os vaqueiros ameaçaram de invadir a cidade de Belo Monte. Foram mandadas quatro expedições da Força Pública (Polícia Militar) e do Exército.

29 - Somente com expedição de Artur Oscar com mais de 2.300 homens que o arraial de Canudos foi cercado e destruído em outubro de 1897. - A razão da preocupação governamental em acabar com o movimento foi a denúncia dele estar vinculado com o reação monárquica. - Destaque especial para a ação do Marechal Bittencourt, então Ministro da Guerra, que organiza o abastecimento ds tropas envolvidas na Guerra de Canudos.

30 - A Matadeira, canhão levado pela Expedição do Gen Artur Oscar (1897) - Foto do arraial de Canudos época.

31

32 Morte de Antônio Conselheiro, ao final da Revolta de Canudos

33 REVOLTA DA VACINA (1904)

34 Revolta da Vacina - 1904 (Presidente Rodrigues Alves). Causas: –Destruição de cortiços e favelas, ampliação das avenidas, construção de novos prédios inspirando- se em Paris. –Expulsão de comunidades pobres das regiões centrais e a alta do custo de vida. –Vacinação obrigatória contra a varíola (Oswaldo Cruz) desencadeia conflito. –Durante o conflito, um grupo de partidários radicais do Mal. Floriano Peixoto, denominados jacobinos florianistas tenta tomar o poder, não obtendo resultados satisfatórios.

35 Charges sobre a Revolta da vacina

36 REVOLTA DA CHIBATA (1910)

37 Revolta da Chibata Revolta dos Marinheiros ou Chibata (RJ 1910) –João Cândido (líder), posteriormente apelidado de Almirante Negro. –Causas: maus tratos, baixos soldos, péssima alimentação e castigos corporais (como a chibata, por exemplo) dentro da marinha.

38 O couraçado Minas Gerais, navio principal da Revolta da Chibata

39 REVOLTA DO CONTESTADO (1912-1916)

40 A Revolta do Contestado foi um movimento semelhante a Canudos. - Ocorreu no oeste de Santa Catarina e sul do Paraná, em uma região disputada (contestada) pelos dois estados. - O movimento foi feito por camponeses que eram posseiros em terras adquiridas por companhias madereiras e pela Brazil Raiway Company, empresa de capital americano. - Os camponeses expulso das terras foram arregimentados por um fanático religioso, conhecido como Monje João Maria e seu ministro Adeodato.

41 O CONTESTADO

42

43 MOVIMENTO TENENTISTA (1922 - 26)

44 O Movimento Tenentista foi um conjunto de revoltas surgida dentro do próprio Exército. - A razão deste movimento está ligado a uma revolta contra o coronelismo, a política café-com-leite e a corrupção política. - O Exército, em especial os jovens oficiais representavam a emergência das classes médias e a modernização industrial e urbana do Brasil. - Foram três episódios fundamentais: 1)A Revolta do Forte Copacabana (os 18 do Forte); 2)A Revolta de 1924 de São Paulo; 3)A Coluna Prestes-Miguel Costa.

45 Revolta dos 18 do Forte de Copacabana – 1922.

46 Revolta Tenentista de 1924 – São Paulo

47 Particapantes da Coluna Prestes. No centro, abaixo, o coronel Miguel Costa. A direita dele o capitão Luiz Carlos Prestes.

48

49 O Cangaço - Banditismo Social ou Cangaço (NE 1890 – 1940): –Bandos armados que percorriam o interior nordestino sobrevivendo de delitos. –Principais bandos: Lampião e Curisco. –Causas: miséria crônica da população nordestina, seca, má distribuição de terras, descaso do Estado e dos coronéis para com os mais pobres, violência, etc. –Mito do Robin Hood.

50 1ª GUERRA MUNDIAL (1914-1918)

51 O Brasil na 1ª Guerra Mundial O afundamento de navios brasileiros (seis) em 1917, foi a causa da declaração de guerra do Brasil para com a Alemanha. A participação do Brasil foi restrita. Foi enviado um grupo de navios (a D.N.O.G.) para patrulhar o Oceano; um grupo de médicos e enfermeiros para apoio de saúde e militares na condição de observadores.

52 Os submarinos alemães trouxeram conseqüências para o Brasil

53 Rebocador Laurindo Pitta, o único navio da época da 1ª Guerra. Faz passeios turísticos no Rio, a partir da Praça XV.

54 Cartaz chamado ao alistamento Cartaz alertando sobre a espionagem inimiga

55 Corpo médico que participa da 1ª Guerra

56 Entre as consequências que tivemos com a Primeira Guerra Mundial foi o grande desenvolvimento industrial. Houve varias greves devido a exploração do operariado nesta época, em especial as greves de 1917,1918 e 1919.

57 O Colégio Arnaldo em Belo Horizonte. Invadido por populares durante a 1ª Guerra Mundial. Os padres alemães teriam colocado canhões prontos para bombardear a cidade nas cúpulas do prédio!!!!

58 A Semana de Arte Moderna (SP – 1922): –Crítica aos padrões artísticos e literários formais (métrica, rima, saudosismo, sentimentalismo). –Criação de uma nova estética sem fórmulas fixas e limitadoras da criatividade. –Paulicéia Desvairada – MÁRIO DE ANDRADE: primeira obra modernista. –Principais representantes: Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Manuel Bandeira, Menotti del Picchia (literatura), Anita Malfatti, Tarsila do Amaral, Di Cavalcanti (pintura), Villa-Lobos (música), Vitor Brecheret (escultura).

59 Os modernistas da Semana de 1922 e o Abaporu, sucesso e escândalo na exposição de arte.

60 Propaganda de remédio que utiliza um personagem de Monteiro Lobato, o Jeca Tatu.


Carregar ppt "A República Oligárquica Colégio Militar de Belo Horizonte – História – 3ª ano/"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google