A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

LITERATURA NO BRASIL CONTEXTO HISTÓRICO IDADE MÉDIA: ALTA IDADE MÉDIA: Sec V / Sec XI-XII BAIXA IDADE MÉDIA: Sec XI-XII / XV - QUEDA DE ROMA (476) (Fim.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "LITERATURA NO BRASIL CONTEXTO HISTÓRICO IDADE MÉDIA: ALTA IDADE MÉDIA: Sec V / Sec XI-XII BAIXA IDADE MÉDIA: Sec XI-XII / XV - QUEDA DE ROMA (476) (Fim."— Transcrição da apresentação:

1 LITERATURA NO BRASIL CONTEXTO HISTÓRICO IDADE MÉDIA: ALTA IDADE MÉDIA: Sec V / Sec XI-XII BAIXA IDADE MÉDIA: Sec XI-XII / XV - QUEDA DE ROMA (476) (Fim do Império Romano /Ocidente) - EXPANSÃO DO CRISTIANISMO - Entre o MOSTEIRO (Papa) e a CORTE (Rei) Os príncipes têm o poder na Terra, os sarcerdotes, sobre a Alma. E assim como a alma é muito mais valiosa que o corpo, assim mais valioso é o clero do que a monarquia […] Nenhum rei pode reinar com acerto a menos que sirva devotamente ao vigário de Cristo. - RELIGIÃO E CULTURA: Textos sagrados, tradução dos filósofos que não contradiziam a Igreja, Latim como língua literária …

2 A ERA MEDIEVAL ERA CLÁSSICA 1a. ÉPOCA (Séc XII a XIV) 2a. ÉPOCA (Séc XV e Início do XVI) SÉCULO XVI TROVADORISMOHUMANISMOCLASSICISMO POESIAPOESIA LÍRICA - Cantigas de Amor - Cantigas de Amigo SATÍRICA - Cantigas de escárnio - Cantigas de maldizer POESIA PALACIANA - Cancioneiro Geral de Garcia de Resende LÍRICA: Luíis de Camões ÉPICA: Os Lusíadas, de Luís de Camões PROSAPROSA Novelas de Cavalaria Hagiografias Cronicões Nobiliários Crônicas de Fernão Lopes Novelas sentimentais Novelas de cavalaria Crônicas históricas Crônicas de viagens TEATROTEATRO Mistérios Milagres Moralidades Autos Sortties O Teatro leigo de Gil Vicente A CASTRO, de Antônio Ferreira – 1a. peça de influência clássica do Teatro português

3 TROVADORISMO IDADE MÉDIA: Nova Organização Social FEUDALISMO: Rei, Senhores feudais, Nobreza, Cavaleiros, Camponeses livres e Servos Suserano, Vassalos, Exército do Senhor Feudal. TROVADORISMO: Poesia e Cortesia Projeto Literário: Literatura Oral (entreterimento) Cavaleiros (novo papel), Vassalagem (amorosa), Teocentrismo e Amor Cortês*. Agentes do Discurso: TROVADORES: Autores JOGRAIS: Recitadores, Cantores e Músicos ambulantes.

4 LITERATURA PORTUGUESA PORTUGAL 1140 – Estado Independente 1o. Rei: D. Afonso Henrique Língua: Galego-português A Literatura Portuguesa nasce com o próprio país. Os trovadores galego-portugueses são, inicialmente,influenciados pela literatura provençal. Primeiro texto: Cantiga da Ribeirinha, 1189.

5 Cantiga da Ribeirinha No mundo non sei parella, Mentre me for como me vay, Mia senhor branca e vermelha, Queredes que vos retraia Quando vus eu vi em saia! !Mao dia me levantei, Que vus enton non vi fea! E, mia senhor, des aquel di!ay! Me foi a mi muyn mal, E vós, filha de don Paay Moniz, e ben vus semelha Daver eu por vós guarvaya, Pois eu, mia senhor, dalfaia Nunca de vos ouve nem ei Valia d~ua correa. Paay Soares de Taveiroos Não há no mundo ninguém que se compare a mim em infelicidade, enquanto a minha vida continuar assim, porque morro por vós e, ai, minha senhora branca e de faces rosadas, quereis que vos retrate quando vos vi sem manto. Mau dia foi esse em que me levantei, porque vos vi tão bela, melhor seria se vos tivesse visto feia. E, minha senhora, desde aquele dia, ai, tudo para mim foi muito mal, mas vós, filha de D. Paio Moniz, parece-vos muito bem que eu tenha de vós uma garvaia (manto de luxo) quando nunca recebi de vós o simples valor de uma correia. (Tradução livre)

6 O TROVADORISMO* PRIMEIRAS MANISFESTAÇÕES LITERÁRIAS - PROSA - TEATRO - POESIA – memorizada e difundida oralmente CANTIGAS ( Trovas, rimas, canções populares nos gêneros lírico e satírico) CANCIONEIROS (coletâneas de poemas): - Cancioneiros da Ajuda (Sec XIII) - Cancioneiro da Vaticana (Sec XV) - Cancioneiro da Biblioteca Nacional (Sec XIV)

7 CANTIGAS CARACTERÍSTICAS: Eu lírico, Assunto, Estrutura, LINGUAGEM (funções, figuras) 4 Tipos: GÊNERO LÍRICO: Cantigas de Amigo* - tema central: Saudade Cantigas de Amor* - Coita de amor GÊNERO SATÍRICO: Cantigas de Escárnio* - Crítica (duplo sentido) Cantigas de Maldizer* - Crítica direta (baixo calão)

8 2a. Época Medieval – HUMANISMO RENASCIMENTO (Séc XVI) Transição medieval para o Mundo Moderno Consolidação da Prosa Historigráfica e do Teatro Poesia afasta-se da música e ganha formalidade POESIA PALACIANA Melhor elaboração em relação às Cantigas Sensualidade e Intimidade # Visão idealializada e platônica da mulher amada Figuras de Linguagem (metonímia)

9 PROSA HISTORIOGRÁFICA Crônicas Acontecimentos históricos de Portugal FERNÃO LOPES – principal cronista Importância do Povo no processo histórico TEATRO Ligado à Igreja / Datas religiosas Passagens da Bíblia / Histórias de santos GIL VICENTE – início do Teatro leigo português, livre da influência da Igreja – pai do Teatro Português – Teatro, crítica e humor.

10 GIL VICENTE Séc XVI – laicização da cultura portuguesa Diversidade de classes e grupos sociais GIL: Missão moralizante e reformadora Não atingia as Instituições, mas os inescrupulosos. Objetivo: - Demonstrar como o ser humano, independentemente de classe social, sexo ou religião; é egoísta, falso, mentiroso, orgulhoso e frágil diante dos apelos da carne e do dinheiro. Produção rica e variada.

11 CLASSICISMO ou QUINHENTISMO RENASCIMENTO Movimento artístico, cultural e científico / Séc XVI, Inspirado na cultura greco-latina; DANTE ALIGHIERE: Divina comédia, Medida nova; PETRARCA: Cancioneiro com 350 poemas (sonetos) – amor platônico espiritualizado por Laura; BOCCACCIO: Decameron – crítica realidade / época; TRANSFORMAÇÕES DE TODA ORDEM: Fé medieval => Razão; Cristianismo => Cultura greco-latina; Antropocentrismo; Domínio e transformação do mundo

12 CONTEXTO HISTÓRICO RENASCIMENTO: Idade Média Era Moderna: Grandes Navegações e Descobrimentos; Formação dos Estados Modernos; Reforma da Igreja Católica Romana (1517); Revolução Comercial (início Séc XV); Fortalecimento da Burguesia comercial; Teoria Heliocêntrica de Copérnico; Inflências estenderam-se ao Sec XVII; Era Clássica: Classicismo, Barroco, Arcadismo.

13 PROJETO LITERÁRIO DO CLASSICISMO RETOMAR MODELOS DA ANTIGUIDADE CLÁSSICA (GRECO-LATINA); - Nega a antiguidade medieval (teocentrismo) ADOTAR A RAZÃO PARÂMETRO DE OBSERVAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DA REALIDADE; - Império da razão AFIRMAÇÃO DA SUPERIORIDADE HUMANA (ANTROPOCENTRISMO); - A beleza da perfeição humana VALORIZAÇÃO DO ESFORÇO INDIVIDUAL. - Participação social # Busca da felicidade

14 IMPÉRIO PORTUGUÊS - Culminância PORTUGAL Um dos países mais importantes do Mundo, Séc XV e XVI, lidera a expansão marítima e comercial; Amadurecido como Povo, Nação, Estado, Língua, e Cultura; falta-lhe uma Epopeia. LUÍS DE CAMÕES ( ) Estudioso da cultura clássica, cortesão, militar, literato, filósofo – integra sua vivência a conhecimentos de História, Geografia e Política – produz, além da sua primorosa obra lírica, a maior epopeia do Renascimento: OS LUSÍADAS.

15 LÍRICA AMOROSA DE CAMÕES POESIA PALACIANA: Poemas na medida velha (redondilhas) e na medida nova (decassílabos), Sonetos, Odes, Éclogas, Oitavas, Elegias; TEMAS: neoplatonismo amoroso, reflexão filosófica (sobre os desconcertos do mundo) e a natureza (confidente amoroso do amante que sofre); LÍRICA AMOROSA: o Amor como abstração pura e perfeita X realização física do Amor; (p. 86) LÍRICA FILOSÓFICA: queixas dos rumos de seu tempo e insatisfação com a transição para o mundo burguês. (p. 87)

16 POESIA ÉPICA EXALTAÇÃO AOS FEITOS HEROICOS; IMORTALIZAÇÃO DAS GLÓRIAS DE SEU POVO, A EXEMPLO DA ILÍADA E DA ODISSEIA DE HOMERO. LUÍS VAZ DE CAMÕES: OS LUSÍADAS REINVENÇÃO ÉPICA DA HISTÓRIA DE PORTUGAL; EPOPEIA DE IMITAÇÃO, CUMPRIU O PAPEL DE RELEMBRAR A GRANDIOSIDADE DE PORTUGAL, JÁ EM DECADÊNCIA (1572); CRÍTICA À COBIÇA, À TIRANIA, À CORRUPÇÃO E À SEDE DE PODER DESMEDIDO.

17 OS LUSÍADAS ESTRUTURA: 10 CANTOS, NUM TOTAL DE ESTROFES (OITAVAS REAIS = RIMA: ABABABCC), PERFAZENDO VERSOS DECASSÍLABOS. TEMA: CANTAR A GLÓRIA DO POVO NAVEGADOR PORTUGUÊS E A MEMÓRIA DOS REIS QUE FORAM DILATANDO A FÉ, O IMPÉRIO. DIVISÃO DOS CANTOS: - Proposição: apresentação do poema - Invocação: Tágides (musas, ninfas do Rio Tejo) - Dedicatória: D. Sebastião - Narração: episódios da viagem de Vasco da Gama - Epílogo: encerramento – desilusão com a decadência do Império.

18 AS GRANDES NAVEGAÇÕES e DESCOBRIMENTOS

19 BANDEIRA NACIONAL PORTUGUESA

20 SENHOR, FALTA CUMPRIR-SE PORTUGAL! 5o. IMPÉRIO – Daniel SONHO DE NABUCODONOSOR Dimensão material e geopolítica: 1.BABILÔNIA 2.MEDO-PERSA 3.GRÉCIA 4.ROMA 5.INGLATERRA (E U A: Nova Inglaterra) 5o. IMPÉRIO – F. Pessoa DIFUSÃO DA LÍNGUA E CULTURA PORTUGUESAS Poder da Poesia e do Sonho: 1.GRÉCIA 2.ROMA 3.CRISTANDADE 4.EUROPA (pós-renascença) 5.PORTUGAL … Ressurgimento de PORTUGAL: * MINHA PÁTRIA É A LÍNGUA PORTUGUESA.

21 COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP)

22 C P L P – Membros Efetivos EFETIVOS

23 C P L P – Membros Observadores e Candidatos GUINÉ EQUATORIAL MAURÍCIA SENEGAL ANDORRA MARROCOS FILIPINAS GALIZA MACAU MALACA GOA CROÁCIA ROMÊNIA UCRÂNIA INDONÉSIA VENEZUELA

24 CPLP – Minha Pátria é a Língua Portuguesa

25 BANDEIRA DA C P L P


Carregar ppt "LITERATURA NO BRASIL CONTEXTO HISTÓRICO IDADE MÉDIA: ALTA IDADE MÉDIA: Sec V / Sec XI-XII BAIXA IDADE MÉDIA: Sec XI-XII / XV - QUEDA DE ROMA (476) (Fim."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google