A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Módulo 4 - A EUROPA NOS SÉCULOS XVII E XVIII – SOCIEDADE, PODER E DINÂMICAS COLONIAIS 11ºAno Unidade 1 – A População da Europa nos séculos XVII e XVIII:

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Módulo 4 - A EUROPA NOS SÉCULOS XVII E XVIII – SOCIEDADE, PODER E DINÂMICAS COLONIAIS 11ºAno Unidade 1 – A População da Europa nos séculos XVII e XVIII:"— Transcrição da apresentação:

1 Módulo 4 - A EUROPA NOS SÉCULOS XVII E XVIII – SOCIEDADE, PODER E DINÂMICAS COLONIAIS 11ºAno Unidade 1 – A População da Europa nos séculos XVII e XVIII: crises e crescimento As ordens sociais do Antigo Regime, segundo pintura francesa do século XVII.

2 Aula de História 11ºAno

3 A Recusa do absolutismo na Sociedade Inglesa Na Inglaterra, o poder do rei foi, desde cedo, limitado pelos seus súbditos. Tal como na Holanda, também na Inglaterra a afirmação da burguesia contribuiu para a desagregação da sociedade de ordens O absolutismo não era bem aceite pelos ingleses que, desde o século XIII, com Magna Carta – 1215 – negavam ao rei o direito de, só por si, fazer leis e aumentar impostos, sendo obrigado a convocar regularmente o Parlamento. As tentativas de impor o absolutismo em Inglaterra deu origem a revoluções violentas que, conduziriam à execução de um rei (Carlos I, em 1649), à deposição de Jaime II, em 1689 e à instauração de um regime republicano ( )

4 Instauração da República Quando, no século XVII, o Absolutismo se impôs na Europa, os soberanos ingleses reivindicaram também uma autoridade total. Esta atitude gerou tensões e conflitos com os representantes parlamentares No reinado de Carlos I agudizou-se a malquerença com o Parlamento e o rei. O rei viu-se forçado em 1628 a assinar a Petição dos Direitos, em que se comprometia a respeitar as antigas leis, não procedendo a prisões arbitrárias nem arrecadando impostos sem consentimento dos ingleses. Carlos I dissolve o Parlamento e inicia um governo de índole absolutista

5 A tensão agrava-se e, em 1642, eclode uma guerra civil Cromwell, chefe da oposição ao rei, condena o rei ao cadafalso. Instaura-se a República em Inglaterra A República inglesa acaba em ditadura

6 Restauração da Monarquia Carlos II ( ) era adepto do absolutismo. Suas atitudes eram recebidas com desconfiança pelo Parlamento e pela população. As relações amistosas com Luís XIV, rei da França, aumentavam ainda mais a desconfiança. O Parlamento pressionava cada vez mais o rei, aprovando novos impostos sempre em troca de maior autonomia. Além disso, Carlos II era simpático ao catolicismo, e seu irmão, futuro rei, já havia publicamente se convertido a essa religião. Esse fato acirrava ainda mais as divergências entre o Parlamento e o monarca. Com a morte de Carlos II e a ascensão de seu irmão, Jaime II, os problemas continuaram. A burguesia inglesa temia uma rebelião armada, como aquela que conhecera anteriormente. Esperava-se que o rei morresse deixasse o trono para uma de suas filhas protestantes. Mas o rei teve um filho homem, o que garantia a sucessão católica ao trono inglês.

7 A Revolução Gloriosa Temerosa do absolutismo de Jaime II e da rebelião popular, a burguesia inglesa entrou em acordo com Guilherme de Orange, da Holanda, casado com a filha protestante de Jaime II. O plano consistia em destruir Jaime II, substituindo-o por Guilherme. Guilherme de Orange desembarcou na Inglaterra, com seu exército, em Jaime II tentou resistir, mas os soldados passaram para o lado de Guilherme. Ao velho rei absolutista só restou fugir para a França. Guilherme de Orange e sua mulher foram reconhecidos como soberanos da Inglaterra pelo Parlamento, que, temendo um novo absolutismo, promulgou um segundo Bill of Rights, em A partir daí, passou a prevalecer na Inglaterra o princípio de que o rei reina, mas não governa. O governo ficava sob a autoridade do Parlamento, que, a cada ano, limitava ainda mais o poder real. Esse movimento ficou conhecido como Revolução Gloriosa. A Revolução Gloriosa foi inspirada nas teorias políticas de John Locke, o grande teórico do liberalismo político.

8 Locke e a justificação do parlamentarismo No século XVII, a classe média era formada pela burguesia de negócios e por ricos proprietários rurais. Este grupo era a base social em que se apoiou a luta pelo regime parlamentar. John Locke fundamentou o parlamentarismo de um modo teórico. Segundo Locke, todos os homens "nascem livres, iguais e autónomos", por isso só com o consentimento de cada um é que pode vir um poder a que obedeçam. Esse poder trata-se de um género de contrato entre os governados e os governantes. A revolução de 1688 foi originada pelos governados que, uma vez que o poder depende deles, tinham o direito de se revoltarem contra os príncipes. A obra de Locke contribuiu para o prestigio do sistema parlamentar que mais tarde se consolidou. este sistema era considerado como um modelo de liberdade e um exemplo a seguir.


Carregar ppt "Módulo 4 - A EUROPA NOS SÉCULOS XVII E XVIII – SOCIEDADE, PODER E DINÂMICAS COLONIAIS 11ºAno Unidade 1 – A População da Europa nos séculos XVII e XVIII:"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google