A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Como a hipótese vira lei?

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Como a hipótese vira lei?"— Transcrição da apresentação:

1 Como a hipótese vira lei?
Bruno Augusto Junqueira Geovanni de Melo Conti Rafael Poltronieri Morikawa Walter de Andrade Netto

2 Introdução Teoria Hipótese Experimentação Avaliação de Resultados Lei
Exemplos

3 Avaliação de Resultados
Teoria Hipótese Experimentação Avaliação de Resultados Lei

4 Teoria “As leis e teorias surgem da necessidade de se ter que encontrar explicações para os fenômenos da realidade” (KÖCHE, 1982). “Procura sanar as deficiências das leis, eliminar suas exceções, torna-las mais abrangentes situando-as em um sistema” (KÖCHE, 1982).

5 Tenta explicar as hipóteses e leis;
Conhecimento prévio ; Não necessariamente verdadeira; Representa pensamentos de forma sistemática (causa e efeito); Pode se transformar ao longo do tempo; Mais ampla que a lei.

6 Hipótese Conceito: “Podemos considerar a hipótese como um enunciado geral de relações entre variáveis(fatos, fenômenos): Formulado como solução provisória para um determinado problema; apresentando caráter ou explicativo ou preditivo; compatível com o conhecimento científico (coerência externa) e revelando consistência lógica (coerência interna); sendo passível de verificação empírica em suas consequências.” (MARCONI; LAKATOS, 2008);

7 Ponto de partida de uma pesquisa;
Servir de guia à investigação. Provável resposta de um problema; Generaliza a experiência, resumindo ou ampliando dados Deve ser testável; Precisa ser validada ao fim da pesquisa.

8 Problema ‘Formular o problema consiste em dizer, de maneira explícita, clara, compreensível e operacional, qual a dificuldade com a qual nos defrontamos e que pretendemos resolver, limitando o seu campo e apresentando suas características. Desta forma, o objetivo da formulação do problema da pesquisa é torná-lo individualizando, específico, inconfundível’ (Rudio, 1978 apud MARCONI; LAKATOS, 2008); Após formulado e validado cientificamente, é preciso propor uma solução – suposta, provável e provisória - para o problema, isto é, uma hipótese.

9 Variável “Variáveis são aqueles aspectos, propriedades ou fatores, mesuráveis ou potencialmente mensuráveis, através dos valores que assumem, discerníveis em um objeto de estudo” (KÖCHE, 1982);

10 Formulação: Forma: A mais comum é “se x, então y”;
Hipóteses relacionam duas ou mais variáveis, que devem mensuráveis e é possível especificar a relação; Caso pelo menos uma dessas características não for atendida, então não é uma hipótese.

11 Indução Tenta levar a um conhecimento mais amplo a partir de dados particulares; Formulação da hipótese é indutiva; Fundamenta-se em premissas ‘Se todas as premissas são verdadeiras, a conclusão é provavelmente verdadeira, mas não necessariamente verdadeira’ (Salmon, 1978 apud MARCONI; LAKATOS, );

12 Fonte de elaboração de Hipóteses
Conhecimento familiar; Observação; Comparação com Outros Estudos; Dedução Lógica de uma teoria; A Cultura Geral na qual a Ciência se Desenvolve; Analogias; Experiência Pessoal; Casos Discrepantes na Própria Teoria.

13 Experimentação Realização de experimentos com diversas variáveis em diversas situações; Observação; Uso de ferramentas; Aplicação de Técnicas; Coleta de resultados.

14 Avaliação de resultados
Comparação; Dedução “Se todas as premissas são verdadeiras, a conclusão deve ser verdadeira.” (SALMON, 1978 apud MARCONI; LAKATOS, 2008); Conclusão: valida ou não a hipótese.

15 Lei “[...] a lei declara a existência de um padrão estável em eventos e coisas [...]” (MARCONI;LAKATOS, 2008); “Ao analisarmos teoria e fatos, deixamos de lado uma etapa intermediária, constituída pelas leis. Estas, assim como as teorias, surgem da necessidade que se tem de encontrar explicações para os fenômenos (fatos) da realidade.” (MARCONI; LAKATOS, 2008);

16 Compõe uma determinada teoria;
Apresenta os aspectos invariáveis entre diferentes fenômenos, por meio de generalização e classificação; “Resumir grande quantidade de fatos.” (MARCONI; LAKATOS, 2008);

17 “Permitir e prever novos fatos, pois, se um fato ou fenômeno "se enquadra“ em uma lei, ele se comportará conforme o estabelecido pela lei.” (MARCONI; LAKATOS, 2008); Conteúdo empírico; Pode ser falseável, falha; Universo Limitado, abrange apenas uma determinada classe de fenômenos.

18 Fonte: KÖCHE, 1982, p. 60

19 Exemplos Século XVI e XVII: Duas hipóteses:
Como se apresenta o modelo cosmológico?; Duas hipóteses: Terra parada, astros orbitam (Geocentrismo); Sol parado, Terra e astro orbitam (Heliocentrismo);

20 Por meio da experimentação:
Galileu, Copérnico e Kepler corroboram com Heliocentrismo; Surgem as Leis de Kepler; Leis de Kepler: Explicam e preveem a trajetória de um planeta do Sistema Solar sobre influência gravitacional do Sol; Leis de Newton e Teoria da Gravitação Universal: Se baseia, abrange e expande as leis de Kepler; Não demonstra apenas a influência gravitacional do Sol, mas de todo o Sistema Solar; Relaciona fenômenos como a queda de um objeto na Terra com orbita da Lua;

21 Leis tem universo limitado e são falseáveis:
As leis da mecânica clássica não explicam e nem preveem certos efeitos e consequências explicados pela Relatividade, ou da mecânica quântica; Lei de Moore: Apesar de não seguir nenhum método científico, se tornou verdade; Prevê que o número de transistores dos chips dobrariam em períodos de 18 meses; Como toda lei, não é universal; Espera-se que esse padrão acabe;

22 Bibliografia HELIOCENTRISMO. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Heliocentrismo&old id= >. Acesso em: 26 out KÖCHE, José Carlos. Fundamentos de metodologia científica: teoria da ciência e iniciação à pesquisa. 30.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, p. ISBN LEI DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Lei_da_gravita%C3 %A7%C3%A3o_universal&oldid= >. Acesso em: 26 out LEI DE MOORE. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Lei_de_Moore&oldi d= >. Acesso em: 26 out

23 LEIS DE KEPLER. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre
LEIS DE KEPLER. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Leis_de_Kepler&ol did= >. Acesso em: 26 out MAGALHÃES, Gildo. Introdução à metodologia da pesquisa: caminhos da ciência e da tecnologia . São Paulo, SP: Ática, p. (Ática Universidade) ISBN MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia científica. 3.ed. São Paulo, SP: Atlas, p. ISBN X MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 6.ed. São Paulo, SP: Atlas, p. ISBN


Carregar ppt "Como a hipótese vira lei?"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google