A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

IDENTIFICAÇÃO, OPERACIONALIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO DOS INSTRUMENTOS E DAS INFORMAÇÕES QUE SUBSIDIAM AS AÇÕES DE REGULAÇÃO, CONTROLE E AVALIAÇÃO NO ÂMBITO DO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "IDENTIFICAÇÃO, OPERACIONALIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO DOS INSTRUMENTOS E DAS INFORMAÇÕES QUE SUBSIDIAM AS AÇÕES DE REGULAÇÃO, CONTROLE E AVALIAÇÃO NO ÂMBITO DO."— Transcrição da apresentação:

1 IDENTIFICAÇÃO, OPERACIONALIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO DOS INSTRUMENTOS E DAS INFORMAÇÕES QUE SUBSIDIAM AS AÇÕES DE REGULAÇÃO, CONTROLE E AVALIAÇÃO NO ÂMBITO DO SUS Prof. João Marcelo Barreto Silva 03 de Setembro de 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM REGULAÇÃO DE SISTEMAS DE SAÚDE REGULAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E REGULAÇÃO DA SAÚDE SUPLEMENTAR

2 DEFININDO ACÕES, ESTRATÉGIAS, INTRUMENTOS E INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS À REGULAÇÃO DA ATENÇÃO À SAÚDE PROTOCOLOS E AUTORIZAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CONTRATOS E AUTORIDADE SANITÁRIA REDES DE ATENÇÃO E PROGRAMAÇÃO RELAÇÃO INTERFEDERATIVA AVALIAÇÃO E EPIDEMIOLOGIA

3 A EPIDEMIOLOGIA REGISTRA, QUANTIFICA, QUALIFICA E ANALISA AS ENFERMIDADES E ÓBITOS. A AVALIAÇÃO CHECA A EFICIÊNCIA (APROXIMAÇÃO EM RELAÇÃO MENOR CUSTO POSSÍVEL), EFICÁCIA (APROXIMAÇÃO EM RELAÇÃO À SITUAÇÃO POSSÍVEL) E EFETIVIDADE (RESULTADO REAL ALCANÇADO) DE TODAS AS DIMENSÕES DO SISTEMA DE SAÚDE. CAPTAM AS INFORMAÇÕES (REGISTRAM E QUANTIFICAM) GERAM INDICADORES, PADRÕES E METAS (QUALIFICAM) IDENTIFICAM AS SITUAÇÕES DE RISCO (ANALISAM) DESARTICULAÇÃO COM O PLANEJAMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE

4 RELAÇÃO INTERFEDERATIVA MODELO DE REGULAÇÃO GESTÃO E GERÊNCIA DE UNIDADES DEFINIÇÃO DE METAS ALOCAÇÃO E EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA (CUSTEIO E INVESTIMENTO)

5 REDES PRIORITÁRIAS MATERNO-INFANTIL (REDE CEGONHA) PSICOSSOCIAL (ÁLCOOL E DROGAS, COM ÊNFASE NO CRACK) URGÊNCIA E EMERGÊNCIA (COM ÊNFASE NA UPA) ATENÇÃO ONCOLÓGICA

6 SES/MG - REDE VIVA VIDA

7 ESTRUTURA DA REDE DE ATENÇÃO ARTICULAÇÃO COM AS AÇÕES DE REGULAÇÃO REGULAÇÃO AMBULATORIAL REGULAÇÃO HOSPITALAR REGULAÇÃO URGÊNCIA

8 COMPLEXO REGULADOR CENTRAL DE REGULAÇÃO AMBULATORIAL CENTRAL DE REGULAÇÃO HOSPITALAR CENTRAL DE REGULAÇÃO DE URGÊNCIA

9 PROGRAMAÇÃO PACTUADA E INTEGRADA DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE Define e quantifica, a partir de critérios e parâmetros, os limites físicos e financeiros destinados à assistência da população própria e das referências recebidas de outros municípios. Fonte: PPI Série Pactos DEVE MANTER CONSONÂNCIA COM A PROGRAMAÇÃO ORÇAMENTÁRIA DOS ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE DEVE SER BASE PARA A DEFINIÇÃO DO PDI

10 CONTRATOS E AUTORIDADE SANITÁRIA GOVERNANÇA DA REDE DE ATENÇÃO GESTÃO DO CUIDADO

11 BD BANCO DE DADOS SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA DE SAÚDE REDE BÁSICA REDE AMBULATORIAL REDE AMBULATORIAL REDE HOSPITALAR REDE HOSPITALAR REDE DE URGÊNCIA MUNICÍPIOS PACTUADOS MUNICÍPIOS PACTUADOS INTERNET TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

12 HORUS SIM SINAN SINASCSIH PRONTUELETRON SISREG SISPPI SCNES CADSUS SIAB SIA HOSPUB GIL SIS UNID SAUDE SIGTAP SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

13 PROTOCOLOS TIPOS DE PROTOCOLO Protocolos Clínicos: Definem ações de intervenção e classificação de risco, associadas às competências de cada nível de atenção. Protocolos Operacionais: Definem o fluxo do paciente na rede baseado em capacidade instalada, referências clínicas e risco. ORGANIZAÇÃO: Pode estar estruturado por patologia, sintoma, especialidade, exame, etc. APRESENTAÇÃO: Textos, Algoritmos, Fluxogramas. PÚBLICO-ALVO: A qual população/território se destina e pretende orientar a ação de quais profissionais: generalistas, reguladores, prestadores de serviço, etc.

14 INGLATERRA

15

16

17 SMS DIADEMA/SP

18

19

20

21 SMS CURITIBA/PR

22

23

24 MS Cadernos de Atenção Básica

25 PROTOCOLO DE MANCHESTER CLASSIFICAÇÃO DE RISCO DETERMINANTES GERAIS Obstrução de vias aéreas VERMELHO Respiração inadequada Hemorragia exangüinante Choque Convulsionando Criança irresponsiva Dor intensa LARANJA Hemorragia maior incontrolável Alteração da consciência Criança febril Hipotermia Dor moderada Hemorragia menor incontrolável AMARELO História de inconsciência Adulto febril Dor leve recente VERDE Febre baixa Evento recente Demais Casos AZUL

26 Dor leve recente Vômito Evento recente Possível gravidez Irradiação para dorso Fezes enegrecidas ou em groselha História aguda de vômito de sangue Vômito persistente Febre alta Dor moderada Dor intensa Dor irradiada para o dorso Vômito de sangue Evacuação sangue vivo ou escurecido Sangramento vaginal, > 20 semanas gravidez Febre muito alta Comprometimento vias aéreas Respiração inadequada Choque DOR ABDOMINAL ADULTOS DEMAIS CASOS Protocolo de Classificação de Risco de Manchester

27 DeterminanteClassificação de RiscoPonto ideal na RedeTempo Ideal Dor Abdominal em Adultos Hospital Microrregional ou Hospital Macrorregional Atendimento Imediato Em áreas remotas Transferência em no máximo 30 minutos Dor Abdominal em Adultos Hospital Microrregional Atendimento em no máximo 10 minutos Transferência em no máximo 30 minutos Dor Abdominal em Adultos Hospital Microrregional ou HPP Atendimento em 60 minutos. Transferência no mesmo dia (24 horas) Dor Abdominal em Adultos HPP ou UBS Atendimento em 120 minutos Dor Abdominal em Adultos HPP ou UBS ou Domicílio Atendimento em 240 minutos(No máximo 24 horas) PROTOCOLO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO COM GRADE DE REFERENCIA

28 PERMITE A CADA LOCAL CONSTRUIR PROTOCOLOS DE ACORDO COM A SUA REALIDADE

29 REFERÊNCIAS EXPERIÊNCIAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS CONSTRUÇÃO COLETIVA E VALIDAÇÃO TÉCNICA SECRETARIA DE SAUDE PRESTADORES E PROFISSIONAIS DA REDE ASSOCIAÇÕES E SOCIEDADES DE CLASSE ACADEMIA E ESCOLAS DE SAÚDE MINISTÉRIO PÚBLICO VALIDAÇÃO CONSULTIVA E POLÍTICA CONSULTA PÚBLICA, CIB, CGR, CONSELHOS DE SAUDE IMPLANTAÇÃO E GARANTIA DE EFETIVIDADE REPACTUAÇÃO, EDUCAÇÃO PERMANENTE, DISPONIBILIDADE ADEQUADA DE RECURSOS DE TI, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO PROTOCOLOS CONSTRUÇÃO VALIDAÇÃO IMPLANTAÇÃO

30 INSTRUMENTOS AUTORIZAÇÃO, SUPERVISÃO E AUDITORIA DISPOR DE LAUDOS DE SOLICITAÇÃO QUALIFICADOS E ORIENTADOS POR PROTOCOLO FAZER A GESTÃO DO FLUXO AUTORIZATIVO DA AIH E APAC DISPOR DO MAPA DE LEITOS REAL DE FORMA ÁGIL E CONFIÁVEL DISPOR DE ESTRATÉGIAS PARA GARANTIR A RESERVA TÉCNICA DE VAGAS DISPOR DE ACÕES ESTRUTURADAS DE SUPERVISÃO E AUDITORIA PARA APOIO AO PROCESSO AUTORIZATIVO E MONITORAMENTO DAS INFORMACÕES PRODUZIDAS PELA REDE

31 É necessário compreender que o Complexo Regulador é apenas parte do processo, e só é efetivo se o raciocínio regulatório ocorrer em todos os pontos de atenção. OBRIGADO! Prof. João Marcelo Barreto Silva


Carregar ppt "IDENTIFICAÇÃO, OPERACIONALIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO DOS INSTRUMENTOS E DAS INFORMAÇÕES QUE SUBSIDIAM AS AÇÕES DE REGULAÇÃO, CONTROLE E AVALIAÇÃO NO ÂMBITO DO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google