A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Brasília, novembro de 2013 A Logística Brasileira Aline Eloyse Lang Coordenadora de Desenvolvimento do Transporte.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Brasília, novembro de 2013 A Logística Brasileira Aline Eloyse Lang Coordenadora de Desenvolvimento do Transporte."— Transcrição da apresentação:

1 Brasília, novembro de 2013 A Logística Brasileira Aline Eloyse Lang Coordenadora de Desenvolvimento do Transporte

2 O setor de transporte no Brasil Agente indutor de desenvolvimento e integração Histórico de baixos investimentos em infraestrutura e dificuldade no planejamento Desequilíbrio da matriz de transportes Existência de diversos gargalos burocráticos

3 Investimento em infraestrutura/PIB (%) * Total pago. Fontes: Siga Brasil e IBGE 0,29% investimento público em infraestrutura de transporte/PIB em 2012

4 Rodovias

5 Apenas 11,8% da malha rodoviária nacional é pavimentada Extensão da malha rodoviária brasileira

6 Situação das rodovias brasileiras km pesquisados km de rodovias federais km de rodovias estaduais km de rodovias concedidas 36,2 % 53,1 % 32,7 % 22,1 % 63,8 % 46,9 % 67,3 % 26,0 %

7 Rodovias Concedidas ,4 % 85,0 % 90,7 % 44,8 % 15,6 % 15,0 % 9,3% 55,2 %

8 Aumento do custo operacional devido à qualidade do pavimento

9 Transporte Ferroviário

10 Ferrovias: sistema atual km de malha ferroviária km de ferrovias concedidas

11 Ferrovias: evolução dos investimentos Média anual de investimento entre : público R$ 624,4 milhões privado R$ 2,1 bilhões

12 Principais problemas 355 invasões na faixa de domínio passagens em nível (279 críticas) Transposição de grandes metrópoles e compartilhamento de linhas de trens de carga e passageiros Comprometimento do acesso aos portos e retroáreas Dificuldade na integração modal Marco regulatório

13 Medidas para eliminação de trechos críticos Investimento em expansão da malha ferroviária e em estações de transbordo Estímulo e incentivos fiscais à Indústria Ferroviária Nacional Solução de gargalos institucionais Principais soluções

14 Transporte Aquaviário

15 Portos: sistema atual

16 Custos elevados com mão de obra (83,5%) Alta carga tributária (88,2%) e elevado custo tarifário (84%) Carência de infraestrutura portuária Ausência de equipamentos adequados para a movimentação de carga Processo longo e moroso para a obtenção de financiamentos Reduzido volume de investimentos Principais problemas

17 Melhorias na infraestrutura (cais, retroárea, profundidade de berços e canais, acessos terrestres) Redução dos procedimentos burocráticos Revisão da atuação das autoridades públicas Qualificação da mão de obra Facilitação do financiamento em organismos de fomento Reestruturação institucional do sistema de gestão e exploração dos serviços portuários Principais soluções

18 Transporte Aéreo

19 Aéreo – Principais Problemas Falta de Investimentos Custo elevado do combustível de aviação Aeroportos próximos/acima da capacidade operacional Elevada carga tributária Escassez de mão de obra especializada Pistas com capacidade limitada para grandes aeronaves Deficiência na infraestrutura = custos adicionais e perda da qualidade do serviço

20 Aéreo – Principais Soluções Redução de impostos do combustível de aviação Construção de novos aeroportos para absorver a demanda Ampliação e construção de terminais de carga Recuperação e ampliação de pistas Ampliação da capacidade de formação de operadores aéreos e mão de obra especializada

21 Mobilidade Urbana

22 Urbano – Principais Problemas Alto custo de transporte urbano Saturação da capacidade viária com congestionamentos Aumento contínuo do tempo de viagem Poluição atmosférica e acidentes – saúde e segurança Baixa qualidade de vida da população Cidades-sede da Copa do Mundo 2014 com grandes ineficiências de mobilidade urbana

23 Urbano – Principais Soluções Construção e melhoria de vias Projetos de BRTs - Bus Rapid Transit, metrôs, trens urbanos e VLTs – Veículos Leves sobre Trilhos Melhoria e ampliação nos deslocamentos por vias aquáticas Implantação de terminais para integração modal (física, tarifária e operacional) Ampliação e adequação da rede cicloviária

24 Planejamento e gestão

25 Planejamento e gestão no setor de transporte Existência de sobreposição de competências entre os órgãos Dificuldade de coordenação 9 órgãos envolvidos no planejamento e na gestão do setor de transporte Ministério dos Transportes DNIT VALEC ANTT ANTAQ ANAC SEP SAC EPL

26 Planejamento: PAC e PIL Atraso médio de 4 anos para conclusão das obras; Falta ou deficiência nos projetos executivos; e Falta de articulação com o setor produtivo – intervenções prioritárias. O PAC é a principal fonte de investimentos públicos em infraestrutura de transporte atualmente PIL (Programa de Investimento em Logística): R$205,9 bilhões – investimentos majoritariamente privados

27 Participação da iniciativa privada Vantagens Redução da necessidade de aplicação de recursos públicos em todo o sistema; Rapidez da execução dos empreendimentos; Melhor gestão (expertise) Maior flexibilidade (PPPs) Dificuldades atuais Elevada intervenção do Estado; Falta de projetos adequados; Insegurança institucional; Atrasos frequentes nos cronogramas x

28 Soluções para viabilizar o setor de transportes Investimento em infraestrutura de transporte e integração modal (via participação da iniciativa privada) Redução da burocracia Melhoria da capacidade gerencial do governo (licenciamento ambiental, elaboração de projetos e coordenação entre os órgãos) Planejamento sistêmico de longo prazo que garanta melhor equilíbrio da matriz de transporte

29 Para mais informações consulte o site:


Carregar ppt "Brasília, novembro de 2013 A Logística Brasileira Aline Eloyse Lang Coordenadora de Desenvolvimento do Transporte."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google