A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 DISCIPLINA ECONOMIA Professora: Renata Rainieri Cortez Assunto de Hoje: HISTÓRIA DA ECONOMIA E A CRIAÇÃO DA MOEDA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 DISCIPLINA ECONOMIA Professora: Renata Rainieri Cortez Assunto de Hoje: HISTÓRIA DA ECONOMIA E A CRIAÇÃO DA MOEDA."— Transcrição da apresentação:

1 1 DISCIPLINA ECONOMIA Professora: Renata Rainieri Cortez Assunto de Hoje: HISTÓRIA DA ECONOMIA E A CRIAÇÃO DA MOEDA

2 EVOLUÇÃO DA MOEDA 1) Era da Troca De Mercadorias 2) Era da Mercadoria Moeda 3) Era da Moeda Metálica 4) Era da Moeda Papel 5) Moeda Fiduciária ou Papel-Moeda 6) Moeda Bancária ou Escritural

3 3 MOEDA É uma ponte entre a participação de cada agente no esforço produtivo para posterior aquisição. A moeda é um instrumento aceito pela coletividade Intermediar as transações econômicas, para pagamento de bens e serviço.

4 CONCEITO MOEDA Segundo Wassily Leontieff (economista russo, Prêmio Nobel de Economia em 1973), a moeda é a: mercadoria que serve de equivalente geral para todas as mercadorias.

5 1) Escambo É a troca direta. N ão emprega moeda. Inconvenientes: Necessidades inversas Definir a proporção da troca No transporte, na divisibilidade e na conservação.

6 Escambo

7 Necessidade x Troca Forma de comércio(escambo) foi dominante no início da civilização, podendo ser encontrada, ainda hoje, entre povos de economia primitiva, em regiões onde, pelo difícil acesso, há escassez de meio circulante, e até em situações especiais, em que as pessoas envolvidas efetuam permuta de objetos sem a preocupação de sua equivalência de valor.

8 Mercadoria Moeda Elegiam um único produto como referencial de trocas: uma mercadoria que tivesse algum valor e que fosse aceita por todos, deveria atender a uma necessidade comum.

9 2) Mercadoria Moeda Facilitaram as trocas indiretas Aceitação condicionada: Inconvenientes: oscilação de valor, indivisíveis, perecíveis, transporte, etc. Raridade Utilidade

10 Mercadoria x Moeda O gado, principalmente o bovino, foi dos mais utilizados; apresentava vantagens de locomoção própria, reprodução e prestação de serviços, embora ocorresse o risco de doenças e da morte. Fonte das Informações desta página : Site do BANCO CENTRAL DO BRASIL (Museu de Valores do Banco Central) -> )http://www.bcb.gov.br

11 Gado Utilizado como Moeda

12 Mercadoria x Moeda O sal foi outra moeda– mercadoria; de difícil obtenção, principalmente no interior dos continentes, era muito utilizado na conservação de alimentos. A palavra salário (remuneração, normalmente em dinheiro, devida pelo empregador em face do serviço do empregado) tem como origem a utilização do sal, em Roma, para o pagamento de serviços prestados.

13 Mercadoria x Moeda No Brasil, entre outras, circularam o cauri – trazido pelo escravo africano –, o pau-brasil, o açúcar, o cacau, o tabaco e o pano, trocado no Maranhão, no século XVII, devido à quase inexistência de numerário, sendo comercializado sob a forma de novelos, meadas e tecidos.

14 Mercadoria x Moeda Com o passar do tempo, as mercadorias se tornaram inconvenientes às transações comerciais, devido à oscilação de seu valor, pelo fato de não serem fracionáveis e por serem facilmente perecíveis, não permitindo o acúmulo de riquezas.

15 15 PRINCIPAIS MERCADORIAS UTILIZADAS COMO MOEDA

16 Metais Descoberta do metal Produção utensílios e armas (pedra) Entesouramento Divisibilidade Raridade Transporte Beleza

17 3) Moeda Metálica Os metais não nobres empregados como instrumento monetários (estado natural/barra) foram: Cobre Bronze Ferro Pesagem e avaliação de seu grau de pureza a cada troca.

18 Estado Natural do Metal Por apresentar vantagens como a possibilidade de, divisibilidade, raridade, facilidade de transporte e beleza, o metal se elegeu como principal padrão de valor. Era trocado sob as formas mais diversas. A princípio, em seu estado natural, depois sob a forma de barras e, ainda, sob a forma de objetos, como anéis, braceletes etc.

19 Valorização dos Metais Técnicas de fundição para produção Conhecimentos para encontrar o metal Valorização do metal Utilização dos instrumentos como moeda (pequenas dimensões). Ex.: faca, chave (Grécia e Chipre)

20 Moeda em Formato de Objetos

21 Moedas semelhantes as atuais Surgem século XII a.C. (moedas). Novas jazidas e aperfeiçoamento fundição. Abundância (cobre,bronze e ferro). Perda gradativa do seu valor. Substituição por metais nobres como Ouro e Prata (manteve ao longo do tempo)

22 Moeda Metálica ou Metalismo Afinal, quem inventou a moeda ? Para uma vertente de estudiosos foram os lídios os primeiros a forjá-las. Uma outra vertente afirma que a paternidade das moedas deve ser atribuída aos reis da Macedônia. Por sua vez, o povo chinês, como legítimos criadores do chamado papel-moeda, também pleiteiam terem sido os inventores das moedas.

23

24 De todos os povos dos quais temos conhecimento, foram os lídios os primeiros a cunhar moedas de ouro e de prata. Heródoto, Clio.

25 Beneficio da Moeda O sistema de troca tornou mais eficiente. Divisão do trabalho Especialização das funções econômicas das pessoas e da empresa. Liberdade de escolha nas operações de troca. Oportunidade de esperar a realização da troca.

26 Moedas As moedas refletem a mentalidade de um povo e de sua época. Nelas podem ser observados aspectos políticos, econômicos, tecnológicos e culturais. Provavelmente, a primeira figura histórica a ter sua efígie registrada numa moeda foi Alexandre, o Grande, da Macedônia, por volta do ano 330 a.C.

27 Moedas A cunhagem de moedas em ouro e prata se manteve durante muitos séculos, sendo as peças garantidas por seu valor intrínseco, isto é, pelo valor comercial do metal utilizado na sua confecção. Assim, uma moeda na qual haviam sido utilizados vinte gramas de ouro, era trocada por mercadorias neste mesmo valor.

28 Moeda Apresentava-se como: Moeda Pesada e Contada. A moeda Pesada era necessária pesá-la para certificar a sua autenticidade, pois em cada loja existia uma balança para pesar o ouro e a prata e assim se poder concretizar a transação. A moeda Contada tinha a forma de pequenos discos redondos em ouro ou prata, com determinado peso em metal, sendo apenas necessário contar as peças para determinar a quantidade de ouro ou prata desejado.

29 4) Moeda Papel Na Idade Média surgiu o costume de se guardarem os valores com um ouvires (pessoa que negociava objetos de ouro e prata). Garantia entrega um recibo, circulação, troca do certificado de depositos por moedas metálicas.

30 30 Moeda Papel Certificado de Depósito, que era emitido por Casas de Custódia, onde os comerciantes depositavam seu ouro ou suas moedas metálicas. (pago taxa pela guarda) 100% lastreada e com a garantia de plena conversibilidade, a qualquer momento, pelo seu detentor Tornou-se meio preferencial de troca e de reserva de valor.

31 Certificado de Deposito No Brasil, os primeiros bilhetes de banco, precursores das cédulas atuais, foram lançados pelo Banco do Brasil, em Tinham seu valor preenchido à mão, tal como, hoje, fazemos com os cheques.

32 Casas Bancárias Resgate do Metal x Novos depósitos em ouro e prata Conceder Créditos Descontos títulos Emissão notas bancárias (CASA CUSTÓDIA)

33 33 LASTRO – PADRÃO OURO Ouro, contudo, é um metal com reservas limitadas na natureza. (Base no crescimento da Economia do País) 1920 o padrão-ouro foi abonado e a emissão de moeda passou a ser livre. (crédito) Dai então passou a se chamar Moeda Fiduciária. (Não lastreada por ouro)

34 34 5. MOEDA FIDUCIÁRIA OU PAPEL-MOEDA As casas de custódias passaram a emitir certificados sem lastro em metal, dando origem à moeda fiduciária ou papel-moeda. O Estado assume e controla a emissão. Hoje, a maioria dos sistemas fiduciários, apresenta as seguintes características: Inexistência de lastro metálico; Inconversibilidade (frágil) absoluta; Monopólio estatal das emissões.

35 PAPEL MOEDA DO BRASIL Com a escassez dos recursos e dos custos de extração dos minérios conduziram ao aparecimento de outra espécie de moeda, o papel moeda. O seu valor não era pelo peso ou pelo seu material ouro ou prata, mas sim pelo que estava gravado, nem se a nota era grande ou pequena. Esta moeda era fácil de transportar, guardar ou manusear.

36 PAPEL MOEDA

37 Moeda Fiduciária ou Papel Moeda Normalmente os valores mais altos são expressos em cédulas e os valores menores em moedas. Atualmente a tendência mundial é no sentido de se suprirem as despesas diárias com moedas. As ligas metálicas modernas proporcionam às moedas durabilidade muito superior à das cédulas, tornando-as mais apropriadas à intensa rotatividade do dinheiro de troco.

38 38 6. MOEDA BANCÁRIA OU ESCRITURAL É representada pelos depósitos a vista e a curto prazo nos bancos, que passam a movimentar esses recursos por cheques ou ordens de pagamento. É chamada escritural devido aos lançamentos (débitos e créditos) realizados nas contas correntes dos bancos.

39 Moeda Bancária ou Escritural Esse documento, pelo qual se ordena o pagamento de certa quantia ao seu portador ou à pessoa nele citada, visa, primordialmente, à movimentação dos depósitos bancários.

40 40 TIPOS DE MOEDA Moedas Metálicas Papel-Moeda Moeda Escritural ou Bancária

41 Em 1708, o Imperador D. João V de Avis e o ministro da Fazenda Isaac Newton fizeram aprovar no Senado uma reforma monetária associada à adoção do sistema métrico decimal, que também definiu com maior precisão o padrão-ouro que, na prática, já vigorava no país. O cruzeiro passou a pesar exatamente 8 escrópulos (ou seja, 8 gramas) e conter 90% de ouro e os valores, tamanhos e pesos de todas as demais moedas foram padronizados de acordo com o sistema decimal e foram abandonadas denominações tradicionais que não se encaixavam no novo sistema (40 réis, 160 réis etc.). Oficialmente, o único submúltiplo do cruzeiro é o real (plural réis), que vale um milésimo de cruzeiro; e o único múltiplo é o conto, que vale cruzeiros ou de réis.Dobra (5$000) de João V, de 1708 Foi mantida a forma já tradicional de escrever quantias monetárias: dois pontos para o conto de réis e $ para o cruzeiro, seguido dos réis e suas frações. Assim, a quantia de 1 conto, 325 cruzeiros e 201 réis e meio (ou seja, ,5 réis) se escreve como 1:325$201,5.

42

43 As mudanças dos padrões monetários brasileiros Unidades MonetáriasSímboloParidadeData de Vigência Real (1)R R 1$200 = 1/8 de ouro de 22K1808 a 10/1833 Mil RéisRs Rs 2$500 = 1/8 de ouro de 22K 10/1833 a 10/1942 CruzeiroCr$ Corte de três zeros11/1942 a 02/1967 Cruzeiro NovoNCr$ Corte de três zeros 03/1967 a 05/1970 CruzeiroCr$ Não houve alteração05/1970 a 02/1986 CruzadoCz$ Corte de três zeros02/1986 a 01/1989 Cruzado NovoNCz$ Corte de três zeros01/1989 a 03/1990 CruzeiroCr$ Não houve alteração03/1990 a 07/1993 Cruzeiro RealCR$ Corte de três zeros08/1993 a 06/1994 RealR$ Dividir por (2)01/07/ Obs.: Ouro de 22k - grau de pureza de 916,66 (utilizado na fabricação de moedas e jóias para investimento. (1) Popularmente conhecido como Réis. (2) Último Valor da URV, divulgada em 30/06/94.

44 Unidades MonetáriasProporção em R$ 1,00ParidadeData de Vigência Real (1) R R 1$200 = 1/8 de ouro de 22K1808 a 10/1833 Mil Réis Rs $000 Rs 2$500 = 1/8 de ouro de 22K 10/1833 a 10/1942 Cruzeiro Cr$ ,00 Corte de três zeros11/1942 a 02/1967 Cruzeiro Novo NCr$ ,00 Corte de três zeros 03/1967 a 05/1970 Cruzeiro Cr$ ,00 Não houve alteração05/1970 a 02/1986 Cruzado Cz$ ,00 Corte de três zeros02/1986 a 01/1989 Cruzado Novo NCz$ ,00 Corte de três zeros01/1989 a 03/1990 Cruzeiro Cr$ ,00 Não houve alteração03/1990 a 07/1993 Cruzeiro Real CR$2.750,00 Corte de três zeros08/1993 a 06/1994 Real R$2.750,00 Dividir por (2)01/07/ As mudanças dos padrões monetários brasileiros

45 O dinheiro no Brasil Colônia ( ) Primeiras moedas cunhadas no Brasil, os florins foram fabricados em ouro pelos holandeses, quando ocuparam o Nordeste brasileiro ( ).

46 O dinheiro no Brasil Império ( ) Moeda de réis, de 1822, em ouro. Conhecida como Peça da Coroação, foi cunhada para comemorar a coroação de Dom Pedro I como Imperador do Brasil.

47 O dinheiro no Brasil Império ( ) Cédula de réis com efígie de Dom Pedro II de 1879.

48 O dinheiro na República Velha ( ) Cédula de 500 mil réis da Caixa de Conversão de 1906.

49 O dinheiro no Estado Novo ( ) e outras moedas...

50 O dinheiro na Quarta República e na Ditadura Militar ( ) Cédula de 1 cruzeiro com efígie do Marquês de Tamandaré de 1956.

51 O dinheiro na Quarta República e na Ditadura Militar ( ) Cédula de 100 cruzeiros lançada em 1981.

52 O dinheiro na Nova República (a partir de 1983) Cédula de 10 mil cruzados lançada em 1986, que homenageou o cientista Carlos Chagas.

53 O dinheiro na Nova República (a partir de 1983)

54 . Em 1989, o Plano Verão, que criou o Cruzado Novo.

55 O dinheiro na Nova República (a partir de 1983) Céula de 50 mil cruzeiros reais lançada em 1993.

56

57

58 58

59 VIDEO ARQUIVO 1.Evolução da Moeda 2.Gráfica que todos queriam ter em casa. 3.Emissão moedas Novas

60 ATIVIDADE 1. No período do sistema de troca de mercadorias surgiram muitas dificuldades, quais foram? 2. Como surgiu a era da mercadoria moeda, e de que forma era regulamentada? 3. Discorra a origem da moeda metálica e suas vantagens? 4. Apesar das vantagens da moeda metálica, porque passou a utilizar a moeda papel?

61 5. Apresente a diferença entre a moeda fiduciária e moeda bancária. 6. Comente as principais funções da moeda. 7. Explique as relevantes características da moeda. 8. Quais as formas de moedas da atualidade.


Carregar ppt "1 DISCIPLINA ECONOMIA Professora: Renata Rainieri Cortez Assunto de Hoje: HISTÓRIA DA ECONOMIA E A CRIAÇÃO DA MOEDA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google