A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DO MATO GROSSO DO SUL DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO SISTEMA SEBRAE PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL- PNDR.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DO MATO GROSSO DO SUL DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO SISTEMA SEBRAE PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL- PNDR."— Transcrição da apresentação:

1

2 PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DO MATO GROSSO DO SUL DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO SISTEMA SEBRAE PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL- PNDR PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DO CENTRO OESTE - PEDECO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA FAIXA DE FRONTEIRA- PDFF ESTUDOS E PESQUISAS – TENDÊNCIAS, CENÁRIOS, PRODUÇÃO E POTENCIAL DE CONSUMO PLANO PLURIANUAL DO SEBRAE/MS – PPA 2010/2012 CARTEIRA DE PROJETOS E ATIVIDADES Hierarquia da Estratégia ZONEAMENTO ECOLÓGICO ECONÔMICO - ZEE

3 M1. Contribuir com o desenvolvimento do Estado do MS M2. Fomentar o empreendedorismo, a sustentabilidade e a competitividade dos pequenos negócios cumprimento da missão partes interessadas C1. Ser reconhecido como articulador e gestor das principais iniciativas estaduais para elevação da competitividade da MPE e fomento ao empreendedorismo C2. Ser reconhecido como agente de desenvolvimento do MS MPE e EmpreendedoresSociedade Valores do SEBRAE/MS Agilidade Atitude empreendedora Ética Excelência nos resultados Foco do cliente Atuação em parceria Valorização das pessoas A1. Desenvolver competências e reter talentos Ambiente da Empresa: Soluções para MPE e Empreendedores (Individual e Coletivamente) P5. Ampliar a Visibilidade Institucional e fortalecer a imagem do SEBRAE P6. Ter excelência e transparência na aplicação dos recursos Visibilidade Institucional e Imagem do SEBRAE P7. Promover a cultura do empreendedorismo Empreendedorismo Ambiente Externo: Viabilizadores do Desenvolvimento das MPEs e Empreendedores P1. Promover a Inovação da MPE P2. fortalecer a Cooperação entre as MPEs P3. Potencializar a conquista e ampliação de mercados P4. Orientar e capacitar em gestão, tecnologia e processos Inovação Cooperação Mercado Gestão processos P8. articular e fortalecer redes de parceiros em prol das MPE Redes de Parceiros P9. Contribuir para o desenvolvimento territorial e de sistemas produtivos locais com foco nas MPE Desenvolvimento Territorial P10. Estimular a ampliação do acesso a serviços financeiros Serviços Financeiros P11. Articular, propor e apoiar a implementação de políticas públicas Ambiente Legal P12. Ter excelência em gestão focada em resultados Gestão Integrada do SEBRAE P13. Fortalecer mecanismos que potencializem a atuação integrada do Sebrae pessoas, organização e tecnologias A2. Ter um ambiente de trabalho integrado, que promova a cultura de resultados e a qualidade de vida A3. Desenvolver e implantar a gestão do conhecimento sobre e para a MPE A4. Aprimorar a utilização da tecnologia de informação e comunicação para dinamizar a gestão do SEBRAE e o atendimento ao público externos

4 1. Atender e acompanhar os empreendimentos em estágio nascente. 2. Articular ambiente favorável aos pequenos negócios, bem como apoiar as entidades representativas. 3. Apoiar o desenvolvimento do comércio varejista e serviços. 4. Apoiar a diversificação da base econômica no agronegócio. 5. Promover a inclusão com sustentabilidade das MPEs nas cadeias produtivas emergentes: alimentos, sucroalcooleiro, minero siderúrgico, florestas, papel e celulose, no estado. 6. Apoiar a cadeia produtiva do turismo e o fortalecimento da indústria criativa como atividade econômica sustentável nos biomas Pantanal e Cerrado. 7. Apoiar o desenvolvimento da indústria. 8. Apoiar o desenvolvimento do território de fronteira e a internacionalização das MPEs e do SEBRAE. 9. Intensificar e promover os resultados através da gestão do conhecimento e da comunicação para fortalecimento da imagem. 10. Manter a equipe atualizada e comprometida com resultados. 11. Ampliar a geração de receitas próprias.

5 Taxa de sobrevivência das MPEs atendidas Taxa das MPEs atendidas Índice de contribuição para criação de MPE Índice de avaliação da imagem – MPE/Empreendedores Índice de avaliação da imagem - Sociedade

6 Número de empresas atendidas pelo Sebrae Número de empreendedores individuais formalizados6.500 Número de empresas atendidas pelo Sebrae com soluções específicas de inovação 332 Número de pequenas empresas atendidas pelo Sebrae1.057 Número de municípios com a Lei Geral regulamentada40

7 Painel Indicadores Metas Mobilizadoras Indicadores Institucionais Resultados dos Projetos Limites aplicação recursos Objetivos estratégicos

8

9 Linha de atuação 1 : FOMENTO AO EMPREENDEDORISMO E FORMALIZAÇÃO DO MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL Projeto Nascer Bem Projeto Negócio a Negócio

10 Linha de atuação 2: BUSCA DE COMPETITIVIDADE SETORIAL PARA MPE E SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS Juntos pela Indústria APL Cerâmico Terra Cozida do Pantanal Região Norte APL do Vestuário Nova Costura - Região Sul do MS Artesanato Sul-Matogrossense APL Turismo e Artesanato da Região Norte de MS Programa de Qualificação de Fornecedores de Três Lagoas Revitalização de Espaços Comerciais no MS – 5 núcleos pilotos Varejo em Ação – região do bolsão, norte e sul do MS; Comércio e Serviços Sul-mato-grossense Desenvolvimento do Comércio Varejista e Serviços da Região do Pantanal Projeto Despertar Rural – MS Juntos pelo Agronegócio no MS Apoio à Pecuária Bovina Orgânica no Pantanal do MS Produção Agroecológica Integrada e Sustentável – PAIS

11 Linha de atuação 3: DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL MS SEM FRONTEIRAS - Integração Competitiva de Micro e Pequenas Empresas em Ambiente de Fronteira PROLOCAL – Projeto com parceria intensiva para o desenvolvimento de localidades do MS. Ambiente legal para Micro e Pequenas empresas/Municipalização da Lei Geral Apoio ao desenvolvimento do Território da Cidadania - Cone Sul Apoio ao desenvolvimento do Território da Cidadania - Vale do Ivinhema Apoio ao desenvolvimento do Território da Cidadania – Grande Dourados

12 A. Atendimento presencial e à distância : para empreendedores individuais e empresas de micro e pequeno porte rurais e urbanas Portal online de Atendimento: Atendimento Online – Ferramenta de atendimento a distância 24 horas. Consultoria Online – Consultoria por meio de Bate-Papo, Webcast – Cursos e palestras transmitidos em tempo real ou gravação Geonegócios Online – Ferramenta de georeferenciamento das principais cidades

13 B. Capacitação C. Consultoria D. SEBRAE MAIS: gestão e internacionalização para empresas com mais de 2 anos; E. Gestão de Projetos F. Parcerias em ações de impacto para o desenvolvimento G. ALI – Agentes Locais de Inovação – agentes na empresa, aproximando-a de soluções inovadoras H. Acesso a Mercado (Ferramentas de Promoção Comercial) assessoria, rodadas, feiras, missões e caravanas para aproximar empresas ofertantes e compradores. I. Sebraetec - tecnologia e inovação consultoria tecnológica e inovação para MPES

14 Uma abordagem sistêmica para o SEBRAE/MS

15 Agente de treinamento e capacitação Agente de capacitação e apoio do segmento Agente de capacitação, apoio e organização dos segmentos e encadeamentos produtivos; Agente de desenvolvimento nos territórios

16 Inovação Sistêmica e Sustentabilidade Governança Políticas Públicas Formação de Liderança

17 Empresas – formais e informais Núcleos setoriais Cooperativas Associações Cadeias produtivas Cadeias de valor Redes de empresas (franquias, fornecedores, marca comum) Arranjos Produtivos Locais Território

18 Interações ao longo das cadeias de valor e dos territórios Governança, coordenação, articulação, cooperação Dinâmicas Produção compartilhada, terceirização, complementariedades, divisão do trabalho Dinâmicas cognitivas/aprendizagens, inovações compartilhadas Infra: profissionais, itinerários, logística, informativos, capacitação, educação Ações conjuntas de mercado Acesso a serviços, insumos e mercado

19 Forma de atendimento aos APLs focam em especialização produtiva de alguns elos e torna secundário o tratamento das cadeias; Ainda é pouco analisada a divisão e a lógica de valor, terceirização; Pensar na apropriação do valor, qual o valor que o bem ou serviço acrescenta no mercado? E não apenas em suas paredes – eficiência operacional. Ex: TIC no MS - Proposição de valor quando articulado a serviço do Agronegócios, um dos mais competitivos do mundo Perspectivas de valor para evitar a comoditização; Por que não dividir? Ao invés de todos buscarem produzir o melhor sapato, por que um não passa a produzir a melhor parte do sapato? Usar o pedaço do outro, ao invés de todos disputarem a inovação fechada processo completo que vai até a comercialização;

20 Inovação aberta – derruba o conceito de um território trabalhando 10 ou 20 anos o mesmo produto, com toda a gama de laboratórios especializados O adensamento não gera mais o valor para o mercado Se atuarmos nos territórios sem uma analise aprofundada do posicionamento competitivo há o risco de investimentos milionários com baixo retorno Estar junto não é fator competitivo determinante

21 Identidade Regional Fundamental para entender a dinâmica do arranjo e pensar na competitividade Nova dinâmica de integração global Desenvolveu-se ao longo do tempo com trabalhos coletivos: Apareceu a China: Não é possível usar a mesma lógica, as mesmas soluções CONFIANÇA CONHECIMENTO MÚTUO LAÇOS DE COOPERAÇÃO

22 Mobilização de ativos intangíveis Dinâmica sócio econômica Escalas de desenvolvimento Empresa/território Historia, cultura, instituições Governança, cooperação, coordenação Infra estrutura/logística Marcas territoriais (identidade geográfica) Aplicação da lei geral e outros instrumentos legais na base- criação de indicadores municipais O que muda no território a partir da intervenção do Sebrae?

23 REFERENCIAL PARA UM PROJETO DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL

24 1.1Levantamento perfil sócio-econômico - usar IRS, RAIS/MTE e MPE data entre outras fontes secundárias; 1.2Identificação dos projetos estruturantes - conforme planejamento estratégico do Estado e municípios, identificando investimentos públicos e privados de impacto socioeconômico no território; 1.3Levantamento do ambiente político - identificar Lei Geral, estágio de implantação, incentivos, tramitação entre prefeitura e câmaras municipais, relacionamento partidário com Governo Estadual, deputados estaduais, federais, senadores e emendas parlamentares para investimento no território;

25 1.4Identificação de oportunidades para pequenos negócios- mediante entrevistas e analise de cadeias produtivas, listar demanda por produtos e serviços x oferta local; 1.5Entrevistas necessárias Maior liderança produtiva (comercio, indústria, agropecuária); Prefeito; Presidente da Câmara de vereadores Presidente da Associação comercial; Presidente do Sindicato rural; Gerente do BB e/ou Caixa Gerente ou representante de empreendimento ancora(usina, frigorifico, etc...) Dono do principal veiculo de comunicação local(radio, jornal)

26 2.1Registrar os desafios e oportunidades para competitividade do território- tomando como base o diagnóstico e validar com a governança local, sugestão: usar o método SWOT. 2.2Alinhamento da visão de desenvolvimento para o território- obtendo o consenso da governança para um ideal coletivo de resultados futuros para o território- VISÃO;

27 3. Plano de Ação 3.1Formação de lideranças- capacitação e workshops 3.2Choque de empreendedorismo – ação de massa, com grande visibilidade, parcerias de outros Ss, oficinas de SEBRAETEC (como fazer), formalização EI; 3.3Analise das políticas públicas municipais para micro e pequena empresa – apoio e orientação técnica para prefeituras na implementação e sustentação da Lei Geral; 3.4Formação de agentes de desenvolvimento nos territórios - prefeitura, associação comercial e sindicato rural;

28 3. Plano de Ação 3.5Elaboração da carteira de projetos setoriais/multisetoriais orientadas ao mercado (competitividade do território) - articular parcerias, contrapartidas, negociar gestão e monitoramento orientado para resultados no médio e longo prazo; 3.6Captação de recursos para uma carteira de projetos - Conforme macro processos de mobilização de recursos, estruturado na UGE.

29 Questão central para nosso atendimento no território: Competitividade e cadeia de valor Quais são os elos faltantes para a competitividade sistêmica? Complementariedade para ganho sistêmico Recomendações: O descaso com os elos faltantes e os projetos colcha de retalho com ações desconectadas não avançam na competitividade da produção do território; Desenvolver a capacidade de ser mais critico com nossos projetos e mais sistêmicos na atuação territorial Usar das ferramentas de analise dos territórios e planos de ação municipal com gestão intensiva para garantir a consistencia para o desenvolvimento;

30 OBRIGADA!!! Sandra Amarilha


Carregar ppt "PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DO MATO GROSSO DO SUL DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO SISTEMA SEBRAE PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL- PNDR."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google