A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

REDES DE INVESTIGAÇÃO: A RELAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE COM ORGANISMOS NACIONAIS, EUROPEUS E INTERNACIONAIS Faro, 06 de Outubro de 2006 Ana Rita Cruz.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "REDES DE INVESTIGAÇÃO: A RELAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE COM ORGANISMOS NACIONAIS, EUROPEUS E INTERNACIONAIS Faro, 06 de Outubro de 2006 Ana Rita Cruz."— Transcrição da apresentação:

1 REDES DE INVESTIGAÇÃO: A RELAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE COM ORGANISMOS NACIONAIS, EUROPEUS E INTERNACIONAIS Faro, 06 de Outubro de 2006 Ana Rita Cruz

2 Redes e Investigação Fonte: Elaboração Própria Taylorismo Escola das Relações Humanas Solidariedade Mecânica vs Solidariedade Orgânica Modelo de Especialização Flexível REDE Espaço Europeu de Investigação Relação Universidade – Empresa

3 Redes e Parcerias Segundo Casttels (2002) as Redes são estruturas abertas, que se podem expandir de forma ilimitada, dinâmica, flexível e adaptável a uma cultura de desconstrução e reconstrução contínua, assente numa organização social que procura a superação do espaço e a aniquilação do tempo. Distinguem-se das Parcerias nas dimensões: Tempo e Espaço Profundidade dos Vínculos Estabelecidos Dinamismo Abertura ao Exterior Tipo de Objectivos Partilhados

4 Metodologia de Estudo I&D em Portugal Enquadramento do estado da I&D nas Universidades Portuguesas Projectos de I&D desenvolvidos nas universidades portuguesas: Financiados pelo Estado ou UE Com Empresas Ao Nível Internacional O Caso da UAlg Evidências do Funcionamento em Rede na UAlg Projectos de I&D desenvolvidos na UAlg como instrumento de medição de Redes: o Financiamento o Domínio Científico o Entidades Parceiras o Número de Relações com Parceiros o Distribuição Espacial das Parcerias Efectuadas o Tipos de Organização Modelo de Análise Fonte: Elaboração Própria O método descritivo foi aquele que se adoptou para elaborar esta pesquisa, uma vez que o que se pretendia era uma caracterização do estado actual da I&D tanto no panorama nacional como no caso específico da Universidade do Algarve. O caso da UAlg permitiria a medição de Redes através da verificação dos Projectos de investigação efectuados durante o período de

5 Práticas de I&D nas Universidades Portuguesas Universidades Domínio Científico Total Ciências Sociais e Humanas Ciências Exactas Ciências Naturais Ciências da Saúde Ciências e Tecnologias Agrárias Engenharias / Tecnologias Técnica (Lisboa)10%24%9%0%34%31%22,3% Porto9%11%8%39%7%18%15,5% Nova (Lisboa)16%4%9%11%1%16%10,8% Lisboa18%20%22%20%2%3%10,7% Coimbra8%17%13%23%1%7%9,8% Minho8%3%2%1% 10%5,6% Aveiro3%9%10%1% 6%5,0% I. Politécnicos2%1%0%2%18%3%4,6% Algarve2%4%11%0%6%1%3,4% UTAD1% 0%15%1%2,8% Évora3%1%5%0%10%1%2,8% Católica4%0% 3%1%1,5% ISCTE10%0% 1%1,5% Outras6%0%2%1%0%1%1,3% Açores1%0%5%1% 0%0,9% Beira Interior0%2%0% 1%0,8% Madeira0%1%2%1%0% 0,6% Participações das Universidades Portuguesas em Projectos de I&D financiados pelo Estado ou União Europeia Fonte: Elaboração própria (Dados de Fonseca, 2005: 7)

6 Práticas de I&D nas Universidades Portuguesas Projectos de I&D com Empresas face ao Total de Projectos de I&D Fonte: Elaboração Própria (Dados de Fonseca, 2005: 19)

7 Práticas de I&D nas Universidades Portuguesas Projectos Internacionais de I&D face ao Total de Projectos de I&D Fonte: Elaboração Própria (Dados de Fonseca, 2005: 39 e 40)

8 O Caso da Universidade do Algarve 1. Tipo de Financiamento 83,5% do financiamento total dos projectos analisados tem uma forte componente comunitária. Os restantes 16,5% de financiamento dividem-se por prestações de serviços em que parte significativa são de instituições públicas. Esta situação revela uma forte dependência relativamente aos fundos comunitários num momento em que estes tendem a diminuir. FinanciamentoFrequências% POCTI9130,7 POCI6020,3 Comunitário299,8 INTERREG III217,1 AGRO144,7 Principais Fontes de Financiamento Usadas nos Projectos da UAlg Fonte: Elaboração Própria

9 O Caso da Universidade do Algarve Domínio CientíficoFrequências% Ciências Naturais 14549,0 Ciências e Tecnologias Agrárias 4515,2 Não Definido 3913,2 Engenharias / Tecnologias 3913,2 Ciências Humanas e Sociais 175,7 Ciências da Saúde 113,7 Total Domínios Científicos dos Projectos da UAlg Fonte: Elaboração própria Verifica-se uma grande representatividade do domínio das ciências naturais (49%) não deixa dúvidas de que esta é a principal área de investigação desta universidade. As relações da UAlg com outros países são por isso maioritariamente no âmbito das ciências naturais. 2. Domínio Científico

10 O Caso da Universidade do Algarve 3. Entidades Parceiras e Parcerias Efectuadas Os parceiros referem-se às entidades que participaram em projectos com a UAlg. As parcerias relacionam-se com o número de relações institucionais da UAlg com os seus parceiros. Assim, as parcerias são mais numerosas que os parceiros porque cada parceiro pode ter várias parcerias com a UAlg. Proporção das Entidades Parceiras da UAlg, segundo a sua Origem Fonte: Elaboração Própria Relações Resultantes dos Projectos da UAlg, segundo a sua Origem Fonte: Elaboração Própria

11 O Caso da Universidade do Algarve 4. Distribuição Espacial das Parcerias Efectuadas Intensidade de Relações da UAlg com Países de fora da Europa Fonte: Elaboração Própria

12 O Caso da Universidade do Algarve 4. Distribuição Espacial das Parcerias Efectuadas Número de Relações da UAlg com Países Europeus Fonte: Elaboração Própria

13 O Caso da Universidade do Algarve 5. Tipos de Organizações Parceiras Tipo de Organização das Entidades Parceiras da UAlg no Total dos Projectos Realizados Fonte: Elaboração Própria

14 O Caso da Universidade do Algarve 5. Tipos de Organizações Parceiras Tipo de Organização das Entidades Parceiras das Unidades Orgânicas da UAlg no Total dos Projectos Realizados Fonte: Elaboração Própria

15 Conclusões,Limites e Pistas de Investigação Conclusões, Limites e Pistas de Investigação Verificamos que o conceito de Rede tornou-se mais relevante, por um lado, em termos conceptuais no desenvolvimento da Ciência actual e, por outro, em termos práticos, para o êxito dos elementos integrantes das Redes. A UAlg tem relações privilegiadas, que podemos referir como Redes, com várias instituições do Ensino Superior (como o Instituto Superior Técnico, a Fundação da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e a Universidade de Aveiro), com laboratórios do Estado (como o IPIMAR ou o LNEC), com outros organismos do Estado (como a CCDR Algarve, a Direcção Regional da Agricultura ou a Direcção Regional das Pescas) e ainda com empresas (como os Viveiros Vilanova, SA ou as Águas do Algarve, SA). Existe um conjunto sólido de relações estabelecidas em vários países, com destaque para a Espanha e para o Reino Unido, que se configuram como Redes. A existência de várias parcerias entre duas entidades é uma evidência da existência de Rede. De destacar é também o facto de não existirem parcerias entre as próprias unidades orgânicas da UAlg. A criação de uma Rede interna poderia trazer a transdisciplinaridade à investigação da UAlg (especificamente na investigação associada ao mar) como um elemento inovador.

16 A dispersão de fontes impossibilitou a recolha dos dados necessários para a análise de todos os projectos, assim como a recolha de informação sobre os resultados dos projectos analisados. Uma Gestão de Projectos mais centralizada poderá ser um instrumento mais eficiente e auxiliador de uma monitorização da Investigação, que se pretende o mais constante possível e que permita perceber quem, o quê e quando se investiga na UAlg. Um trabalho mais exaustivo que explorasse outro tipo de indicadores poderia identificar a existência, ou não, de Redes a um nível informal, e poderia analisar com mais rigor a permanência das Redes existentes. Algumas questões ficam ainda por esclarecer: Qual a motivação do trabalho em Rede identificado na UAlg? Reconhecimento da sua necessidade ou obrigatoriedade por parte de alguns programas financiadores? Para a Universidade do Algarve se afirmar fora das suas fronteiras terá de conseguir projectar-se na região, potenciando as suas relações com os actores que mais próximo tem, ou seja, multiplicando as suas Redes com o tecido empresarial do Algarve. Conclusões,Limites e Pistas de Investigação Conclusões, Limites e Pistas de Investigação


Carregar ppt "REDES DE INVESTIGAÇÃO: A RELAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE COM ORGANISMOS NACIONAIS, EUROPEUS E INTERNACIONAIS Faro, 06 de Outubro de 2006 Ana Rita Cruz."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google