A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof. Dr. Marco Aurélio A. Monteiro PROGRAMA REAÇÃO AS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof. Dr. Marco Aurélio A. Monteiro PROGRAMA REAÇÃO AS."— Transcrição da apresentação:

1 Prof. Dr. Marco Aurélio A. Monteiro PROGRAMA REAÇÃO AS RIQUEZAS DO SUBSOLO 4 ª SÉRIE 2008

2 ROTEIRO O Subsolo e o meio ambiente O subsolo e os seres vivos O subsolo e os seres humanos O subsolo e os recursos tecnológicos

3 ciências AS RIQUEZAS DO SUBSOLO ADAPTAÇÃO DO TEXTO DO LIVRO OS SERÕES DE DONA BENTA (MONTEIRO LOBATO)

4 Naquele dia a lição acabou no solo; no dia seguinte começou pelo subsolo, que é a parte que fica embaixo do solo. - No começo - disse dona Benta os homens só viviam e só se utilizavam das coisas produzidas pelo solo, ou que estão no solo - e ainda hoje é assim na maior parte do mundo, e também aqui. - Sim. Os grandes depósitos de carvão de pedra que o homem tem descoberto em tantos países já foram enormes florestas em lugares pantanosos, vivinhas e verdinhas. As árvores iam nascendo, crescendo e morrendo. Os troncos atolavam-se no pântano, formando camadas de restos mortais. Um dia esse pântano sofreu mudança: foi abaixado por efeito daquele diastrofismo sobre que já falei. A erosão, essa infatigável fazedora de aterros, o cobriu de espessas camadas de areia ou argila. Mas vem de novo o diastrofismo e ergue toda aquela massa de camadas -e na superfície forma-se novamente solo e crescem novamente florestas. -Mas de repente...

5 - Já sei - disse Pedrinho - de repente o tal diastrofismo abaixa outra vez a terra e a erosão cobre outra vez de areia a nova floresta. - Exatamente. Isso explica o encontro de várias camadas de carvão superpostas, separadas entre si pelas camadas de aterro. - Mas como as florestas enterradas se transformaram -em carvão? - Diversos fatores trabalharam nisso:a pressão do aterro, certas bactérias, o calor desenvolvido pelo peso do aterro. Quando a pressão é muito grande, esse mesmo carbono do carvão de pedra vira diamante. - Que coisa esquisita - exclamou a menina. - Um, tão preto e feio - o outro, maravilhosamente lindo, e filhos do mesmo pai... - Filhos, não - contestou dona Benta - O carvão é carbono e o diamante também. Constituem um mesmo corpo sob formas diferentes. Mas o carvão é encontrado em todos os continentes.

6 Mas temos outros produtos valiosíssimos no subsolo - Os minérios e metais. - Isso já aprendemos na Geologia disse Pedrinho. As rochas se compõem duma mistura de vários minerais. - Exatamente. O granito, por exemplo, compõe-se de quartzo, feldspato e mica, em mistura que os deixa perfeitamente visíveis. A uma rocha que contém um ou mais metais damos o nome de minério, do qual um dos característicos é haver quase sempre a combinação dum metal com o oxigênio ou o enxofre. De todos os metais, qual o mais precioso? Quem sabe? -O ouro - disse Narizinho.

7 -Parece mas não é. O metal precioso por excelência é o ferro, embora no mercado um quilo de ouro alcance preço muitíssimo maior que uma tonelada de ferro. O ferro é o mais precioso porque é o mais útil., -- Por quê? -Porque o ferro é a substância com que o homem constrói suas máquinas, e é da máquina que vem o progresso, a riqueza, a civilização. -- E depois do ferro? - Depois do ferro o mais útil dos materiais é o cobre, ou pelo menos o mais largamente empregado, sobretudo nas instalações elétricas. A eletricidade é conduzida de um ponto para outro por meio de fios de cobre. Outra grande aplicação do cobre é para rebites de navios e vasilhame.

8 Aqui em casa temos aquele tachão de cobre em que tia Nastácia faz goiabada. Mas as alças são de outro metal, mais amarelado. - Latão, ou seja uma liga de cobre e zinco. O bronze, tão empregado para as estátuas, é também uma liga de cobre e estanho.

9 - E o ouro? - perguntou Narizinho. - Ah, o ouro é o mais belo de todos os metais, com a sua linda cor amarela. Tem a vantagem de não oxidar-se e também de ser extremamente maleável. Com ele fazem-se as folhas mais finas que existem no mundo, e fios que batem a teia das aranhas. Outro metal curiosíssimo é o mercúrio - o único que na temperatura comum se conserva líquido. Só se solidifica a 39 graus abaixo de zero. As vezes é encontrado puro, outras vezes, combina com o enxofre. Sua densidade é tão alta que todos os outros metais, inclusive, o chumbo, flutuam nele. Tem muito emprego nos laboratórios. Os barômetros e os termômetros são feitos com mercúrio, e os espelhos têm a face interna revestida duma camadinha de mercúrio e estanho.

10 - É o tal aço dos espelhos - lembrou Pedrinho. -E na arte dentária serve para a obturação dos dentes; numa mistura com prata e estanho. -Há ainda os não-metálicos, como, por exemplo, o giz. O giz é um calcário formado de casquinhas de pequeneníssimos animais marinhos. A cal é outro calcário que obtemos queimando a pedra calcária; tem enorme emprego na construção de casas, para reboco ou caiação. A argila é uma combinação de alumínio, sílica, oxigênio, e água. Usadíssima para tijolos, manilhas, telhas, potes e panelas. A argila muito pura e sem ferro dá a porcelana. Um mineral interessante é o amianto. Apresenta-se fibroso, como madeira apodrecida de pinheiro. As fibras dobram-se sem se quebrar e têm brilho. A principal propriedade do amianto é não ser afetado pelo fogo. Não derrete nunca. Dai a sua aplicação na defesa contra o fogo; tecidos para roupas de bombeiros, -cortinas de teatro que separam o palco da platéia, tintas incombustíveis (em que ele entra em pó), etc

11 Se suprimirmos essas duas coisas, acabaria o progresso e temos de voltar à vida do índio - com tangas, arcos e tacapes, vivendo da pesca e da caça, como os que habitavam nossas terras antes da chegada dos portugueses. - E como hoje há muito pouco que caçar no mato, o remédio era cairmos na antropofagia, como os tupinambás que o Hans Staden descreve em seu livro - disse Emília. Dessa vez os meninos concordaram com ela.


Carregar ppt "Prof. Dr. Marco Aurélio A. Monteiro PROGRAMA REAÇÃO AS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google