A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

EFEITOS DO EXERCÍCIO FÍSICO Treinamento Desportivo Prof. Ms. Leandro Tibiriçá Burgos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "EFEITOS DO EXERCÍCIO FÍSICO Treinamento Desportivo Prof. Ms. Leandro Tibiriçá Burgos."— Transcrição da apresentação:

1 EFEITOS DO EXERCÍCIO FÍSICO Treinamento Desportivo Prof. Ms. Leandro Tibiriçá Burgos

2 EFEITOS DOS EXERCÍCIOS FÍSICOS SISTEMÁTICOS-síntese: Neuromusculares: Hipertrofia Muscular; aumento mineral ósseo e espessura de tendões e ligamentos; aprimoramento do potencial aeróbico e anaeróbico das fibras musculares Orgânicos : a) Cardiovasculares: Aumento do Volume Cardíaco; Aumento da espessura das paredes do coração; Aumento do volume sistólico; Aumento de 25% vasos capilares; Redução da frequência cardíaca de repouso;

3

4 b) Cardiopulmonares: Aumento do volume vital; Aumento da eficiência respiratória; Maior capacidade de oxigenação (> VO 2 máx.); c) Metabólicos: Estimul. prod. hormonal Glandular (> endorfinas, serotoninas, dopaminas, GH...) ; Aumento da reserva de sais minerais (> cálcio, magnésio, potássio,...); Psicológicos: Aumento da auto-estima, auto-imagem e bem-estar; Redução do estresse e depressão

5 EXERCÍCIOS NA PREVENÇÃO E CONTROLE DE DOENÇAS - Hipertensão arterial - Diabetes mellitus - Obesidade - Doença arterial coronariana - Acidente vascular cerebral - Osteoporose - Hiperlipidemias - Problemas posturais - Alguns tipos de câncer (cólon, mama, próstata, pulmão, intestino grosso)

6 TIPOS DE EXERCÍCIOS: Aeróbicos e Anaeróbicos demonstrativo quanto ao tempo de duração: ANAERÓBICO ATÉ 3 MINUTOS : ALÁTICOLÁTICO

7 DE 3’ A 5’: ANAERÓBICOAERÓBICO

8 MAIS DE 5 MINUTOS: AERÓBICO

9 Nutrientes De uma maneira geral, os nutrientes são subdivididos em categorias: carboidratos, gorduras, proteínas, minerais, vitaminas e água. Por sua vez, de acordo com as funções principais, essas 6 categorias de nutrientes podem ser classificadas em 3 diferentes grupos: Nutrientes energéticos; Nutrientes construtores; Nutrientes reguladores.

10 Produção de Energia Manutenção e construção de tecidos Reguladores metabólicos Função Nutrientes Gorduras Carboidratos Proteínas Minerais Vitaminas Água

11 SUBSTRATOS ENERGÉTICOS CARBOIDRATOSGORDURASPROTEÍNAS GLICOSE GLICOGÊNIO hepático muscular ÁCIDOS GRAXOS TRIGLICERÍDEOS musculares células adiposas NÃO POSSUI RESERVA* AMINOÁCIDOS músculo

12 Sistemas de producción de ATP en el músculo esquelético ATP ADP Contracciónmuscular Lactato Glucosa Creatinina Fosfocreatinina H 2 O+CO 2 O2O2O2O2 Glucosa A. Grasos 1. Anaeróbico aláctico 2. Anaeróbico láctico 3. Aeróbico 12 3 Chicharro JL, Vaquero DF. Fisiologíadel Ejercicio. Ed. Médica Panamericana, Madrid, España, 1995

13 Depósitos de Energia em um Homem de 80 kg SubstratoPeso (gramas)Energia (kcal) Carboidratos Glicose plasmática2080 Glicogênio hepático Glicogênio muscular Total (aproximado) Gorduras Ácido graxo plasmático0,44 Triglicérides plasmáticos440 Tecido adiposo Triglicérides intramusculares Total (aproximado) Newsholme EA, Leech AR. Biochemistry for the Medical Sciences. Chichester: John Wiley&Sons, 1990.

14 Gorduras versus Carboidratos como Combustíveis Durante os Exercícios Combustível Esgotamento ritmo de maratona 400g glicogênio muscular95 min 300g triglicérides intramuscular min g tecido adiposo McGilvern, 1975; Newsholme & Leech, molécula de glicose + 6 O 2 ~ 38 ATP 1 molécula de ácido esteático + 26 O 2 ~ 147 ATP

15 Parâmetros de Composição Corporal Feminino % de Gordura: - Anorexia : < 14% - M. Baixo: de 14% à 16% - Baixo: de 16% à 18% - Ótimo: de 18% à 22% - Saudável: de 22% à 24% - Sobrepeso: de 24% à 28% - Obeso: acima de 28% Prof. Ms. Leandro T. Burgos

16 Parâmetro de Composição Corporal Masculino % de Gordura -M. Baixo : < 4% - Baixo: de 4% à 8% - Ótimo: de 8% à 12% - Saudável : de 12% à 16% - Sobrepeso: de 16% à 20% - Obeso: acima de 20% Prof. Ms. Leandro T. Burgos

17 FONTES DE ENERGIA PARA O MOVIMENTO HUMANO FontesTempoCombustívelMetabolismo I – ATP 3” 3” a 8” (ATP + H²O)= ADP +PI+E FOSFOCREATINA ANAERÓBICO 1- ATP –CP II- ATP-CP 2- GLICOLISE ANAERÓBICA 3’ – máx. 5’GLICOSE ANAERÓBICO 3- SISTEMA OXIGÊNIO > 5’GLICOSE, ÁCIDOS GRAXOS, AMINOÁCIDOS (proteinas) AERÓBICO

18 CONTRIBUIÇÃO PARA A PRODUÇÃO DE ENERGIA PELOS PROCESSOS AERÓBIO E ANAERÓBIO TEMPO DE TRABALHO, ESFORÇO MÁXIMO (seg/min.) PROCESSO 10s1 min.2 min.4 min.10 min.30 min.60 min.120 min. ANAERÓBIO (%) AERÓBIO (%)

19 CORRIDAS (fontes/duração/%metab.)* e Duração da atividade ** 10s20s45s1’45”3’45”- 9’14’-29’-135’ Fontes principais de energia (sistemas) ATP – CP ÁCIDO LÁTICO ATP-CP ÁCIDO LÁTICO OXIDATIVO SISTEMA OXIDATIVO Metabolismo (%) aeróbio e 100 Anaeróbio e 0 * Distância em metros / ** tempo em minutos e segundos

20 ZONAS ALVO DE TREINAMENTO ATIVIDADE MODERADA- regeneração /¨queima¨ de gorduras % FC MÁX. CONTROLE DE PESO 60 – 70% FC MÁX. AERÓBICA (performance ) 70 – 80% FC MÁX. LIMIAR ANAERÓBICO 80 – 90 % FC MÁX. ESFORÇO MÁXIMO MAIS DE 90 % FC MÁX.

21 Participación de los hidratos de carbono y las grasas en el aporte energético durante la realización de ejercicio físico. Tiempo de ejercicio (min) % de aporte de combustible Chicharro JL, Vaquero DF. Fisiología del Ejercicio. Ed. Médica Panamericana, Madrid, España, 1995 Grasa Hidratos de Carbono

22 Existem 6 zonas diferentes de treinamento que correspondem a diferença de níveis de intensidade de exercício e que se relacionam a vários mecanismos de transporte metabólico e respiratório no organismo: (ACSM - fonte: Filho, José Fernandes, 1999 ) Zona de FrequênciaFCMVO2 máxDuraçãoSistema de trabalhoRitmo MáximoRitmo de Trabalho Atividade Regenerativa (reabilitação) 40-60%até 40% aprox. 20 min Reabilit.cardio-respiratória ou osteomuscular - ritmo do paciente Zona de atividade moderada 50-60%até 50%+ de 30 min Queima de gordura(ácidos graxos) caminhada rápida ritmo fácil Zona de controle de Peso 60-70% até 50% a 60% + de 60 minCardiorespira-tóriamaratonatrabalho base Zona aeróbica70-80% até 60% a 75% 8-30 min Aeróbica (performance) 10 kmlongo Zona de limiar anaeróbico 80-90% 75% a 85% 5-6 minabsorção de lactato3 km a 5 kmtempo Zona de esforço máximo % 85% a 100% 1-5 minanaeróbico 800m a 1500 m curto

23

24 Indicadores de Fadiga Irritabilidade Depressão Insatisfação Dificuldade de diálogo Pouca concentração Insônia Baixa de rendimento Falta de criatividade Perda de peso e apetite Dores musculares Taxa de ferretina baixa Taxa de hemoglobina baixa Alergias, herpes, etc. = Lesões

25 CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO - (VO 2 máximo)‏ É a maior quantidade de oxigênio que pode ser captada, transportada e utilizada pelo organismo durante o esforço físico. É comumente utilizada para mensurar a aptidão cardiorrespiratória.

26

27 Princípios ou Pressupostos Básicos dos Programas de Treinamento Desportivo Representam as elaborações teóricas que partem de observações e investigações cientificas. Evoluem através dos tempos, na medida em que se consegue melhorar as interrelações entre os componentes estruturais da carga de treino. Todavia, embora sua classificação e descrição possa variar entre autores diversos, seu conteúdo se manifesta idêntico nas dinâmicas descritivas na metodologia do treino desportivo. * Principio da individualidade biológica * Principio da Adaptação e da homeostase * Principio da Sobrecarga * Principio da continuidade e do destreinamento

28 O AQUECIMENTO E OS FATORES FISIOLÓGICOS MAIS IMPORTANTES Em repouso, cerca de 20% do fluxo sangüíneo encontra-se localizado na musculatura, e 80% nos órgãos. Em exercício Intenso, 80% do fluxo sanguíneo destina-se à musculatura e somente 20% aos órgãos. Em esforços de alta intensidade o fluxo sanguíneo na musculatura pode chegar a 89%, restando somente 11% para a irrigação orgânica. 1- O FLUXO SANGUÍNEO Em atividade, a temperatura corporal aumenta. Especialmente nos músculos trabalhados sobe para 38/38,5°C, podendo alcançar 40º em esforços máximos. 2 -AUMENTO DA TEMPERATURA CORPORAL Músculos, ligamentos e tendões tornam-se mais maleáveis e disponíveis aos esforços determinando menos lesões e minimizando as micro-lesões. Consequentemente, ocorrerá menor dor residual. 3-MAIOR ELASTICIDADE TEClDUAL

29

30 Os líquidos lubrificantes (sinoviais) tomam-se menos densos menos viscosos, predispondo melhor movimento articular. (as mulheres são mais flexíveis: tecidos c/mais água e gorduras). 4- MAIOR MOBILIDADE ARTICULAR O homem como complexo do corpo e mente; Os impulsos nervosos determinam, tanto nos homens como nos animais, antes das competições, identificações especiais como aumento dos bmp, suor e nervosismo. 5 - O PREPARO PSICOLÓGICO Os principais movimentos se relacionam com a técnica do jogo. O Alongamento/flexibilidade e suas particularidades (fusos e o T.G.) 6 - OS EXERCICIOS DE ALONGAMENTOS

31 CategoriaPAS (mmHg) Ótima< 120e< 80 Normal< 130e< 85 Normal alta ou85-89 Hipertensão Estágio I ou90-99 Estágio II ou Estágio III> 180ou> 110 Classificação da pressão arterial


Carregar ppt "EFEITOS DO EXERCÍCIO FÍSICO Treinamento Desportivo Prof. Ms. Leandro Tibiriçá Burgos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google