A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CONFERÊNCIAS DE ECONOMIA SOCIAL Conhecer o Presente. Confiar no Futuro 12-16 de Setembro de 2011 Fundação Cidade de Lisboa.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CONFERÊNCIAS DE ECONOMIA SOCIAL Conhecer o Presente. Confiar no Futuro 12-16 de Setembro de 2011 Fundação Cidade de Lisboa."— Transcrição da apresentação:

1 CONFERÊNCIAS DE ECONOMIA SOCIAL Conhecer o Presente. Confiar no Futuro de Setembro de 2011 Fundação Cidade de Lisboa

2 ECONOMIA SOCIAL Um Novo Paradigma, Económico e Civilizacional? Hélder Bruno Martins Vereador da Educação e da Cultura Câmara Municipal da Lousã Investigador INET/UAveiro Bolseiro FCT

3 3 ECONOMIA SOCIAL Um Novo Paradigma, Económico e Civilizacional? Introdução - As Autarquias e a Economia Social – parcerias estratégicas para o desenvolvimento global das comunidades - As limitações das Autarquias e a importância da Economia Social no suprimento das necessidades das populações - A Economia Social e a sua importância na promoção do desenvolvimento - O modelo político-económico e a génese da crise mundial (Economia Social – uma constelação de esperanças - A Economia Social como exemplo inspirador para um novo paradigma económico e civilizacional (Economia Social – uma constelação de esperanças Prof. Dr. Rui Namorado) - O papel das autarquias na promoção do novo paradigma

4 4 1)O Sistema Económico-financeiro Mundial – dos anos 70/80 (séc. XX) ao Princípio do Fim EUA – anos 70 e 80 (séc. XX): Gerald Ford, Jimmy Carter e Ronald Reagan ( os primeiros protagonistas do neo-liberalismo económico) - Desregulamentação/Desregulação - Liberalização - Flexibilização do trabalho - Privatizações/ Redução do Estado - Benefícios e regalias atribuídas aos grandes grupos financeiros e investidores grande objectivo da nação era o crescimento e a prosperidade económica. Em 1981, Ronald Reagan anunciava que o grande objectivo da nação era o crescimento e a prosperidade económica. Reaganomics Com a administração Reagan estas políticas direcionadas para a indústria do lucro foram ainda mais liberais e radicais, implementadas de forma rápida, tendo ficado conhecidas como Reaganomics.

5 5 1)O Sistema Económico-financeiro Mundial – dos anos 70/80 (séc. XX) ao Princípio do Fim (continuação) Inglaterra – anos 80 (séc. XX): Margaret Tatcher (enceta as políticas económicas liberais à imagem do que se estava a passar nos EUA) - Desregulamentação/Desregulação - Liberalização - Flexibilização das Leis do Trabalho - Privatizações/ Redução do Estado - Benefícios e regalias atribuídas aos grandes grupos financeiros e investidores - Assumidamente contra os sindicatos Ficou conhecida como A Dama de Ferro e Ronald Reagan designou-a como o homem forte do Reino Unido.

6 6 Reagan e Thatcher constituíram a dupla político-ideológica contra o Bloco de Leste. Ações políticas: - Liberalização, - Desregulamentação, - Flexibilização, - Privatização e alienação do Estado, - Regalias fiscais aos grandes investidores. Reagan e Thatcher fizeram com que no Bloco Ocidental, lhes seguissem o caminho, não só por necessidade de dependência política, económica e financeira, mas também devido ao facto dos políticos nacionais se identificarem ideologicamente com os princípios político-económicos neoliberais, como foi o caso em Portugal.

7 7 1)O Sistema Económico-financeiro Mundial – dos anos 70/80 (séc. XX) ao Princípio do Fim (continuação) 1989/ Falência de centenas de pequenas companhias de crédito e poupança Milhões de USD - Aumento da concentração de riqueza - Atualmente, mais de 40% da riqueza concentrada em 1% da humanidade.

8 8 1)O Sistema Económico-financeiro Mundial – dos anos 70/80 (séc. XX) ao Princípio do Fim (continuação) Alan Greenspan, Presidente da Reserva Federal (nomeado por Reagan, Clinton e G. W. Bush) - Maior desregulação/desregulamentação e liberalização dos mercados (quase total) e arriscada para os pequenos e micro investidores - Wall Street controlava o lobby financeiro de Democratas e de Republicanos O setor financeiro estava consolidado, concentrado e controlado em poucas firmas financeiras, cada uma delas verdadeiramente gigantesca à escala global. A falência de uma destas firmas arrastaria consigo todo o sistema financeiro.

9 9 1)O Sistema Económico-financeiro Mundial – dos anos 70/80 (séc. XX) ao Princípio do Fim (continuação) Administração Clinton » Citicorp e Travelers fundiram-se para formar a Citigroup - Violação Lei Glass-Steagall Act, "Esta fusão foi ilegal. Alan Greenspan não atuou e compactuou, não só por ter deixado avançar a fusão, mas também por lhes ter concedido um ano de isenções fiscais. Robert Gnaizda, Director do Greenling Institute

10 10 1)O Sistema Económico-financeiro Mundial – dos anos 70/80 (séc. XX) ao Princípio do Fim (continuação) o Congresso aprova o Gramm-Leach-Bliley Act, que ficou conhecido como a Despenalização da criação do Citigroup ou como a Lei da Modernização dos Serviços Financeiros (!) - Esta nova Lei revogou a Glass-Steagall e abriu o caminho para futuras fusões No final da década de 90 (séc. XX) » nova crise provocada pelos investimentos avultados feitos pelos bancos em produtos de internet – a Nova Bolha. -o crash de 2001, causou perdas de 5 Triliões de USD para pequenos investidores, direcionados em lucros para os grandes investidores.

11 11 2) O Caso da Islândia – antes do ano 2000 "We had almost end-of-history status." (Andri Magnason, escritor e realizador islandês) - População: habit. - PIB: M de USD - Democracia sólida - Elevado nível de vida - Taxa de desemprego residual - Dívida pública residual - Infra-estruturalmente desenvolvida - Indústria ecológica e sustentável - Energia limpa - Excelente qualidade do ar - Produção agrícola sustentável - Actividade piscatória com sistema de quotas a geri-la - Cultura, Educação e Saúde públicas e com elevada qualidade - Taxa de criminalidade residual - Altos índices de qualidade de vida (Gylfi Zoega, prof. de economia na Universidade da Islândia, actual Presidente do Banco Central da Islândia)

12 12 2.1) O Caso da Islândia – depois do ano 2000 O governo iniciou uma política de liberalização económica, através da flexibilização e da desregulamentação do mercado e da economia nacionais. Desta forma, o Governo Islandês abriu a porta para a entrada dos especuladores e investidores internacionais, o que resultou numa das maiores e mais puras experiências acerca das políticas económico- financeiras neoliberais e de desregulamentação alguma vez posta em prática em tão pouco tempo. Em fevereiro de 2007, as agências de rating subiram a avaliação dos bancos islandeses para a nota máxima: AAA. Em Setembro de 2008, o colapso internacional arrastou a Islândia para a maior crise financeira da sua história: os bancos islandeses estiveram no limiar da falência, o desemprego triplicou em 6 meses, a consternação popular despoletou em massa.

13 13 3) Economia Social – muito para além do 3.º Setor, uma filosofia económica para o Século XXI A procura louca pelos lucros empresariais está a ameaçar-nos a todos. Não há dúvida que devemos apoiar o crescimento económico e o desenvolvimento, mas apenas num contexto mais alargado que promova a sustentabilidade ambiental e os valores da compaixão e da honestidade necessários para a confiança social. Jeffrey Sachs professor de economia e diretor do Instituto da Terra da Universidade de Columbia; Concelheiro do Secretário Geral das Nações Unidas para os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio.

14 Emergência de uma nova consciência global, mais solidária, humanista, ecológica. "Parem de mimar os super-ricos" Warren Buffett – multimilionário EUA. Buffet afirma que no último ano, somente pagou 17,4% dos seus rendimentos tributáveis A esmagadora maioria das pessoas pagam entre 33% e 41%. Enquanto a maior parte dos americanos luta para fazer face às despesas, nós os mega-ricos continuamos a ter isenções fiscais extraordinárias [...] E para aqueles que defendem que as taxas mais altas impedem a criação de empregos, eu digo apenas que foram criados 40 milhões de postos entre 1980 e Sabem o que tem acontecido desde aí: impostos muito mais baixos e muito menor criação de emprego. (Warren Buffet) 14

15 15 11 de Setembro de 2001 » o marco simbólico para o princípio do fim deste sistema A Economia Social como fonte inspiradora para um novo sistema económico uma nova organização política e social. Exclusão definitiva do neoliberalismo, da flexibilização das leis laborais, da desregulação, da especulação. Economia baseada em recursos Jacques Fresco – engenheiro social, mentor do Vénus Project Uma economia que respeite o Capital em função do trabalho e da produção. Uma economia que coloque as pessoas no centro das decisões dos governos. Regulação, supervisão, sistemas fiscais e leis laborais com enquadramento mundial.

16 16 3.1) O papel das autarquias na promoção do novo paradigma Comendador João Elisário de Carvalho Montenegro -emigrou para o Brasil na segunda metade do séc. XIX -Em São Paulo, funda a Colónia Nova Lousã: libertou o trabalho escravo e tornou-o assalariado as decisões eram tomadas em plenários de trabalhadores as mulheres estavam autorizadas a votar os lucros eram distribuídos pelos trabalhadores O Comendador fez fortuna e implementou uma rede de caminho de ferro e apoiou a construção do hospital local entre outras ações de benemerência. Nunca se esqueceu da Lousã, onde foi o principal impulsionador da construção do hospital de S. João (1866) e da Biblioteca Municipal (1868).

17 17 Economia Social no Concelho da Lousã Parceiros Estratégicos da Câmara Municipal: Associação para a Recuperação de Cidadãos Inadaptados da Lousã (ARCIL) Santa Casa da Misericórdia da Lousã ACTIVAR Associação de Defesa do Idoso e da Criança (ADIC) Centro Social de Casal de Ermio Centro Social da Ponte Velha Associação de Desenvolvimento Social e Cultural dos Cinco Lugares Associação Recreativa Cultural e Social das Gândaras entre outras existentes nas várias freguesias. Intervêm socialmente, criam emprego, geram riqueza, desenvolvem o Concelho.

18 18 As autarquias como importantes agentes de promoção da Economia Social enquanto paradigma de desenvolvimento. Potenciar a exploração sustentável dos recursos endógenos, geo-humanos Reestruturar o tecido económico, com nichos de negócio ou com a criação de unidades de produção » respostas de combate ao desemprego Alguns casos de desempregados estão em vias resolução através da criação do seu próprio negócio. A filosofia da Economia Social é central na abordagem feita junto de cada munícipe que procura a CMLousã para apresentar o seu problema ou o seu projeto. A Economia Social, para que seja alargada a todos os setores económicos, obrigará o Estado a regular e controlar os lucros e a redistribuir melhor a riqueza.

19 Hélder Bruno Martins Vereador da Educação e da Cultura Câmara Municipal da Lousã Investigador INET/UAveiro Bolseiro FCT Lisboa, 14 de setembro de 2011.


Carregar ppt "CONFERÊNCIAS DE ECONOMIA SOCIAL Conhecer o Presente. Confiar no Futuro 12-16 de Setembro de 2011 Fundação Cidade de Lisboa."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google