A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ÁFRICA A ERA DO IMPERIALISMO. Revolução Industrial 1ª Revolução Industrial: Segunda metade do século XVIII (1750) Fontes de energia: carvão e vapor Local:

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ÁFRICA A ERA DO IMPERIALISMO. Revolução Industrial 1ª Revolução Industrial: Segunda metade do século XVIII (1750) Fontes de energia: carvão e vapor Local:"— Transcrição da apresentação:

1 ÁFRICA A ERA DO IMPERIALISMO

2 Revolução Industrial 1ª Revolução Industrial: Segunda metade do século XVIII (1750) Fontes de energia: carvão e vapor Local: Inglaterra Principalmente indústria têxtil 2ª Revolução Industrial: Segunda metade do século XIX (1850) Fontes de energia: petróleo e eletricidade Local: Europa, EUA e Japão Principalmente siderúrgica, companhias de petróleo e eletricidade.

3 Industrialização Alemanha: Apoio do governo que desde a unificação forneceu recursos para a instalação das empresas e estabeleceu tarifas altas para importação. Rússia: Czar fez empréstimos para instalação de estradas de ferro e instalação de indústrias. Japão: tinha uma estrutura quase feudal, mas após a revolução Meiji, o imperador fez investimentos em indústrias e estradas de ferro. Eua: industrialização ocorreu após a guerra de Secessão (Norte X Sul). Havia mão de obra barata e leis de incentivo à imigração.

4 Fases do capitalismo Capitalismo industrial: Século XVIII até 1880 Empresas familiares Começam a funcionar com poucos recursos e são ampliadas quando parte dos lucros são reinvestidos na indústria. Capitalismo financeiro: A partir de 1880 Grandes empresas (exploração de petróleo, siderúrgicas e usinas elétricas) Exigiam grandes investimentos. Então, os bancos financiavam e controlavam por meio de ações empresas de diferentes setores e atividades.

5 Associações empresariais no capitalismo financeiro TRUSTE: empresas do mesmo ramo que se fundem para controlar preço, produção e mercado. Unilever é dona das marcas CIca, Arisco. CARTEL: empresas independentes que estabelecem um acordo para dividir o mercado e combater o concorrente. Muito comum no Brasil entre postos de gasolina. HOLDING: empresa que controla uma série de outras empresas do mesmo ramo ou de setores diferentes, devido a posse da maioria das ações dessa empresa. Grupo Silvio Santos. OLIGOPÓLIO: situação da economia capitalista em que poucas empresas tem o controle da maioria do mercado. A industria da viação civil (TAM, GOL,WEBJET)

6 Neocolonialismo ou imperialismo Fase do desenvolvimento capitalista em que as grandes potências dividiram entre si o controle de regiões da Ásia e África.

7 Causas Fatores econômicos: Busca por novos mercados (competição gera crise e falência) e por fornecedores de matérias primas (carvão e petróleo). Fatores políticos: propaganda para o fortalecimento do governo. Fatores culturais: a colonização se justifica como missão civilizadora do homem branco.

8 Congresso de Berlim ( ) Definição das regras da partilha da África. Participação: Inglaterra, França, Alemanha, Bélgica, Portugal. A partir desse congresso as nações industrializadas construíram seus impérios coloniais na África, conquistando territórios por meio de expedições militares ou fazendo tratados de amizade e proteção com os dirigentes africanos.

9 ÁFRICA –lutas contra o domínio europeu

10 Riquezas Minerais, matérias- primas, produtos tropicais. Exploração, cobrança de impostos, perda das terras, perda da cultura.

11 ÁFRICA –lutas contra o domínio europeu Levantes em todo continente. Massacres frente a modernização das armas europeias. Na 1° Guerra Mundial africanos tiveram que apoiar as suas metrópoles: 2,5 milhões - mortes; - fugas; - suicídios.

12 ÁFRICA –lutas contra o domínio europeu A religião era um dos refúgios. Desobediência Civil. Aspirações Nacionalistas.


Carregar ppt "ÁFRICA A ERA DO IMPERIALISMO. Revolução Industrial 1ª Revolução Industrial: Segunda metade do século XVIII (1750) Fontes de energia: carvão e vapor Local:"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google