A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DISCIPLINA RESPONSABILIDADE SOCIAL RESUMO DAS AULAS (10/08/09 - 10/09/09)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DISCIPLINA RESPONSABILIDADE SOCIAL RESUMO DAS AULAS (10/08/09 - 10/09/09)"— Transcrição da apresentação:

1 DISCIPLINA RESPONSABILIDADE SOCIAL RESUMO DAS AULAS (10/08/ /09/09)

2 I AULA Apresentação introdutória a Responsabilidade social Apresentação introdutória a Responsabilidade social ATIVIDADES com foco na respons.social Leitura do texto: O que é responsabilidade social? (Revista FAE BUSINESS, Nº 9) Reflexão e Discussão em grupo (roteiro de perguntas) Atividade: Elaboração de mini projeto

3 I AULA Roteiro de perguntas (Reflexão em grupo) 1- O que é responsabilidade social? 2- Qual o passo mais importante a ser dado para desenvolver um autêntico programa de responsabilidade social? 3- Que dificuldade de percurso podem ser os mais comuns para implementar um programa? 4- Quais são as críticas mais frequentes aos programas de REsponsabilidade Social? 5- De acordo com o texto, o que significa o despertar tardio para as questões sociais nas empresas? 6- Desde o texto, o que pensa os entrevistados sobre a eventual participação dos governos (municipais, estaduais e federal) nas ações desenvolvidas pelas empresas? 7- E sobre uma forma de compensação fiscal ás empresas que têm essas ações? 8- O que podem ganhar as empresas que se mobilizam em prol de programas sociais? 9- Como pode ser medido e demonstrado o resultado das ações sociais? 10- Que sugestões os entrevistados oferecem para se reduzirem os níveis de pobreza no Brasil? Elaboração de mini-projeto (Tarefa) TítuloJustificativa Objetivos: Geral e específicos Contexto Público Alvo Atividades

4 II AULA ATIVIDADES com foco principal no panorama social Apresentação: Filme Quanto vale ou é por quilo? Reflexão e Discussão em grupo Atividade: Resumo crítico escrito Do filme desde uma perspectiva social.

5 II AULA Filme: Quanto vale ou é por quilo? Filme: Quanto vale ou é por quilo? Diretor: Sergio Bianchi Diretor: Sergio Bianchi A HISTÓRIA DESVENDA OS PROBLEMAS SOCIAIS DE MUITO TEMPO. A HISTÓRIA DESVENDA OS PROBLEMAS SOCIAIS DE MUITO TEMPO. CRISE DE VALOR PERMANENTE, APESAR DAS PROMESSAS POLÍTICAS EM FAVOR DA POPULAÇÃO CARENTE DESSE NOSSO BRASIL MULTICULTURAL AINDA CONTINUA PREOCUPANTE EM RELAÇÃO A CAMADA POPULAR. CRISE DE VALOR PERMANENTE, APESAR DAS PROMESSAS POLÍTICAS EM FAVOR DA POPULAÇÃO CARENTE DESSE NOSSO BRASIL MULTICULTURAL AINDA CONTINUA PREOCUPANTE EM RELAÇÃO A CAMADA POPULAR. O FILME COLABORA PARA A REFLEXÃO SOBRE AS DESIGUALDADES SOCIAIS E DO INTERESSE DO TERCEIRO SETOR QUE SÃO ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS (ONGS), QUE SURGIRAM PELO DETERIORAMENTO DO ESTADO. O FILME COLABORA PARA A REFLEXÃO SOBRE AS DESIGUALDADES SOCIAIS E DO INTERESSE DO TERCEIRO SETOR QUE SÃO ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS (ONGS), QUE SURGIRAM PELO DETERIORAMENTO DO ESTADO.

6 II Aula Roteiro de perguntas (Atividade escrita): Reflita sobre o filme: corrupção, violência, diferenças sociais… Reflita sobre o filme: corrupção, violência, diferenças sociais… 1- Qual o motivo das desigualdades sócio- econômicas no Brasil desde a perspectiva do filme? 1- Qual o motivo das desigualdades sócio- econômicas no Brasil desde a perspectiva do filme? 2- Desde a perspectiva do filme Solidariedade + Mercadoria = Lucratividade, por qual motivo? 2- Desde a perspectiva do filme Solidariedade + Mercadoria = Lucratividade, por qual motivo?

7 III AULA Panorama sócio- econômico Apresentação: Slides Reflexão e Discussão em grupo Resumo crítico escrito

8 Panorama Social e Econômico: Desigualdade sócio-econômica

9 Crescimento x Desenvolvimento Crescimento econômico Crescimento econômico A forma mais clássica e tradicional de se medir o crescimento econômico de um país é medir o crescimento de seu Produto Interno Bruto - PIB. A forma mais clássica e tradicional de se medir o crescimento econômico de um país é medir o crescimento de seu Produto Interno Bruto - PIB.Produto Interno BrutoProduto Interno Bruto

10 Desenvolvimento Desenvolvimento econômico é o processo de melhoria da qualidade de todas as vidas humanas: Desenvolvimento econômico é o processo de melhoria da qualidade de todas as vidas humanas: 1- Aumento dos níveis de consumo de alimentos, habitação, serviços médicos e educação. 2- Criação de condições que contribuam para o aumento do auto respeito da população através das instituições que garantam a dignidade humana. 3- Ampliação da liberdade de escolha da população.

11 Indicadores do Nivel do Subdesenvolvimento Nutrição- Disponibilidades insuficiente de proteínas e calorías per capita. Nutrição- Disponibilidades insuficiente de proteínas e calorías per capita. Saúde- Baixa expectativa de vida (anos) e dos padrões de saúde da população. Saúde- Baixa expectativa de vida (anos) e dos padrões de saúde da população. Educação- Baixa taxa de alfabetização de adultos e matrículas escolares. Educação- Baixa taxa de alfabetização de adultos e matrículas escolares. Elevada taxa- de natalidade e mortalidade. Elevada taxa- de natalidade e mortalidade. Integração social- Pequeno grupo de renda elevada e classe média. Integração social- Pequeno grupo de renda elevada e classe média. Atitudes mentais- Conceitos, crenças e ideologias desfavoráveis ao desenvolvimento. Atitudes mentais- Conceitos, crenças e ideologias desfavoráveis ao desenvolvimento. Estrutura do emprego e da produção- Predominância da produção. E do emprego agrícola na formação da renda total. Estrutura do emprego e da produção- Predominância da produção. E do emprego agrícola na formação da renda total. Acumulação de capital- Concentração de renda. Acumulação de capital- Concentração de renda. Comércio Exterior- Elevada percentagem dos produtos primários nas exportações e importa manufaturados. Comércio Exterior- Elevada percentagem dos produtos primários nas exportações e importa manufaturados. Estrutura política- Organização administrativa inadaptada, ineficiente. Estrutura política- Organização administrativa inadaptada, ineficiente. Nível de renda per capita- Baixo de nível de renda per capita comparativamente com as nações industrializadas. Nível de renda per capita- Baixo de nível de renda per capita comparativamente com as nações industrializadas.

12 Índices O Brasil é a 9º. economia do mundo em razão do PIB. O Brasil é a 9º. economia do mundo em razão do PIB. Renda Per Capita 77º (septuagésimo sétimo lugar). Renda Per Capita 77º (septuagésimo sétimo lugar). IDH é o 70º (três dimensões: riqueza, educação e esperança média de vida). IDH é o 70º (três dimensões: riqueza, educação e esperança média de vida).riquezaeducaçãoriquezaeducação Um país pode ter uma boa renda per capita, mas um alto índice de concentração de renda e grande desigualdade social e um baixo índice de desenvolvimento humano. Um país pode ter uma boa renda per capita, mas um alto índice de concentração de renda e grande desigualdade social e um baixo índice de desenvolvimento humano.

13 DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO INTEGRAL Mudanças na produção, demanda, emprego, e distribuição de rendas. Mudanças na produção, demanda, emprego, e distribuição de rendas. Eliminar ou pelo menos reduzir a pobreza absoluta Eliminar ou pelo menos reduzir a pobreza absoluta Aumentar as oportunidades de emprego e restringir o subemprego. Aumentar as oportunidades de emprego e restringir o subemprego. Reduzir as desigualdades de renda social. Reduzir as desigualdades de renda social. Elevar os niveis gerais de vida. Elevar os niveis gerais de vida. Possibilitar a asensão humana. Possibilitar a asensão humana.

14 ESTUDO COMPARATIVO LEP- Laboratório da Extrema Pobreza- CAEN-UFC Relatório Nº 5 (2009)

15 Verifica-se na Tabela A como é desigual a distribuição da pobreza no país. A Região Nordeste, embora possuindo apenas 27,55% da população brasileira, possui 46,99% da pobreza, 56,34 da indigência e 57,31 da extrema indigência.

16 A Tabela B examina a distribuição da pobreza no Ceará por região censitária, ou seja, as proporções pertencentes às regiões metropolitana, urbana e rural do estado. Inicialmente, pode-se constatar que a maior parte da população do estado encontrasse situada na região metropolitana de Fortaleza (41,79%), mas esta área só concentra por volta de 32% de pobres, 25,7% dos indigentes e 22% da extrema indigência.

17 O Gráfico I apresenta a evolução do número de pessoas na condição de extrema indigência por área censitária de 1995 a Constata-se claramente que o número de pessoas na extrema indigência em 2007 no estado é bem inferior ao de 1995

18 O Gráfico II mostra, então, a tendência de queda da proporção das pessoas na extrema indigência. Em 1995, a proporção era de 19,04%, e em 2007 esse número caiu para 11,86% - uma redução, portanto, de 37,7%.

19 O Gráfico III mostra uma queda na extrema pobreza, sendo a região rural o maior declínio.

20 A tabela 2 mostra o Maranhão (2007), com 17,17%, é o estado do país com maior proporção de pessoas em extrema indigência. O Acre (13,36%) e o Piauí (12,80%) são os estados em seqüência com piores resultados. O Ceará é o quinto, melhorando uma posição quando comprado a Santa Catarina, com apenas 1,16% de sua população na extrema indigência é o estado com melhor índice, sendo também a unidade da federação que teve o melhor desempenho entre 1995 e 2007, reduzindo em mais de 72% este indicador.

21 A tabela 3 aponta que grande parte desse contingente é jovem, sendo que quase 50% com até 15 anos de idade. Adicionalmente a essa situação, um pouco mais de 50% das pessoas acima de 15 anos - o que corresponde a 502 mil pessoas - tem até 4 (quatro) anos de estudos e mais de 80% destas pessoas têm até 8 (oito) anos de escolaridade (Tabela 4),

22 Os custos financeiros da extinção da indigência e da extrema indigência no Ceará. Em termos da indigência (Tabela 6), verifica-se que se fossem transferidos recursos diretamente para essas pessoas, seriam necessários por volta de R$ 100 milhões mensais ou R$ 1,2 bilhão ao ano, sendo a zona rural contemplada com quase 40% desse total.

23 CONCLUSÕES Transferência de renda: Transferência de renda:

24 III AULA Roteiro de Perguntas Como a responsabilidade social empresarial pode auxiliar no combate as desigualdades sociais? Como a responsabilidade social empresarial pode auxiliar no combate as desigualdades sociais? Desde o seu ponto de vista, a transferência de renda é um modelo eficiente para a extinção da indigência e da extrema indigência no Ceará? Desde o seu ponto de vista, a transferência de renda é um modelo eficiente para a extinção da indigência e da extrema indigência no Ceará?

25 IV AULA Panorama Ambiental Apresentação Slides: Histórico- Agenda 21 Reflexão e Discussão em grupo Filme: Uma verdade inconveniente

26 Filme Uma verdade inconveniente Uma verdade inconveniente Estrelando: Al Gore. Estrelando: Al Gore. Dirigido por: Davis Guggenheim Dirigido por: Davis Guggenheim Documentário que alerta sobre o aquecimento global e como esse fenômeno causado por nossas ações pode, numa escala curta de tempo mudar o rumo da nossa história. Documentário que alerta sobre o aquecimento global e como esse fenômeno causado por nossas ações pode, numa escala curta de tempo mudar o rumo da nossa história.

27 Foi aprovado um documento contendo compromissos para o padrão de desenvolvimento do século XXI, denominando-o Agenda 21. Resgata, assim, o termo Agenda no seu sentido de intenções, desígnio, desejo de mudanças para um modelo de civilização em que predomina o equilíbrio ambiental e a justiça social entre as nações. RIO 92 / Eco Rio

28 Seção I: Dimensões Econômicas e Sociais Cooperação Internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas internas correlatadas Cooperação Internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas internas correlatadas Combate à pobreza Combate à pobreza Mudança dos padrões de consumo Mudança dos padrões de consumo Dinâmica demográfica e sustentabilidade Dinâmica demográfica e sustentabilidade Proteção e promoção das condições da saúde humana Proteção e promoção das condições da saúde humana Promoção do DS dos assentamentos humanos Promoção do DS dos assentamentos humanos Integração entre meio ambiente e desenvolvimento na tomada de decisões Integração entre meio ambiente e desenvolvimento na tomada de decisões

29 Seção II: Conservação e gerenciamento de recursos para o desenvolvimento Proteção da atmosfera Proteção da atmosfera Abordagem integrada do planejamento e do gerenciamento dos recursos terrestres Abordagem integrada do planejamento e do gerenciamento dos recursos terrestres Combate ao desflorestamento Combate ao desflorestamento Manejo de ecossistemas frágeis: a luta contra a desertificação e a seca Manejo de ecossistemas frágeis: a luta contra a desertificação e a seca Gerenciamento de ecossistemas frágeis: DS das montanhas Gerenciamento de ecossistemas frágeis: DS das montanhas Promoção do desenvolvimento rural e agrícola sustentável Promoção do desenvolvimento rural e agrícola sustentável Conservação da diversidade biológica Conservação da diversidade biológica Manejo ambientalmente saudável da biotecnologia Manejo ambientalmente saudável da biotecnologia Proteção de oceanos, de todos os tipos de mares - inclusive mares fechados - e das zonas costeiras e proteção. Uso racional e desenvolvimento de seus recursos vivos. Proteção dos recursos hídricos. Proteção de oceanos, de todos os tipos de mares - inclusive mares fechados - e das zonas costeiras e proteção. Uso racional e desenvolvimento de seus recursos vivos. Proteção dos recursos hídricos. Manejo ecologicamente saudável das substâncias químicas tóxicas, incluída na prevenção do tráfico internacional dos produtos tóxicos e perigosos Manejo ecologicamente saudável das substâncias químicas tóxicas, incluída na prevenção do tráfico internacional dos produtos tóxicos e perigosos

30 Seção III: Fortalecimento do papel dos grupos principais Ação mundial pela mulher, com vistas a um desenvolvimento sustentável eqüitativo Ação mundial pela mulher, com vistas a um desenvolvimento sustentável eqüitativo A infância e a juventude no desenvolvimento sustentável A infância e a juventude no desenvolvimento sustentável Reconhecimento e fortalecimento do papel das populações indígenas e suas comunidades Reconhecimento e fortalecimento do papel das populações indígenas e suas comunidades Fortalecimento do papel das Organizações Não-Governamentais: parceiros para um DS Fortalecimento do papel das Organizações Não-Governamentais: parceiros para um DS Iniciativas das autoridades locais em apoio à Agenda 21 Iniciativas das autoridades locais em apoio à Agenda 21 Fortalecimento do papel dos trabalhadores e de seus sindicatos Fortalecimento do papel dos trabalhadores e de seus sindicatos Fortalecimento do papel do comércio e da indústria Fortalecimento do papel do comércio e da indústria Comunidade científica e tecnológica Comunidade científica e tecnológica Fortalecimento do papel dos agricultores Fortalecimento do papel dos agricultores

31 Seção IV: Meios de implementação Recursos e mecanismos de financiamento Recursos e mecanismos de financiamento Transferência de tecnologia ambientalmente saudável, cooperação e fortalecimento institucional Transferência de tecnologia ambientalmente saudável, cooperação e fortalecimento institucional A ciência para o DS A ciência para o DS Promoção do ensino, da conscientização e do treinamento Promoção do ensino, da conscientização e do treinamento Mecanismos nacionais e cooperação internacional para fortalecimento institucional nos países em desenvolvimento Mecanismos nacionais e cooperação internacional para fortalecimento institucional nos países em desenvolvimento Arranjos institucionais internacionais Arranjos institucionais internacionais Instrumentos e mecanismos jurídicos internacionais Instrumentos e mecanismos jurídicos internacionais Informação para a tomada de decisões Informação para a tomada de decisões

32 PROTOCOLO DE KYOTO Negociado na cidade de Kyoto, Japão, em 1997, o protocolo de Kyoto foi aberto para assinaturas em 16 de março de 1998 e ratificado em 15 de março de Oficialmente, o Tratado de Kyoto entrou em vigor em 16 de fevereiro de 2005, depois que a Rússia o ratificou, em novembro de Negociado na cidade de Kyoto, Japão, em 1997, o protocolo de Kyoto foi aberto para assinaturas em 16 de março de 1998 e ratificado em 15 de março de Oficialmente, o Tratado de Kyoto entrou em vigor em 16 de fevereiro de 2005, depois que a Rússia o ratificou, em novembro de AÇÕES BÁSICAS: AÇÕES BÁSICAS: * Promover o uso de fontes energéticas renováveis e reformar os setores de energia e transportes; * Limitar as emissões de metano no gerenciamento de resíduos e dos sistemas energéticos; * Proteger florestas e outros sumidouros de carbono. Kyoto institui compromissos mais rígidos para a redução da emissão dos gases de efeito estufa, os vilões do aquecimento global. Os EUA se negaram a ratificar (aderiram preliminarmente, mas não ratificaram) Kyoto. O presidente George W. Bush alegou que os compromissos acarretados pelo mesmo interfeririam negativamente na economia norte-americana. Kyoto institui compromissos mais rígidos para a redução da emissão dos gases de efeito estufa, os vilões do aquecimento global. Os EUA se negaram a ratificar (aderiram preliminarmente, mas não ratificaram) Kyoto. O presidente George W. Bush alegou que os compromissos acarretados pelo mesmo interfeririam negativamente na economia norte-americana.

33 CÚPULA DE JOHANESBURGO Representantes dos povos do mundo, reunidos durante a Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável em Johanesburgo, África do Sul, entre 2 e 4 de setembro de 2002.

34 Reflexo da Agenda 21 nas diretrizes das empresas

35


Carregar ppt "DISCIPLINA RESPONSABILIDADE SOCIAL RESUMO DAS AULAS (10/08/09 - 10/09/09)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google