A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Plano de Fortalecimento da Atenção Primária à Saúde.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Plano de Fortalecimento da Atenção Primária à Saúde."— Transcrição da apresentação:

1 Plano de Fortalecimento da Atenção Primária à Saúde

2 Nossa agenda Nossos desafios: Ampliar a cobertura e a qualidade da atenção prestada pelas equipes de atenção primária a saúde. Melhorar a Ambiência das Unidades de Atenção Primária a Saúde ( UAPS ) Buscar um modelo de gestão de alto desempenho, tendo como eixo estruturante a Atenção Primária; Olhar para o futuro: Gestão para Resultados.

3 A MUDANÇA NO SISTEMA DE SAÚDE: Estruturar as Redes de Atenção à Saúde prioritárias sendo coordenadas pela APS

4 Implantação das Redes de Atenção a Saúde prioritárias, considerando os indicadores epidemiológicos. Rede Cegonha Rede de Atenção às Doenças Crônicas Rede de Atenção Oncológica (colo de útero e mama) Rede de Atenção em Urgência e Emergência Rede de Atenção Psicossocial.

5 O PLANO DIRETOR DE FORTALECIMENTO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA SAÚDE. O Plano Diretor da Atenção Primária à Saúde se caracteriza como um esforço conjunto de profissionais, gestores e cidadãos no fortalecimento da Atenção Primária à Saúde, através do planejamento, organização, operacionalização e monitoramento de ações que visam resultados concretos na melhoria dos indicadores de saúde, na qualidade e na resolubilidade da assistência à saúde.

6 As intervenções do Plano Diretor da Atenção Primária à Saúde os problemas se manifestam : 1- A normalização da atenção primária à saúde através do Manual da Atenção Primária à Saúde; 2-O diagnóstico local da atenção primária à saúde: Os processos de territorialização, o cadastramento das famílias por riscos sócio-sanitários e a definição da situação local; 3-A organização dos processos de trabalho, o que envolve os processos de humanização e acolhimento dos usuários, a organização da atenção programada por ciclos de vida e com base em riscos e a organização da atenção às urgências por graus de risco;

7 As intervenções do Plano Diretor da Atenção Primária à Saúde -4- A organização da vigilância em saúde através das ações de atenção primária em vigilância epidemiológica, vigilância sanitária e vigilância ambiental; -5- A implantação dos sistemas logísticos como o cartão SUS,o prontuário familiar eletrônico, as relações com o sistema de transporte sanitário e com a central de regulação; -6-A implantação do sistema de apoio diagnóstico e terapêutico(SADT); - 7- A implantação do sistema de assistência farmacêutica, tanto nos ciclos logísticos quanto no uso racional dos medicamentos;

8 As intervenções do Plano Diretor da Atenção Primária à Saúde -8 -O fortalecimento do controle social pelos Conselhos Locais de Saúde. 9- A implantação do programa de qualidade da atenção primária à saúde com o processo de certificação das equipes no PMAC 10- A implantação da gestão da clínica, através da elaboração e implantação das linhas-guia e protocolos clínicos com a utilização da tecnologia de gestão de patologia - o que implica a programação por riscos, o contrato de gestão, o sistema de monitoramento eletrônico, a educação permanente dos profissionais da atenção primária e de educação em saúde dos usuários e da tecnologia de auditoria clínica. 11-Os investimentos em infra-estrutura física e em equipamentos.

9 As intervenções do Plano Diretor da Atenção Primária à Saúde 12 -A avaliação do Plano Diretor da APS, através da aplicação de uma linha de base, da avaliação de processos e resultados e da avaliação das opiniões de profissionais e usuários.

10 OS OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA A APS NA COORDENAÇÃO DAS RAS, NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA EM RELAÇÃO AOS ATRIBUTOS DA APS. Primeiro contato -Garantir que a APS seja porta de entrada preferencial para acessibilidade aos serviços de saúde municipais. Longitudinalidade - Garantir que as equipes de APS ofereçam aporte regular de cuidados a sua população adscrita ao longo de sua vida. Integralidade -Realizar ações de atenção a saúde em resposta as necessidades da população, nos campos da promoção, prevenção, cura, cuidado e reabilitação. Coordenação -Assegurar a continuidade dos cuidados nos vários pontos de atenção de forma integrada. Focalização familiar -Definir a família como o sujeito da atenção, promovendo a interação da equipe de saúde com esta unidade social. Orientação comunitária -Organizar ações intersetoriais a partir das necessidades das famílias no seu contexto físico, econômico, social e cultural. Competência cultural- Promover a interação da equipe de saúde com a população para o conhecimento cultural, respeitando a singularidade.

11 OS OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA A APS NA COORDENAÇÃO DAS RAS, NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA EM RELAÇÃO AS FUNÇÕES DA APS. Resolubilidade Garantir atendimento resolutivo para mais de 85% dos problemas de saúde da população. Comunicação Garantir um sistema de comunicação integrado que ordene os fluxos e contra-fluxos das pessoas, dos produtos e das informações na rede. Responsabilização Conhecer a população e suas necessidades, responsabilizando-se pelos resultados sanitários com eficiência e efetividade.

12 COMPETÊNCIAS DA SMS E DO ISGH NO PROCESSO DE ESTRUTURAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA MAIO DE 2013

13 COMPETÊNCIA DA SMS E ISGH SOBRE OS ELEMENTOS CONSTITUTIVOS DAS RAS PARA QUE A APS CUMPRA OS OBJETIVOS ESTRATEGICOS 1- NA ATENÇÃO SECUNDÁRIA E TERCIÁRIA ATENÇÃO SECUNDÁRIA E TERCIÁRIA SMSISGH Centro de Referência de Diabetes e Hipertensão Regulação das consultas especializadas. - CENJA Regulação das consultas especializadas Maternidade de risco habitual e alto risco Regulação das internações.- Hospitais de referência terciária Regulação e gerenciamento dos hospitais próprios. - Hospitais de referência secundária Regulação e gerenciamento dos hospitais próprios. Gerenciamento do HGWA. CAPSGerenciamento- UPAsReferencia os pacientes Gerenciamento CEOsGestão municipal, gerenciamento das unidades próprias

14 2-NOS SISTEMAS DE APOIO SISTEMAS DE APOIOSMSISGH Diagnóstico e terapêutico Identificação das necessidades (Protocolos do MS) Padronização de exames Regulação do acesso aos exames Acompanhamento,Controle Avaliação da execução Realização dos exames Coleta dos exames ( Postos nas 92 UAPS) Fase pré-analítica ( Preparo ) Fase analítica ( Realização ) Fase pós-analítica ( Entrega) Assistência farmacêutica Identificação das necessidades Padronização da relação de medicamentos (elenco) Protocolos Acompanhamento,Controle Avaliação Aquisição e distribuição de medicamentos estratégicos, de atenção secundária e terciária,extrajudiciais Farmacovigilância, Farmácia clínica Farmácia Popular Farmácia Viva medicamentos da atenção primária: Aquisição Armazenamento Distribuição Dispensação Rastreabilidade Informação em saúde Alimentar os sistemas da APS Padronização da informação Fluxo das informações Análise das informações Prover o sistema de prontuário eletrônico e outros necessários Capacitar às pessoas na utilização do sistema implantados

15 3-NOS SISTEMAS LOGISTICOS SISTEMAS LOGISTICOS SMSISGH Transporte de urgência Regulação Dimensionamento da necessidade Logística Operacionalizar o transporte do cidadão Transporte eletivo de pacientes Regulação Dimensionamento da necessidade Logística Operacionalizar o transporte do cidadão Transporte da equipe de atenção primária Dimensionamento da necessidade Operacionalizar o transporte da equipe - Acesso regulado à atenção Gestão do complexo regulador - Prontuário clínico (Cartão de identificação das pessoas usuárias) Alimentar os sistemas Padronização da informação clínica Fluxo das informações Análise das informações Protocolos clínicos Prover o sistema Capacitar às pessoas

16 A COMPETÊNCIA DA SMS E ISGH NOS MACROPROCESSOS FINALÍSTICOS DA APS MACROPROCESSOS FINALISTICOS SMSISGH Cadastramento Qualificar os ACS para realização do cadastramentoProver o sistema de informação Estratificação das subpopulações de risco Padronização e parametrização- Prevenção dos fatores de risco* Qualificar os profissionais- *Vacinação Logística, realização e qualificação- Atendimento Padronização Protocolos e linhas guia. Realização de procedimentos Suprimentos Ambiência Acolhimento Padronização Protocolos Realização de procedimentos Farmácia clínica Padronização Protocolos Realização de procedimentos Logística Assessoria na implantação Realização dos exames Padronização Acesso Fases pré, per e pós-analítica Visita domiciliar Padronização Realização de procedimentos Transporte - Atendimento ou internação domiciliar Padronização Realização de procedimentos Transporte Assessoria na implantação Agendamento de consultas especializadas Padronização Realização de procedimentos Prover o sistema de informação

17 A COMPETÊNCIA DA SMS E ISGH NOS MACROPROCESSOS ESTRATÉGICOS DA APS MACROPROCESSOS ESTRATÉGICOS SMSISGH Territorialização Padronização Definição de critérios - Promoção de saúde Execução- Planejamento Metodologia Execução Participação conjunta e a viabilização dos meios para estas ações Programação Metodologia Execução Participação conjunta e a viabilização dos meios para estas ações Prontuário Alimentar os sistemas Padronização da informação clínica Fluxo das informações Análise das informações Protocolos clínicos Prover o sistema Capacitar as pessoas Educação permanente Responsabilidade Assessoria Logística Gestão da qualidade Responsabilidade Assessoria Logística Tecnologia da informação Alimentar os sistemas da APS Padronização da informação Fluxo das informações Análise das informações Prover o sistema Capacitar às pessoas Ouvidoria Execução- Linhas guias e protocolos clínicos ResponsabilidadeAssessoria Gestão de pessoas Responsabilidade dos processos finalísticosResponsabilidade dos processos de apoio

18 A COMPETÊNCIA DA SMS E ISGH NOS MACROPROCESSOS DE APOIO DA APS MACROPROCESSOS DE APOIO SMSISGH Assistência farmacêutica Padronização Dimensionamento da necessidade Logística Processamento dos exames Padronização Dimensionamento da necessidade Pré, per e pós-analítica Manutenção predialReforma,Ampliação,Pintura Pequenos reparos nas instalações elétricas, hidráulicas e pinturas Manutenção de equipamentos médico- odontológico Controle,Avaliação,Estabelecer normativa Manutenção preventiva e corretiva Manutenção de equipamentos Controle,Avaliação,Estabelecer normativa Manutenção preventiva e corretiva HigienizaçãoEstabelecer normasContratação, treinamento e realização BiossegurançaPadronização e controle do usoSuprimentos Segurança Normas de Funcionamento Contratação - AlmoxarifadoControle,AvaliaçãoLogística Telefonia, água e energiaPagamentos- Gerenciamento dos resíduosSeparação do lixo Treinamento dos profissionais Contratação da empresa Assessoria SuprimentosControle,AvaliaçãoLogística Centro de custosPadronizar planilha de custosAssessoria na implantação Esterilização de materiaisImplantar uma central- AmbiênciaPadronização Estabelecer normas Execução das ações

19 COMPONENTES DE INTERVENÇÃO DO ISGH NOS SISTEMAS LOGÍSTICOS E DE APOIO 1-NO ATENDIMENTO AO PÚBLICO DAS UAPS AÇÕES : -CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PARA ÁREA ADMINISTRATIVA,OU DE APOIO AOS SADT OU A ASSISTENCIA FARMACÊUTICA. COM FUNCIONAMENTO DE 7 HORAS AS 19 HORAS DAS UAPS. -REPAROS,PINTURA,SINALIZAÇÃO, AMBIENTAÇÃO DAS UAPS -HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA DAS UAPS -CONTRATAÇÃO DE SEGURANÇA – DE 7 AS 19 HORAS DESARMADA E DE 19 AS 7 HIRAS ARMADA.- -FARDAMENTO DE PESSOAL ADMINISTRATIVO E DE APOIO NAS UAPS -CALL CENTER PARA ATENDIMENTO E AGENDAMENTO DE CONSULTAS NAS UAPS -IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE PRONTUÁRIO ELETRÔNICO E SISTEMAS DE CONTRLE DE ESTOQUES DE MATERIAL E DE MEDICAMENTOS NAS UAPS -

20 COMPONENTES DE INTERVENÇÃO DO ISGHNOS SISTEMAS LOGÍSTICOS E DE APOIO 2- NO APOIO DIAGNÓSTICO AÇÕES: -IMPLANTAÇÃO DE POSTOS DE COLETAS DE EXAMES NAS 92 UAPS -REALIZAÇÃO DE EXAMES INDICADOS NOS PROTOCOLOS CLÍNICOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE E REVISADOS PELA SMS -ENTREGA DE EXAMES ATÉ 48 HORAS E APÓS ESTE PRAZO ENTREGA A DOMICÍLIO -DISPONIBILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DOS EXAMES VIA WEB. 3 -NA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA AÇÕES: -AQUISIÇÃO, ARMAZENAMENTO, DISTRIBUIÇÃO E MONITORAMENTO DO ESTOQUE DE TODOS OS MEDICAMENTOS DO ELENCO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA CONSIDERANDO A RENAME E A REVISÃO DA SMS. -AQUISIÇÃO, ARMAZENAMENTO, DISTRIBUIÇÃO E MONITORAMENTO DO ESTOQUE DO MATERIAL MÉDICO HOSPITALAR UTILIZADO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA SUPRIMENTO DO MATERIAL DE EXPEDIENTE E DE IMPRESSOS USA DOS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA

21 COMPONENTES DE INTERVENÇÃO DO ISGHNOS SISTEMAS LOGÍSTICOS E DE APOIO 4- NO SUPRIMENTO DE MATERIAL MÉDICO HOSPITALAR E DE ODONTOLOGIA 5 -NA MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS AÇÕES: -MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ODONTOLÓGICOS E MÉDICOS 6- NA EDUCAÇÃO PERMANENTE APOIO LOGÍSTICO NAS OFICINAS DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO APOIO LOGÍSTICO NAS OFICINAS DE ESTRUTURAÇÃO DAS REDES DE ATENÇÃO APOIO LOGÍSTICO NAS OFICINAS DE ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE

22 ISGH NOS CAPS 1 _ ATENDIMENTO AO PÚBLICO COM PESSOAL CONTRATADO COMO NAS UAPS 2-FORNECIMETO DE ALIMENTAÇÃO, MMH, EXPEDIENTE, IMPRESSOS 3-VIGILÂNCIA COMO NAS UAPS 4-HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA COMO NAS UAPS 5-MANUTENÇÃO PREDIAL E DE EQUIPAMENTOS COMO NAS UAPS. -

23 CRONOGRAMA DA ATUAÇÃO DO ISGH NA APS CRONOGRAMA DE ATIVIDADES DO ISGH NAS UAPS DA REGIONAL VI 15 de maio – Assinatura do Contrato de Gestão entre SMS e ISGH 20 de maio – Início dos reparos nas UAPS da Regional VI 22 de maio – Início do serviço de limpeza nas UAPS da Regional VI 24 de maio – Início dos serviços de segurança nas UAPS da Regional VI 27 a 31 de maio – Treinamento de integração dos funcionários para Regional VI 3 a 7 de junho – Início das atividades do ISGH no atendimento ao cliente, laboratório e assistência farmacêutica nas UAPS da Regional VI

24 CRONOGRMA DO TRABALHO NAS REGIONAIS SER VI SER V Ser SER

25 CONSOLIDADO DE EQUIPES SER UAP S N° Eq ESF N° Méd ESF N° Enf ESF N° Aux Enf N°AC S ESF N° Eq ESF Compl etas N° Eq ESB N° Dent ESF N° ASB ESF N° Eq SB Compl etas Carências MEAED AS B AC S I II III IV V VI TOTA L Consolidado Geral das ESF, segundo o Atesto de Abril DE 2013

26 CONSOLIDADO DE EQUIPES ACS EACS SER UAP S N° Eq EACS N° Méd N° Enf EACS N° Aux Enf N°ACS EACS N° Eq EACS Comple tas N° Eq ESB N° Dent EACS N° ASB EACS N° Eq SB Compl etas Carências MEAED AS B AC S I II III IV V VI TOTAL Consolidado Geral das EACS, segundo o Atesto de Abril

27 “Se não houver frutos, valeu o perfume das flôres, se não houver flôres valeu a sombra das fôlhas, se não houver fôlhas, valeu a intenção da semente”. Henfil MUITO OBRIGADA !


Carregar ppt "Plano de Fortalecimento da Atenção Primária à Saúde."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google