A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

EQUIPE DE SAÚDE DA FAMÍLIA E SEU PROCESSO DE TRABALHO FÓRUM MACRORREGIONAL DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Fortaleza, CE 27/05/2013.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "EQUIPE DE SAÚDE DA FAMÍLIA E SEU PROCESSO DE TRABALHO FÓRUM MACRORREGIONAL DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Fortaleza, CE 27/05/2013."— Transcrição da apresentação:

1 EQUIPE DE SAÚDE DA FAMÍLIA E SEU PROCESSO DE TRABALHO FÓRUM MACRORREGIONAL DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Fortaleza, CE 27/05/2013

2 REFLEXÕES Como as equipes de saúde da família caracterizam o seu processo de trabalho em saúde? Em relação: modelo hegemônico; papel da APS; Intersetorialidade; cobertura x qualidade; ciclos de vida.

3 REFLEXÕES Como organizam seu processo de trabalho em saúde e como entendem as suas principais características? Processo de Humanização em saúde (acolhimento e classificação de risco); Gestão da clínica, diretrizes clínicas e protocolos; Elementos de planejamento da organização à demanda programada e espontânea; Pactuações de metas e indicadores.

4 HUMANIZAÇÃO E O ACOLHIMENTO MS : Política Nacional de Humanização (2004) PNAB - Ampliação do acesso, com Implantação do Acolhimento na UBS Política transversal, perpassando todas as ações e as instâncias do sistema de saúde A humanização como eixo norteador das práticas nos serviços de saúde.

5 HUMANIZAÇÃO E O ACOLHIMENTO Valores que norteiam: Atenção em saúde de acordo com necessidades dos usuários; Atenção resolutiva em articulação com outros serviços de saúde para a continuidade da assistência; Autonomia e o protagonismo dos sujeitos; Corresponsabilidade entre eles; Estabelecimento de vínculos solidários; Participação coletiva no processo de gestão.

6 HUMANIZAÇÃO E O ACOLHIMENTO O Acolhimento é um importante dispositivo a ser utilizado no processo de organização da APS. Desafios dos profissionais de saúde Desafios dos profissionais de saúde: prevenir; cuidar; proteger; tratar; recuperar; promover; capacitar e produzir saúde

7 FORMAS DE ACESSO E FLUXO DO USUÁRIO Inicia-se com: O reconhecimento das pessoas/famílias adscritas à UBS, em um processo de territorialização, identificando os problemas de saúde. A partir das diretrizes estabelecidas nas linhas-guia, propõe-se o dimensionamento dos serviços e a organização dos processos de trabalho na UBS.

8 ORGANIZAÇÃO DAS FORMAS DE ACESSO AOS SISTEMAS DE SAÚDE Atenção à demanda espontânea (urgências e emergências) Classificação de risco - atendimento imediato; - agendamento de consulta; - encaminhamento para outro ponto de atenção Atenção à demanda programada.

9

10 ATENÇÃO NÃO PROGRAMADA NAS UNIDADES BÁSICAS DE SAUDE Condições agudas e os eventos agudos das condições crônicas; Pontos de atenção à saúde de uma rede de atenção às urgências e emergências; Fragilidade da atenção às condições crônicas. A atenção não programada centra-se na queixa principal e termina, em geral, com uma prescrição médica. Esse tipo de atenção é absolutamente necessário e os sistemas de atenção à saúde devem estar desenhados para dar conta disso.

11 ATENÇÃO PROGRAMADA NAS UNIDADES BÁSICAS DE SAUDE Na atenção programada, procurar-se-á respeitar o critério de adscrição da clientela em relação à equipe do PSF, ou seja, o usuário deverá, preferencialmente, ser identificado pelo ACS e atendido por um profissional da equipe de sua área de moradia. Procura-se organizar o serviço, pautando-se não mais pelos eventos agudos, mas pela abordagem das condições crônicas. A atenção programada abrange todos os ciclos de vida dos indivíduos/famílias. Para essa atenção serão destinados atendimento e consultas agendadas.

12 FLUXOGRAMA PARA ATENÇÃO PROGRAMADA DO USUÁRIO NA ESF ACS identifica e cadastra o usuário/família ATENÇÃO PROGRAMADA ACS identifica o usuário alvo para atenção programada e agenda atendimento na UBS ACS identifica o usuário alvo para atenção programada e agenda atendimento na UBS Profissional de Saúde orienta o usuário quanto às medidas de promoção à saúde e prevenção de doenças Profissionais da UBS avaliam se o usuário faz parte da população-alvo para Atenção Programada Profissionais da UBS avaliam se o usuário faz parte da população-alvo para Atenção Programada Profissional inscreve o usuário e agenda o atendimento segundo as linha-guia Profissional inscreve o usuário e agenda o atendimento segundo as linha-guia NÃOSIM Profissional realiza o atendimento e procede ao registro das ações Profissional realiza o atendimento e procede ao registro das ações Usuário falta ao atendimento? NÃO: Equipe realiza o monitoramento. SIM: ACS realiza nova busca ativa e agenda atendimento ao usuário.

13 ATENÇÃO PROGRAMADA NAS UNIDADES BÁSICAS DE SAUDE É agendado, previamente, em intervalos regulares e previsíveis; É um atendimento com base em um plano de cuidado; Deve estar prevista nas diretrizes baseadas em evidencias, e nos diferentes estratos de riscos dos portadores de uma condição crônica; Essas diretrizes devem definir o tipo de atendimento, quem faz, em que condições e com que freqüência.

14 Os quantitativos de consultas e atendimentos programados deverão ser calculados por parâmetros estabelecidos pelas linhas-guia e com base nos dados do prontuário de Saúde da Família – diagnóstico e cadastramento das famílias residentes no território. ATENÇÃO PROGRAMADA NAS UNIDADES BÁSICAS DE SAUDE

15 DIRETRIZES PARA A ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO PROGRAMADA Para que a equipe de saúde possa organizar a sua prática assistencial e estabelecer novo processo de trabalho, faz-se necessário o desenvolvimento de novas tecnologias em saúde. Tecnologias da Gestão da Clínica diretrizes clínicas (linhas guia e protocolos clínicos); gestão da condição de saúde e gestão de caso;

16 UAPS Laboratório Centro Viva Vida Especialidades Maternidade Alto Risco Maternidade risco habitual Casa da Gestante A LINHA GUIA E O DESENHO DA REDE VIVA VIDA FONTE:

17 DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE CONDIÇÃO DE SAÚDE ESTABELECIDA POPULAÇÃO TOTAL SUBPOPULAÇÃO COM FATOR DE RISCO SUBPOPULAÇÃO COM CONDIÇÃO CRÔNICA SIMPLES (BAIXO OU MÉDIO RISCOS) SUBPOPULAÇÃO COM CONDIÇÃO CRÔNICA COMPLEXA (ALTO RISCO) SUBPOPULAÇÃO COM CONDIÇÃO CRÔNICA MUITO COMPLEXA FONTE: MENDES (2007) MODELO DE ATENÇÃO À SAÚDE DE MENDES NÍVEL 5 Gestão de Caso NÍVEL 4 Gestão da Condição Saúde NÍVEL 3 Gestão da Condição de Saúde NÍVEL 2 Intervenções de Prevenção das Condições de Saúde NÍVEL 1 Intervenções de Promoção da Saúde COMPORTAMENTOS E ESTILOS DE VIDA

18

19 REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE COM OS MODELOS DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS É possível reduzir a atenção não programada, seja ambulatorial, seja hospitalar, implantando-se Redes de Atenção à Saúde com os modelos de atenção às condições crônicas. Integração dos pontos de atenção à saúde (atenção primária à saúde com a atenção especializada e a atenção hospitalar

20 COMO PLANEJAR O MODELOS DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS NAS RAS? Levantamento de informações que ajudem a dimensionar o problema - Conhecer a realidade atual em que você atua; Registrar, organizar e guardar essas informações - Definir claramente o que se deseja fazer e prever o que deve ser feito para alcançar os objetivos propostos; Envolver todos os membros da sua equipe – médico, enfermeiro, auxiliares de enfermagem e agentes comunitários de saúde; Elaboração e implementação das propostas (planejamento das ações) - Utilizar os recursos existentes da melhor forma para concretização dos objetivos; Avaliar os resultados obtidos.

21 DESAFIOS PARA A ORGANIZAÇÃO DO PROCESSO DE TRABALHO Busca de equilíbrio na agenda das equipes. Reorganização das ações para o atendimento das condições agudas e crônicas. Complexidade da discussão do processo de trabalho em saúde – objeto muito dinâmico.

22 OBRIGADA! Fone (61) (85)

23 Sistema de Acesso Regulado Cartão de Identificação, Prontuários Clínicos Sistema de Transporte em Saúde Sistema de Apoio Diagnóstico e Terapêutico Sistema de Assistência Farmacêutica Teleassistência Sistema de Informação em Saúde RT 1 PONTOS DE ATENÇÃO SECUNDÁRIOS E TERCIÁRIOS SISTEMAS DE APOIO SISTEMAS LOGÍSTICOS A ESTRUTURA OPERACIONAL DAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE PONTOS DE ATENÇÃO SECUNDÁRIOS E TERCIÁRIOS RT 2 PONTOS DE ATENÇÃO SECUNDÁRIOS E TERCIÁRIOS RT 3 PONTOS DE ATENÇÃO SECUNDÁRIOS E TERCIÁRIOS RT 4 ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE POPULAÇÃO


Carregar ppt "EQUIPE DE SAÚDE DA FAMÍLIA E SEU PROCESSO DE TRABALHO FÓRUM MACRORREGIONAL DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Fortaleza, CE 27/05/2013."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google