A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Ácido Tranexâmico reduz de forma segura a mortalidade por hemorragias em pacientes com traumatismos Aqui está a evidência.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Ácido Tranexâmico reduz de forma segura a mortalidade por hemorragias em pacientes com traumatismos Aqui está a evidência."— Transcrição da apresentação:

1 Ácido Tranexâmico reduz de forma segura a mortalidade por hemorragias em pacientes com traumatismos Aqui está a evidência

2 Hemorragia 45% Lesões do SNC 41% Falência de orgãos 10% Outros 4% Anualmente, ocorrem milhões de mortes por traumatismos. Muitos pacientes sobrevivem até chegarem ao hospital. Este slide mostra as causas de morte hospitalar por traumatismos A cada ano, milhões morrem por hemorragias causadas por traumatismos

3 Em pacientes com trauma hemorrágico:  A coagulação ocorre rapidamente no local da lesão vascular  Fibrinólise – ocorre a quebra os coágulos sanguíneos  Em pacientes com hemorragias severas, a fibrinólise piora o sangramento Coagulação e Fibrinólise

4  Ativadores de plasminogênio convertem plasminogênio em plasmina, no vaso lesionado.  Plasmina liga-se ao coágulo sanguíneo, e o fragmenta. Isso é fibrinólise. Fibrinólise

5  Ácido tranexâmico inibe plasmina e reduz a decomposição do coágulo Ácido tranexâmico reduz fibrinólise

6 Ácido tranexâmico (ATX) reduz em aproximadamente um terço a necessidade de hemotransfusões em pacientes cirúrgicos TXA ATX – melhoraATX – piora 0,61 (0,54–0,69) RR (95% CI) 0,40,81,21,6 Necessidade de hemotransfusão Ácido tranexâmico reduz sangramento cirúrgico

7 Ácido tranexâmico reduz a decomposição do coágulo Ácido tranexâmico reduz sangramento cirúrgico Muitos pacientes com traumatismos morrem por hemorragias Para avaliar se o ácido tranexâmico poderia salvar vidas de pacientes com hemorragias por traumas, nós conduzimos um ensaio clínico de ampla extensão denominado CRASH-2 O ensaio clínico CRASH-2

8  Mais de 20.000 pacientes com sangramento por traumatismos foram randomicamente alocados para receberem ácido tranexâmico ou placebo (de aspecto similar)  Foram incluídos todos os pacientes traumatizados adultos, cujas lesões haviam ocorrido em um intervalo prévio de até 8 horas, e cuja avaliação médica era que havia ou poderia haver hemorragia significante  Foram coletados dados sobre mortes ocorridas no hospital quatro semanas após o trauma, e sobre todos os efeitos colaterais importantes Métodos

9

10 TratamentoDose de ácido tranexâmico Dose de ataque 1g em 10 minutos (por injeção intravenosa lenta ou em infusão isotônica intravenosa) Manutenção 1g em 8 horas (em infusão isotônica intravenosa) Nós usamos a seguinte dosagem de ácido tranexâmico

11 Pacientes recrutados  20.211 pacientes  de 274 hospitais  em 40 países Nós randomizados um amplo número de pacientes traumatizados

12 10.096 receberam TXA 10.115 receberam placebo 10.093 dados iniciais10.114 dados iniciais Foram seguidos = 10,060 (99,7%) Foram seguidos = 10,067 (99,5%) 20,211 randomizados 1 retirou consentimento 47 perdas de seguimento 33 perdas de seguimento 3 retiraram consentimento Nós tivemos um excelente seguimento

13 ATX n (%)Placebo n (%) Gênero Masculino8.439 (83,6)8.496 (84,0) Feminino1.654 (16,4)1.617 (16,0) [desconhecido]01 Idade (anos) <252.783 (27,6)2.855 (28,2) 25–343.012 (29,8)3.081 (30,5) 35–441.975 (19,6)1.841 (18,2) >442.321 (23,0)2.335 (23,1) [desconhecida]22 Fatores estavam bem balanceados no início do estudo (linha de base)

14 ATX n (%)Placebo n (%) Tempo decorrido a partir do trauma (horas) ≤1 hora3.756 (37,2)3.722 (36,8) >1 a ≤3 horas3.045 (30,2)3.006 (29,7) >3 horas3.006 (29,7)3.380 (33,4) [desconhecido]56 Tipo de trauma Contundente6.812 (67,5)6.843 (67,7) Penetrante3.281 (32,5)3.271 (32,3) Fatores estavam bem balanceados no início do estudo (linha de base)

15 ATX n (%)Placebo n (%) Pressão arterial sistólica (mmHg) >896.901 (68,4)6.791 (67,1) 76–891.615 (16,0)1.697 (16,8) ≤751.566 (15,5)1.608 (15,9) [desconhecida]1118 Escala de coma de Glasgow Grave (3–8)1.799 (17,8)1.839 (18,2) Moderada (9–12)1.353 (13,4)1.351 (13,4) Meigo (13–15)6.934 (68,7)6.908 (68,3) [score desconhecido]716 Fatores estavam bem balanceados no início do estudo (linha de base)

16 Causas de óbito ATXPlacebo Risco de morteValor 10,06010,067de P Hemorragia 489 574 0,85 (0,76–0,96) 0,0077 Trombose 33 480,69 (0,44–1,07) 0,096 Falência de orgãos209 233 0,90 (0,75–1,08) 0,25 Trauma craniano603 6210,97 (0,87–1,08) 0,60 Outra 129 137 0,94 (0,74–1,20) 0,63 Todas as causas 1463 1613 0,91 (0,85–0·97) 0·0035 Isto é o que encontramos

17 ATX – pioraATX – melhora 0,8 0,91,0 1,1 RR (95% IC) ATX (n= 10,060) 489 (4,9%) Placebo (n= 10,067) 574 (5,7%) 0,85 (0,76–0,96) 2P=0,0077 O maior benefício é para prevenção de óbitos por hemorragias

18 1,7,8,9 1,11,2 1,31,41,5 RR (99% IC) p=0,000008 ≤1 hora 0,68 (0,54–0,86) >1 a ≤ 3 horas 0,79 (0,60–1,04) >3 horas 1,44 (1,04–1,99) 0,85 (0,76–0,96) Óbitos por hemorragias – tratamento precoce é melhor

19 Tratamento deve ser administrado precocemente porque óbitos por hemorragias ocorrem logo após o trauma Mortes por todas as outras causas Mortes por hemorragias

20 Risk ratio (95% CI) ATX – pioraATX –melhora Receberam TXA (10.060) Receberam Placebo (10.067) Todos 168 (1,63%) 201 (1,95%),6,7,8,911,11,2 AVC 57 (0,56%) 66 (0,65%) (Acidente vascular cerebral) TVP 40 (0,40%) 41 (0,41%) (Trombose venosa profunda) EP 72 (0,69%) 71 (0,70%) (Embolia pulmonar) IM 35 (0,35%) 55 (0,52%) (Infarto miocárdico) Não houve aumento de trombose

21 ATX [n=10.060] Placebo [n=10.067] RR (95% CI) valor de P Assintomáticos1.483 (17,3%)1.334 (15,8%)1,11 (1,04 – 1,19)0,0023 Sintomas menores3.054 (30,4%)3.061 (30,4%)1,00 (0,96 – 1,04)0,94 Algumas restrições2.016 (20,0%)2.069 (20,6%)0,97 (0,92 – 1,03)0,36 Dependentes1.294 (12,9%)1.273 (12,6%)1,02 (0,95 – 1,09)0,63 Completamente dependentes 696 (6,9%)676 (6,7%)1,03 (0,93 – 1,14)0,57 Morte1.463 (14,5%)1.613 (16,0%)0,91 (0,85 – 0,97)0,0035 Ácido tranexâmico reduz sintomas

22 CRASH-2 foi conduzido em 4 continentes, e… mostrou redução de mortalidade em todos!

23 O uso do ácido tranexâmico tem uma alta relação custo-benefício

24  Ácido tranexâmico reduz mortalidade por hemorragias em pacientes com traumatismos  Ácido tranexâmico não parece aumentar trombos indesejáveis  Ácido tranexâmico deve ser administrado precocemente – em até 3 horas após o trauma  Ácido tranexâmico não é caro e pode salvar milhares de vidas em todo o mundo, a cada ano O que nós concluímos?

25  Depois do ensaio clínico CRASH-2 ácido tranexâmico foi adicionado à lista de Medicamentos Essenciais da OMS (Março 2011) Ácido tranexâmico está sendo usado agora  Os militares estão usando ácido tranexâmico para tratar acidentados em combates  Ácido tranexâmico está sendo usado em hospitais em todo o mundo  Ácido tranexâmico pode ser administrado em ambulâncias


Carregar ppt "Ácido Tranexâmico reduz de forma segura a mortalidade por hemorragias em pacientes com traumatismos Aqui está a evidência."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google