A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

REFLETINDO OS TEXTOS BÍBLICOS; LEITURA I – Gen 3,9-15.20 Salmo 97 (98) LEITURA II – Ef 1,3-6.11-12 EVANGELHO – Lc 1,26-38.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "REFLETINDO OS TEXTOS BÍBLICOS; LEITURA I – Gen 3,9-15.20 Salmo 97 (98) LEITURA II – Ef 1,3-6.11-12 EVANGELHO – Lc 1,26-38."— Transcrição da apresentação:

1

2

3 REFLETINDO OS TEXTOS BÍBLICOS; LEITURA I – Gen 3, Salmo 97 (98) LEITURA II – Ef 1, EVANGELHO – Lc 1,26-38

4 A primeira leitura mostra (recorrendo à hist ó ria m í tica de Adão e Eva) o que acontece quando rejeitamos as propostas de Deus e preferimos caminhos de ego í smo, de orgulho e de auto- suficiência … Viver à margem de Deus leva, inevitavelmente, a trilhar caminhos de sofrimento, de destrui ç ão, de infelicidade e de morte. Um dos mist é rios que mais questiona os nossos contemporâneos é o mist é rio do mal …

5 Esse mal que vemos, todos os dias, tornar sombria e deprimente essa “casa” que é o mundo, vem de Deus, ou vem do homem? A Palavra de Deus responde: o mal nunca vem de Deus… Deus criou-nos para a vida e para a felicidade e deu- nos todas as condições para imprimirmos à nossa existência uma dinâmica de vida, de felicidade, de realização plena.

6 A segunda leitura garante-nos que Deus tem um projeto de vida plena, verdadeira e total para cada homem e para cada mulher – um projeto que desde sempre esteve na mente do próprio Deus. Esse projeto, apresentado aos homens através de Jesus Cristo, exige de cada um de nós uma resposta decidida, total e sem subterfúgios.

7 O nosso texto afirma, ainda, a centralidade de Cristo nesta história de amor que Deus quis viver conosco… Jesus veio ao nosso encontro, cumprindo com radicalidade a vontade do Pai e oferecendo-se até à morte para nos ensinar a viver no amor. Como é que assumimos e vivemos essa proposta de amor que Jesus nos apresentou? Aprendemos com Ele a amar sem exceção e com radicalidade?

8 O Evangelho apresenta a resposta de Maria ao plano de Deus. Ao contr á rio de Adão e Eva, Maria rejeitou o orgulho, o ego í smo e a auto-suficiência e preferiu conformar a sua vida, de forma total e radical, com os planos de Deus. Do seu “ sim ” total, resultou salva ç ão e vida plena para ela e para o mundo.

9 A liturgia deste dia afirma ainda que de forma clara e verdadeira, Deus ama os homens e tem um projeto de vida plena para lhes oferecer. Como é que esse Deus cheio de amor pelos seus filhos intervém na história humana e concretiza, dia a dia, essa oferta de salvação?

10 A história de Maria de Nazaré (bem como a de tantos outros “chamados”) responde, de forma clara, a esta questão: é através de homens e mulheres atentos aos projetos de Deus e de coração disponível para o serviço dos irmãos que Deus atua no mundo, que Ele manifesta aos homens o seu amor, que Ele convida cada pessoa a percorrer os caminhos da felicidade e da realização plena.

11 J á pensamos que é atrav é s dos nossos gestos de amor, de partilha e de servi ç o que Deus se torna presente no mundo e transforma o mundo?

12 Segundo o testemunho de Lucas, a maternidade de Maria implicou um ato livre de fé, mais decisivo para a história pública da salvação do que a fé de Abraão ou a Aliança do Sinai. Ato de confiante aceitação, tornou-o possível a ação prévia da graça divina, como recorda o Anjo na sua saudação: “Salve, ó cheia da graça, o Senhor está contigo” (Lc 1,28). Na linguagem dos teólogos, a obediência na fé, sem a qual Maria não seria a Mãe de Deus, é pura graça do mesmo Deus.

13 Sem a gra ç a divina, a razão e a liberdade humanas permanecem irremediavelmente fechadas em si mesmas, envolvidas por sombras e desejos de uma humanidade pecadora. A jovem de Nazar é abriu caminho à salva ç ão de todos por um ato de desprendimento pessoal: uma resposta arriscada, mas livre e graciosa, ao apelo de Deus para ser Mãe do Salvador. A resposta nasceu de um chamamento, cuja radicalidade e liberdade plena, no caso especial de Maria, a f é cristã assinala, fazendo-as remontar ao primeiro momento da sua existência, o momento da sua Concei ç ão Imaculada.

14 O nosso texto afirma, ainda, a centralidade de Cristo nesta história de amor que Deus quis viver conosco… Jesus veio ao nosso encontro, cumprindo com radicalidade a vontade do Pai e oferecendo-se até à morte para nos ensinar a viver no amor. Como é que assumimos e vivemos essa proposta de amor que Jesus nos apresentou? Aprendemos com Ele a amar sem exceção e com radicalidade?

15 TEXTOS EXTRAÍDOS DO PORTAL DEHONIANOS: SACERDOTES DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

16


Carregar ppt "REFLETINDO OS TEXTOS BÍBLICOS; LEITURA I – Gen 3,9-15.20 Salmo 97 (98) LEITURA II – Ef 1,3-6.11-12 EVANGELHO – Lc 1,26-38."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google