A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Secretaria de Estado da Saúde Coordenadoria de Controle de Doenças Centro de Vigilância Epidemiológica Prof “Alexandre Vranjac”. Divisão de Vigilância.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Secretaria de Estado da Saúde Coordenadoria de Controle de Doenças Centro de Vigilância Epidemiológica Prof “Alexandre Vranjac”. Divisão de Vigilância."— Transcrição da apresentação:

1 Secretaria de Estado da Saúde Coordenadoria de Controle de Doenças Centro de Vigilância Epidemiológica Prof “Alexandre Vranjac”. Divisão de Vigilância Epidemiológica em Hanseníase Programa de Controle da Hanseníase XX Encontro Estadual de Avaliação das Ações de Eliminação da Hanseníase - 2008 Mary Lise Carvalho Marzliak

2 Prevalência: Casos em Registro Ativo & Casos em Curso de Tratamento Casos de Hanseníase em Registro Ativo, em Curso de Tratamento e Coef. De Prevalência segundo Ano de Avaliação, Estado de São Paulo, 2004-07.

3 •Número de casos em Registro Ativo - 3211 Coef. de Prevalência - 0,77 por 10.000 habs. Prevalência de Hanseníase - 2007

4 Prevalência de Hanseníase- Estado de São Paulo,1985-07. 2000 Adiamento da Meta para 2005 2005 Mudança de Critério Calculo Prevalência 1991 PQT/OMS

5

6

7

8

9 Coeficiente de Prevalência (em curso de tratamento)segundo Dir, Estado de São Paulo, 2006

10 Coeficiente de Prevalência (em Registro Ativo) segundo GVE, Estado de São Paulo, 2007

11 Distribuição do número de municípios do Estado de São Paulo, segundo nível de prevalência (1) da hanseníase (p/ 10.000hab.), Estado de São Paulo,2003-07. Prevalência 200320042005 20062007 Nº% % % % % Prev >5,006710,39538,22436,67365,58375,74 Prev 1 l−5,0029145,1230246,8227943,2620932,4021633,49 Prev < 1,028744,5029145,1232350,0840062,0239360,78 Prev = zero17627,2918228,2218328,3722034,1122234,42 Mun. com Info. 645100,00645100,00645100,00645100,00645100,00 (1) –Registro Àtivo

12 2004 2005

13 2006 2007

14 Detecção de Casos Novos •2044 casos novos •0,49/10.000 hab médio Fechamento em 31/03/2008

15 Detecção de Casos Novos

16 Casos Novos em Menores de 15 anos •83 casos em menores de 15 anos. •0,08 / 10.000 hab. médio Modo de DetecçãoNª% 3137,4 2226,5 2428,9 33,6 313,6 Casos Detectados de Hanseníase em Menores de 15 anos segundo Modo de Detecção, Estado de São Paulo, 2007. Encaminhamentos Demanda Espontânea Exame de Coletividade Exame de Contato Ignorado

17 Séries Históricas da Detecção de Hanseníase Geral e em Menores de 15 anos, Estado de São Paulo, 94-07.

18 Detecção de Hanseníase por GVE, Estado de São Paulo, 2007

19 Distribuição de municípios do segundo o nível de detecção de hanseníase (p/ 10.000 hab.), Estado São Paulo, 2003-07. Detecção 200320042005 20062007 Nº% % % % % Detecção < 4,0 477,29528,06436,67314,8127 4,19 Detec. 1,0 l− 4,00 16525,5816024,8115023,2613621,09149 23,10 Sub-Total 21232,8721232,8719329,9316725,89176 27,29 Detc. < 1,0 14322,1743367,1345270,0747874,11469 72,71 Sem Detecção 29044,9626541,0926340,7828844,65299 46,36

20 2005 2006 2007 2004

21 PREVALÊNCIA Parâmetro Prevalência 2006 Parâmetro Prevalência 2007 BAIXOMÉDIOALTO MUITO ALTO Total Geral BAIXO3128251400 MEDIO7512482209 ALTO5814128 MUITOALTO-2316 HIPER---22 TOTAL GERAL392216307645 3128275 12455 1418 182 45123 69,9212 9995 15,3514,73 14,7% 15,4% 69,9%

22 Detecção Parâmetro Detecção 2006 Parâmetro Detecção 2007 BAIXOMEDIOALTO MUITO ALTO HIPER Total Geral BAIXO2073528297306 MEDIO4894255 172 ALTO31191814284 MUITOALTO166518752 HIPER121161131 TOTAL GERAL314155777227645 113548 182831 182916 94712 207519 348256 53,95161 75 1521 23,576 145 22,48 15,0% 23,6% 54,0%

23 Coeficiente de Prevalência (em Registro Ativo) segundo GVE, Estado de São Paulo, 2006

24 GRAU DE INCAPACIDADE CLASSIFICAÇÃO OPERACIONAL TOTAL % PAUCIBACILAR MULTIBACILAR IGNORADA ZERO 494338-83250,76 GRAU I 229339156934,72 GRAU II + III 298508180714,52 SUB-TOTAL AVALIADO 7928461163980,19 NÃO AVAL. 4710021497,29 SEM INF. 109144325612,52 TOTAL 948109062044100,00 Casos novos de Hanseníase, residentes, segundo avaliação de incapacidades físicas e classificação operacional para fins de tratamento, São Paulo, 2007. Médio

25 Casos novos de hansen í ase residentes, segundo esquema terapêutico e classifica ç ão operacional para fins de tratamento, Estado de São Paulo, 2007. Classificação Operacional ESQUEMAS TERAPÊUTICOS PQT/PBPQT/MBIgnoradoTotal Paucibacilar 91620 (2,11) 12948 Multibacilar 11 (1,01) 1066131090 Ignorada 3126 Total 9301087272044

26 Casos novos de hansen í ase residentes, segundo esquema terapêutico e n ú mero de doses Estado de São Paulo, 2007 Class. Oper. ESQUEMA TERAPÊUTICO TOTAL 6 DOSES 12 DOSES 24 DOSES 0UTROS ESQ. IGN PB MB IGN TOTAL !

27 Casos de hansen í ase em registro ativo, segundo esquema terapêutico, Estado de São Paulo, 2007. CLASS OPER. ESQUEMAS TERAPEUTICOS TOTAL PQT PB PQT MB ESQ. SUB. IGN PB5942619313952 MB241339 ( 17,22 ) 3814682212 IGN2231219 TOTAL6201367403 (24,91) 7933183

28 Casos de hansen í ase residentes que receberam alta por cura, segundo classifica ç ão operacional para fins de tratamento e grau de incapacidade f í sica na ocasião da alta,Estado de São Paulo, 2007 GRAUS CLASSIFICAÇÃO OPERACIONAL PaucibacilarMultibacilarIgnoradaTotal % ZERO 72127-159 67,69 GRAU I 855164 21,77 GRAU II +III 1480195 32,31 SUB-TOTAL 862071294 9,24 NÃO AVALIADO 41100-141 4,43 NÃO INFORMADO 8251905182748 86,33 Total 11372212193183 100,00

29 SITUAÇÃO DOS CASOSNÚMERO DE CASOS GRAU DE INCAPACIDADE POR OCASIÃO DA CURA CURA 1114 TOTAL AVALIADOS – 821(67,80%) GRAU ZERO – 475(57,86%) GRAU I – 228(27,77%) GRAU II – 118(14,37%) NÃO AVAL./S.INF.– 390(32,20%) ÓBITO 44 Taxa Cura - 80,31% TRANSFERÊNCIA PARA OUTROS PAÍSES OU ESTADOS 06 ERRO DIAGNÓSTICO 13 EM TRATAMENTO 234 TOTAL DA COORTE 1387 SITUAÇÃO EM 31.12.2007 DA COORTE DE CASOS REGISTRADOS MULTIBACILARES RESIDENTES QUE INICIARAM TRATAMENTO NO PERÍODO DE 01/2005 A 12/2005 (MÊS E ANO)

30 SITUAÇÃO DOS CASOSNÚMERO DE CASOS GRAU DE INCAPACIDADE POR OCASIÃO DA CURA CURA869 TOTAL AVALIADOS – 519(59,72%) GRAU ZERO – 420(80,92%) GRAU I – 76(14,64) GRAU II – 40(5,10%) NÃO AVAL./S.INF.– 350(40,28%) ÓBITO04 Taxa Cura 78,79% TRANSFERÊNCIA PARA OUTROS PAÍS E/OU ESTADOS 08 ERRO DIAGNÓSTICO06 EM TRATAMENTO222 TOTAL DA COORTE1103 SITUAÇÃO, EM 31.12.2007 DA COORTE DE CASOS REGISTRADOS PAUCIBACILARES RESIDENTES QUE INICIARAM TRATAMENTO NO PERÍODO DE 01/2006 A 12/2006 (MÊS E ANO).

31 Série Histórica da Proporção de Cura nas Coortes PB e MB segundo ano das Coortes e Ano de Avaliação, Estado de São Paulo, 00-07. % de Cura no1997199819992000200120022003200420052006 Ano de Avaliação PBMBPBMBPBMBPBMBPBMBPBMBPBMBPBMBPBMBPBMB 200075,07 74,53 75,55 200174,93 70,72 79,24 200269,86 72,0 67,94 200379,72 76,83 82,87 200480,26 76,4 84,0 200572,68 64,4381,97 200685,43 83,2387,87 200777,02 78,1775,59

32 Séries Históricas da Proporção de Cura nas Coortes PB e MB segundo Ano de Avaliação e Coorte, Estado de São Paulo, 00-07.

33 CASOS DE HANSEN Í ASE EM REGISTRO ATIVO, RESIDENTES, SEGUNDO CLASSIFICA Ç ÃO OPERACIONAL E SITUA Ç ÃO DE TRATAMENTO, ESTADO DE SÃO PAULO,2007. SITUAÇÃO DE TRATAMENTO PB MB IGN TOTAL EM TRATAMENTO7581.706072.471 NÃO COMPARECEU NO ANO 19450612712 TOTAL EM REG. ATIVO 9522.212193.183 SA Í DAS ALTA CURA730988061.724 Ó BITO04300034 ABANDONO/ALTA ESTAT Í STICA 11240035 ERRO DIAG.05090014 T.O.EST/PAIS07180025 TOTAL SA Í DA 7721.123061832 Abandono - 14,89%

34 INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS RESULTADOAVALIAÇÃO 1-Coeficiente de detecção anual de casos novos, por 10.000. Habitantes. 0,49MÉDIO 2- Coeficiente de detecção anual de casos novos na população menor de 15 anos, por 10.000 habitantes. 0,08MÉDIO 3-Coeficiente de prevalência por 10.000 habitantes. 0,77(*) BAIXO 4- Porcentagem de casos novos com incapacidades físicas entre os casos novos detectados e avaliados no ano. 49,24REGULAR 5-Porcentagem de curados no ano com incapacidades físicas (PB) (GRAU II ) 78,79 BAIXO 6-Porcentagem de curados no ano com incapacidades físicas (MB) (GRAU II ) 80,31 ALTO (*) numerador pacientes em registro ativo

35 INDICADORES OPERACIONAIS RESULTADOAVALIAÇÃO 1.Proporção de casos novos detectados no ano que iniciaram PQT. 98,68 BOM 2- Proporção de casos novos detectados no ano com grau de incapacidade avaliado. 80,2 REGULAR 3 0 - Proporção de cura da coorte PB 2005 3 1 - Proporção de cura da coorte MB2004(12doses) 78,8 80,3 REGULAR 4-Proporção de casos curados no ano com incapacidade física avaliado. ! 9,4 PRECÁRIO 5- Proporção de abandono de tratamento entre os casos novos detectados nos anos das coortes (PB). 5 B – Proporção de abandono de tratamento entre os casos novos detectados nos anos da coorte MB- 12 doses) 1.Proporção de abandono na prevalência do período. 14,9 REGULAR 7- Proporção de examinados entre os contatos intradomiciliares de casos novos detectados no ano. 59,0 REGULAR 8-Proporção de municípios com ações de controle implantado. 99,2 BOM 9-Proporção da população coberta pelas ações de controle. 99,6 BOM 10- Proporção de unidades de saúde da rede básica que desenvolvem ações de controle. 86,90

36

37 Municípios Prioritários 2007 Critérios200320042005 2006 2007 Ministério da Saude141 0 1 Critério ESP – P1654939 35 31 Critério ESP – P2857753 52 58 Total de Municípios Prioritários 1511309387 89 Total de Municípios não Prioritários 494515552558 556


Carregar ppt "Secretaria de Estado da Saúde Coordenadoria de Controle de Doenças Centro de Vigilância Epidemiológica Prof “Alexandre Vranjac”. Divisão de Vigilância."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google