A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Projeto do Plano Diocesano de Pastoral Diocese de Marília.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Projeto do Plano Diocesano de Pastoral Diocese de Marília."— Transcrição da apresentação:

1 Projeto do Plano Diocesano de Pastoral Diocese de Marília

2 • Além da apresentação do Bispo, uma introdução e uma conclusão, o Plano Diocesano de Pastoral será dividido em duas partes: I – FUNDAMENTAÇÃO DO PLANO DE PASTORAL (fundamentação teológico- pastoral) II – O PLANO DIOCESANO DE PASTORAL propriamente dito

3 • Após a Conclusão, o subsídio apresentará anexos para ajudar na compreensão de alguns projetos

4 Por que um Plano Diocesano de Pastoral? • necessidade de organização pastoral; • desde o Plano de Emergência (1962), a Igreja no Brasil propõe Planos e/ou Diretrizes Pastorais. Ultimamente, tem-se optado por Diretrizes em âmbito nacional e planos em âmbitos locais; • as atuais DGAE solicitam às dioceses a elaboração de um Plano de Pastoral. Recomenda-se que nos planejamentos locais as urgências da ação evangelizadora se concretizem nos contextos específicos:

5 Diretrizes são os rumos que indicam caminho a seguir, elaborando aspectos prioritários da ação evangelizadora, princípios norteadores e urgências irrenunciáveis. Os planos de pastoral das Igrejas Particulares percorrem um roteiro específico, contendo estudo e iluminação da realidade à luz da fé, objetivos, critérios e meios para sua concretização na própria realidade (DGAE n. 2).

6 O projeto pastoral da Diocese, caminho de pastoral orgânica, deve ser resposta consciente e eficaz para atender às exigências do mundo de hoje com “indicações programáticas concretas, objetivos e métodos de trabalho, formação e valorização dos agentes e a procura dos meios necessários que permitam que o anúncio de Cristo chegue às pessoas, modele as comunidades e incida profundamente na sociedade e na cultura mediante o testemunho dos valores evangélicos” (n. 371).

7 Os leigos devem participar do discernimento, da tomada de decisões, do planejamento e da execução Os leigos devem participar do discernimento, da tomada de decisões, do planejamento e da execução. Esse projeto diocesano exige acompanhamento constante por parte do bispo, dos sacerdotes e dos agentes pastorais, com atitude flexível que lhes permita manter- se atentos às exigências da realidade sempre mutável (DAp 371).

8 Neste sentido, a pedido de seu bispo, a Diocese de Marília constituiu uma equipe, formada por padres, consagrados (as) e leigos (as) para pensar a elaboração de um projeto em vista de nosso futuro Plano Diocesano de Pastoral. Após diversos meses de trabalho, apresentamos o presente projeto que, com a aprovação de todo o Povo de Deus e as devidas revisões, dará origem a nosso Plano Diocesano de Pastoral.

9 • O material elaborado constitui fruto de longa e madura reflexão teológico-pastoral e leva em consideração assembleias e encontros anteriores, além de estar fundamentado nas atuais Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (Doc. 94 da CNBB) e nas resoluções da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e Caribenho (Aparecida). • No processo de elaboração também houve consulta a representantes de todo o povo de Deus.

10 Após a aprovação do Plano Diocesano de Pastoral alguns passos devem ser dados: • Aplicação do Plano nas instâncias regionais, paroquiais e de cidade. – Que pode ser realizada por meio de Assembleias em âmbito paroquial, de cidade (com mais de uma paróquia), Região Pastoral e Diocese (em vista da implantação do Plano Pastoral).

11 O processo de execução, aprovação e aplicação do Plano Diocesano de Pastoral leva-nos • a maior participação de todo o Povo de Deus na Ação Evangelizadora; • Otimização do trabalho pastoral e evangelizador.

12 I. FUNDAMENTAÇÃO DO PLANO DIOCESANO DE PASTORAL

13 Contexto da elaboração do Plano de Pastoral: • V CELAM (Aparecida 2007); • DGAE ; • Cinquentenário da abertura do Concílio Vaticano II; • 20 anos do Catecismo da Igreja Católica; • Ano da Fé; • Sínodo sobre Nova Evangelização;

14 Fundamentação histórica • Na redação final do Plano Diocesano de Pastoral será apresentada uma breve história do Planejamento Pastoral no Brasil e na Diocese de Marília. • Em consonância com as atuais DGAE, nosso Plano Diocesano de Pastoral terá como pano de fundo as cinco urgências da ação evangelizadora.

15 Fundamentação teológico-pastoral • Eclesiologia de comunhão do Vaticano II. • Participação de todo o povo de Deus na Ação Evangelizadora da Igreja – conquista da eclesiologia conciliar e do processo evangelizador da Igreja no Brasil.

16 Distinção entre planejamento, plano, programas e projetos • Planejamento • Planejamento = processo de reflexão, tomadas de decisões e estabelecimento de objetivos e ações. Contempla vários momentos, exige tempo e itinerário. • Plano • Plano = documento escrito, indicando aos opções e decisões tomadas. Orienta a prática.

17 • Programa • Programa = aprofundamento e setorização do Plano. • Projeto • Projeto = decisões concretas do Plano, inseridas dentre de um Programa. Ações detalhadas que garantem o alcance dos objetivos de um Plano.

18 Do geral ao específico ► Plano – Programa – Projeto Do específico ao geral ► Projeto – Programa - Plano

19 • Cada Programa de nosso Plano Diocesano de Pastoral corresponderá a uma das cinco urgências da ação evangelizadora. missão 1. Igreja em permanente estado de missão vida cristã 2. Igreja: casa de iniciação à vida cristã animação bíblica 3. Igreja: lugar de animação bíblica da vida e da pastoral comunidade de comunidades 4. Igreja: comunidade de comunidades vida plena 5. Igreja a serviço da vida plena para todos

20 II. O PLANO DIOCESANO DE PASTORAL Objetivo geral: Diante da mudança de época, em vista de uma melhor transmissão da fé, queremos adequar a ação evangelizadora da Diocese de Marília às cinco urgências pastorais propostas pelas DGAE

21 Objetivos específicos: • valorizar os trabalhos existentes em nossa ação evangelizadora (diocese, região pastoral e paróquias, pastorais, movimentos, associações e serviços); • iluminá-los a partir das cinco urgências da ação evangelizadora; • propor ações de adequação.

22 PROGRAMA 1 – Igreja em estado permanente de missão

23 Pretende-se “suscitar em cada batizado e em cada forma de organização eclesial uma forte consciência missionária, sem a qual os discípulos missionários não contribuirão efetivamente para o novo que haverá de surgir na história” (DGAE n. 31). Os projetos deste programa visam lançar a Igreja de Marília no estado permanente de missão, alcançando todo o povo de Deus, especialmente os afastados.

24 PROJETOS (cf. as indicações apresentadas no subsídio) • Missões populares • Atividades missionárias diversas • Infância Missionária • Serviço de Animação Vocacional

25 • Vida Religiosa e Consagrada • Pastoral Presbiberal • Paróquias irmãs

26 PROGRAMA 2 – Igreja: casa de iniciação à vida cristã A mudança de época exige que o anúncio de Jesus Cristo não seja mais pressuposto, porém explicitado continuamente. O estado permanente de missão só é possível a partir de uma efetiva iniciação à vida cristã (DGAE n. 39).

27 A iniciação cristã não se esgota na preparação aos sacramentos do Batismo, Crisma e Eucaristia. Ela se refere à adesão a Jesus Cristo. Esta adesão deve ser feita pela primeira vez, mas refeita, fortalecida e ratificada tantas vezes quantas o cotidiano exigir (n. 41).

28 Os projetos deste programa visam fazer da Igreja de Marília uma casa de iniciação à vida cristã, tornando nossas comunidades “[...] diuturnamente mistagógicas, preparadas para permitir que o encontro com Jesus Cristo se faça e se refaça permanentemente” (n. 41). Todo sacramento deve levar à iniciação à vida cristã.

29 P ROJETOS • Batismo • Catequese de Primeira Comunhão e Crisma • Catequese de Adultos

30 • Encontro de Namorados • Preparação para casamento, celebração matrimonial e acompanhamento dos casais • Celebrações de outros sacramentos e sacramentais • Escolas da fé

31 PROGRAMA 3 – Igreja: lugar de animação bíblica da vida e da pastoral

32 Vinculado à iniciação à vida cristã, o atual momento da ação evangelizadora convida o discípulo missionário a redescobrir o contato pessoal e comunitário com a Palavra de Deus como lugar privilegiado de encontro com Jesus Cristo” (DGAE n. 45). Deste modo, a iniciação à vida cristã e Palavra de Deus estão intimamente ligadas (n. 46).

33 Os projetos deste programa propõem a animação bíblica de toda a pastoral na Diocese de Marília, aprofundando “[...] um caminho de comunhão e oração com a Palavra e um caminho de evangelização e proclamação da Palavra” (n. 53), no qual se destaca a Liturgia como “[...] âmbito privilegiado onde Deus fala à comunidade” (n. 54).

34 P ROJETOS • Formação bíblica • Leitura Orante da Palavra de Deus • Campanha diocesana Bíblia para todos

35 Sugestões • SUGESTÃO 1 – Maior utilização da Bíblia nos encontros e reuniões; • SUGESTÃO 2 – Na Liturgia os livros litúrgicos não sejam substituídos por folhetos, subsídios e meios eletrônicos.

36 PROGRAMA 4 – Igreja: comunidade de comunidades Igreja

37 A busca sincera por Jesus Cristo faz surgir a correspondente busca por diversas formas de vida comunitária. Articuladas entre si, na partilha da fé e na missão, estas comunidades se unem, dando lugar a verdadeiras redes de comunidades” (DGAE n. 58).

38 O caminho para que a paróquia se torne verdadeiramente uma comunidade de comunidades é inevitável, desafiando a criatividade, o respeito mútuo, a sensibilidade para o momento histórico e a capacidade de agir com rapidez. [...] A setorização da paróquia pode favorecer o nascimento de comunidades, pois valoriza os vínculos humanos e sociais (n. 62).

39 O investimento em pequenas comunidades requer eficaz atuação dos pastores e protagonismo dos leigos, por meio dos diversos ministérios a eles confiados. Desta forma, “sob a orientação do bispo diocesano, presbíteros, diáconos, consagrados e leigos devem se unir em torno das grandes metas evangelizadoras e dos projetos pastorais que as concretizam” (n. 63). Por meio dos projetos presentes neste programa, pretende-se fazer da Diocese de Marília uma Igreja: comunidade de comunidades.

40 P ROJETOS • Paróquia: Rede de comunidades • Fortalecimento do Conselho Paroquial de Pastoral (CPP) • Reestruturação do Conselho Regional de Pastoral (CRP) e do Conselho Diocesano de Pastoral (CDP)

41 Sugestões SUGESTÃO 1 – Onde for possível, haja Eucaristia Dominical ou Celebração da Palavra nas Comunidades. SUGESTÃO 2 – Realizar assembleias paroquiais anuais, objetivando o Planejamento Pastoral; assembleias em âmbito de cidade, onde há mais de uma paróquia e assembleias regionais. •

42 PROGRAMA 5 – Igreja a serviço da vida plena para todos

43 Ao longo de uma história de solidariedade e compromisso com as incontáveis vítimas das inúmeras formas de destruição da vida, a Igreja se reconhece servidora do Deus da Vida. A nova época que, pela graça deste mesmo Deus, haverá de surgir, precisa ser marcada pelo amor e pela valorização da vida, em todas as suas dimensões (DGAE n. 66). É através da promoção da cultura da vida que os discípulos missionários de Jesus Cristo testemunham verdadeiramente sua fé (DGAE n.68).

44 Superando o mero assistencialismo e em vista de uma verdadeira promoção humana e social, por meio dos projetos presentes neste programa, a Diocese de Marília pretende ser uma Igreja a serviço da vida plena para todos.

45 P ROJETOS • Incentivar o Conselho Diocesano de Leigos (CDL) e os Grupos de Fé e Política • Comissão Diocesana de Justiça e Paz • Valorizar a Campanha da Fraternidade (CF) e o Fundo Diocesano de Solidariedade (FDS)

46 • Revigorar as Pastorais Sociais • Serviço de Animação Vocacional (SAV) • Vocação específica dos religiosos e consagrados

47 Sugestões • SUGESTÃO 1 – Os projetos sociais devem ser permanentes e não interrompidos por ocasião das mudanças de pároco. • SUGESTÃO 2 – Aplicação de ao menos dez por cento do dízimo paroquial na dimensão social. • SUGESTÃO 3 – Contato com as escolas (valorização da vida e da cidadania) – criar um projeto de educação escolar.

48 Trabalho em grupos 15 Grupos Cada 3 grupos discutirá um Programa

49 Nãos se preocupe. Haverá indicação no crachá.

50 Orientação • O grupo relê a primeira parte do texto (citação das DGAE e DAp., fundamentação teológico- pastoral e objetivos do Plano de Pastoral). • Em seguida, procede-se à leitura do programa indicado para cada grupo.

51 • Procure relembrar a caminhada da Diocese de Marília e os passos que foram dados em nossa pastoral diocesana. • Esteja atento não apenas à realidade de sua paróquia, pastoral, movimento ou associação, mas pense em toda a Diocese. • Lembre-se de que um Plano de Pastoral não prioriza esta ou aquela pastoral apenas, mas se preocupa com a Pastoral Orgânica e de Conjunto de toda a Diocese.

52 Questões 1. Estes programas estão de acordo com as necessidades diocesanas já apresentadas em assembleias e encontros anteriores? 2. O grupo tem alguma sugestão a acrescentar?

53 “Dever de casa” • Após este encontro, a equipe diocesana encaminhará a redação final do Plano Diocesano de Pastoral. • Voltando para casa e revendo todo o subsídio, caso você tenha alguma observação ou sugestão relevante encaminhe para a equipe responsável por meio de um dos s:

54 • As sugestões deverão ser enviadas até no máximo 1º de março

55 Questões 1. Estes programas estão de acordo com as necessidades diocesanas já apresentadas em assembleias e encontros anteriores? 2. O grupo tem alguma sugestão a acrescentar?

56 1. Estes programas estão de acordo com as necessidades diocesanas já apresentadas em assembleias e encontros anteriores? • Sim. Estão todas de acordo. – Devem ter maior aprofundamento a nível diocesano e paroquial; – Conscientização sobre o comprometimento de todos com o projeto; – Falta apoio, fortalecimento e continuidade do padre; – Diocese se mostra adiantada com o plano; – O que está no plano já é de conhecimento geral;

57 1) Estes programas estão de acordo com as necessidades diocesanas já apresentadas em assembleias e encontros anteriores? – Levar todo o povo a abraçar o plano com amor e disposição para que a pratica apareça.

58 2. O grupo tem alguma sugestão a acrescentar? • Uso de multimídia apenas para cânticos, salmos, respostas eucarísticas e o que mais for realmente necessário; • Renovação das coordenações do CPP evitando o continuísmo; • Formação e capacitação de lideranças para o trabalho na dimensão social; • Bíblia para todos os lideres das pastorais; • Maior comunicação e divulgação entre as pastorais (projetos, formações, eventos);

59 2. O grupo tem alguma sugestão a acrescentar? • Dia para reflexão da Palavra; • Formação bíblica para todos os agentes de pastorais; • Acompanhamento contínuo após os cursos de formação; • Maior aproveitamento de material e documentos da Igreja; • Integração entre todos os grupos de formação; • Presença do sacerdote nas formações

60 2. O grupo tem alguma sugestão a acrescentar? • Maior sentido de corresponsabilidade; • Reativação e reanimação da Infância Missionária; • Setorização das paróquias; • Mais assembleias paroquiais ao ano; • Censo Paroquial; • Valorização do Ministro da Palavra com formação específica; • Espaço para todos os projetos existentes no site da Diocese;

61 2. O grupo tem alguma sugestão a acrescentar? • Trabalhar ao Maximo a acolhida; • Trabalho com as vocações; • Campanha permanente de distribuição de bíblias; • Criar uma Comissão Litúrgica Diocesana; • Estudo bíblico nas Comunidades;


Carregar ppt "Projeto do Plano Diocesano de Pastoral Diocese de Marília."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google