A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Financiamento para projetos de eficiência energética US-Brazil Industrial Energy Efficiency Workshop Rio de Janeiro, 9 a 10 de agosto de 2011.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Financiamento para projetos de eficiência energética US-Brazil Industrial Energy Efficiency Workshop Rio de Janeiro, 9 a 10 de agosto de 2011."— Transcrição da apresentação:

1 Financiamento para projetos de eficiência energética US-Brazil Industrial Energy Efficiency Workshop Rio de Janeiro, 9 a 10 de agosto de 2011

2 •Lógica de criação do Proesco •Diagnóstico •Dificuldades operacionais •Proposta de reformulação Agenda

3 •ESCOs como vetores do desenvolvimento do mercado brasileiro de eficiência energética; •Principal dificuldade para obter crédito: garantia; •Solução elaborada: estruturação da modalidade “risco compartilhado”. Lógica de criação do Proesco

4 •Lógica de criação do Proesco •Diagnóstico •Dificuldades operacionais •Proposta de reformulação Agenda

5 Carteira PROESCO – Operações ativas Concluída Contratada Aprovada Em análise Enquadrada Perspectiva Total Situação Número de Operações Valor do financiamento (R$ MM) 23,4 18,5 6,9 37,7 0,8 0 87,3 Diagnóstico Agosto/11

6 •Número reduzido de projetos; •Valor global do apoio reduzido; •Poucos projetos de valor elevado; a maior parte tem valor unitário reduzido; •Forte concentração em projetos destinados ao cumprimento da Resolução ANEEL* (ESCOs ligadas às distribuidoras); •Forte concentração no setor terciário (baixo impacto na matriz energética); •Não foi apresentada nenhuma operação na modalidade “risco compartilhado”. •*Serviços de utilidade pública devem gastar 1% de sua renda líquida anual em investimentos de benefício público no setor de energia, sendo metade em eficiência energética. Diagnóstico Principais conclusões

7 •Lógica de criação do Proesco •Diagnóstico •Dificuldades operacionais •Proposta de reformulação Agenda

8 •Garantias: contratos de performance trazidos por ESCOs, via de regra, são muito frágeis; •Licenças ambientais ou dispensa emitida por órgão competente; •Atestado de não similaridade para importação de bens de capital; •Comprovação de eficiência energética ex-ante em projetos greenfield abaixo de 5MW. Dificuldades operacionais Principais dificuldades

9 •Lógica de criação do Proesco •Diagnóstico •Dificuldades operacionais •Proposta de reformulação Agenda

10 •Objetivo do BNDES é estimular a realização de projetos de eficiência energética, independente de qual seja o vetor de expansão; •A maior parte das dificuldades operacionais enfrentadas são comuns às pequenas empresas (não especificamente às ESCOs); •No lugar de tentar elaborar uma linha de financiamento acessível a todas as ESCOS, o objetivo passa a ser ganhar agilidade para operar com as empresas que possuem condições para tomar os recursos. Premissas Proposta de reformulação •Formar uma carteira mais robusta de projetos; •Girar o capital das ESCOs que desenvolvem projetos; •Desenvolver o mercado com o objetivo de migrar para projetos mais sofisticados e no setor industrial. Estratégia

11 Proposta de reformulação •Estruturar a operação do Proesco através do BNDES automático; •Estruturar a aquisição de serviços de diagnóstico de eficiência energética através do cartão BNDES (ESCOs serão credenciadas); •Estruturar a aquisição de outros serviços de eficiência energética através do cartão BNDES (ESCOs serão credenciadas); •Aquisição de bens de capital para eficiência energética por meio do cartão BNDES; •Reformular as modalidades operacionais previstas hoje, de forma que a operação direta com o BNDES ocorra somente para projetos de valor superior a R$ 10 milhões (conforme regra geral do BNDES) e que não exista mais a modalidade de risco compartilhado. Propostas em andamento

12 Claudia Nessi Zonenschain Departamento de Operações de Meio Ambiente

13 •Apoiar projetos de eficiência energética. Objetivo •Economia de energia. •Aumento da eficiência global do sistema energético. •Substituição de combustíveis de origem fóssil por fontes renováveis. Focos de atuação Características do Proesco •Empresas de Serviços de Conservação de Energia – ESCOs. •Usuários finais de energia. •Empresas de geração, transmissão e distribuição de energia. Beneficiários

14 •Iluminação, motorização e bombeamento •Otimização de processos •Ar comprimido, ar condicionado e ventilação •Refrigeração, resfriamento e aquecimento •Produção e distribuição de vapor •Geração, transmissão e distribuição de energia •Gerenciamento energético automatizado •Redução da demanda no horário de ponta Tipos de projetos Características do Proesco •Estudos e projetos •Obras e instalações •Máquinas e equipamentos novos, inclusive importados desde que não exista produção nacional. •Sistemas de informação, monitoramento e controle •Serviços técnicos especializados Itens financiáveis

15 •Até 72 meses, incluído o prazo máximo de carência de 24 meses. •Segmentos de geração e transmissão de energia poderão ter prazo maior, conforme análise da Área Operacional. Prazo do financiamento •Até 100% dos itens apoiáveis para os municípios de baixa e média renda localizados nas regiões Norte ou Nordeste. •Até 90% dos itens apoiáveis para os demais Municípios das regiões Norte ou Nordeste e para os municípios de baixa e média renda localizados nas demais Regiões. •Até 80% dos itens apoiáveis para os demais municípios. Participação do BNDES Características do Proesco

16 •Direta: BNDES assume o risco da operação •Indireta não-automática: Agente Financeiro assume o risco da operação •Risco compartilhado: BNDES e Instituição Financeira Mandatária compartilham o risco da operação (direta + indireta não-automática) •Bancos Mandatários: BB, ITAÚ, BRADESCO, BDMG E CAIXA RS •BNDES assume até 80% do risco da operação •É necessário um parecer técnico, de entidade independente com notório saber, sobre a adequação da tecnologia adotada para a obtenção dos resultados esperados. Modalidades operacionais Características do Proesco

17 PROESCO – Operação Direta ESCO Usuário final de energia TJLP + 0,9% aa + Taxa de risco (de 0,46% a 3,57%) Até 100% - Municípios de Baixa Renda ou Média Renda Inferior no NO e NE Até 90% - Municípios de Média Renda Superior e Alta Renda no NO e NE ou Municípios de Baixa Renda ou Renda Média Inferior nas demais regiões do país Até 80% nos demais Municípios Postulante Custo Financeiro Anual Participação do BNDES Prazo Total: Até 6 anos Carência: Até 2 anos A critério do BNDES Garantias

18 PROESCO – Operação Indireta ESCO Usuário final de energia TJLP + 0,9% aa + Spread do Agente Financeiro (máximo de 4%a.a.) Até 100% - Municípios de Baixa Renda ou Média Renda Inferior no NO e NE Até 90% - Municípios de Média Renda Superior e Alta Renda no NO e NE ou Municípios de Baixa Renda ou Renda Média Inferior nas demais regiões do país Até 80% nos demais Municípios Postulante Custo Financeiro Anual Participação do BNDES Prazo Total: Até 6 anos Carência: Até 2 anos A critério do Agente Financeiro Garantias

19 PROESCO – Risco Compartilhado ESCO TJLP + 0,9% aa + 1% Agente Financeiro + 3% Assunção de Risco Até 100% - Municípios de Baixa Renda ou Média Renda Inferior no NO e NE Até 90% - Municípios de Média Renda Superior e Alta Renda no NO e NE ou Municípios de Baixa Renda ou Renda Média Inferior nas demais regiões do país Até 80% nos demais Municípios Postulante Custo Financeiro Anual Participação do BNDES Prazo Total: Até 6 anos Carência: Até 2 anos Fiança dos Controladores da ESCO e o penhor dos Direitos Creditórios Garantias Risco BNDES Assume até 80% do valor financiado


Carregar ppt "Financiamento para projetos de eficiência energética US-Brazil Industrial Energy Efficiency Workshop Rio de Janeiro, 9 a 10 de agosto de 2011."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google