A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Pensamento e Linguagem Introdução ARANHA, Maria Lúcia Arruda. Filosofando: introdução à filosofia. 3. ed. Revista. São Paulo: Moderna: 2003.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Pensamento e Linguagem Introdução ARANHA, Maria Lúcia Arruda. Filosofando: introdução à filosofia. 3. ed. Revista. São Paulo: Moderna: 2003."— Transcrição da apresentação:

1 Pensamento e Linguagem Introdução ARANHA, Maria Lúcia Arruda. Filosofando: introdução à filosofia. 3. ed. Revista. São Paulo: Moderna: 2003.

2  Falar é nomear objeto, é formar conceitos, é articulá- los de forma coerente. Falar é manifestar nosso pensamento sobre o o mundo: mundo subjetivo e objetivo.  Linguagem estruturada: instrumento pela qual podemos estabelecer diálogos, atribuindo sentido à realidade que nos cerca.  A linguagem verbal não é a única linguagem usada pelo ser humano.  Matrizes da linguagem: verbal, visual e sonora.  Linguagem: corporal, matemática, física, digital etc.

3 1 Estruturação da linguagem  Toda linguagem é um sistema de signos.  “O signo é uma coisa que está em lugar de outra e representa algo para alguém”. PEIRCE, Charles S. Semiótica. São Paulo, Perspectiva, p. 46  Exemplos: gestos com a mão, números substituem as quantidades reais de objetos. Cão é o nome que se refere a um determinado animal. Fumaça é signo de alguma coisa: sinal de fogo ou de alguém fumando.  C. S. Peirce ( ): semioticista:  Semiótica: Semeion: estudo dos signos. Uma das ciências da linguagem.

4 Tipos de Signo  O signo está no lugar do objeto. Mas não é o objeto. Então ele está no lugar sob determinados aspectos.  O signo é uma representação do objeto. Esta representação pode assumir variados aspectos dependendo da relação que o signo mantém com o objeto.  Um signo pode ser: icônico(ícone), indicial( índice), simbólico ( símbolo)

5 Signo icônico  Signo icônico: quando a relação com o objeto é de semelhança.  Ex. um desenho que tenha semelhança com o objeto representado: uma fotografia; uma palavra onomatopaica ) cocorocó, bem-te-vi.)  Comunicação poética: “Acho que a chuva ajuda a gente a viver”. Caetano.

6 Signo Indicial  Se a relação é de causa e efeito, uma relação afeta a existência do objeto ou é por ela afetada, temos um signo do tipo índice.  Ex. as nuvens são signos indiciais de chuva. O chão molhado também pode ser índice de chuva; a fumaça ou cheiro de queimado signos de fogo. Os sinais matemático ( +, -, x, etc.) são signos das operações que devem ser efetuadas.  A febre é signo de uma determinada doença.  O cão ao farejar drogas: o cheiro é signo da droga.

7 Signo Simbólico  Se a relação com o objeto é arbitrária, regida por uma convenção social, temos o signo simbólico. (item 3)  As palavras são o melhor exemplo de símbolo. Mas há outros: a cor preta nas culturas ocidentais representa o luto. Na China e no Japão a cor branca é que representa luto e pesar.  Cor branca: representa pureza em algumas culturas.  O significado destes signos foi construído por uma convenção social, hábito ou tradição.  O mundo humano é simbólico!

8  O signo relaciona-se com o objeto de forma a dar origem em nossa mente a um segundo signo que explica o primeiro.  O signo casa para uma criança: podemos fazer o desenho. Segundo signo: lar.  Este segundo signo que aparece em nossa mente chama-se: interpretante.

9  “Segundo o semioticista C. S. Peirce, na visão de Lúcia Santaella ( 1983), o signo icônico tem como característica ser pura qualidade. Nesse sentido, ele não representa, mas apresenta algo. Como existente singular, ele é designado como uma quase signo. Não possuindo um objeto, um referente, o signo icônico, por ser qualidade, produz em efeito em nossos sentidos...”.  ROSSI, D. M. O amor na canção: uma leitura semiótica-psicanalítica. São Paulo: EDUC; Casa do Psicólogo; FAPESP, 2003.

10 Elementos da Linguagem  Linguagem: sistema de signos que possui um repertório ( relação entre os signos)  Ex. dicionário: signos que pertencem a língua.  Linguagem musical: sistema tonal: seleciona algumas notas para compor o sistema: do, re, mi, fa, sol, lá, si ( acrescido de sustenidos e bemóis.)  Existem regras de combinação em todo sistema de linguagem.  Ex. não podemos combinar signos que não tenham sentidos opostos: subir para baixo;  Ex. Em quais ocasiões podemos usar a expressão “Vossa Senhoria”?  Quando devemos usar a cor preta como luto?  Regras: construção cultural.

11 2 Tipos de Linguagem  Linguagem da matemática, do computador, linguagens artísticas ( arquitetura, musical, pictórica, escultórica, teatral, cinematográfica, moda, gestuais, corporais etc.)  As linguagens se estruturam de forma diferentes. Os sistemas de regras de combinação, também, são diferentes.  Algumas linguagens possuem estruturas mais flexíveis outras não.  Ex. moda. Ela muda com o tempo.  Ex. linguagem de computador: inflexíveis.  Ex. linguagem artística: constituem um meio termo.  Ex. da exposição: “A cor como linguagem” MASP ( 1975). Ex. de tela totalmente branca: significado: anterior às outras cores e contem a possibilidade de todas.

12 A Linguagem Verbal  A palavra é a senha de entrado do homem no mundo. (Gusdorf, Georges).  Sistema simbólico. O humano é o único animal que é capaz de criar símbolos, signos arbitrários em relação ao objeto que representam. Essa criação é cultural e, portanto, depende da aceitação social.  Ex. a palavra ´casa´ não tem relação nenhuma com o objeto que ela representa, portanto, este signo é arbitrário. Mas convencionalmente aceitamos que este signo represente o objeto.  Só a partir desta aceitar é que podemos nos COMUNICAR! Ao usarmos este signo sabemos que nosso interlocutor saberá o que estamos nos referindo.  “A linguagem, portanto, é um sistema de representações aceitas por um grupo social, que possibilita a comunicação entre os integrantes desse mesmo grupo.

13  Linguagem: construção da razão. Invenção do sujeito para se aproximar da realidade.  Reflexão: rompemos com a natureza, com os objetos e criamos a linguagem. Por sua vez a linguagem re-inventa e re-cria o homem!  Através dela toda a herança cultural é repassada para o sujeito e se constitui como ser de linguagem!  Linguagem, portanto, é um dos principais instrumentos na formação do mundo cultural e formação do homem! Porque nos permite transcender a nossa experiência!  “ No momento em que damos nome a qualquer objeto da natureza, nós o individuamos, o diferenciamos do resto que o cerca; ele passa a existir em nossa consciência. Entramos no mundo simbólico.  Re-criamos o mundo porque inventamos nomes que não estão na natureza: tristeza, beleza, liberdade etc.  O signo tem a capacidade de tornar presente para a nossa consciência o objeto que está longe de nós.  Obs. Não esqueça que o objeto que o signo representa é, também, dinâmico. A representação é sob certos limites!

14  Signo: interpretação: outro signo aparece em nossa consciência = Interpretante!  O signo é retido na memória, enquanto idéia!  Ex. cheiro do mar, o perfume do jasmim numa noite de verão, o toque da mão da pessoa amada, o som da voz do pai, etc.  Basta uma palavra para tornar presente o que está ausência.  PRESENÇA DE UMA AUSÊNCIA!  Construção do tempo: pensamos o passado e projetamos o futuro. 

15  Obs.: as máquinas são produtoras e criadora de linguagens! De novas linguagens! Portanto, de novos valores, novos signos etc.

16 4.Linguagem, pensamento e cultura  Existem diversos tipos de linguagem, existem diversos tipos de pensamento.  Pensamento concreto: se forma a partir da percepção, da representação de objetos reais. Ele é sensível e intuitivo!  Pensamento abstrato: as relações não são perceptíveis. Há a criação de conceitos e noções gerais e é racional! Ex. da matemática.  Para cada tipo de linguagem há um tipo de pensamento.  Pensamento abstrato: língua: como sistema simbólicos, ele transcende o dado vivido e permite construir o mundo das idéias.

17 Cada língua organiza a realidade de modo diferente!  Ex. do esquimó que possui seis nomes diferentes para designar vários estados da neve.  A percepção da realidade depende do repertório de linguagens!  O esquimó percebe os diferentes estados da neve e nós percebemos somente se há neve ou não.

18  A estruturação da língua ( também da linguagem)influencia a percepção da realidade e o nível de abstração e generalização do pensamento!  Linguagens artísticas: pensamento concreto. O pintor está mais ligado ao mundo das cores e formas do que ao mundo abstrato dos conceitos.  Linguagem artísticas: são mais flexíveis pois elas se estruturam e se reestruturam em função de projetos específicos.  Ex. da pintura figurativa e da invenção da fotografia.

19  As várias linguagens fixam e passam adiante os produtos do pensamentos sob a forma de ciência, técnicas e artes = cultura. A cultura modifica as linguagens: há modificações de repertório e das novas descobertas da técnica.


Carregar ppt "Pensamento e Linguagem Introdução ARANHA, Maria Lúcia Arruda. Filosofando: introdução à filosofia. 3. ed. Revista. São Paulo: Moderna: 2003."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google