A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Possíveis Medidas Preventivas contra o Terrorismo Biológico Será este o preço de nossa evolução ? Nilton José Fernandes Cavalcante.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Possíveis Medidas Preventivas contra o Terrorismo Biológico Será este o preço de nossa evolução ? Nilton José Fernandes Cavalcante."— Transcrição da apresentação:

1 Possíveis Medidas Preventivas contra o Terrorismo Biológico Será este o preço de nossa evolução ? Nilton José Fernandes Cavalcante

2 O que é Terrorismo Biológico? É como um pesadelo ou filme de horror que nunca terminam. Onde o medo se esconde em cada sorriso e é proibido relaxar...

3 Quais agentes são preferidos? Aqueles que são mais facilmente espalhados (ar, água, solo, entre pessoas) Causam grande impacto em Saúde Pública (elevado custo, dificuldades para controle, mortalidade elevada, profissionais especializados) Causam Pânico e caos social

4 Como avaliar o risco de um agente biológico ? A partir das características de disseminação, mortalidade, exigências Sanitárias e Repercussão social, os agentes são distribuídos em categorias: A, B, C.

5 Classificação dos riscos das armas biológicas? Piores (Categoria A) Exemplo: varíola, carbúnculo, peste, botulismo, tularemia, febres hemorrágicas (Ebola, Junin) Moderados (Categoria B) Exemplo: febre Q, brucelose, melioidose, encefalites, agentes causadores de diarréia (salmonelose, shiguelose, cólera, E.coli), toxina S.aureus, C.perfringens, rícino Com potencial futuro (Categoria C) Exemplo: Hantavirose, febre do carrapato, encefalite do carrapato, febre amarela, tuberculose multi-resistente, vírus Nipah

6 Objetivos da Prevenção Impedir ou retardar a entrada de agente agressor Restringir ou retardar sua disseminação Minimizar os impactos na Saúde: Individual (tratamento, descontaminação, profilaxia) Coletiva (vacinas, profilaxia em massa)

7 Prevenção Estratégias de ações coordenadas para: Impedir a entrada de agentes biológicos Controle de animais e plantas doentes Controle de vetores (insetos) Fiscalização alfandegária, espaços aéreos, fontes de água, locais de uso público (piscinas, clubes, estádios)

8 Prevenção Estratégias de ações coordenadas para: bloqueio de sua disseminação pasteurização do leite, cuidados com água (ferver), incentivo a higiene pessoal, equipamentos de proteção individual, salas preparadas para atender os pacientes e restringir disseminação

9 Planejamento sobre o que é suspeito, como confirmar e como agir: Treinamento de profissionais para suspeição, diagnóstico, tratamento e profilaxia. (uniformizar as condutas)

10 Planejamento sobre o que é suspeito, como confirmar e como agir: Rede de laboratórios para diagnóstico (local, referência regional, referência nacional e análises de mutações e resistências)

11 Planejamento sobre o que é suspeito, como confirmar e como agir: Sistema de notificação de doenças

12 Planejamento sobre o que é suspeito, como confirmar e como agir: Ações coordenadas com autoridades locais e população afetada (lideranças comunitárias, polícia, defesa civil, hospitais, escolas, imprensa)

13 Planejamento sobre como agir: Rede de apoio (transporte, logística) Desenvolver novas e velhas vacinas, testá- las, produzí-las e aplicá-las. Fabricar e dispor de medicamentos suficientes para tratamento e/ou profilaxia. Fabricar e dispor de equipamentos de proteção adequados.

14 O desconhecimento aumenta o medo... Varíola Poxviridae Primeira vacina do mundo (1798) Erradicada do mundo em 8/5/1980 Incubação de 7 a 17 dias Isolamento com máscara, avental e luvas

15 O que fazer para superar o medo? Varíola Formas clínicas: Major (comum, hemorrágica, plana, modificada) X Minor Tratamento - cidofovir Tem vacina (cepas lister, NY, templo do céu, Patwandanger) Complicações da vacina

16 Você sabia que temos animais com carbúnculo ? Carbúnculo (Anthrax) Bacillus anthracis Incubação de 1 a 60 dias Isolamento com luvas e avental

17 Carbúnculo (Anthrax) Doença cutânea X pulmonar X meningite X sepse Tem vacina (6 doses, alternando SC e IM) Tem profilaxia e tratamento precoces com quinolonas e tetraciclinas ou penicilinas

18 Em 1999 ocorreram casos de peste no Brasil...Peste Yersínia pestis Picada de pulga de rato Incubação de 1 a 6 dias Isolamento com máscaras comuns, luvas e aventais

19 Peste Cutânea, pulmonar e sepse Tem vacina (3 doses básicas e reforços IM) Tratamento com cloranfenicol, tetraciclinas e profilaxia (as acima e SXT)

20 Agentes biológicos que respondem a profilaxia (geralmente quinolonas ou tetraciclinas): Brucelose Febre Q TularemiaPesteCarbúnculo Agentes causadores de diarréia

21 Agentes biológicos para os quais há vacinas Varíola Febre amarela PesteCarbúnculo

22 Agentes biológicos que podem ser bloqueados com antitoxina Botulismo

23 Conclusões Não se deve menosprezar o risco Podem ser planejadas ações Discutir prioridades em Saúde Pública (Dengue, Leptospirose, Rubéola congênita, Tétano, Tuberculose, Gripe...)

24 Conclusões “...Tu, nullis angustiis coercitus, pro tuo arbitrio, in cuius manu posui, tibi illam praefinies...” Picco della Mirandola, Oratio de hominis dignitate “...Mas tu, a que nenhum confim delimita, por teu próprio arbítrio, entre as mãos daquele que te colocou, tu te defines a ti mesmo...”

25


Carregar ppt "Possíveis Medidas Preventivas contra o Terrorismo Biológico Será este o preço de nossa evolução ? Nilton José Fernandes Cavalcante."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google