A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Diferenças de gênero na percepção da violência Fernando Lefevre Ana Maria C.Lefevre 2010 O caso da Pílula do Dia Seguinte.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Diferenças de gênero na percepção da violência Fernando Lefevre Ana Maria C.Lefevre 2010 O caso da Pílula do Dia Seguinte."— Transcrição da apresentação:

1 Diferenças de gênero na percepção da violência Fernando Lefevre Ana Maria C.Lefevre 2010 O caso da Pílula do Dia Seguinte

2 O projeto Gravidez Adolescente e Pílula do Dia Seguinte. Desvelando seus sentidos entre adolescentes e profissionais de saúde CNPq MS Fsp/Usp IPDSC

3 População pesquisada Adolescentes anos (230 f-70 m) Profissionais de Saúde (60) Zona Sul-São Paulo

4 Coleta Seis pequenas histórias e uma pergunta

5 Processamento Discurso do Sujeito Coletivo/Qualiquantisoft

6 O caso do estupro Uma adolescente saindo da Escola e tendo que passar por um matagal, foi violentada por um estranho; no dia seguinte ela encontrou suas amigas que insistiram para ela tomar a pílula do dia seguinte para prevenir a gravidez. Acontece que ela queria muito ter o filho e então decidiu não tomar a pílula do dia seguinte

7 As perguntas Para a adolescente: “Se voce fosse essa adolescente violentada o que voce faria nesta situação?” Para o adolescente: “ O que voce acha da decisão que ela tomou?” Para o profissional: “Se voce estivesse orientando um caso como este o que diria para esta adolescente”?

8 O pré-teste Porque: “..por um estranho?”

9 Resultados Quantitativos

10

11 Resultados Qualitativos DSC f DSC m

12 DSC FEMININO Eu tomaria a pílula sim. Porque eu não ia querer um filho que eu sei que foi ato de violência, abuso sexual; não foi porque ela quis, foi uma coisa obrigada, foi forçada, foi estrupada e eu acho que não vale a pena não. Ela passou muito sofrimento ali, uma agonia, uma agressão, uma coisa que você não quer. Foi um ato de violência e não um ato de responsabilidade dela. Já é difícil passar pela dor de ser mãe, por aquele processo todo, ainda mais sendo violentada. O filho não seria fruto de uma coisa boa. Porque seria ter um filho de uma pessoa que você não gostaria de ter e por causa também da violentação: ela foi abusada e não sabia que doenças o cara ia poder ter. Mesmo que eu seja contra o aborto, tomava a pílula e tomava todos os procedimentos pra não deixar o neném nascer, eu arrumaria algum jeito pra tirar ou alguma coisa assim, mas eu não ficaria grávida de um estrupador, se eu fosse violentada, eu decidiria não ter esse filho, eu tomaria a pílula.

13 DSC MASCULINO  HOMEM  Eu acho que ela deveria ter tomado a pírula, pois ela vai ter um filho, uma gravidez que ela não desejou - no caso ela foi violentada.É uma decisão errada, por causa que ela poderia ter tomado a pílula do dia seguinte e ter, como é que se diz, prevenido um atentado que ela teve; essa criança foi a criança de um atentado. Ela pode não amar essa criança como deveria. Entendeu? Acho que ela deveria ter tomado a pílula do dia seguinte: porque foi violentada, abusada sexualmente por um estranhado e não vai tomar a pílula pra se prevenir, só porque ela quer ter o filho? Ela deveria ter o filho de quem ela ame e goste, mas não de um estranho, que ela foi violentada. Deve tomar a pílula!

14 Algumas conclusões

15 Diferença de quantidade semelhança de qualidade

16 Problematizando a autonomia: um diálogo difícil

17 Intervenções possíveis: cartilha, livro, multimídia

18 Obrigado


Carregar ppt "Diferenças de gênero na percepção da violência Fernando Lefevre Ana Maria C.Lefevre 2010 O caso da Pílula do Dia Seguinte."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google