A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

INTRODUÇÃO E quantos anos tem a Terra? Entre 4,5 e 5 bilhões de anos. Como sabemos? Através da radioatividade ( C14 )

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "INTRODUÇÃO E quantos anos tem a Terra? Entre 4,5 e 5 bilhões de anos. Como sabemos? Através da radioatividade ( C14 )"— Transcrição da apresentação:

1

2 INTRODUÇÃO E quantos anos tem a Terra? Entre 4,5 e 5 bilhões de anos. Como sabemos? Através da radioatividade ( C14 )

3 EVOLUÇÃO DA TERRA

4 Tempo Geológico Através de pesquisas das rochas e dos fósseis, cientistas estimam que a Terra tenha aproximadamente 4,5 bilhões de anos, durante todo esse período ela passou por grandes transformações, processo classificado como eras geológicas. As diferentes eras geológicas correspondem a grandes intervalos de tempo, divididos em períodos. A alternância das eras geológicas foi estabelecida através de alterações significativas na crosta terrestre, sendo, portanto, classificadas em cinco eras geológicas distintas: Arqueozoica, Proterozoica, Paleozoica, Mesozoica e Cenozoica.

5 ESCALA GEOLÓGICA EraPeríodo Tempo em anos Características ou acontecimentos GeraisNo Brasil Cenoz oica Quaternário + 1 milh.  Aparecimento do homem;  Glaciações.  Sedimentação quaternária no litoral, na ilha de Marajó, no pantanal mato- grossense, etc. Terciário + 69 milh.  Mamíferos;  Formação dos dobramentos modernos (Himalaia, Andes)  Formação das bacias sedimentares terciárias;  Sedimentação costeira;  Atividades vulcânicas (ilhas oceânicas) Mesoz oica Cretáceo135 milh.  Répteis gigantescos e florestas de coníferas.  Formação do petróleo. Jurássico180 milh.  Mamíferos e aves.  Formação de bacias sedimentares. Triássico 220 milh.  Rochas sedimentares e vulcânicas.  Intensa atividade vulcânica no sul do país formando os terrenos basálticos ou vulcânicos e posteriormente o solo de terra roxa. Paleoz oica Permiano Carbonífero 270 milh. 350 milh.  Anfíbios e jazidas carboníferas;  Soterramento de florestas e formação do carvão mineral;  Processo de sedimentação e formação de bacias sedimentares mais antigas. Devoniano400 milh.  Peixes e vegetação nos continentes. Siluriano Ordoviciano Cambriano 430 milh. 490 milh. 600 milh.  Invertebrados;  Grande número de fósseis e vida aquática. Proter ozoica Alonquiano Mais de 2 bilhões  Seres unicelulares invertebrados (algas e bactérias);  Formação das rochas mais antigas (magmáticas) e dos dois primeiros continentes.  Formação dos escudos cristalinos e das principais jazidas de minerais metálicos;  Formação da Serra do Mar e da Serra da Mantiqueira. Arque ozoica Arqueano Início da Terra ou era Azoica (sem vida) + 4,5 bilhões  Evidências fossilíferas raras; ausência de vida.

6 Com base nos métodos de estudo diretos e indiretos referidos, são considerados dois modelos para a estrutura interna da Terra, um baseado na composição química dos materiais e outro baseado no seu estado físico. Modelos da estrutura interna Terra: A - Modelo Químico B - Modelo Físico

7 CAMADAS DA TERRA

8 CROSTA Em alguns lugares chega a atingir 70 km, mas geralmente estende-se por aproximadamente 30 km de profundidade. É composta basicamente por silicatos de alumínio, sendo por isso também chamada de Sial. A fronteira entre manto e crosta envolve dois eventos físicos distintos. O primeiro é a descontinuidade de Mohorovicic (ou Moho) que ocorre em virtude da diferença de composição entre camadas rochosas. O segundo evento é uma descontinuidade química que foi observada a partir da obdução de partes da crosta oceânica.

9 MANTO O manto estende-se desde cerca de 30 km e por uma profundidade de 2900 km. É composto por substâncias ricas em ferro e magnésio. O material de que é composto o manto pode apresentar-se no estado sólido ou como uma pasta viscosa. Portanto, o manto superior pode deslocar-se vagarosamente. As temperaturas do manto variam de 100°C até 3500°C.

10 NÚCLEO Também chamado de Nife. Em seus primeiros momentos de existência, há cerca de 4,5 bilhões de anos, a Terra era formada por materiais líquidos ou pastosos, e devido à ação da gravidade os objetos muito densos foram sendo empurrados para o interior do planeta enquanto que materiais menos densos foram trazidos para a superfície. Como resultado, o núcleo é composto em grande parte por ferro (80%), e de alguma quantidade de níquel e silício. O núcleo é dividido em duas partes: o núcleo sólido, interno e com raio de cerca de km, e o núcleo líquido, que envolve o primeiro. O núcleo sólido é composto, segundo se acredita, primariamente por ferro e um pouco de níquel.

11 TEORIA DA DERIVA CONTINENTAL

12  No recorte das costas do Brasil e da África;  Na semelhança entre a fauna e fósseis de regiões hoje separadas;  Na semelhanças entre as rochas.

13 TEORIA DA TECTÔNICA DE PLACAS Cada placa pode ser constituída exclusivamente por crosta oceânica, como a Placa do Pacífico, ou por crosta oceânica e continental, como a Placa Norte- americana. As placas movimentam-se relativamente umas às outras com velocidades diferentes. Por exemplo, no oceano Atlântico, a Placa Euro-asiática afasta-se da Placa Norte-americana à velocidade média de 2,5 centímetros por ano (ou 25 quilômetros num milhão de anos).

14 TEORIA DA TECTÔNICA DE PLACAS

15 Os movimentos das placas são devidos às “correntes de convecção” que ocorrem na Astenosfera (camada logo abaixo da litosfera): as correntes de convecção são causadas pelo movimento ascendente dos materiais mais quentes do manto (magma) em direção à litosfera, que, ao chegar à base da litosfera, tende a se movimentar lateralmente e perder calor por causa da resistência desta e depois descer novamente dando lugar à mais material aquecido.

16 AS CORRENTES DE CONVECÇÃO NA ASTENOSFERA

17

18

19 CONSEQÜÊNCIAS DOS MOVIMENTOS DAS PLACAS

20

21

22 Tipos de fronteiras entre placas litosféricas Limites convergentes ou destrutivos: onde uma placa é empurrada contra outra e mergulha para o interior da Terra. No caso da colisão ocorrer entre placas continentais forma-se uma cordilheira de montanhas, como é o caso do Himalaia. O Japão e a costa oeste da América do Sul são exemplos de zonas de convergência de placas. Limites conservativos ou transformantes: em que as placas deslizam horizontalmente uma pela outra e não há criação nem consumo de crosta oceânica. As falhas que constituem este limite chamam-se transformantes. O exemplo mais conhecido deste tipo de fronteira é o da Califórnia Limites divergentes ou construtivos: onde as placas se afastam uma da outra e está a ser criada nova crosta oceânica. O exemplo mais conhecido de um limite divergente de placas é a dorsal médio atlântica ou meso oceânica. Existem ainda os limites de placas complexos que são uma mistura dos anteriores.

23 Teoria da deriva dos continentes

24 A fonte de energia representada na figura, considerada uma das mais limpas e sustentáveis do mundo, é extraída do calor gerado: A) pela circulação do magma no subsolo. B) pelas erupções constantes dos vulcões. C) pelo sol que aquece as águas com radição ultravioleta. D) pela queima do carvão e combustíveis fósseis. E) pelos detritos e cinzas vulcânicas.

25 01. a figura I é a que melhor representa o perfil topográfico A– B da figura A, sendo que as habitações encontram-se abaixo do morro e sofrem riscos de desmoronamento. 02. a figura II é a que melhor representa o perfil topográfico A– B. 04. a figura A possui curvas de nível com eqüidistância de 30m. 08. a mata presente nas proximidades do rio da figura II denomina-se mata ciliar e protege o rio do processo de assoreamento. 16. na figura A, as curvas de nível que estão mais próximas indicam que o declive é menor, ou seja, que o terreno é menos íngreme. 32. os algarismos identificados nas curvas de nível da figura A são conhecidos como azimute.

26 Suponha que o universo tenha 15 bilhões de anos de idade e que toda a sua história seja distribuída ao longo de 1 ano — o calendário cósmico —, de modo que cada segundo corresponda a 475 anos reais e, assim, 24 dias do calendário cósmico equivaleriam a cerca de 1 bilhão de anos reais. Suponha, ainda, que o universo comece em 1.º de janeiro a zero hora no calendário cósmico e o tempo presente esteja em 31 de dezembro às 23h 59 min 59,99 s. A escala abaixo traz o período em que ocorreram alguns eventos importantes nesse calendário. Se a arte rupestre representada abaixo fosse inserida na escala, de acordo com o período em que foi produzida, ela deveria ser colocada na posição indicada pela seta de número a)1.b) 2. c) 3. d) 4. e) 5.

27 1. Considerando o esquema ao lado, assinale a opção correta. A) Quando os primeiros hominídeos apareceram na Terra, os répteis já existiam há mais de 500 milhões de anos. B) Quando a espécie Homo sapiens surgiu no planeta, América do Sul e África estavam fisicamente unidas. C) No Pré-Cambriano, surgiram, em meio líquido, os primeiros vestígios de vida no planeta. D) A fragmentação da Pangéia ocasionou o desaparecimento dos dinossauros. E) A Era Mesozóica durou menos que a Cenozóica.


Carregar ppt "INTRODUÇÃO E quantos anos tem a Terra? Entre 4,5 e 5 bilhões de anos. Como sabemos? Através da radioatividade ( C14 )"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google