A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

REDE DE ATENÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DA TUBERCULOSE PCTBAHIA – MAIO/2014.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "REDE DE ATENÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DA TUBERCULOSE PCTBAHIA – MAIO/2014."— Transcrição da apresentação:

1 REDE DE ATENÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DA TUBERCULOSE PCTBAHIA – MAIO/2014

2 INTRODUÇÃO O Programa Nacional de Controle da Tuberculose orienta a reorganização da assistência ao paciente em níveis de atenção:  Atenção básica  Referência Secundária (de abrangência municipal, regional ou estadual)  Referência Terciária

3 Responsabilidades da Atenção Básica A atenção básica é responsável por:  Identificar sintomáticos respiratórios  Diagnosticar e tratar pacientes com tuberculose  Realizar o tratamento diretamente observado  Examinar os contatos  Realizar o tratamento da infecção latente da tuberculose  Acompanhar os casos com eventos adversos menores  Encaminhar os casos com eventos adversos maiores à referência secundária e  Encaminhar os casos de resistência medicamentosa à referência terciária  Realizar o acompanhamento compartilhado com a referência secundária e terciária

4 Responsabilidades da Referência Secundária A referência secundária é responsável por:  Atender e acompanhar os casos:  difícil diagnóstico ou baciloscopia negativa  extrapulmonares e co-morbidades de difícil manejo  baciloscopia positiva a partir do 2º ou 4º mês de tratamento (depende da organização da atenção básica do município).  falência - critério do manual de recomendações: persistência da positividade ao final do tratamento manutenção de baciloscopia fortemente positiva até o 4º mês Negativação e nova positividade por 2 meses a partir do 4º mês  Intolerância/alergia medicamentosa (evento adverso maior) ou hepatoxicidade

5 Responsabilidades da Referência Secundária  Intolerância/alergia medicamentosa (evento adverso maior) ou hepatoxicidade  Realizar e orientar a atenção básica nos casos de tratamento da ILTB de difícil interpretação  Acompanhar os casos de TBDR de forma compartilhada com o HEOM  Realizar TDO (ou orientar a atenção básica) para os casos de TBDR  Notificar no SITETB os casos indicados  Encaminhar para a atenção básica os casos sem complicações

6 Responsabilidades da Referência Terciária A referência terciária é responsável por:  Acompanhar os casos com resistência medicamentosa  Acompanhar de forma compartilhada com a atenção básica e a referência secundária dos casos resistentes a medicamentos  Acompanhar os casos de micobacteriose não tuberculosa Uma referência que atende casos com monorresistência será denominada referência secundária e terciária.

7 Notificação no SITETB O sistema de informação de tratamentos especiais deve estar implantado em todas as unidades secundárias e terciárias. Casos a serem notificados:  Casos de intolerância medicamentosa ao esquema básico, que após reintrodução dos medicamentos, haja necessidade de alteração do esquema básico (ou seja, seja retirado ou acrescentado algum medicamento).  Qualquer caso com tratamento especial  Casos de hepatopatia prévia com indicação de esquema especial  TBDR (monorresistências, polirresistências e multirresistência  Micobactéria não Tuberculosa (apenas o HEOM)

8 Pré-requisitos para Estruturação da Referência Secundária com Implantação do SITETB  Unidades de Saúde de nível ambulatorial com característica de referência para as demais unidades do município;  Unidades de Saúde de nível ambulatorial com característica de referência para os municípios da microrregião/DIRES;  Composição mínima da equipe: médico, enfermeiro e farmacêutico;  Infraestrutura da unidade/município: computador com internet para acesso do médico, enfermeiro e farmacêutico, farmácia climatizada, laboratório realizando baciloscopia.  Realização de cultura para BK pelo método ogawa (pode ser implantada posteriormente)

9 Avaliação do SI-Estrutura PCT Ano de implantação: 2013 Sistema utilizando o google drive Período de avaliação: 2013 Municípios respondentes: 309 (74,1%)

10 N Municípios respondentes309 Unidades básicas de saúde (UBS +USF) com PCT implantado2145 Unidades básicas de saúde com TDO implantado1469* Municípios que realizam Baciloscopia275 Laboratórios que realizam baciloscopia938** Laboratórios enviam lâminas para controle de qualidade159 Laboratórios que realizam cultura para BK290*** Municípios que realizam PT/TT219 Unidades básicas que realizam PT/TT269 Laboratórios que realizam PT/TT250 TDO. Implantado – algumas unidades informaram não ter pacientes no momento do registro no sistema ** Dois laboratórios coletam e enviam para o LACEN ***Três informam que fazem coleta e enviam ao LACEN

11 Unidades de Referência Secundária com SITETB Implantado Referência Estadual  HEOM  IBIT Referência Municipal  Camaçari – 01  Lauro de Freiras – 01  Feira de Santana – 01  Ilhéus - 01  Vitória da Conquista – 01  Jequié – 01  Teixeira de Freitas – 01

12 Unidades de Referência com SITETB em Implantação  Salvador – 02  Paulo Afonso – 01  CEDAP  Eunápolis - 01

13 Referências Terciárias Referência Estadual  HEOM Referência Municipal  Feira de Santana  Ilhéus  Eunápolis


Carregar ppt "REDE DE ATENÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DA TUBERCULOSE PCTBAHIA – MAIO/2014."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google