A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

AULA ESPECIAL UEM Gêneros textuais Prof. Ms. Bruno Guirado.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "AULA ESPECIAL UEM Gêneros textuais Prof. Ms. Bruno Guirado."— Transcrição da apresentação:

1 AULA ESPECIAL UEM Gêneros textuais Prof. Ms. Bruno Guirado

2

3 A Prova de Redação exige do candidato a produção de dois a quatro textos em determinados gêneros textuais. A Prova de Redação é o principal instrumento de avaliação da capacidade de pensar, compreender e de expressar-se por escrito sobre um determinado assunto, além de avaliar o domínio e o conhecimento dos mecanismos da língua culta. A seguir, apresenta-se a lista dos gêneros textuais que poderão ser solicitados para a produção da redação neste Concurso Vestibular.__________________

4

5

6 GRADE ESPECÍFICA Nesta primeira etapa, será avaliado se o aluno/a foi capaz de produzir textos que atendam aos três requisitos expostos na proposta: a)Atender aos PROPÓSITOS (comandos) determinados; b) Conceber perfil do enunciador e de seu INTERLOCUTOR; c) Apresentar claramente as marcas típicas do GÊNERO.

7

8 GRADE HOLÍSTICA Grade Holística: analisa e observa a qualidade do texto em seis níveis: -Muito fraco - - Ótimo A nota holística é uma avaliação integrada do texto entre 0 e 5 pontos.

9

10 Os textos desta Prova de Redação abordam a temática sobre a influência dos pais na escolha profissional dos filhos poder ser positiva ou negativa. Tendo-os como apoio, redija os gêneros textuais solicitados. TEXTO 1 Influência dos pais na hora da escolha Stefanie Archilli Para a coordenadora do curso de Pedagogia do Isca Faculdades, Alessandra Pascotto, os adolescentes precisam de um direcionamento saudável, sem a imposição dos pais. A influência deve ser vista como uma orientação, segundo Alessandra. A pedagoga explicou que o adolescente não tem condição de fazer essa escolha sozinho, por isso precisa da ajuda dos pais, familiares e amigos. “Eles são muito jovens e precisam de um direcionamento. Os pais podem levá- los para fazer um teste vocacional, para conhecer uma pessoa que é formada na área que escolheram e até visitar a faculdade e conversar com os professores”. (...) Tão naturalmente como foi a escolha de Vitória Pinatto, 18 anos, que está estudando para passar no curso de Administração de Empresas. “Meus pais me influenciaram de forma indireta. Minha mãe tem uma loja e meu pai trabalha em uma empresa. Vendo o contato deles com a área de administração, acabei optando por fazer uma faculdade nessa área. Me espelho muito neles”.

11 TEXTO 2 A 1ª escolha profissional do adolescente: quem influencia? Anaí Auada Quem tem um adolescente em casa sabe, sente na pele a pressão e a ansiedade do momento da primeira escolha profissional. (...) Esse momento é inegavelmente tenso. (...) Desafia cada membro da família a pensar alternativas, buscar seus próprios sonhos, tentar resgatar aquele desejo de realizar algo que não foi possível até então. Desde o clássico exemplo de pais sedentos por realizar seus anseios através do filho até o envolvimento de avós, tios, irmãos, primos e amigos de convivência próxima à família. O jovem é visto como um papel em branco, pronto para receber qualquer história, seja para salvar aquele projeto que não teve sua chance no passado como para confirmar as próprias escolhas realizadas, devendo, portanto, ser repetidas. (...) O risco de o jovem ser direcionado é decidir a partir de expectativas de outras pessoas (no caso, os pais), e não de seus próprios anseios. Por consequência, abre-se espaço à frustração, uma vez que as necessidades pessoais (do adolescente) não foram consideradas. (Texto adaptado de. Acesso em 13/9/2012)

12 Na sua opinião, a influência dos pais pode ser positiva ou negativa na escolha profissional dos filhos? Tendo como apoio os textos 1 e 2, responda a essa questão polêmica, produzindo um ARTIGO DE OPINIÃO, com no mínimo 10 e no máximo 15 linhas. Você deverá dar um título ao seu artigo. Para orientar sua produção, considere que seu texto será publicado em um jornal de circulação local, cujos leitores podem ter uma opinião diversa da sua, ou podem não ter ainda uma opinião formada sobre a questão em pauta.

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22 EU ERA UM MORTO Não me lembro do amanhecer do sexto dia. Tenho uma ideia nebulosa de que, durante toda a manhã, fiquei prostrado no fundo da balsa, entre a vida e a morte. Nesses momentos, pensava em minha família e a via tal como me contaram agora que esteve durante os dias do meu desaparecimento. Não fiquei surpreso com a notícia de que tinham me prestado homenagens fúnebres. Naquela sexta manhã de solidão no mar, pensei que tudo isso estava acontecendo. Sabia que haviam comunicado à minha família o meu desaparecimento. Como os aviões não voltaram, sabia que desaparecimento. Como os aviões não voltaram, sabia que tinham desistido da busca e que me haviam declarado morto. Nada disso era errado, até certo ponto. Em todos os momentos, tratei de me defender. Encontrei sempre um meio de me defender. Encontrei sempre um meio de sobreviver, um ponto de apoio, por insignificante que fosse, para continuar esperando. No sexto dia, porém, já que não esperava mais nada. Eu era um morto na balsa.

23 EU ERA UM MORTO Não me lembro do amanhecer do sexto dia. Tenho uma ideia nebulosa de que, durante toda a manhã, fiquei prostrado no fundo da balsa, entre a vida e a morte. Nesses momentos, pensava em minha família e a via tal como me contaram agora que esteve durante os dias do meu desaparecimento. Não fiquei surpreso com a notícia de que tinham me prestado homenagens fúnebres. Naquela sexta manhã de solidão no mar, pensei que tudo isso estava acontecendo. Sabia que haviam comunicado à minha família o meu desaparecimento. Como os aviões não voltaram, sabia que desaparecimento. Como os aviões não voltaram, sabia que tinham desistido da busca e que me haviam declarado morto. Nada disso era errado, até certo ponto. Em todos os momentos, tratei de me defender. Encontrei sempre um meio de me defender. Encontrei sempre um meio de sobreviver, um ponto de apoio, por insignificante que fosse, para continuar esperando. No sexto dia, porém, já que não esperava mais nada. Eu era um morto na balsa.

24

25

26 Resposta ArgumentativaResposta Interpretativa Deve usar preferencialmente elementos externos para comparação Deve usar trechos do texto de apoio para comprovação Apresenta obrigatoriamente o posicionamento do aluno Não apresenta opinião Apresenta argumentosNão apresenta argumentos, mas a análise dos dados oferecidos pelo (s) textos (s) Presença obrigatória de conclusão Não obriga a apresentação de conclusão

27

28 Em seu texto publicado na Folha de São Paulo, Marcelo Gleiser levanta a seguinte questão: Afinal a ciência é uma criação humana ou apenas uma descoberta? Para muitos, cientista é aquele que revela o sentido oculto das coisas pré-existentes, enquanto que o artista cria o que não existia antes. No entanto Gleiser acredita que a ciência é uma criação do homem, assim como a arte o é, apesar de obedecerem a critérios diferentes. Como exemplo ele cita a gravidade, que ao longo da história foi explicada de maneiras distintas por Aristóteles, Newton e Einstein, mas que poderá encontrar novas possibilidades de explicação à medida em que o conhecimento científico avança. Portanto, finaliza Marcelo, a visão científica é uma construção humana em constante transformação, e o que se descobre são novos modos de criar.______________

29

30 Bolo de chocolate Ingredientes: 2 xícaras de farinha de trigo 2 xícaras de açúcar 1 xícara de leite 6 colheres de sopa cheias de chocolate em pó 1 colher de sopa de fermento em pó 6 ovos Modo de Preparo: 1. Bata as claras em neve, acrescente as gemas e o açúcar e bata outra vez; 2. Coloque a farinha, o chocolate em pó, o fermento, o leite e continue a bater; 3. Unte um tabuleiro e coloque para assar por aproximadamente 40 minutos em forno médio 4. Enquanto o bolo assa, faça a cobertura com 2 colheres de chocolate em pó, 1 colher de margarina e meio copo de leite. Leve ao fogo até começar a ferver; 5. Jogue quente sobre o bolo já assado; 6. Depois, é só saborear.


Carregar ppt "AULA ESPECIAL UEM Gêneros textuais Prof. Ms. Bruno Guirado."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google