A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

14/9/2014 21:38 1 MOTIVACIÓN ¿Para qué estoy en este Mundo?

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "14/9/2014 21:38 1 MOTIVACIÓN ¿Para qué estoy en este Mundo?"— Transcrição da apresentação:

1

2 14/9/ :38 1 MOTIVACIÓN ¿Para qué estoy en este Mundo?

3 2

4 ¿Para qué estoy en este mundo? Para buscar más satisfacción - Para obtener mayor placer - Freud Adler de la misma escuela rompe con el pensamiento de Freud Y acrecienta: El hombre vive en este mundo en busca de poder. En busca de mayor equilibrio El casamiento solamente acontece por la búsqueda de poder. Uno quiere controlar el otro. 14/9/ :38 3

5 ¿Para que estoy en este mundo Jung muda totalmente el enfoque El placer y el poder no son lo que forman el para que humano. Si la junción de los opuestos. Esta es la cuestión para el ser humano Sale en busca Lo que no tiene. Crea una imagine de su contrario. El niño sale en busca de su anima… sol La niña en busca de su animús…. Luna La pasión es fruto de las proyecciones del animús o animas sobre otra persona. 14/9/ :38 4

6 ¿Para que estoy en este mundo? El hombre nunca es mal humorados, solamente cuando su anima pierden el equilibrio. El necesita desarrollar su capacidad de acoger, escuchar, ser cortés, gentil, que son elementos de su anima, necesita entonces de la complementariedad. Siguiendo Jung a Maslow, presenta la teoría de la motivación. Las personas son motivadas por sus necesidades básicas: comer, beber, dormir, trabajar y desarrollar experiencias que transcienden. 14/9/ :38 5

7 ¿Para qué estoy en este mundo Una quinta teoría de la motivación: Busca de sentido - Victor Frankl Un psicólogo que comprueba sus teorías de búsqueda de sentido en el campo de concentración de Auschwitz – Birkenau Los que buscaban el suicidio era exactamente por la perdida de sentido. Observo que los jóvenes de dieciocho años se suicidaban mismo teniendo salud perfecta. El grupo que debía morir por primero era lo de 18 – 45 años. Los de 45 – 70 después. 14/9/ :38 6

8 ¿Para qué estoy en este mundo? Frankl cuestiona Freud y Adler cuando afirma que: “Solamente los impotentes sexuales buscan poder por poder”. “solamente los enfermos se preguntan por el sentido de la vida”. No están sentiéndose bien y piden por el sentido de la vida. Siempre en estado depresivo. El muda la pregunta de ¿“Por qué aconteció esto conmigo”? Y Propone otra formulación: “Para qué” Pregunto para la vida ¿qué me va a dar? Frankl invierte: ¿qué podemos dar a la vida? congregaciones No espere lo que los otros te van a dar, si como intervenir, construir, buscar, investigar. 14/9/ :38 7

9 ¿Para qué estoy en este mundo? La enfermedad de nuestro siglo es el vacio existencial Para Freud la razón substituye el alma. Mira la religión como proceso alienante Para Frankl la consciencia es la alma. Mira la religión como oportunidad para religar las personas. Alma un núcleo sano que nunca se queda enfermo. Un núcleo con libertad interior, que puede decir si o no. Unido a la responsabilidad y al compromiso. Los que busca el suicidio no lograran desencobrir su núcleo. La alma es la transcendencia humana siempre sana. 14/9/ :38 8

10 ¿Para qué estoy en este mundo? Frankl es considerado el padre de la psicoterapia o logo terapia en Europa Para evitar los suicidios, no adelanta huir, es necesario acoger lo que tengo en mi interior. Mi miedo es mío, necesito del. Es el un psicólogo judío que trabaja con los valores religiosos Su importancia para hoy es ayudar a desmitificar la idea de búsqueda de la felicidad. Otro mito es la eficacia. Según él lo fundamental es el sentido, el significado. Solamente por medio de la consciencia percibimos este proceso. 14/9/ :38 9

11 ¿Para que estoy en este mundo? Otro mito es lo tener, la pose. Lo importante es el proceso, el camino para… Los sentidos son parte de la razón que nos engañan. El principio de la razón es el “por qué”. Ella explica lo concreto por medio de la analice o sintiese. La razón tiene principios necrológicos Cuando el proceso viene del interior se edifica, cuando es exterior a nosotros desaparece. La alma permite mirar con el corazón de forma más amplia, como un todo. Es nuestro lado místico es nuestra consciencia. El ser humano es dialógico, intuitivo 14/9/ :38 10

12 ¿Para que estoy en este mundo? Los seres humanos actúan a partir de su centro, de forma equilibrada, libre y responsable. Al hondo del inconsciente tienen el consciente espiritual noético, que hace fluir el proceso divino para unir con el proceso de realización. No vemos las personas vemos las posibilidades.. El espacio sano es la presencia de Dios que se construye. La vida es siempre hacer opciones que se determinan por el proceso que usted tubo. ¿qué sentido tiene mi vida? ¿cómo ayudar las personas a poner un sentido en sus vidas? ¿Cuáles son sus motivaciones para la Vida Religiosas? 14/9/ :38 11

13 14/9/ :38 12 Motivación

14 14/9/ :38 13

15 14/9/ :38 14 A logoterapia, também chamada de Terceira Escola Vienense de Psicoterapia, tem como seu tema básico o sentido da vida.

16 14/9/ :38 15 O homem, segundo seus postulados fundamentais, tem inerente um propósito essencial na vida: A procura de um sentido ou um significado de cunho imaterial, de uma meta que signifique a realização de valores na área moral, ética e que o dignifique como ser humano.

17 14/9/ :38 16 Logoterapia A logoterapia não nega a escola psicanalítica ou freudiana, onde o homem procura essencialmente o prazer, a partir de um inconsciente psicobiológico que o impulsiona na direção da realização da chamada “libido”. Não nega também a escola de psicologia individual ou de Adler, onde o homem procura a realização do poder para compensar um “complexo de inferioridade”, igualmente de ordem inconsciente...

18 14/9/ :38 17 Logoterapia… A Logoterapia afirma que o sentido da existência, o real significado da missão única e singular de cada pessoa tem para realizar, tem uma prioridade e dá a verdadeira motivação para viver.

19 14/9/ :38 18 Faltando o sentido da vida, o homem perde seu entusiasmo pela sociedade, pelo amor e pelo trabalho e fica reduzido ao ser “vegetativo”, onde impera o que é chamado de “vazio existencial”, uma situação de não realização de valores em nenhuma área da vida, de esterilidade e de insatisfação vital... uma epidemia em um grande número de paises do mundo civilizado. Logoterapia...

20 14/9/ :38 19 A logoterapia originou-se na cidade de Viena, nas décadas dos anos 20 e 30, quando, o neuropsiquiatra, Viktor Emile Frankl descobriu que as pessoas, especialmente os jovens advindos das ruínas da primeira Guerra Mundial na Europa, estavam terrivelmente traumatizadas pela destruição sofrida e que somente poderiam recuperar-se, psicologicamente, quando se empenhassem na busca de um sentido, apesar dos sofrimentos, da miséria, da incapacidade física, da carência de afeto e de recursos que enfrentavam.

21 14/9/ :38 20 Vitor desliga-se das escolas freudianas e adleriana, respectivamente a primeira e a segunda escolas de psicoterapia de Viena, e procurou recursos no chamado “movimento existencial de psiquiatria” ou escola existencial que já na época, estava em grande progresso na Europa.

22 14/9/ :38 21  Ali Frankl aprendeu a “orientação filosófica” que estuda a “dimensão espiritual ou noética” do homem e observa que a pessoa pode “ek- sistir”, ou seja sair de si e refletir sobre o seu próprio “ser”.  Aí o autor visualizou que o homem não é somente dirigido ou impulsionado por uma dimensão psicobiológica, mas também uma dimensão espiritual, que o leva a buscar o sentido e a realizar seus valores; Logoterapia...

23 14/9/ :38 22 Logoterapia…... valores que estão juntos do mundo e se distribuem essencialmente nas áreas do TRABALHO ou da CRIATIVIDADE, do AMOR ou das VIVENCIAS e do SOFRIMENTO, ou de uma ATITUDE face aos CONDICIONAMENTOS do mundo.

24 14/9/ :38 23 Logoterapia E que essa dimensão espiritual é a mais autentica qualidade do homem; é o verdadeiro conteúdo do seu “ser” e a verdadeira qualidade que o diferencia dos outros seres vivos.

25 14/9/ :38 24 A LOGOTERAPIA NA AMERICA LATINA: Foi em abril de 1984 que o Dr. Viktor Frankl veio ao Brasil, mas especialmente à cidade de Porto Alegre, onde proferiu conferencias no I Encontro Latino-Americano Humanístico Existencial. àA partir desse evento foram organizados a Sociedade Brasileira de Logoterapia (SOBRAL) e várias outras associações de profissionais interessados nessa forma de psicoterapia...

26 14/9/ :38 25 àDesce o início de suas atividades, a SOBRAL vem tendo uma ampla ajuda dos membros da Sociedade Argentina de Logoterapia, estes já com grande experiência na prática e na teoria dessa escola. àHoje o SOBRAL tem vários núcleos distribuídos por vários estados do Brasil, organizando encontros, congressos de nível nacional e internacional e cursos de formação e informação em logoterapia. Logoterapia...

27 14/9/ :38 26 Logoterapia... “Desce o início de suas atividades, a SOBRAL vem tendo uma ampla ajuda dos membros da Sociedade Argentina de Logoterapia, estes já com grande experiência na prática e na teoria dessa escola.”

28 14/9/ :38 27 Hoje o SOBRAL tem vários núcleos distribuídos por vários estados do Brasil, organizando encontros, congressos de nível nacional e internacional e cursos de formação e informação em logoterapia. Logoterapia...

29 14/9/ :38 28 Logoterapia no Brasil... No Brasil, portanto, a obra de Viktor Frankl tem sido, na atualidade, bastante divulgada, surgindo profissionais da área de psicoterapia, da psiquiatria, da psicologia e de outras atividades nas disciplinas humanísticas,(Counseling – Aconselhamento) plenamente capacitados para o exercício da logoterapia e psicologia.

30 14/9/ :38 29 Logoterapia no Brasil... Realmente no continente sul- americano, e sobretudo no Brasil, estamos nessa posição de constante crise de subsistência da imensa maioria da população. E, mais que nunca, necessitados de encontrar uma meta, um caminho que nos possibilite sair desse principio social econômico em que nos encontramos.

31 14/9/ :38 30 Logoterapia no Brasil... Se a busca de sentido e a capacidade de transcendência do homem pudessem substituir essa ânsia superficial e egoística de poder e prazer que os lideres e as pessoas comuns tem face ao contexto neurótico mercantilista e consumista atual da sociedade, então, talvez, alguns problemas essenciais pudessem ser resolvidos.

32 14/9/ :38 31 Logoterapia no Brasil... O esquecimento de si próprio e o trabalho sincero e autentico em prol da humanidade leva à felicidade genuína. Não é egoísmo, a ganância, a ação em benefício próprio, situações que tanto tem corroído o nosso pais e que a tantos conflitos sociais nos tem conduzido.

33 14/9/ :38 32 Evidentemente, a logoterapia não podem em si mesma, dar nenhuma solução a isso. O homem é a verdadeira solução. A logoterapia apenas tenta mostrar essa dimensão, onde o homem “existe” e onde sua real essência se manifesta nos mais nobres valores. Logoterapia no Brasil…

34 14/9/ :38 33 É curioso notar que as doutrinas psicológicas que procuram explicar o comportamento e a personalidade do homem, embora pareçam constituir-se numa verdadeira desordem e em intricados labirintos, por sua extensão, sua complexidade, elas têm, na verdade, uma ordenada e harmônica relação entre si. A TERCEIRA ESCOLA DVIENA: O TOPO DA PIRAMIDE

35 14/9/ :38 34  Uma relação em termos de evolução de conceitos fundamentais; em termos de uma escalada hierárquica que parte de uma “infra-estrutura” em direção a um fim último, um cume ou “topo”.  Essa progressão harmônica não foi planejada. Ela não surgiu de um estudo racional e lógico de um grupo de antropologistas ou cientistas do homem. A Terceira Escola Vienense...

36 14/9/ :38 35 A terceira escola... Ao contrário: ela apareceu naturalmente, originando-se das observações particulares dos homens de ciência, cada um por si, trabalhando independentemente dos outros, constatando e registrando os fenômenos antropológicos, históricos e personalísticos do homem. E esse surgimento “ao natural” demonstra a lógica cientifica e o concatenamento racional e observacional-empírico das doutrinas e escolas na sua abordagem da psicologia humana.

37 14/9/ :38 36 PERCORRENDO O CAMINHO: O nosso caminho de aprendizagem partirá de Sigmund Freud – o construtor das teorias psicanalíticas clássicas, e conhecido como o “Homem da infraestrutura” da personalidade, e chegaremos a Viktor Frankl no topo, na área noética ou espiritual. No intermédio veremos que uma gama de autores e suas escolas correspondente vão assumindo uma posição ascendente numa verdadeira escalada em direção à pessoa, ao eu pessoal.

38 14/9/ :38 37 Percorrendo o Caminho...  A Logoterapia, ao tratar da finalidade última do ser humano, ou seja, o sentido de sua vida segundo seus valores na dimensão espiritual, aborda, sem duvida, uma característica humana que se coloca acima da infra-estrutura psicofísica, isto é, o existecial subjetivos da pessoa espiritual e sua expressão nos valores objetivos da pessoa espiritual colocados no mundo.

39 14/9/ :38 38 Logoterapia...   Realmente, essa dimensão, que é o objetivo fundamental da logoterapia, embora de maneira nenhuma única, não deixa de ser o “topo da pirâmide” de caracteres humanos abordados pelas várias escolas psicoterapeuticas.

40 14/9/ :38 39  Para chegar ao topo, é necessário antes galgar os vários degraus que constituem a personalidade humana: o biológico, o psicológico e a dimensão social. àNão se pode conhecer a dimensão noológica independentemente dos condicionamentos psicofísicos. Logoterapia… o topo da pirâmide...

41 14/9/ :38 40 Logoterapia...  Isso significa que, para uma avaliação psicopatológica e, posteriormente, de conflitos na área noética, a psiquiatria clinica e a psicoterapia tradicional são imprescindíveis.

42 14/9/ :38 41 Somente após uma completa elucidação da problemática na área psicofísica e social, é que poderemos, com tranqüilidade, nos aproximar da dimensão espiritual. Logoterapia…

43 14/9/ :38 42 Vôo de pássaros... Vejamos, num “vôo de pássaro” como se desenvolveu essa escala ascendente na progressão hierárquica das escolas psicológicas em geral.

44 14/9/ :38 43 Se iniciarmos com a época pré- freudiana, veremos que a psiquiatria e a neurologia da época constituíram-se de um verdadeiro caos e de uma miscelânea extremamente cariada e complexa. Logoterapia...

45 14/9/ :38 44 A neuro-psiquiatria procurava encontrar nos neurônios cerebrais toda a explicação do comportamento humano. A psicologia experimental evoluía numa velocidade sem precedentes. Enfim, um grande progresso se realizava nas mais diversas áreas dessas disciplinas, as quais não divergiam, em seus parâmetros, das clinicas médicas clássicas. Logoterapia...

46 14/9/ :38 45 Logoterapia...  No entanto, apesar desse retumbante progresso que se constitui no móvel precursor da psiquiatria e da psicologia moderna a essência da abordagem à problemática do homem por essas teorias e hipóteses era a de uma “psicologia sem alma”. àSem alma porque, apesar dos estudos sem fim sobre a personalidade humana, esta era tratada como uma “coisa” máquina.

47 14/9/ :38 46 Logoterapia... Os pesquisadores não abordavam o homem diretamente; não se comunicavam com ele, mas pensavam, raciocinavam, experimentavam e faziam testes “sobre ele” e não “com ele”. Por isso, essa psicologia pré-freudiana, por mais científica e metodologicamente orientada, por mais racional e realistica, era uma ciência do “homem-máquina”, do homem “sem alma”.

48 14/9/ :38 47 Freud e o espírito... Com Sigmund Freud algo muito importante aconteceu: de uma ou de outra forma ele foi ao homem! Enfrentou sua alma e “psicologizou-a”. Não vem ao caso aqui “qual” foi essa alma e “onde” foi ela psicologizada. Porém, o essencial é que agora se tratava de algo “humano”, de pessoas como o centro de comunicação.

49 14/9/ :38 48 Freud e o espírito... Doravante, portanto, o homem passava a ser real, como tal com defeitos e virtudes; com emoções e sentimentos; com desejos e paixões, boas ou más; com raiva, ódio, amor, etc. Enfim, já tínhamos aqui uma personalidade com alma.

50 14/9/ :38 49 Freud e o espírito... Acontece que essa alma, na teoria freudiana, foi “edificada”, isto é, objetificada num ID freudiano, onipresente e onipotente. Realmente, o ID freudiano é um todo ilimitado no seu poder sobre a personalidade, dando origem ao Ego e ao Superego, sendo estes meras extensões daquela estrutura psicológica.

51 14/9/ :38 50 Freud e o espírito... Isso significa, portanto, que, com a psicanálise propriamente dita, a origem de todos os processos psíquicos foi colocada predominantemente no Id, uma instancia de fundo biológico, onde cargas e descargas de energia psíquica e neuronal obedecem aos processos vitais e comandam, por impulsos e tendências diretivas, todas as respostas da personalidade. Já se vislumbra então uma “alma coisificada”; mas no homem e com o homem.

52 14/9/ :38 51 Adler – a ânsia de poder... Alfred Adler, um dissidente freudiano e criador da segunda Escola Vienense de Psicoterapia, muito contribuiu tamb é m com sua Psicologia individual para a evolu ç ão ascendente do Ego.

53 14/9/ :38 52 Adler – a ânsia de poder... Com Adler o Ego praticamente se independentizou dos mecanismos mnemônicos do passado e dos determinismos dos traumas da infância, assumindo a “ ânsia do poder ”.

54 14/9/ :38 53 Se bem que o fruto de “ complexos de inferioridade ” biol ó gica ou psicossocial, este Ego “ assumiu ” poder para compensar volitivamente esses obst á culos e para vencer a “ luta pela vida ” atrav é s da vontade, do trabalho e do amor criativo. Adler – a ânsia de poder...

55 14/9/ :38 54 Na verdade, A. Adler adicionou algo mais ao Ego criativo e interpessoal e social dos neofreudianos: o poder e o querer. Deu-lhe, portanto, maior “ascendência” na escala hierárquica. Adler – a ânsia de poder...

56 14/9/ :38 55 Esses autores foram observando características da personalidade humana normal ou patológica e formulando assim suas teorias em que os atributos da pessoa real, o eu fenomenológico, foram crescendo em importância fatual e não somente psicológica, em direção a uma sutil e declarada intencionalidade na busca de uma finalidade vital, esta ainda não reconhecida de forma clara e cabal.*** Adler – a ânsia de poder...

57 14/9/ :38 56 OS FUNDAMENTOS DE LOGOTERAPIA (Contextualizando) Do Livro “A PSICOLOGIA DO SENTIDO DA VIDA” – Izar Ap. Xausa 2a. ed. – Ed. Vozes. Logoterapia

58 14/9/ :38 57 Logoterapia “ O homem incondicionado não é nem o Homo sapiens recens condicionado pelo fator vital, nem o animal racional, nem o Zoon politikon condicionado socialmente; o homem incondicionado é o homem como tal, o Homo humanus”.

59 14/9/ :38 58 CONCEITOS GERAIS SOBRE O HOMEM “Na pessoa e obra de Viktor Frankl, a orientação-no-mundo é uma síntese de suas preocupações científicas e reflexão filosófica sobre o fenômeno humano” (Pareja Herrera)

60 14/9/ :38 59 Logoterapia A logoterapia de Viktor Frankl não é apenas a confluência natural do pensamento filosófico-científico do século XX, mas é igualmente a psicoterapia que se apóia numa teoria psicológica da pessoa humana. Aparecia no âmbito da cultura psicológica uma verdadeira lacuna: o homem.

61 14/9/ :38 60 Logoterapia A visão científica de Frankl está inspirada numa visão filosófica e mantém ligação com algumas linhas de pensamento que caracterizaram a filosofia do século XX, desenvolvidas anteriormente de modo especial pelos filósofos Bérgson, Husserl, Maz Sheler, Mounier, Heidegger, Jaspers e Marcel.

62 14/9/ :38 61 As origens mais remotas poderiam se encontrar em Sócrates, Agostinho Pascal e Kierkegaard. Essas linhas foram denominadas de intuísmo e fenomenologia, ontologia do ser humano, personalismo ou antropologia filosófica e existencialismo Logoterapia...

63 14/9/ :38 62 São linhas de pensamento que expressam vários conceitos incluídos na logoterapia de Frankl que, como já vimos, tiveram sua gestação desde o início deste século e foram não só uma inspiração para Frankl, mas receberam dele suma colaboração original. Representam uma busca da identidade e autenticidades humanas frente à existência na história do pensamento filosófico-científico.

64 14/9/ :38 63 A logoterapia de Frankl está colocado no ápice do humanismo psicológico superando as teorias de auto-atualização que expressam um humanismo centrado no indivíduo psicológico, pois sua logoterapia é autotranscendente, baseada em um conceito antropológico da pessoa, valorizando também outros aspectos humanos que mostraremos no decorrer deste trabalho.

65 14/9/ :38 64  Sobre as conceituações já desenvolvidas, Frankl apresenta organicamente, através de sua obra, com a originalidade que lhe que lhe é peculiar, a criação de uma teoria que explique o homem e sua constituição numa forma viva com os enfoques da unidade e totalidade deste mesmo ser. Logoterapia...

66 14/9/ :38 65 Logoterapia… Neste sentido poderemos indicar alguns pontos básicos importantes para melhor compreensão de nosso estudo, onde a integração cultural sobre a compreensão humana se faz presente, justamente com as colaborações criativas no âmbito da psicologia e da psicoterapia de Frankl.

67 14/9/ :38 66 Logoterapia... As linhas básicas desta posição podem ser desenvolvidas a partir de alguns conceitos fundamentais: a) uma visão clara da ontologia constitucional do ser humano, que inclui diversos graus ou camadas: o corporal (físico), o anímico (psíquico) e o espiritual (noético), numa dimensão mais compreensiva do humano;

68 14/9/ :38 67 A LOGOTERAPIA b) a visão da pessoa como um ser único e total, isto é, uma unidade de ser ao mesmo tempo que expressa a totalidade: corpo, psiquismo e espírito. Este último caracterizado como noos.

69 14/9/ :38 68 c) um centro existencial pessoal, ao redor do qual se situam as camadas do físico e do psíquico, que, apesar da facticidade psicofísica, é o “centro espiritual da pessoa existente”; d) uma descrição da consciência e do inconsciente humano que ultrapassam o psicológico, reconhecendo a transcendentalidade da consciência e o espiritual inconsciente; Logoterapia...

70 14/9/ :38 69 Logoterapia... e) o reconhecimento de pessoa como existência espiritual – livre e responsável fundamentado na dimensão noético – em oposição à condicionalidade aparente da factividade psicofísica caracterizado pelo “antagonismo psiconoético” ;

71 14/9/ :38 70 f) a abertura da pessoa para o mundo, manifesta através da autotranscendência, desejo, de ultrapassar-se nesta transcendência, através do relacionamento com os outros e com o tu transcendente. Logoterapia...

72 14/9/ :38 71 Logoterapia... g) uma reação à aceitação incondicional do determinismo impulsivo psicofísico no homem, reconhecendo a impulsividade das regiões inferiores, mas provando que o homem, além de impulsionado pelos instintos, é atraído pelos valores, valendo-lhe o nome de teoria noodinâmica;

73 14/9/ :38 72 Logoterapia... h) a valorização da capacidade intuitiva do homem, manifesta através da consciência como órgão de sentido que aponta para o sentido da vida humana; i) a proporção da importância deste sentido para a vida humana, considerando a vontade de sentido como primária no homem e o motor básico da existência humana;

74 14/9/ :38 73 Logoterapia... j) a reflexão sobre a vida e o sentido desta, no aqui e agora existencial de cada um, onde os conceitos de temporalidade e finitude desta mesma existência, estão unidos ao caráter de missão na vida de cada homem;

75 14/9/ :38 74 Logoterapia... l) o estudo sobre os efeitos da ausência de sentido na vida que é caracterizada pelo vazio existencial. Esta carência de sentido poderá provocar a neurose noogenica, descrita pela primeira vez por Frankl e caracterizada como a doença do nosso século;

76 14/9/ :38 75 m) o reconhecimento no noos de uma instancia superior no homem, que ao mesmo tempo que busca um sentido último da existência, representa também uma espiritualidade que aponta para uma dimensão, extra-humana, supratranscendente que é Deus. Logoterapia...

77 14/9/ :38 76 Estas idéias cientifico-filosóficas contidas na logoterapia de Frankl influíram decisivamente na sua visão terapêutica da logoterapia, que desenvolveremos em outro capítulo. Logoterapia

78 14/9/ :38 77 A LOGOTERAPIA É UMA PSICOONTOLOGIA DIMENSIONAL DO SER HUMANO A Terceira Escola Vienense...

79 14/9/ :38 78 A terceira escola... “Teremos a verdadeira totalidade quando, ademais da unidade psicofísica, aparece um terceiro momento, a espiritualidade: tertium datur”. Afirma Frankl que a ontologia do homem não considera o homem existente, mas o ser-homem em si.

80 14/9/ :38 79 Frankl inspirou-se na antropologia de Max Scheler e na ontologia de Hartmann, que afirmam existir um centro pessoal ao redor do qual se situam as camadas física, orgânica, psíquica e espiritual.

81 14/9/ :38 80  Ele retoma a reflexão sobre as diferenças ontológicas do ser humano descritos por hartmann, quando assinala a presença de três dimensões do ser humano:  1 – a corporal  2 – a mental (psíquica)  3 – a espiritual (noos)

82 14/9/ :38 81 Logoterapia...  Para Hartmann estas dimensões são hierarquicamente estruturadas, sendo que o ápice pertence ao noético.  No sentido da ontologia dimensional, a dimensão superior é uma dimensão mais compreensiva que inclui e abarca a dimensão inferior.

83 14/9/ :38 82  Entretanto, a visão de Hartmann poderá conduzir a um pensamento fragmentário do ser humano. àPor sua vez Max Scheler desenvolve a idéia de que estas dimensões são concêntricas, isto é, situam-se ao redor de um núcleo espiritual. Logoterapia…

84 14/9/ :38 83 Logoterapia...  Frankl aceita a diferenciação destas dimensões ontológicas, consideradas como camadas ao redor de um núcleo central da pessoa e, referindo-se à visão fragmentária do homem, lembra Hegel: “Que é que fizeram do se-homem que o destroçaram pondo-o como uma cerâmica de cacos e rachaduras, de fissuras qualitativas?”

85 14/9/ :38 84 “Pois eu gostaria de definir o homem como unidade apesar da pluralidade, porque há uma unidade antropológica, apesar das diferenças entre as espécies de ser diferenciáveis... Em suma, a existência humana é unitas multiplex”. Logoterapia…

86 14/9/ :38 85 Logoterapia... Aplicando porém a unidade de princípio, observada por Hartmann no mundo, expressa por uma unidade metafísica geral, Frankl conclui pela unidade tridimensional do ser uumano. Frankl pede permissão para esboçar uma imago hominis didine geométrico demonstrata como uma imagem que funcionará analogicamente.

87 14/9/ :38 86 Para Frankl, o cientista deve adotar a ficção de que lida com uma realidade unidimensional, mas deve ser consciente de suas limitações. A totalidade das dimensões humanas só se encontra no noético. A dimensão especificamente humana só pode ser encontrada numa dimensão superior. Logoterapia...

88 14/9/ :38 87 A unificação muito lateralizante, segundo Frankl, leva a erros na concepção do mundo, que são a concepção monista e pluralista. Na concepção monista destacam- se duas linhas: o materialismo e o espiritualismo. Ambas concepções são reducionistas. Aplicando-as ao homem, elas ou explicam o ser humano reduzindo tudo às camadas inferiores ou à camada superior. Logoterapia...

89 14/9/ :38 88 Logoterapia... Nesta linha o biologismo que explica tudo à luz da biologia; o sociologismo que vê só o aspecto social; o psicologismo que se baseia somente em funções da psique: o antropologismo que trata apenas da imanência humana. São correntes unilaterais reducionistas. Frankl eleva sua voz contra todos os unilateralismos reducionistas na visão do mundo, mas sobretudo na visão do ser humano.

90 14/9/ :38 89 Logoterapia... Frankl lembra que os atos psíquicos não são localizáveis, o que há são condições somáticas. Afirma que não há sede da alma e que “menos ainda que o fluxo psíquico, a alma in toto não admite uma localização”. (Frankl 1978)

91 14/9/ :38 90 Logoterapia... Frankl aceita uma ontologia que inclui a dimensão espiritual do homem; considera o corpo, o psiquismo e o espírito e, em decorrência, trata das funções do espírito, da questão da liberdade da pessoa humana e de sua imortalidade. É o que foi chamado de ontologia dimensional.

92 14/9/ :38 91 Logoterapia... O problema corpo-alma é um problema psicofísico, isto é, o psicossomático, que na prática é tratado na psiquiatria e na neuropsiquiatria.

93 14/9/ :38 92 Logoterapia... Entretanto, Frankl distingue do problema corpo-alma o problema alma-espírito, isto é, o psicossomático do noopsíquico, e este é considrado por ele como um problema da psicoterapia, em especial, da logoterapia. Com base nesta formulação, Frankl vê de um lado o homem como o ser condicionado biológico, psicológica ou sociologicamente, mas que também o reconhece para além de toda condicionalidade, como ser incondicionado.

94 14/9/ :38 93 Diz-nos Frankl : “ A ontlogia, contudo, não deixa também de conhecer o homem para alem de sua condicionalidade, ela o conhece na qualidade de incondicionado; afora o homem condicionado, biológico, psicológica, sociologicamente, o homo sapiens recens, o animal racional, o zoon politikon, ela conhece ainda o homem incondicionado – este substantivo ao qual só depois são adicionado todas as condicionalida expressas em todos esses adjetivos – substantivo de que essas condicionalidades precisam como seu presuposto” (Frankl, 1978).

95 14/9/ :38 94 Sobre a incondicionalidade do esp í rito afirmou Frankl : “ O esp í rito nos é revelado juntamente como não completamente condicionado pelo corp ó reo; o que se manifesta não é uma completa condicionalidade, mas uma liberdade residual, a independência relativa, ou se quisermos exprimir com palavras de Nicolai Hartmann, “ autonomia apesar da dependência ” (Frankl 1978).

96 14/9/ :38 95 Logoterapia... Para Frankl, portanto, à condicionalidade fatual do homem se deve contrapor sua incondicionalidade. Neste caso o problema corpo-alma e o problema do livre-arb í treo pertencem ao que Frankl denominou de “ li ç ão metacl í nicas ”.

97 14/9/ :38 96 Max Scheler, por sua vez, havia tratado tamb é m da dimensão do esp í rito humano frente à facticidade f í sica. Da í decorre analogicamente com o paralelismo psicof í sico, o que Frankl chamou de o “ antagonismo noopsiquisco ” ou “ psicono é tico ” (Frankl 1978) Logoterapia...

98 14/9/ :38 97 Para Frankl, a formaulação do antagonismo psiconoético expressa a capacidade espiritual da pessoa em enfrentar os condicionamentos psicofísicos e de afirmar a sua existência livre e responsável. Logoterapia...

99 14/9/ :38 98 O ponto original da colaboração de Frankl está em, aceitando as dimensãoes ontológicas, ultrapassar Hartimann e Scheler, manifestando uma concepção unitária do ser humano. ***

100 14/9/ :38 99 A LOGOTERAPIA É UMA PSICOLOGIA PERSONALISTA QUE AFIRMA O PRIMADO DA PESSOA-HUMANA “A PESSOA ESPIRITUAL DEIXA-SE PERTURBAR MAS NÃO DESTRUIR POR UMA ENFERMIDADE PSICOFÍSICA” (V.F.)

101 14/9/ : O fenômeno humano só pode ser visto cientificamente com o pressuposto de uma antropologia filosófica, de uma totalidade na unidade, que possa abraçar uma dimensão metafísica.

102 14/9/ : A logoterapia fundamenta-se numa concepção antropológica; Frankl concorda que toda a psicoterapia deve basear-se em premissas antropológicas.

103 14/9/ :  Em Frankl a pessoa é vista como:  1 a. O Centro espiritual em torno do qual se agrupa o psicofísico.  2 a. O sustento dos atos espirituais, isto é, aquele de onde procedem os atos espirituais: podendo-se dizer que a pessoa humana é espiritual;

104 14/9/ :  De onde também se conclui a existência do psicofísico:  “A relação entre a pessoa espiritual e o organismo somático é instrumental.  O espírito intrumenta o psicofísico – ele o forma para si na medida em que o faz utensílio, órgão, instumentum.

105 14/9/ :  A pessoa espiritual comporta-se em relação ao seu organismo de modo análogo ao músico em relação ao seu instrumento” (Frankl, 1978). àAfirma Pareja Herrera que, a nível lingüístico, podemos dizer: à“Eu-sou-pessoa, e não, eu-tenho- minha-pessoa. Eu-sou-eu, e não, eu- tenho-meu-eu” (1984).

106 14/9/ :  Só a totalidade do ser humano, na tríplice e inseparável dimensionalidade, é que reflete o autêntico e essencial da pessoa. A visão do indivíduo e a consideração do psicofísico não abarcam a totalidade da pessoa.

107 14/9/ : àFrankl aplica esta visão no dinamismo psicológico, criticando-o: à“Ademais poderei ter um id, somente no sentido da facticidade psicofísica” (Frankl) àSua intenção é contrapor à caricatura do homem, proposta pela psicologia profunda, uma verdadeira idéia do homem.

108 14/9/ : Critica, igualmente, esta visão aplicada à psicoterapia como no caso de muitos psicólogos, mas sobretudo na formulação de Jung, que considera a psicoterapia como o desenrolar de um “processo de individuação”. Diz que, mencionando o indivíduo, estamos tratando de uma entidade biopsicológica. Afirma que a psicoterapia tem por objeto a pessoa espiritual in totum singular e original.

109 14/9/ : Lembra Paul Tournier, que tem uma obra muito apropriadamente chamada Medicine de la Persona” (Frankl 1978). Neste caso, para toda pessoa que se enferma, em casos incuráveis, emesmo nas deficiências mentais de origem congênita ou nas psicoses, pode-se dizer: a pessoa tem uma doença, não: é doente.

110 14/9/ : No plano da aplicabilidade à medicina caímos na impossibilidade da prática do aborto e da eutanásia; no plano da psiquiatria chegamos ao conhecimento da dignidade da pessoa espiritual do psicótico, que sofre de uma reorganização psicofísica; na psicoterapia pela busca do homem, isto é, da autentica pessoa situada atrás da facticidade psicofísica.

111 14/9/ : “A pessoa espiritual permanece integra, mesmo na psicose; o espírito pessoal não é afetado pela doença do espírito embora a pessoa esteja escondida e disfarçada pelos acontecimentos mórbidos do primeiro plano – ela se encontra, num plano recuado, agora como antes, se bem que impotente e invisível: Logoterapia

112 14/9/ : Logoterapia impotente para o uso adequado de seu instrumento, o organismo psicofísico, invisível até chegar o instante em que, qual um raio, o espírito irrompe através das camadas psicofísicas que o isolam de nós” (Frankl 1978).

113 14/9/ : A decorrência desta concepção é o conflito entre a consideração da utilidade do homem em contraposição à sua dignidade.

114 14/9/ : Logoterapia A antropologia de Max Scheler manifesta a necessidade de sobrepujar-se aos instintos em busca do espiritual enquanto considera a pessoa como ser total. Ao afirmar o primado da pessoa, Frankl apresenta-se com uma teoria personalista em psicologia ou uma antropologia psicológica. Max Scheler fez acontecer na filosofia deste século o que Frankl efetivou na psicologia: o retorno do homem.***

115 14/9/ : Logoterapia A LOGOTERAPIA É UMA PSICOLOGIA COMPROMETIDA COM A COMUNIDADE HUMANA “O sentido da existência pessoal, enquanto pessoal, o sentido da pessoa enquanto personalidade, está numa referencia que lhe ultrapassa os limites, apontando para uma comunidade”.

116 14/9/ : Para Max Scheler, o homem é um “ser posto no cosmo” e Frankl não o vê somente assim, mas como aquele que cria o mundo e determina o que ele é. Afirma que o homem só alcança a felicidade quando olha não para dentro de si, buscando meta imanentes para o prazer ou metas externas com um fim que retorna para si mesmo, mas sim quando se autotranscende. Logoterapia...

117 14/9/ : Apresenta a pessoa dirigida para alguém, isto é, para o outro, para o ser amado, a comunidade dos homens e para o Deus pessoal. Donde se conclui que: “A pessoa é um ser dialogal que está, basicamente, aberto ao encontro interpessoal e intrapessoal”.

118 14/9/ : No Plano interpessoal Frankl considera o amor um fenômeno especificamente humano e protesta contra o reducionismo do amor a um fenômeno subumano. O amor caracteriza-se pelo encontro, que é sempre uma relação de pessoas para pessoa, onde dois seres humanos se põem em condiçãoes de descobrir o outro.

119 14/9/ :  Nesta descoberta se encontra o caráter único e irrepetível de cada pessoa. O amor inclui a contemplação amorosa e a vivência amorosa.  “O amor pressupõe uma referencia a um tu, uma referencia que tanto a psicanálise quanto a psicologia individual relegam ao plano secundário, enquanto privilegiam duas outras possíveis referencias: o id e o ele” (Frankl 1978) Logoterapia...

120 14/9/ : Logoterapia… Estas psicologias, segundo Frankl, querem reduzir a relação eu-tu de duas pessoas a uma relação do id, cuja finalidade não é amar alguém, mas uma parte de si mesmo. “A psicologia psicologista profunda, pelo contrário, renuncia à existência pessoal do amor, voltando-se exclusivamente para sua facticidade vital ou social.

121 14/9/ : Logoterapia... Eis o que resta do amor nas mãos das psicologias abismais psicologistas: de um lado, mera sexualidade, a impulsividade sexual do homem; de outro, mera sociedade, o vínculo social que prende os homens” (Frankl, 1978)

122 14/9/ : A LOGOTERAPIA Frankl afirma que somente um ego dirigido, não só para o id, mas para o tu da pessoa que ama, é capaz de integrar este id. Assim teremos a integração da sexualidade na pessoa como um todo e a humanização do sexo.

123 14/9/ : A logoterapia não fica somente na relação interpessoal eu-tu comum a outras análises existenciais. Ela proporciona-se ultrapassar o eu-tu em busca do nós. Estabelece-se portanto, não uma relação interpessoal, mas intrapessoal. Logoterapia...

124 14/9/ : Logoterapia No plano da comunidade humana. O pensamento de Frankl coincide com o de Mounier, que mantém abertas para o outro as perspectivas da pessoa, e investe contra o individualismo: “Quase poderia dizer que só existo na medida em que existo para os outros, em ultima instancia ser é amar” (Mounier, 1962)

125 14/9/ : Frankl distingue a sociedade da comunidade. Para ele a comunidade se baseia no nós, isto é, na relação entre o eu e o tu; a sociedade, entretanto, se baseia no ele. O sentido da individualidade, segundo Frankl, só se atinge plenamente na comunidade. Logoterapia...

126 14/9/ : Logoterapia... “De que estamos nós precisando para nascer para a vida? Precisamos de nos dar. Sentimos, obscuramente, que o homem não pode se comunicar com o homem senão através da mesma linguagem...

127 14/9/ : Logoterapia... “No mundo tornado um deserto nós tínhamos sede de encontrar camaradas: o gosto do pão partido entre camaradas fez-nos aceitar os valores da guerra. Mas não precisamos da guerra para encontrar o calor do ombro do próximo se corremos para o mesmo objetivo” (Exupéry, 1983).

128 14/9/ : Logoterapia... Este herói francês, vitimado pela mesma guerra que fez de Frankl o psicólogo-mártir, deu a ambos, dentro da avalanche agressiva do totalitarismo de Hitler, uma experiência dolorosa transformada em vivencia da comunidade. Sobre ela relatava Frankl :

129 14/9/ : Logoterapia... “Os que estivemos nos campos de concentração, recordamos os homens que iam de barracão em barracão, consolando os demais, dando o último pedaço de pão que lhes restava” (Frankl, 1982)

130 14/9/ : A Psicopatologia da nossa época. A sociedade precisa de personalidades singulares. Para Frankl, o homem pode ser imbuído dos três principais homunculismos, que são o biologismo, o psicologismo e o sociologismo. Logoterapia...

131 14/9/ : No último caso, aceita ser produto do meio ambiente, da terra, da situação socioeconômica e política. O sociologismo é a afirmação de um determinismo social, imposto por noções sociológicas de produtividade. Logoterapia

132 14/9/ : A nossa época, segundo a avaliação de Frankl, padece de uma patologia específica, o coletivismo. Examinando essa patologia, ele enumera quatro características: 1. – a atitude provisória diante da vida; 2. – a orientação fatalista perante a vida; 3. – o pensamento coletivista; 4. – o fanatismo social.

133 14/9/ : A primeira é caracterizada pela vivencia de falta de futuro, que foi experimentada, agudamente, pelo próprio Frankl, quando prisioneiro. Na segunda, o homem, sujeito aos totalitarismos mais diversos, oriundos dos poderes militares e políticos, aceita o princípio autoritário, por fuga e medo da responsabilidade pessoal, abandonando a liberdade.

134 14/9/ : A terceira, que é o pensamento coletivista caricaturado, é uma opinião social que possui adeptos e não um grupo de pessoas que possui adeptos e não um grupo de pessoas que tem opiniões.

135 14/9/ :  É manifestado por todos os slogans diminutivos com que taxam os homens de judeus, nazistas, burgueses, alienados, comprometidos etc., que contribuem não apenas para a manifestação do homem, mas para a sua despersonalização

136 14/9/ :  A quarta atitude constitui o fanatismo que nega a personalidade do outro.  O fanatismo é uma atitude que explica a idolatria não só política, mas de todo o tipo que acontece no meio social. Parece que a humanidade tem oscilado nas patologias sociais deste século.

137 14/9/ :  Assim, como a análise existencial trata de iluminar o caso clinico com a imagem do homem, “trata também de iluminar a humanidade inviolada e inviolável que subsiste atrás do fenômeno psicótico”. Logoterapia…

138 14/9/ : Logoterapia...  Mas vai além; enquanto apela para a humanidade, apela igualmente para a sua dignidade espiritual” (Fizzotti, 1977). àSó assim o homem velho dará lugar ao homem novo cuja gestação se fará também, como propõe Maritain, na plenitude do tempo”. (J. Maritain, 1945).***

139 14/9/ : A LOGOTERAPIA É UMA PSOCOLOGIA COMPROMETIDA COM A VIDA E O DEVIR HUMANO “Seja como for, o romance vivido por um homem é sempre uma realização criadora incomparavelmente maior do que o que alguém porventura tenha escrito” (Viktor E. Frankl) Logoterapia…

140 14/9/ : O Sentido da vida e o Compromisso Existencial O sentido da vida é um problema caracteristicamente humano e uma indagação que todo o homem faz a si mesmo. Para assumir um compromisso com a vida é preciso descobrir-lhe o sentido. O sentido assume, portanto, uma importância vital. Daí a ênfase central posta por Frankl a esta necessidade que todo o homem possui em responder a esta pergunta de sentido.

141 14/9/ : Em sua própria existência inquiriu, mais explicitamente, sobre o sentido quando de posse apenas da sua existência desnuda, como prisioneiro , viveu a trágica situação limite do campo de concentração. Logoterapia...

142 14/9/ : Ele afirma que o sexo, nestas condições existenciais, não desempenhou o papel que lhe dá Freud; que a maioria dos condicionamentos humanos foram superados e que a vontade de poder de Adler não foi mola mestra do comportamento humano. Logoterapia...

143 14/9/ : Logoterapia... “Quem tem algo por que viver é capaz de suportar qualquer como”, na afirmação de Nietzche, que o nosso psicólogo lembra, aplicando aos prisioneiros do campo de concentração. Dizia Frankl que o prisioneiro que perdia a fé no futuro estava condenado a definhar, confirmando a estreita relação existente entre o ânimo de uma pessoa e seu valor e suas esperanças.

144 14/9/ : Logoterapia... De forma instintiva, sua sobrevivência e a de seus companheiros que resistiram devia-se portanto, ao sentido que lhes dava capacidade de transcender àquelas grades, através do sofrimento, numa atitude intencional e livremente aceita rumo a um valor mais alto. Ele encontrou sentido para realizar naquela espécie de vida subumana e percebeu que todo aquele que também o encontrava adquiria forças para sobreviver ao infortúnio.

145 14/9/ : Logoterapia... Assim a resposta ao sentido da vida é mobilizadora de forças vitais, e em contrapartida a problemática do sentido, isto é, a ausência de sentido na vida, ou o vazio existencial é capaz de causar enfermidade. A posição de Frankl, neste aspecto, é radicalmente oposta à de Freud.

146 14/9/ : Freud escreveu: “Se se pergunta pelo sentido e o valor da vida, é porque se está doente” (Freud apud Frankl, 1973). Não há nada de patológico em questionar sobre o sentido da vida; também não é patológica a necessidade do homem de lutar por um conteúdo de vida. Pelo contrário, o empenho em realizar um sentido na vida é algo primário no homem.

147 14/9/ : Logoterapia... Frankl nos diz: “Contudo, na vida não se trata de uma atribuição de sentido, senão um achado de sentido, o que faz, não dar um sentido mas encontra-lo: encontrar, diremos, e não inventar, já que o sentido da vida não pode ser inventado, antes tem que ser descoberto” (Frankl 1973)

148 14/9/ : Esta indagação sobre o sentido se faz mais agudamente em algumas épocas ou momentos de crise e se propõe mais em algumas fases etárias do homem. Assim, nos jovens cuja realização pessoal se descortina, a pergunta pelo sentido da vida é mais aguda. O que é para educadores e psicoterapeutas tentar compreender o jovem desta nova geração, sem tradições, quase imersa num naufrágio existencial?

149 14/9/ : Ver atr á s do barulho um grito de socorro, atr á s da revolu ç ão a busca de sua identifica ç ão, atr á s dos slogans a busca da verdade, atr á s da insensatez da vida a busca do sentido da existência.

150 14/9/ : Logoterapia... Com rela ç ão à adi ç ão, cita Frankl que os logoterapeutas não tem sido os ú nicos a fazer pesquisas estat í sticas. Um psiquiatra de Manhattan comprovou que 100% dos jovens que se entregavam à s drogas não tinham encontrado o sentido da vida.

151 14/9/ : Algumas pesquisas, certificaram-se que a grande percentagem das tentativas de suic í dio de jovens estudantes americanos indicava uma falta de sentido em suas vidas. O suic í dio pode ser resultante de motivos diferentes que originaram a sensa ç ão de falta de sentido. A agressividade, tamb é m, poder á ser um sintoma indicador desta mesma carência. Logoterapia...

152 14/9/ : Frankl relata uma experiência realizada pela socióloga americana Sherif em que num acampamento de escoteiros foi suscitada uma briga interna, por psicólogos jovens, não identificados, para estudar o comportamento agressivo. Logoterapia...

153 14/9/ : Na ocasião do experimento em que os ânimos já estavam acirrados, caiu um grande temporal que mobilizou todos os escoteiros em torno do objetivo de tirar uma carroça do atoleiro. A agressividade cedeu, diante de um objetivo comum. Frankl chama atenção para a importância deste fato na prevenção da guerra e na promoção da paz, concluindo que a humanidade deve ter um objetivo comum.

154 14/9/ : O logos, a vontade de sentido e a existência. Afirmam alguns autores que os “sentidos e os princ´pipios não são outra coisa que mecanismos de defesa, formações e sublimações de reações” ao que Frankl responde: Logoterapia...

155 14/9/ : “Pelo que a mim toca, eu não quero viver simplesmente pela maioria de meus mecanismos de defesa nem estaria disposto a morrer por minhas formações reativas. O homem, não obstante, é capaz de viver e inclusive de morrer pelos seus ideais e princípios” (Frankl 1953) Logoterapia...

156 14/9/ : A BUSCA DO SENTIDO Segundo ele, a busca do sentido da vida constitui uma força primária e não uma racionalização secundária de seus impulsos instintivos. A logoterapia é um sistema que está baseado em três pilares, como um templo grego:

157 14/9/ : O Primeiro é a liberdade da escolha, o segundo é a vontade de sentido e o terceiro é o sentido da vida. Para a logoterapia, a busca de sentido na vida é a principal força motivadora no ser humano.

158 14/9/ : Logoterapia  Há de fato uma orientação do homem para algo que o transcende, seja um sentido a realizar, seja uma pessoa a encontrar. Sua natureza, de uma maneira ou de outra, o leva a se ultrapassar.

159 14/9/ : Logoterapia...  Frankl aborda a questão fundamental do ponto de vista antropológico: a autotranscendência da existência humana. O ser humano busca, acima de si próprio, algo que não é ele mesmo, um sentido a cumprir ou um outro ser para além de si mesmo.

160 14/9/ : O que se dá por três caminhos. àEm primeiro lugar, descobre-se um sentido no que faz ou crê. àVê também um sentido em viver algo ou amar alguém. àEnfim, às vezes, o descobre inclusive nas situações desesperadas com as quais se enfrenta desvalidamente. O que importa é a atitude que permite ao homem dar o testemunho do qual só o homem é capaz.

161 14/9/ : Logoterapia... àSobre esta capacidade relembramos o episódio de Guillamet, descrito por Saint- Exupéry em Terra dos Homens, que tendo caído com, seu avião na imensidão dos Andes, atolado e semipetrificado, exaurido de suas forças e quase de sua razão, contornava os obstáculos, sem nunca permitir-se o repouso.

162 14/9/ : Resistindo à tentação de parar de lutar pela própria sobrevivência, pensava: “Minha mulher... se ela crê que estou vivo, ela crê que estou andando. Os companheiros crêem que estou andando. Serei um covarde se não continuar andando”. (Exupéry 1956) “O que eu fiz, palavra que nenhum bicho, só um homem era capaz de fazer...”

163 14/9/ : Guillaumet na frieza dos Andes e Frankl na frieza do calabouço, ambos nas últimas resistências de um ser humano, provaram o valor do sentido para a existência humana.

164 14/9/ : Frankl, indo ao âmago da questão, afirma: “A transcendência de si mesmo constitui, assim, a essência da existência humana. Para ele o essencial não é a duração da vida, e sim a plenitude de sentido.”

165 14/9/ : Para Frankl, o que realmente impulsiona impulsiona o homem não é a vontade de poder, nem a vontade de prazer, mas sim a vontade de sentido, que é a razão para ser feliz. O homem não é para ele impelido pelo impulso, mas puxado pelos valores. Logoterapia...

166 14/9/ : O sentido, como a logoterapia o entende, é algo bem simples, é uma potencialidade latente em cada situação e que deve ser descoberto. A vontade de sentido tem sido contraposta à vontade de prazer. Frankl discorda daqueles que afirmam que o homem é impulsionado para a luta ou impulsionado para obter equilíbrio com o objetivo de gratificar seus impulsos. Logoterapia...

167 14/9/ : Logoterapia... A autotranscendência exige a complementação de um sentido. Na verdade, o homem não deve perguntar pelo sentido da existência, mas sentir- se interrogado pela própria existência. A vida lhe faz uma pergunta e ao responde-la tornar-se-á ser responsável.

168 14/9/ : Logoterapia... O logos ou o Sentido não é só algo que nasce na própria existência sim algo que se faz frente à existência. A Logoterapia... “não poupa ao paciente uma confrontação com o sentido específico que ele tem que por em pratica e que devemos ajuda-lo a encontrar”.

169 14/9/ : Logoterapia  Como descobrir o logos? “Se o homem em meio a todo este torvelinho de estímulos quer sobreviver e resistir aos meios de comunicação de massas, deve saber o que é e o que não é importante, o que é ou não fundamental, em uma palavra, o que tem sentido e o que não tem”. (Frankl, 1979)

170 14/9/ : Logoterapia... O vazio existencial e a “doença do século XX” Segundo Frankl, “o sentimento de perda de sentido se apodera cada vez mais do homem de hoje e está presente no fundo de uma neurose experimental ou de uma neurose coletiva. Para Frankl, o homem atual não sofre de um enfraquecimento dos instintos, mas de uma perda de tradição.”***

171 14/9/ : A LOGOTERAPIA É UMA PSICOLOGIA LIBERTADORA E DO SER RESPONSÃVEL “ Ao homem pode se arrebatar tudo, salvo uma coisa: a última das liberdades humanas – a eleição da atitude pessoal ante um conjunto de circunstancias – para decidir seu próprio caminho”. (Frankl )

172 14/9/ : Frankl é o defensor incontestável da dignidade do homem e de sua liberdade. Ele não foi um mero produto da estrutura do campo: sem a liberdade social soube acionar a liberdade espiritual para contemplar a beleza da natureza, trazer em elevo para junto de si a pessoa amada, prestar apoio e servir aos seus companheiros necessitados e elencar seu espírito ante a face de Deus. Logoterapia

173 14/9/ : Logoterapia A experiência em um campo de concentração, diz Frankl, demonstram que o homem tem capacidade de eleição... O homem pode conservar um vestígio de liberdade espiritual, de independência mental, inclusive nas terríveis circunstancias de tensão psíquica e física. (1982).

174 14/9/ : No campo, alguns se tornavam “porcos” cometendo indignidades ou traindo seus companheiros, enquanto outros se tornavam “santos”, repartindo os pedaços de pão que lhes restavam.

175 14/9/ : Logoterapia O homem incondicionado não é nem o Homo Sapiens recens condicionado pelo fator vital, nem o animal racional, nem o zoon politikon condicionado socialmente; o homem incondicionado é o homem como tal, o Homo Humanus” (Frankl, 1978)

176 14/9/ : Logoterapia O Espírito nos é revelado, justamente, como não completamente condicionado pelo corpóreo; o que se manifesta não é a sua completa condicionalidade, mas uma liberdade residual, a independência relativa; uma ‘autonomia apesar da dependência’. ” (Frankl, 1978)

177 14/9/ : O ser humano é, para Frankl, livre e responsável. A liberdade e a responsabilidade, juntamente com a espiritualidade fazem parte da dimensão noética do homem. O homem não é só um ser que pergunta, mas que responde, e esta resposta tem que ver com a vida e a atitude perante ela. Logoterapia...

178 14/9/ : PAREJA HERRERA (1984) Afirma que: “ Se analisarmos o termo responder e especificamente a responsabilidade, veremos que se trata de uma capacidade e de uma atitude. A responsabilidade é a habilidade de responder (Respons-habilitas).”

179 14/9/ : E lança algumas perguntas: - De que é responsável o ser humano? - Até que e ante quem o ser humano é responsável? - Onde encontra o ser humano este lugar para responder?

180 14/9/ :  Na Primeira: Indica a responsabilidade fundamental do homem na vida – o caráter de missão que esta tem. Uma tarefa exclusivamente humana e intransferível.  Na Segunda: o homem é responsável ante- si-mesmo, ante-os-demais e ante-Deus. É um compromisso de humanização, solidariedade com os demais seres humanos e com a plenitude de sua vida. Logoterapia...

181 14/9/ : Logoterapia… A Terceira: A consciência como guia da liberdade. A liberdade está implícita nas decisões, enquanto a responsabilidade nas respostas. Na primeira faz-se o visível a existencialidade e na segunda a transcendência.***

182 14/9/ : Logoterapia... A LOGOTERAPIA UMA PSICOLOGIA DO CALOR, DA DOR E DA ESPERANÇA “ Ao homo sapiens contrapomos o Homo patiens: pretendemos substituir o imperativo sapere aude por pati aude – atrave-te a sofrer” (Frankl )

183 14/9/ : A LOGOTERAPIA Para a logoterapia, não se pode falar apenas de um sentido universal da vida, mas também de múltiplos sentidos para serem realizados em cada situação concreta.

184 14/9/ : “Um homem está disposto a viver por um sentido e por um valor, e mais, está disposto a expor sua vida por eles” (Frankl 1979) A consciência tem, portanto, a capacidade de intuir o valor e de captar o significado da situação presente, na singularidade que lhe é própria. Logoterapia...

185 14/9/ : Logoterapia... Fizzotti afirma que: “Os valores se devem descobrir pessoalmente e não ser impostos por uma autoridade, moral ou física. Os valores não se podem ensinar, se devem viver porque só na encarnação pessoal dos valores se poderá testemunhar seu efetivo valor” (Fizzotti 1977).

186 14/9/ : O CAMINHO DO VALOR: Para Frankl, fenomenologicamente, o homem pode descobrir o sentido da vida através de três caminhos fundamentais: Logoterapia...

187 14/9/ : Logoterapia... Quando experimenta que é capaz de dar algo ao mundo, realiza valores de criação; incluem todas as nossas criações intelectuais, artísticas, de trabalho e realização profissional, que manifestam necessidades humanas fundamentais.

188 14/9/ : Logoterapia... - Quando descobre que além de dar pode receber algo, vive valores de experiência; são os valores que se manifestam na gratuidade dos atos de receber – a contemplação, as experiências místicas e as comunicadas no amor humano.

189 14/9/ : Logoterapia... - Quando é forçado pelas circunstancias as limitações de ordem biológica, psicológica ou sociológica e está impossibilitado de realizar os valores acima, resta-lhe assumir uma atitude frente à situação. Neste caso temos os valores de atitude; que são aqueles que surgem quando fatos irreparáveis e irreversíveis acontecem acima da capacidade humana de supera-los – a dor, a culpa e a morte.

190 14/9/ : Logoterapia... Frankl considera privilégio específico do homem saber sofrer, assumir a culpa e considerar a transitoriedade e a finitude da vida.***

191 14/9/ : O SENTIDO DO SOFRIMENTO A vida envolve sofrimento, e se a vida é significativa, deve também haver significado no sofrimento. Ele pertence à existência humana como um elemento que, em si mesmo, não é algo mórbido, patológico ou neurótico. Logoterapia...

192 14/9/ : É possível fazer do sofrimento o objeto de uma intenção, mas para isso, temos de, previamente, transcende-lo. O escapista foge do sofrimento necessário, o masoquista visa o sofrimento desnecessário; o sofrimento dotado de sentido é, pura e simplesmente, sacrifício. Logoterapia

193 14/9/ : Paul Tillich escreveu sobre a coragem de ser e nós podemos afirmar que Frankl não só escreveu mas teve a coragem de sofrer. No sofrimento, diz ele, o Homo patiens é interrogado e terá que responder: “Terá que sair vitorioso da prova, realizar o sofrimento” (Frankl, 1978). Logoterapia

194 14/9/ : Logoterapia Entretanto o sentido último do sofrimento só poderá ser dado sob o prisma da fé e do amor. Frankl não fala só no homem que sofre, mas também no homem que consola, no próximo que tem compaixão e compartilha do sofrimento do outro.

195 14/9/ : “CONFORTAR TEM LIMITES: ONDE TODAS AS PALAVRAS SERIAM POUCAS, CADA PALAVRA É DEMAIS” (Frankl, 1978)***

196 14/9/ : Logoterapia... O CAMINHO DA ESPERANÇA  Falar no sofrimento e na dor sem falar na esperança é deixar incompleta a obra de Frankl.  No campo de concentração, apesar do sofrimento, alguns tinham esperança. A um, esperava uma obra inconclusa, a outro um ser humano.

197 14/9/ : Logoterapia... A esperança estava vinculada a um sentido que ultrapassava a prisão, não só à obra e ao ser amado, como também à solução da guerra e ao encontro com Deus.

198 14/9/ : “O prisioneiro que perdia a fé no futuro – em seu futuro – estava condenado. Com a perda da fé no futuro, perdia, também, seu sustento espiritual; abandonava-se e decaia e se convertia no sujeito do aniquilamento físico e mental” (Frankl, 1982) Logoterapia…

199 14/9/ : Logoterapia...  Frankl (O psicólogo da Esperança) coincide com Marcel (O metafísico da Esperança) que declara: à“Em suma, a experiência parece estabelecer que a esperança é capaz de sobreviver a uma ruína quase total do organismo...

200 14/9/ : De qualquer modo, é necessário fixar como princípio que a idéia de uma metafísica da esperança é absurda e, talvez, se poderia sustentar legitimamente que a esperança coincide com o princípio espiritual mesmo.... Por isso, há que cuidar de crer que se poderia dar conta dela a partir de predisposições psicológicas que serão sempre imaginadas a posteriores, para explicar algo que em si é um mistério”. (Marcel, 1954) Logoterapia…

201 14/9/ : Logoterapia... “Eu não gosto de Freud, porque ele nos prende irremediavelmente ao passado. Concordo com Frankl, pois ele é o psicólogo da esperança” (Mário Quintana)***.

202 14/9/ : A LOGOTERAPIA E A RE- HUMANIZAÇÃO DA PSICOTERAPIA

203 14/9/ : “Sou um psiquiatra para servir o que há de humano no enfermo e o que há de espiritual no homem. Do contrário não desejaria ser psiquiatra” (V. Frankl) Logoterapia

204 14/9/ : Logoterapia “Toda psicoterapia, como prática terapeutica, deverá se basear em pressupostos teóricos que contem implicito um conceito básico do ser humano revelado em cada momento na atitude do terapeuta e nas relações do terapeuta com seu paciente ”.

205 14/9/ : O trabalho de Frankl não só veio preencher uma lacuna no pensamento psicológico contemporaneo como constituiu-se em um verdadeiro acontecimento que propiciou o retorno ao homem.

206 14/9/ : Logoterapia Posturas Logoterapeuticas: 1. A aplicação do metodo denomenológico se constitui numa verdadeira autodescoberta pessoal do homem que está em cada paciente e que não se prende à estrutura abismal, objeto da psicoterapia tradicional, mas vai alem desta e para cima.

207 14/9/ : Logoterapia 2. A relação terapeutica na logoterapia tem o carater de um encontro existencial. Não é mero diálogo subjetivo, nem monólogo intra- subjetivo: Em logoterapia, diz Frankl, o paciente permanece sentado, bem direito, mas tem que ouvir coisas que, as vezes, são muito desagradáveis de escutar.

208 14/9/ : Frankl refere-se à entrevista de acareação, como um jogo limpo que foge da relação manipulada. O jogo limpo deverá também estar presente na possível confrontação da concepção do mundo e na atitude valoratica do paciente e do terapeuta, sem que este interfira na liberdade daquele. Logoterapia...

209 14/9/ : A descoberta do sentido, logos, é aldo especificamente humano. O importante é descobrir o sentido oculto em cada situação da vida, o próprio sentido da vida e o sentido último da existencia. Numa visão prospectiva, essa descoberta poderá ser mais fácil.

210 14/9/ : A questão do sentido foi sempre formulada pela filosofia e aparece, sobejamente, na literatura. A colaboração caracteristica da logoterapia é a inclusão do sentido na psicologia humana e na psicoterapia.

211 14/9/ :  Frankl afirma que o sentido é algo apetecível e que a falta dele produz uma vivência de vazio interior – o vazio esistencial muito conhecido dos psicoterapeutas.  A logoterapia não é uma psicoterapia que recomende o relaxamento a qualquer preço.  Frankl recomenda uma certa dose de tensão que é experimentada ante o sentido da vida e o desempenho que este exige do sujeito. Logoterapia...

212 14/9/ : Logoterapia… 4. A logoterapia propugna a liberdade essencial do homem e possibilita ao paciente exercê-la, apesar de limitado pela neurose. O neurótico, não sendo responsável por sua neurose, sofre-a, neste sentido, está limitado. Mas é livre enquanto é responsável pela sua atitude frente à neurose. É uma espécie de liberdade condicional.

213 14/9/ : Logoterapia Do ponto de vista técnico, a logoterapia se oôe à visão tecnológica da psiquiatria, da psicoterapia e da medicina que se prendem a uma objetivação e a uma coisificação do paciente, despersonalizando-o sobre o nome de caso e reduzindo-o à consideração de uma enfermidade, sem ver o ser humano que padece da enfermidade.

214 14/9/ : A LOGOTERAPIA A logoterapia é uma terapeutica que também não se preocupa com o sintoma, ela se dirige à pessoa do paciente com a intenção de trocar sua postura frente ao sitoma: “A logoterapia se dirige não ao sintoma e sim a introduzir uma modificação na postura, uma conversão pessoal do paciente frente ao sintoma, pode-se dizer dela que é uma autentica psicoterapia personalista” (V. Frankl )

215 14/9/ : Ainda do ponto de vista técnico cabe rapidamente lembrar as novas técnicas que a logoterapia inclui para tratamento psicoterapeutico, que são a intenção paradoxal e a derreflexão. Logoterapia...

216 14/9/ : Logoterapia... A Intenção paradoxal está baseada no poder de resitencia do espirito. É uma técnica eficaz especifica para os casos de neurose compulsiva, de angústia e de fobia. Seu fundamento está em realizar ou se propor a realizar o que temem. Ela permite ao paciente se distanciar da neurose.

217 14/9/ : A derreflexão, por sua vez, trata de evitar a auto-observação coacional, fazendo que o paciente se ignore a si mesmo. Aplica-se com sucesso em caso de insonia e nas neuroses sexuais causadas pelo hiperconhecimento. Constitui um avivamento provisional da autoconsciencia, isto é, uma hiperconcientização. Logoterapia...

218 14/9/ : Logoterapia... A ação psicoterapeutica deverá devolver ao paciente sua confiança no inconsciente. O tratamento se endereça a conduzir a uma desinibição das forças criadoras do inconsciente, pela volta ao proprio inconsciente.

219 14/9/ : Logoterapia O olhar para o homem e seus problemas espirituais e vitais acima e além dos sintomas. A necessidade que todo o paciente, mesmo padecendo de enfermidade física, tem de orientação vital. “Quando não existe possibilidade de curar, quando talvez não seja possivel minorar a dor, não nos resta senão um recurso: consolar” (Frankl, 1979).

220 14/9/ : Logoterapia... Na sua atitude frente ao Homo patiens a logoterapia desvenda uma nova dimensão – revelando tanto na pessoa do paciente como do terapeuta o Homo Humanus.***

221 14/9/ : Logoterapia... O HOMO RELIGIOSUS E A LOGOTERAPIA

222 14/9/ : “Os salmos falam do ‘Deus oculto’ e na antiguidade helênica existia um altar consagrado ao ‘Deus desconhecido’ vem, pois, significar a relação oculta do homem com Deus por sua vez oculto”. (V. Frankl) Logoterapia...

223 14/9/ : A REPRESSÃO CULTURAL DA RELIGIOSIDADE “Sou da mesma cidade de Freud, mas não do mesmo tempo deFreud. No tempo de Freud a repressão era sexual, no meu tempo a repressão é espiritual” (V. Frankl ) Logoterapia

224 14/9/ : Fazendo um restrospecto histórico pode se observar a crescente independitização da ciência e da religião, surgindo várias interpretações psicológicas sobre esta, com consequências diversas na prática terapeutica. A LOGOTERAPIA

225 14/9/ : Logoterapia Jacob Needleman afirma que: “Á psiquiatria moderna nasceu da visão de que o homem deve transformar-se a si memo e não depender da ajuda de algum Deus imaginário” Assim a psique humana foi arrancada das mãos vacilantes da religião e transferida para o mundo da natureza como objeto de estudo cientifico, especialmente devido às introvisões de Freud.

226 14/9/ : Iniciou-se a era da psicologia, em que os cérebros estavam fascinados pela fé na nova ciencia. A convicção de que o único caminho para atenuar a confusão e o sofrimento da humanidade era através da psiquiatria atingiu também os meios literários, artísticos e educacionais.

227 14/9/ : Logoterapia Nos meios religiosos manifestou-se, igualmente, uma impotência diante desta nova esperança e assistiu-se lentamente ao fenômeno descrito por Victor von Gebsattel: “A consulta transformou-se em posto de escuta para todos os desesperados da vida, para todos os que duvidam do sentido de sua vida, e já que a humanidade ocidental emigrou do pastor de almas para o médico de alma, coube à psicoterapia uma espécie de lugar-tenente”

228 14/9/ : Logoterapia... Os conceitos da sabedoria judaico- cristã, com mais de dois mil anos tinham de ser alterados e corrigidos e tiveram que bater em retirada diante da investida desta nova revolução cientifica. Nos meios científicos prevaleciam os conceitos de Freud.

229 14/9/ :  Freud, desenvolvendo o estudo do homem religioso, destaca semelhanças e analogias entre o comportamento obsessivo e a prática religiosa. àConsidera o totemismo como o primeiro esboço da religião que surge na história humana, afirmando que esta vem unida ao estreito laço das regras sociais e obrigações morais. (Totem e Tabu) Logoterapia…

230 14/9/ : Logoterapia...  Explica o complexo dos pais na conduta religiosa, mostrando que o Deus pessoal não é nada mais que o pai transferido e a religiosidade é relacionada com o prolongado desamparo e a continua necessidade de proteção que sofre o homem em criança e que o adulto experimenta em seu próprio destino.

231 14/9/ : àExplica que a técnica da religião consiste em depreciar o valor da vida e deformar de modo delirante a imagem do mundo real, buscando assim a intimação da inteligencia. “Os fenômenos religiosos pertencem à psicologia das massas”. Logoterapia…

232 14/9/ : Logoterapia... “Creio que grande parte da concepção mitológica do mundo que perdura ainda na entranha das religiões mais modernas não é outra coisa que a psicologia projetada no mundo exterior. Poderíamos atrever-nos, pois, desse modo, ou seja, transformando a metafísica em metapsicologia, a solucionar os mitos do Paraiso, do Pecado original, de Deus, do Bem e do Mal, da imortalidade” (Freud, 1918)

233 14/9/ : Para Jung a experiência religiosa é critério de integração psicológica. “Visto que a religião constitui, sem dúvida alguma, uma das expressões mais antigas e universais da alma humana, subentende-se que todo o tipo de psicologia se ocupa da estrutura psicológica da personalidade humana, deve pelo menos constatar que a religião, além de ser um fenômeno sociológico ou histórico, é também um assunto importante para grande número de indivíduos” (Jung, 1978).

234 14/9/ : Willian James considera a religiosidade como genuina atividade psiquica. “Chegou a Hora, afirma ele em que o misticismo deva ser encarado com muita seriedade. Estes são mais estados de sentimentos que estados de intelecto que desafiam a expressão porque nenhum relato adequado de seu conteúdo pode ser feito em palavras, pois constitui uma vivência sui generis e irredutível a outras experiências psicológicas capazes de modificar a vida do paciente.”

235 14/9/ : Logoterapia... A. Maslow, afirma que “as pessoas auto-atualizadas, que transcendem, são na maioria das vezes mais conscientes do sagrado de todas as coisas, da dimensão transcendente da vida, no meio das atividades cotidianas. Suas experiências culminantes ou místicas tendem a ser valorizadas como os aspectos mais importantes de suas vidas”

236 14/9/ : Logoterapia... A Logoterapia de Viktor Frankl é uma teoria psicológica que se baseia na visão antropológica do homem total, considerado como uma unidade corpórea – psiquica e espiritual. Condena todo reducionismo psicologista indo além da facticidade psicofisica e apontando para a redenção de espirito na ciência do homem.

237 14/9/ : Logoterapia... “Contribui para a ampliação da noção do inconsciente, através do inconsciente espiritual e da transcendentalidade da consciencia. Permite estabelecer-se relações entre a psicologia, a psicoterapia e as ciências teológicas e, dentro de seu método psicoterapeutico, oportuniza, no plano pessoal, a liberação da religiosidade reprimida, sem comprometimento com alguma confissão religiosa.”

238 14/9/ : Logoterapia... Admite a possibilidade de efeitos terapêuticos da religião, como também os efeitos da psicoterapia, confirmados em pesquisas de outros autores, no favorecimento do encontro com Deus como sentido último da existência humana. Guarda, entretanto, os limites entre ciência e religião e, como ciência psicológica do homem, não se deixa transformar em psicologia da religião”***.

239 14/9/ : Logoterapia... A REPRESSÃO PESSOAL DA RELIGIOSIDADE “Não só existe uma libido inconsciente ou reprimida, mas uma religião também inconsciente e reprimida” (V. Frankl )

240 14/9/ : A Religião para Frankl é im fenômeno entre muitos outros que se dão no homem. Para a Logoterapia que se depara com este fenômeno, a religião é um objeto, não uma posição, pois a logoterapia deverá servir a todos os enfermos, tanto crentes como descrentes e ser utilizada por qualquer terapeuta independente de credo religioso ou de que ele pense a respeito do mundo.

241 14/9/ : Não há exclusão entre as diferentes dimensões. Uma verdade secular cientificamente provada não pode jamais contradizer uma verdade religiosa genuina porque a religião verdaderira ocorre numa dimensão mail alta. O mais alto inclui o mais baixo, a verdade religiosa inclui a verdade científica. Não há nem exclusividade reciproca nem contradição. Logoterapia...

242 14/9/ : Logoterapia Sendo a logoterapia uma forma existencial de terapia, para enfrentar a realidade vista como um todo, inclui a dimensão sobre-humana onde reside o sentido último da existência. A realidade da dimensão humana pode ser investigada e compreendida pela ciencia. Mas, apesar da realidade do supra-humano ser inacessível à pesquisa científica, ela existe independentemente de nosso entendimento e da nossa capacidade de apreedê-la.

243 14/9/ : Logoterapia… A resistencia do homem contemporaneo em abrir os olhos à realidade que transcende nossa dimensão humana pode vir a provocar sentimentos de vazio, angustia e culpa.

244 14/9/ : Para contrabalançar estes perigos do vazio existencial, a logoterapia de maneira alguma ‘prescreve’ religião: simplesmente assinala o faro de que a religião, em qualquer de suas formas, não pode ser descartada como um dos multiplos meios pelos quais a humanidade conseguiu, e ainda pode conseguir, encontrar sentido” Logoterapia...

245 14/9/ : Para Frankl, o inconsciente espiritual é a religiosidade inconsciente, o inconsciente transcendente; não determina a pessoa e portanto pertence à existência espiritual mais que à facticidade psicofísica” ( Frankl, 1977)

246 14/9/ : Para Frankl religião é a consciencia que o homem tem da existencia de uma dimensão sobre-humana, e sua fé básica no sentido último que reside nesta dimensão.

247 14/9/ :  Frankl reconhece uma autentica e primordial religiosidade que nada tem a ver com a religiosidade primitiva e arcáica. É uma religiosidade existente em sua origem, primária e logo reprimida, apresentando-se de modo ingenuo, em muitas pessoas, sob forma de uma fé infantil. Logoterapia...

248 14/9/ : Logoterapia… Sobre isto nos diz: “Com efeito, na medida em que a religiosidade está reprimida, só pode esperar-se que, ali onde não está totalmente cega, onde sobressai, apareça aderida, ainda, ãs vivencias de infancia”

249 14/9/ : Logoterapia... “Desde o recondito deste ‘inconsciente transcendental’ emerge de quando em quando a transcendência reprimida em forma de uma ‘inquietude do coração’que em certas ocasiões pode manifestar-se sob evidentes sintomas neuróticos, isto é, sob a forma de neurose...

250 14/9/ : A LOGOTERAPIA...Neste sentido vale para a religiosidade inconsciente o que pode dizer-se de todo o inconsciente em geral, a saber, que pode ser patogenico. Também a religiosidade reprimida pode ser uma religiosidade ‘desditosamente reprimida” ***(Frankl, 1979).

251 14/9/ : FIM


Carregar ppt "14/9/2014 21:38 1 MOTIVACIÓN ¿Para qué estoy en este Mundo?"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google