A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Pontos para debater Público-alvo DRS1/SES-SP 22 outubro 2012.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Pontos para debater Público-alvo DRS1/SES-SP 22 outubro 2012."— Transcrição da apresentação:

1 pontos para debater Público-alvo DRS1/SES-SP 22 outubro 2012

2 O que queremos saber? Qual é a pergunta?

3 IndicadorÍndice

4 Recordando...

5  são medidas-síntese que contêm informação relevante sobre  determinados atributos e dimensões do estado de saúde  do desempenho do sistema de saúde  pode ser a simples contagem direta de casos de determinada doença  pode ser o cálculo de  proporções  razões  taxas  índices mais sofisticados

6 Mede  uma situação ou um risco  a diferença entre a situação esperada e a situação atual/encontrada (indica se metas são alcançadas ou não) Pode  servir de parâmetro (taxa de mortalidade: São Paulo - Brasil  permitir quantificar dados relacionados à melhoria de qualidade  servir matéria-prima essencial para a análise  facilitar o monitoramento de objetivos e metas em saúde  estimular a capacidade analítica das equipes  promover o desenvolvimento de sistemas de informação intercomunicados.

7 Qualidade de um indicador  propriedades dos componentes utilizados em sua formulação (freqüência de casos, tamanho da população em risco)  precisão dos sistemas de informação empregados (registro, coleta, transmissão dos dados) Grau de excelência de um indicador  validade (capacidade de medir o que se pretende)  confiabilidade (reproduzir os mesmos resultados quando aplicado em condições similares).

8 Atributos  sensibilidade (capacidade de detectar o fenômeno analisado)  especificidade (capacidade de detectar somente o fenômeno analisado)  mensurabilidade (basear-se em dados disponíveis ou fáceis de conseguir)  relevância (responder a prioridades de saúde)  custo-efetividade (os resultados justificam o investimento de tempo e recursos).  facilidade na análise e interpretação  compreensível pelos usuários da informação : gerentes, gestores e os que atuam no controle social do sistema de saúde.

9 monitorar a qualidade dos indicadores revisar periodicamente a consistência da série histórica de dados disseminar a informação com oportunidade e regularidade Para obter a confiança dos usuários na informação produzida é preciso:

10 realizado em distintos contextos: economia, trabalho, moradia, saúde, etc. tema da multimensionalidade forma de abordar o tema da multimensionalidade associada a um determinado problema ou setor Exemplos:  Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), desenvolvido e utilizado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD)  Índice de Apgar  Índice da Massa Corp ó rea (IMC)  Índice de Paulista de Responsabilidade Social (IPRS)

11 Multidimensionalidade pesos explicam um determinado problema não existe um modelo único para atribuir pesos às variáveis e indicadores que explicam um determinado problema em distintas regiões (mesmo quando estas variáveis sejam as relevantes de serem observadas e acompanhadas)

12

13 lançado no dia 1º. de março de 2012 síntese de 24 indicadores que avaliam o desempenho do SUS, atribuindo uma nota (grau) para cada município, estado e para o Brasil. nota varia de zero a dez, onde os menores escores representariam as piores posições na classificação relativa ao desempenho do SUS no estado ou município considerado. construído com dados provenientes dos anos de 2008 a 2011

14 O Índice de Desempenho do SUS (IDSUS) indicador síntese desempenho é um indicador síntese, que faz uma aferição contextualizada do desempenho do SUS quanto ao:  acesso  acesso (potencial ou obtido)  efetividade  efetividade (produziu efeito/resultado) da Atenção Básica, das Atenções Ambulatorial e Hospitalar e das Urgências e Emergências

15

16 IDSUS - modelo avaliativo

17 Programa Nacional de Avaliação dos Serviços de Saúde (PNASS) Pacto pela Saúde Rede Interagencial de Informações para a Saúde (Ripsa) Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Projeto Desenvolvimento de Metodologia de Avaliação do Desempenho do Sistema de Saúde Brasileiro (PRO-ADESS)

18 IDSUS -indicadores do modelo avaliativo IDSUS - indicadores do modelo avaliativo

19 Metodologia de Avaliação de Desempenho do Sistema de Saúde Brasileiro (PRO-ADESS) coordenada pelo Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica da Fiocruz (ICICT/Fiocruz). propõe um conjunto de indicadores (dimensão) que leva em consideração: → os determinantes sociais da saúde → as condições de saúde da população → a estrutura do sistema de saúde → o desempenho do sistema de saúde

20

21 Site do PRO-ADESS

22 Definido 1. usar as quatro dimensões do PRO-ADESS com os indicadores mais adequados e disponíveis atualmente; 2. pontuar os resultados de cada indicador a partir de parâmetro ou meta estabelecida em sua ficha técnica; 3. estabelecer o SUS que atende aos residentes de cada município, como a base para a avaliação do SUS regional, estadual e federal.

23 IDSUS – período avaliado

24 Consultas Técnicas  consulta pública sobre a metodologia do IDSUS (abril - junho de 2011)  adesão da Comissão Tripartite (composta pelo Ministério e por representantes dos Conselhos dos Secretários Estaduais-CONASS e Municipais de Saúde –CONASEMS)  escolha dos indicadores realizada por dirigentes e técnicos do MS, a partir das considerações e críticas da academia, gestores, trabalhadores e usuários do SUS

25

26

27 Composição 24 indicadores O IDSUS se compõe de 24 indicadores  14 indicadores de cobertura ( acesso potencial ou obtido) atenção básica, atenção ambulatorial e hospitalar de média complexidade e atenção ambulatorial e hospitalar de alta complexidade  10 indicadores de efetividade (resultados esperados) considerado a atenção básica e a atenção ambulatorial e hospitalar de média e alta complexidade em conjunto

28 Grupo de indicadores Grupo de municípios

29 Indicadores de Acesso ao SUS Indicadores de Efetividade do SUS

30

31 Indicadores de Acesso avaliam a capacidade do sistema de saúde em garantir o cuidado necessário à população em tempo oportuno e com recursos adequados Entre esses indicadores estão:  a cobertura estimada de equipes de saúde  a proporção de nascidos vivos de mães com sete ou mais consultas pré-natal  a realização de exames preventivos de cânceres de mama, em mulheres entre 50 e 69 anos, e de colo do útero, na faixa de 25 a 59 anos

32

33 Indicadores de efetividade, serviço foi prestado adequadamente Avaliam se o serviço foi prestado adequadamente Utiliza indicadores como:  a cura de casos novos de tuberculose e hanseníase;  a proporção de partos normais;  o número de óbitos em menores de 15 anos que foram internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTI);  o número de óbitos durante internações por infarto agudo do miocárdio.

34

35

36 Adotados parâmetros aceitos nacional e/ou internacionalmente tais como: exame citopatológicos de colo de útero: um exame a cada três anos para mulheres de 25 a 59 anos. mamografia: um exame a cada dois anos para mulheres de 50 a 69 anos tuberculose e hanseníase: mais de 85 e 90% de cura, respectivamente. proporção de parto normal: mais de 70%. proporção de óbitos nas internações por infarto agudo do miocárdio: menos que 10%. Em relação aos indicadores de acesso de média e alta complexidade, foram elaborados parâmetros calculados a partir da média de um grupo de municípios, denominado grupo de municípios de referência.

37

38 Processo de seleção  para os indicadores simples, que compõem os índices de acesso e de efetividade, a seleção foi obtida por meio de um teste de correlação linear  foram selecionados aqueles indicadores que apresentaram correlação diferente de zero. ( Quanto mais próximo de zero for o valor do coeficiente de correlação menor será a indicação de que as variáveis estejam correlacionadas linearmente)  peso dos indicadores simples nos seus respectivos indicadores compostos foi dado pela metodologia de Análise de Componentes Principais (PCA)

39 métodos estatísticos Análise de Componentes Principais – PCA Análise de Componentes Principais – PCA ( Principal Component Analysis) sumariza os dados que contém muitas variáveis por um conjunto menor de variáveis compostas derivadas do conjunto original de variáveis Usada para transformar variáveis originais em outras variáveis de mesma dimensão com menor perda possível da informação. O peso dos indicadores simples nos seus respectivos indicadores compostos foi dado pela metodologia de PCA Análise de Componentes Principais – PCA Análise de Componentes Principais – PCA ( Principal Component Analysis) sumariza os dados que contém muitas variáveis por um conjunto menor de variáveis compostas derivadas do conjunto original de variáveis Usada para transformar variáveis originais em outras variáveis de mesma dimensão com menor perda possível da informação. O peso dos indicadores simples nos seus respectivos indicadores compostos foi dado pela metodologia de PCA Resultado Resultado : cada indicador tem um valor diferente na estrutura de ponderação do IDSUS, com base a resultados decorrentes da aplicação de Análise de Componentes Principais (APC)

40

41 Seleção dos indicadores simples Avaliação de suas relações empíricas (base na observação e confirmação dos dados mais que na teoria) Combinação dos indicadores simples no indicador composto Validação dos indicadores simples Etapas de construção do IDSUS Métodosestatísticos

42  Grupo de municípios de referência para os parâmetros de acesso à atenção de média a alta complexidade  Grupos homogêneos de municípios

43 Grupo formado por municípios que dispõem de uma estrutura de sistema de saúde mais completa (para evitar o viés dos baixos resultados dos indicadores devido à deficiência de oferta de serviços) Considerado também o porte populacional

44

45 Critérios população > 50 mil habitantes índice socioeconômico > 0,45 proporção de óbitos de causa desconhecida < 15% cobertura de 50% ou mais da população por equipes da atenção básica produção de procedimentos ambulatoriais de MAC > nº de procedimentos para a população residente nº de internações SUS de MAC e obstétricas > nº de internações para a população residente capacidade de realizar 0,08 internação hab/ano, ou mais, para a população residente sem plano privado de saúde capacidade de realizar 0,04 internação hab/ano, ou mais, para toda sua população mortalidade infantil < 17 por mil nascidos vivos

46 Cálculo dos resultados dos indicadores de acesso de média e alta complexidade dos municípios de referência foram padronizados utilizando o cálculo numerador o número de procedimentos realizados para a população residente ________________________________________ denominador o total da população sem plano privado de saúde Este cálculo permite verificar o que, de fato, foi ofertado ao usuários do SUS do município

47

48 Padronização Indireta por Faixa Etária e Sexo busca eliminar a influência causada pela composição quantitativa diferenciada das faixas etárias e sexo, que existe entre a população dos municípios. Ajuste: utilizada a média dos indicadores dos municípios de referência para os parâmetros de acesso à Atenção Ambulatorial e Hospitalar de Média a Alta Complexidade Padronização Indireta por Faixa Etária e Sexo busca eliminar a influência causada pela composição quantitativa diferenciada das faixas etárias e sexo, que existe entre a população dos municípios. Ajuste: utilizada a média dos indicadores dos municípios de referência para os parâmetros de acesso à Atenção Ambulatorial e Hospitalar de Média a Alta Complexidade métodos estatísticos métodos estatísticos Bayes Empírico busca eliminar o efeito da variação do resultado de indicadores em pequenas populações. Este método considera: o evento (óbito, internação, etc.), o tamanho da população e a média das populações semelhantes, para a qual foi considerada a média dos grupos de municípios homogêneos por região brasileira.

49

50

51 Estado de São Paulo - Regiões de Saúde

52

53

54 Formação se deu:  segundo as características similares dos municípios  por meio da utilização de três índices (indicadores compostos): Análise de Componentes Principais (PCA) atribuir pesos Índice de Desenvolvimento Socioeconômico (IDSE) Índice de Condições de Saúde (ICS) Índice de Estrutura do Sistema de Saúde do Município (IESSM)

55 especificidades e diferenças sócio econômicas Índice de Desenvolvimento Sócio-Econômico - IDS), perfil de morbimortalidade Índice de Condições de Saúde – ICS suficiência da estrutura do sistema de saúde com base no nível de complexidade da atenção Índice de Estrutura do Sistema de Saúde do município - IESSM

56

57 Métodos estatísticos Análise de Componentes Principais – PCA Análise de Componentes Principais – PCA ( Principal Component Analysis) sumariza os dados que contém muitas variáveis por um conjunto menor de variáveis compostas derivadas do conjunto original de variáveis Usada para transformar variáveis originais em outras variáveis de mesma dimensão com menor perda possível da informação. O peso dos indicadores simples nos seus respectivos indicadores compostos foi dado pela metodologia de PCA Análise de Componentes Principais – PCA Análise de Componentes Principais – PCA ( Principal Component Analysis) sumariza os dados que contém muitas variáveis por um conjunto menor de variáveis compostas derivadas do conjunto original de variáveis Usada para transformar variáveis originais em outras variáveis de mesma dimensão com menor perda possível da informação. O peso dos indicadores simples nos seus respectivos indicadores compostos foi dado pela metodologia de PCA Resultado Resultado : cada indicador tem um valor diferente na estrutura de ponderação do IDSUS, com base a resultados decorrentes da aplicação de Análise de Componentes Principais (APC)

58

59 IDSUS – atribuição dos pesos

60

61 Posteriormente: dois subconjuntos os municípios foram separados em dois subconjuntos, que atendem ou não aos seguintes critérios:  Índice de Estrutura do Sistema de Saúde do Município (IESSM) maior que 0,01  capacidade de realizar duas ou mais internações por dia.

62 Municípios que ATENDEM aos critérios para encontrar os grupos homogêneos de municípios passíveis de comparação Critérios: Índice de Estrutura > 0,01 2 ou + internações por dia

63  Análise de Clusters é o processo de agrupar um conjunto de objetos físicos ou abstratos em classes de objetos similares  Um cluster é uma coleção de objetos (municípios, regiões e estados) que são similares uns aos outros (de acordo com algum critério de similaridade pré-fixado) e dissimilares a municípios, regiões,ou estados pertencentes a outros clusters

64 O resultado obtido foi a distribuição dos municípios em seis grupos homogêneos (não considerado Fernando de Noronha (PE) e Nazária (PI)), de acordo com a classificação recebida nos índices (IDSE, ICS e IESSM)

65

66 Tabelas com a classificação dos municípios da RMSP segundo notas e grupos homogêneos de municípios do IDSUS 2011, agrupados por ordem alfabética e região de saúde us/Acervo/Índice%20de%20Desempenho%20 do%20SUS%20-%20IDSUS/IDSUS_RMSP.xlsx Tabelas com a classificação dos municípios da RMSP segundo notas e grupos homogêneos de municípios do IDSUS 2011, agrupados por ordem alfabética e região de saúde us/Acervo/Índice%20de%20Desempenho%20 do%20SUS%20-%20IDSUS/IDSUS_RMSP.xlsx

67 Elisabete Kudzielicz consultora Observatório de Saúde da RMSP Fone: (11) (11)


Carregar ppt "Pontos para debater Público-alvo DRS1/SES-SP 22 outubro 2012."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google