A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Por: Cristiane Nolasco Ferreira da Silva. Introdução Objeto de discussões, a inclusão, representa um desafio tanto para alunos como para docentes, entidades.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Por: Cristiane Nolasco Ferreira da Silva. Introdução Objeto de discussões, a inclusão, representa um desafio tanto para alunos como para docentes, entidades."— Transcrição da apresentação:

1 Por: Cristiane Nolasco Ferreira da Silva

2 Introdução Objeto de discussões, a inclusão, representa um desafio tanto para alunos como para docentes, entidades governamentais e sociais. A partir da Declaração de Salamanca (1994), que trata de princípios, políticas e práticas na área das necessidades educativas especiais e a cooperação internacional proclamada pela Declaração Mundial sobre Educação para Todos, (1990) o mundo voltou-se com mais veemência para as causas dos excluídos, entre eles os alunos com surdez (KONZEN, et al 2000).

3 A História da Educação dos Surdos e o Surgimento das Primeiras Escolas Especializadas No passado, os surdos eram considerados incapazes de ser ensinados, por isso eles não frequentavam escolas.

4 No final do século XV, não havia escolas especializadas para surdos; pessoas ouvintes tentaram ensinar aos surdos; surge Giralamo Cardamo, um italiano que utilizava sinais e linguagem escrita; posteriormente Pedro Ponce de Leon, um monge beneditino espanhol que utilizava, além de sinais, treinamento da voz e leitura dos lábios. Nos séculos seguintes, alguns professores dedicaram-se à educação dos surdos. Entre eles, destacaram-se:

5 Ovide Decroly (Bélgica) Alexandre Gran Bell (Canadá e EUA) Samuel Heinicke (Alemanha) Abbé Charles Michel de I'Epée (França) Ivan Pablo Bonet (Espanha)

6 1.880 Congresso Mundial de Professores de Surdos Esses professores divergiam quanto ao método mais indicado para ser adotado no ensino dos surdos. Uns acreditavam que o ensino deveria priorizar a língua falada (Método Oral Puro) e outros que utilizavam a língua de sinais ( já conhecida pelos alunos ) e o ensino da fala (Método Combinado); em 1880, no Congresso Mundial de Professores de Surdos (Milão - Itália), chegou-se à conclusão de que todos os surdos deveriam ser ensinados pelo Método Oral Puro.

7 1.855 Hernest Huet chega ao Brasil Um pouco antes (1857), o professor francês Hernest Huet (surdo e partidário de I'Epée, que usava o Método Combinado) veio para o Brasil, a convite de D. Pedro II, para fundar a primeira escola para meninos surdos de nosso país: Imperial Instituto de Surdos Mudos, hoje, Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES), mantido pelo governo federal, e que atende, em seu Colégio de Aplicação, crianças, jovens e adultos surdos, de ambos os sexos.

8 A partir de então, os surdos brasileiros passaram a contar com uma escola especializada para sua educação e tiveram a oportunidade de criar a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS), mistura da Língua de Sinais Francesa com os sistemas de comunicação já usados pelos surdos das mais diversas localidades.A.J. de Moura e Silva, um professor do INES, viajou para o Instituto Francês de Surdos (1896), a pedido do governo brasileiro, para avaliar a decisão do Congresso de Milão e concluiu que o Método Oral Puro não se prestava para todos os surdos.

9 A inclusão do surdo em escolas regulares O conceito de inclusão surge da ideia que todas as pessoas têm direito à plena participação social. A escola assume a responsabilidade de efetuar a inclusão conforme a legislação, no entanto, sua ação é limitada no sentido de viabilizar concretamente políticas inclusivas. A forma que a escola esta organizada pedagogicamente não leva em conta a complexidade da surdez, não atendendo, assim, as necessidades do surdo. Para que o processo de inclusão de surdos em escolas regulares ocorra de modo eficaz é necessário entender e respeitar a identidade do sujeito surdo.

10 Década de 70 inicio do Bilingüismo no Brasil No final do século, os surdos assumiram a direção da única Universidade para Surdos do Mundo (Gallaudet University Library - Washington - EUA) e passaram a divulgar a Filosofia da Comunicação Total. Veio para o Brasil uma professora dessa Universidade na década de 70 e depois disso iniciou-se uma movimentação sobre o bilingüismo no Brasil. Lingüistas brasileiros começaram a se interessar pelo estudo da Língua de Sinais Brasileira (LIBRAS) e da sua contribuição para a educação do surdo.

11 Em 4 de abril de 2002, a lei nº reconhece a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) como meio legal de comunicação e expressão

12 Vídeo: Dois Mundos

13 Profª Dra. Karin Strobel Explicando sobre a inclusão do surdo Entendeu? Não? Assim é o surdo no meio da comunidade ouvinte, numa sala de aula sem intérprete... Não há som, não há comunicação, não há entendimento. Vídeo: A cultura surda no espaço da inclusão

14 Movimento Surdo em favor da Educação e da Cultura Surda

15 "Houve grandes conquistas, mas há ainda um longo caminho a ser trilhado"


Carregar ppt "Por: Cristiane Nolasco Ferreira da Silva. Introdução Objeto de discussões, a inclusão, representa um desafio tanto para alunos como para docentes, entidades."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google