A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

23 de Outubro de 2013 Porto Alegre/RS Inovações tecnológicas e os desafios regulatórios.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "23 de Outubro de 2013 Porto Alegre/RS Inovações tecnológicas e os desafios regulatórios."— Transcrição da apresentação:

1 23 de Outubro de 2013 Porto Alegre/RS Inovações tecnológicas e os desafios regulatórios

2 2 Missão da ANEEL Proporcionar condições favoráveis para que o desenvolvimento do mercado de energia elétrica ocorra com equilíbrio entre os agentes e em benefício da sociedade

3 3 Tarifa justa Qualidade do serviço Garantia de direitos Controle da Inflação Universalização Consumidores Governo Agentes Regulados Remuneração adequada Cumprimento dos contratos Regras claras e estáveis Missão da ANEEL

4 Empreendimentos em Operação TipoQuantidadePotência (MW)% CGH ,20 PCH ,67 EOL ,63 SOL1960,01 UHE ,33 UTE ,61 UTN ,55 Total Visão da Geração Fonte: Banco de Informação da Geração (BIG/ANEEL) AGO/2013 O Brasil possui no total empreendimentos em operação, gerando MW de potência

5 Energia Elétrica Gerada por fonte (%) 5 MUNDO (2010) Renováveis = 18% Fósseis = 68% BRASIL (2010) Renováveis = 86% Fósseis = 10%

6 6 Energia Gerada Mensal em MWmédios HidráulicaTérmicaEólicaTotal Geração Participação 92,99%6,83%0,18%100,00% Geração RENOVÁVEL 94,38% Fonte: CCEE HidráulicaTérmicaEólicaTotal Geração Participação 85,84%13,50%0,66%100,00% Geração RENOVÁVEL 87,35% HidráulicaTérmicaEólicaTotal Geração Participação 79,02%20,18%0,80%100,00% Geração RENOVÁVEL 81,98% Abril/ Período úmido Abril/ Período úmido Abril/ Período úmido

7 7 Energia Gerada Mensal em MWmédios HidráulicaTérmicaEólicaTotal Geração Participação 88,07%11,09%0,84%100,00% Geração RENOVÁVEL Fonte: CCEE HidráulicaTérmicaEólicaTotal Geração Participação 76,96%21,76%1,28%100,00% 91,51% Geração RENOVÁVEL 82,4% Outubro/ Período seco Outubro/ Período seco

8 Dimensões relativas do Sistema Interligado Sistema de Transmissão Brasileiro: extensão comparada com a dos E. U. A. Sistemas Isolados Sistema Interligado

9 Dimensões relativas do Sistema Interligado 9 Sistema de Transmissão Brasileiro: extensão comparada com a da Europa Sistemas Isolados Sistema Interligado

10 10 Interligação Tucuruí - Macapá – Manaus  Lote A: LT Tucuruí – Xingu – Jurupari km  Lote B: LT Oriximiná – Jurupari – Macapá km  Lote C: LT Oriximiná – Silves- Lechuga km

11 11  Cronogramas Lote Prazo Contratual Início EfetivoPrevisão de Conclusão LOTE A16/10/201128/03/201130/05/2013 LOTE B16/10/201112/05/201130/05/2013 LOTE C16/11/201119/11/201131/10/2012  Licenciamento Ambiental Lote Duração Prevista em Contrato Duração Efetiva LOTE A12 meses29 meses LOTE B11 meses31 meses LOTE C16 meses21 meses Interligação Tucuruí - Macapá – Manaus

12 12 Interligação Manaus – Boa Vista 500 kV Contrato de Concessão n o 3/2012, de 25/1/12. Prazo de construção: 36 meses (entrada em 25/1/15) Investimento estimado: R$ 1,061 bilhões Receita Anual Permitida (RAP) = R$ 121,128 milhões

13 Sistema de Distribuição Brasileiro 63 Concessionárias de Distribuição Tarifas diferenciadas por área de concessão

14 Características do Setor Elétrico Brasileiro Agentes de Geração 107 Agentes de Transmissão 63 Concessionárias de Distribuição 38 Cooperativas de Distribuição* 128 Comercializadoras de energia 70 milhões Consumidores de energia * Cooperativas de eletrificação rural que receberam outorga de permissão da ANEEL para desempenharem serviços de distribuição de energia elétrica

15 15 Redes Inteligentes de Energia Smart Grid

16 Motivadores Não podemos importar soluções prontas

17 Qualidade da Energia

18 Perdas por região 32% 20% 21% 9% 18% 5% 20% 10% 12% 3% Perdas na Distribuição Perdas Não-Técnicas

19 Dimensão do Problema Custos das Perdas Não-Técnicas no Brasil (considerando a tarifa média de venda de R$ 260,80 – abr/2010)  Energia: R$ 2,2 Bilhões a.a.  Ativos T & D:R$ 3,8 Bilhões a.a.  Total s/ Impostos: R$ 6,0 Bilhões a.a.  Total c/ Impostos: R$ 8,1 Bilhões a.a. Agosto de 2005 / Estado do Ceará 48x

20 Temas já regulamentados Tratamento de Reclamações - DER/FER (REN 574/2013)

21 Definição  Professor Hunt Allcott - New York University  características físicas conjunto de tecnologias da informação e comunicação aplicadas a sistemas elétricos  natureza econômica reunião de aparatos tecnológicos que facilita a precificação da energia elétrica em tempo real, com efeitos significativos em termos de reação da demanda e de redução de custos Redes Inteligentes

22  Caracterização de uma Rede Inteligente Medição Eletrônica Sistemas de Comunicação Sensoriamento da Rede Sistemas de Computação Redes Inteligentes

23 DISTRIBUIÇÃO GERAÇÃO TRANSMISSÃO CONSUMIDORES Impacto das Redes Inteligentes Pequena Moderado Grande Revolucionário

24 Revolução da relação Consumidor x Distribuidora Hoje: O medidor registra o consumo de energia (kWh) O leiturista lê o valor registrado O consumidor paga a conta

25 Com as Redes Inteligentes: Além de energia ativa (kWh) o medidor registra outras grandezas a cada hora A distribuidora tem informações mais precisas e pode enviar mensagens ao medidor Comunicação bidirecional com a distribuidora Revolução da relação Consumidor x Distribuidora

26 Smart Residências Tecnologia permitirá comunicação entre os equipamentos domésticos e o medidor inteligente Medidor interligará a residência e seus equipamentos ao restante da rede Caso o consumidor permita, a concessionária poderá controlar a carga dentro da residência, visando otimizar a utilização de sua rede

27 Sistema de Medição Equipamentos domésticos–medidor Medidor-concentrador Concentrador-distribuidora LCLC LCLC

28 Sistema de Medição: Medidor Inteligente Elemento chave da Rede Inteligente Processa dados e envia comandos para outros equipamentos, permitindo a integração da rede Além de medir consumo e demanda, notifica falta de energia, monitora a qualidade e permite fazer corte e religamento remotos

29 Sistema de Medição: Concentrador Reúne os dados dos consumidores para enviá-los à concessionária. Também é o canal para informações ou comandos da concessionária para o consumidor Comunica-se com os medidores por PLC, radio-frequência ou redes mesh e Zigbee No enlace com a distribuidoras utiliza GPRS, fibra-ótica ou PLC

30 Tendência mundial Experiências internacionais de grande escala Redes Inteligentes Fonte: Google Maps, 2010

31  Consumidor Possibilidade de redução do valor da fatura Capacidade de gerenciar o consumo em tempo real Utilização de equipamentos inteligentes nas residências Possibilidade de gerar energia e injetar a parcela não consumida na rede Mais informações sobre o serviço prestado e o perfil de consumo Benefícios Esperados

32  Distribuidora Possibilidade de redução dos custos operacionais Atendimento mais rápido e eficaz, aumentando a satisfação do consumidor Maior automatização das operações Melhora nos níveis de qualidade Ferramenta de redução de perdas técnicas e não-técnicas Programas de gerenciamento de cargas e energia, com monitoramento em tempo real Benefícios Esperados

33  Sistema Elétrico Uso mais eficiente das instalações Redução de pico de demanda e de perdas Aumento da confiabilidade e segurança da rede Introdução de mais fontes de energia renováveis, protegendo o meio-ambiente Prorrogação de investimentos em novas usinas geradoras Benefícios Esperados

34  Regulador Redução da assimetria de informações Melhor controle dos níveis de qualidade (DEC e FEC) Diminuição na discrepância de informações prestadas pelas Distribuidoras Aperfeiçoamento dos processos regulatórios Estímulo ao uso eficiente do sistema elétrico Benefícios Esperados

35 Desafios da Regulação  Promover instalação do medidor eletrônico em consumidores conectados na baixa tensão (220V ~ 127V) 70 Milhões de consumidores  Procurar o adequado equilíbrio entre a modernidade do serviço e a modicidade tarifária

36 Regulamentação da Medição AP 43/2010  Medidor com todas as funcionalidades único para todo o país  Todas as novas ligações e substituições Riscos: subutilização de funcionalidades, processo de substituição não otimizado e impacto dos custos RESOLUÇÃO NORMATIVA nº 502, DE 2012  Padrões diferenciados de medidor de acordo com o perfil do consumidor  Inicialmente, instalação por solicitação do consumidor Justificativas: respeito à diversidade de perfis de consumidores, cautela em relação aos impactos dos custos iniciais

37 Regulamentação da Medição Medidor tarifa branca Medidor funcionalidades complementares Modelos de Medidores Prazo para atender o pleito dos consumidores Até 18 meses a partir de 14/8/2012

38 Regulamentação da Medição Abrangência Unidades consumidoras do Grupo B  Subgrupo B1 – residencial  Subgrupo B2 – rural  Subgrupo B3 – demais classes Excluídas da abrangência Subclasse baixa renda do Subgrupo B1 – Residencial Subgrupo B4 – Iluminação Pública

39 Regulamentação da Medição Medidor tarifa branca  Utilizado em consumidores faturados por meio da tarifa branca  Fornecido sem ônus ao interessado (critérios comerciais na REN 414/2010)  Funcionalidades Valor de energia elétrica ativa consumida Medição em 4 postos tarifários Identificação do posto tarifário vigente Horas Tarifa convencional Tarifa branca 3 5 R$/MWh Tarifa monômia (R$/MWh) com três postos tarifários: Ponta, Intermediário e Fora Ponta Relação Ponta/Fora Ponta de 5 e Intermediário/FP de 3 - somente na parcela TUSD

40 Regulamentação da Medição Medidor funcionalidades complementares  Utilizado em consumidores que têm interesse em dados específicos  Diferença de custo atribuído ao interessado  mesmo princípio da micro GD, do SMF e do rural irrigante (critérios comerciais na REN 414/2010)  Quando a iniciativa partir da distribuidora, ela não poderá onerar o consumidor

41 Regulamentação da Medição Medidor funcionalidades complementares  Funcionalidades: valores de tensão e de corrente de cada fase valor de energia elétrica ativa consumida acumulada por posto tarifário identificação do posto tarifário corrente apuração de continuidade (DIC, FIC e DMIC) apuração de conformidade (DRP e DRC)

42 Passos futuros O que vem por aí...

43 Módulo 8 do PRODIST – Monitoramento da qualidade Módulo 8 do PRODIST – Monitoramento da qualidade 3. Audiência Pública 43/2013 Pré-pagamento Pré-pagamento 1. Audiência Pública 93/ Audiência Pública 93/2013 Aspectos comerciais da Tarifa Branca Aspectos comerciais da Tarifa Branca Audiência Pública 48/2012 Agenda Regulatória Compartilhamento de postes 2. Audiência Pública 7/ Audiência Pública 7/2007

44 Módulo 8 do PRODIST – Monitoramento da qualidade Audiência Pública 93/ Contribuições de 19/8 a 18/10/2013 (DF) 17/10/2013 1o1o

45 Preço de referência e Regras para uso e ocupação dos pontos de fixação do poste (SP) 4/10/2013 Audiência Pública 7/ Contribuições de 6/8 a 19/9/2013 (DF) 11/10/2013 Preços de contratos firmados por distribuidoras MáximoR$ 10,57 MínimoR$ 0,30 MédiaR$ 4,54 Média PonderadaR$ 2,44 Desvio PadrãoR$ 2,30 Fonte: Nota Técnica n o 51/2010-SRD/ANEEL. 2o2o

46 A proposta deve ser neutra do ponto de vista do fluxo de receitas e despesas entre as prestadoras de serviços telecomunicações e distribuidoras de energia elétrica; Fomentar a competição, eliminando barreiras de entrada e garantindo condições de acesso a novos prestadores; Racionalizar o uso e a ocupação da infraestrutura de postes; Alinhamento com preocupações urbanísticas. Preço de referência a ser utilizado para solução de conflitos Dispositivos para disciplinar a ocupação dos pontos de fixação do poste. Preço de referência e Regras para uso e ocupação dos pontos de fixação do poste 2 2o2o (SP) 4/10/2013 Audiência Pública 7/ Contribuições de 6/8 a 19/9/2013 (DF) 11/10/2013

47 Aspectos comerciais da Tarifa Branca (DF) 3/7/2013 Audiência Pública 43/ Contribuições de 9/5 a 26/8/2013 (SP) 19/8/2013 3o3o

48 Pré-pagamento Realizada Audiência Pública 48/ Contribuições de 28/6 a 25/9/ Aps presenciais 4o4o

49 Geração de Energia Solar

50 Fonte: adaptação do Atlas Brasileiro de Energia Solar (2006) A irradiação diária média anual varia entre e kWh/m 2 /ano, valores que são significativamente superiores à maioria dos países europeus Alemanha: kWh/m 2 /ano França: kWh/m 2 /ano Espanha: kWh/m 2 /ano Alemanha: kWh/m 2 /ano França: kWh/m 2 /ano Espanha: kWh/m 2 /ano Mapa Brasileiro de Irradiação Global

51 51 Capacidade Mundial de Energia Fotovoltaica FV Ano Off-gridGrid-connectedTotal (MW)(%)(MW)(%) Acumulado (MW) (%) Fonte: IEA International Energy Agency – Cumulative installed PV power (MW) in IEA PVPS countries Notes: Totals reflect conservative ‘best estimates’ based on the latest information made available to the IEA PVPS Programme from the individual countries for previous years, and are updated each year as required. The UK has not yet provided information for Figures estimated from Dept. of Energy and Climate Change information. Some off-grid capacity, installed since the 1970’s, has been de-commissioned in various countries but is diffcult to quantify.

52 GERAÇÃO DISTRIBUÍDA GERAÇÃO CENTRALIZADA Fonte: EPE Central Resolução Normativa n o 482, de 17/04/2012, estabelecendo as condições gerais para o acesso de microgeração e minigeração distribuída aos sistemas de distribuição de energia elétrica. Energia Solar - Fotovoltáica Residência conectada à rede

53 53 Definições:

54 54 Conexão

55 55 Faturamento no Sistema de Compensação de Energia Fatura = Líquido

56 56 Operação da rede

57 57 * Caso seja mini GD e haja necessidade de obras, o prazo é de 60 dias Prazos

58 Visão da ANEEL sobre o futuro Redes Inteligentes:  Não há dúvida de que as redes inteligentes serão implantadas no Brasil  É um processo natural de evolução tecnológica  A pergunta não é se precisamos delas, mas como serão implantadas  A forma de operar a rede já vem sofrendo transformações Desafios:  Lidar com a nova realidade  sair da zona de conforto  Envolver ainda mais o consumidor  mostrar que a tecnologia vem em seu benefício  O processo é inexorável  garantir que a forma de implantação beneficiará toda a sociedade

59 As redes inteligentes vão impactar tão significativamente as nações no século XXI quanto a Primeira Revolução Industrial o fez no século XIX * incentivando a energia renovável transformando residências e edificações em microgeradores de energia transformando a rede elétrica de todo o país em uma rede de compartilhamento de energia e dados que age como a Internet *RIFKIN, Jeremy. A terceira Revolução Industrial – Como o poder lateral está transformando a Energia, a economia e o mundo

60 60 Muito Obrigado! SGAN – Quadra 603 – Módulos “I” e “J” CEP: /Brasília – DF Tel.(61)


Carregar ppt "23 de Outubro de 2013 Porto Alegre/RS Inovações tecnológicas e os desafios regulatórios."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google