A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Política: Para quê? Claudio Tozzi. A filosofia política Política do grego pólis, cidade. A politica é a arte de governar, de gerir o destino da cidade.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Política: Para quê? Claudio Tozzi. A filosofia política Política do grego pólis, cidade. A politica é a arte de governar, de gerir o destino da cidade."— Transcrição da apresentação:

1 Política: Para quê? Claudio Tozzi

2 A filosofia política Política do grego pólis, cidade. A politica é a arte de governar, de gerir o destino da cidade. Explicar em que consiste a política é outro problema, pois, se acompanharmos o movimento da história, veremos que essa definição toma nuanças as mais diferentes conforme a época, assim como variam as expectativas a respeito de como deve ser a ação do político.

3 Multiplos são os caminhos, se quisermos estabelecer a relaçao entre política e poder; entre poder, força e violência; entre autoridade, coerção e persuassão; entre Estado e governo etc. por isso é complicado tratar de política em geral. É preiciso delimitar as áreas de discussão. Desse modo, podemos entender a política como luta pelo poder; a conquista, a manutenção e a expansão do poder. Ou refletir sobre as instituições politicas por meio das quais o poder é exercido. E também indagar sobre a origem, a natureza e a significação do poder.

4 A política está relacionada diretamente com a questão de poder e força. Poder Poder como capacidade ou possibilidade de agir, de produzir efeitos desejados sobre indivíduos ou grupos humanos. Para a existência do poder é nescessário a ação de dois atores socias: aquele que exerce o poder e outro sobre o qual o poder é exercido. Força não entendida como física, mas como canalizadora da potência e de sua determinação. É graças a ela que se pode definir a potência na ordem nas relações sociais ou, mais especificamente, políticas. Daqui em diante

5 Recurso de poder é tudo o que nos dá esta condição ou capacidade de dominar. Podemos afirmar, então, que têm mais poder aqueles que têm mais recursos. Quanto maiores são os recursos de alguém, maior é a sua capacidade de fazer valer a sua vontade!

6 Ao longo da história humana foram adotados os mais diversos princípios de legitimidade do poder. Nos estados teocráticos, o poder legítimo vem da vontade de Deus. Nas monarquias são hereditários passando de geração em geração, mantido pela força da tradição. Nos governos aristocráticos, apenas os melhores exercem funções de mandato; o que se entende por melhores varia conforme o tipo de aristocrácia: os mais ricos, os mais fortes, os de linhagem nobre ou, até, os da elite do saber. Na democrácia, o poder legítimo nasce da vontade do povo.

7 Com o fortalecimento das monarquias nacionais, o Estado passou a deter a posse de um território e tornou-se apto para fazer e aplicar as leis, recolher impostos, ter um exército. Por isso, segundo Max Weber ( ), o Estado moderno é reconhecido por dois elementos constitutivos: a presença do aparato administrativo para prestação de serviços públicos e o monopólio legítimo da força. O estado distanciou-se da maneira de pensar medieval, predominantemente religiosa. O poder legítimo é, portanto, um poder de direito, que repousa não mais na violência nem no privilégio de classe, mas no mandato popular.

8 Uma reflexão sobre a democracia: A palavra democracia é formada etimologicamente por dois termos gregos, demos e kratia, governo do povo. demos significava as os diversos distritos em que a cidade de Atenas fora dividida por ocasião da reforma de Clístenes (séc. VI a.C.),

9 Na sociedade democrática, o conflito é trabalhado pela discusão e pelo confronto; é assim que a história se faz, nessa aventura em que o cidadão se lança em busca do possivel, a partir de dificuldades e imprevistos. Abertura: Na democracia a informação circula livrevemente e a cultura não é privilégio de alguns. A circulação não se reduz ao mero consumo de informações e cultura, mas pressupõe também a produçaõ de cultura, que a enriquece. Nem todos tem acesso a educação e cultura, principalmente no Brasil.

10 Rotatividade: O poder na democracia não privilegia grupo ou classse, mas permite que todos os setores da sociedade sejam legitamamente representados. Por isso o filósofo francês Claude Lefort diz que o lugar do poder é o lugar vazio, ou seja, é o luguar com o qual ninguém pode se identificar para que seja exercido transitoriamente por quem for escolhido para tal.

11 Nazismo e facismo: O nazismo alemão e facismo italiano apresentavam algumas carcteristicas principais em comum: O Estado interfiria em todos os setores: na vida familiar, economia, intelectual,religiosa e no lazer. Não havia pluralismo partidário, instituição básica da democracia liberal. A disciplina era exaltada, e a figura do chefe, mistificada. Os poderes Lesgislativo e Judiciário estavam subordinados ao Executivo. O Estado concentrava todos os meios de propaganda: o objetivo era veicular a ideologia oficial às massas, forjando convicções inabaláves e manipulação a opinião pública.

12 Campos de concentração e de extermínio, como o de Auschwitz, na Polônia. Controle de informações por meio de censura, artisticas e cultural. Na educação de crianças e jovens, valorização das disciplinas de moral e cívica, visando à formação do carater, da força de vontade, da disciplina, do amor à pátria. O nazismo alemão teve conotação fortemente racista e baseava-se em teorias supostamente científicas para valorizar a raça ariana, ou seja, um grupo que se considerava mais puro, composto de pessoas brancas. Assim justificavam-se a perseguição e o genocídio de judeus, de crianças, de ciganos, e de homossexuais, que seriam degenerados.

13 As doutrinas totalitárias influenciaram outros governos: em Portugal, o controle do poder por Oliveira Salazer, e na Espanha, com o generalFrancisco Franco. Sob alguns aspctos, também tiveram reflexos no movimento da Ação Integralista brasileira, fundada por Plínio Salgado em 1932.

14 Facismo: Símbolo do fascismo italiano. Fascismo vem do italiano fascio (feixe). Na Roma Antiga, os magistrados eram precedidos por funcionários que empunhavam machados cujos cabos compridos eram reforçados po muitas varas fortemente atadas em torno da haste central. Simbolizavam o poder do Estado de decaptar os inimigos da ordem pública, e as varas amarradas, a unidade do povo em torno sua liderança. Em 1919, Mussolini fundou os fasci di combatimento, que em seguida proliferaram por toda Itália.

15 Nazismo: O termo nazismo surgiu em quando Hitler entrou para os partido Operário Alemão e alterou o nome Partido Operário Alemão Nacional-Socialista. (Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei), cuja abreviação passou a ser Nazi. Hitler também criou o estandarte da suástica, simbolo do movimento. A suástica é um simbolo antiquíssimo, de origem mística, desenhada em várias versões. Chama-se também cruz gamada, por ser formada por braços dobrados nas pontas como na letra grega gama maiúscula:

16 Os regimes totalitários costumam ser identificados indevidamente com os governos totalitários. O que há de comum entre eles é que ambos cerceiam as liberdades individuais em nome da segurança nacional, recorrem à maciça propaganda política, exercem a censura e dispõem de aparelho repressivo. O governo autoritário também utiliza os militares na burocracia estatal, os militares saem do quartel para integrar a instituição política mais importante da nação. Foi oque aconteceu por ocasião do golpe militar de 1964, que impôs o regime autoritário no Brasil durante duas décadas, Uruguai e Argentina também passaram pela mesma experiência.

17 O equilíbrio instável de forças: A democracia não constitui um modelo a ser seguido, mas algo que se constrói pelo diálogo, pelo enfrentamento dos conflitos de opiniões divergentes, tendo em vista o bem comum. A liberdade democrática náo se refere, porem, à conquista exclusiva de direitos, mas supõe que o cidadão assuma seus deveres pela conscientização das exigências do convívio social de seu tempo.

18 01- O que é política segundo o texto? 02- Segundo o texto como podemos entender a política? 03- O que é poder? 04- Como éra o poder no Estado Teocrático? 05- Como era o poder na Monarquia? 06- Como é constituido o poder na democracia? 07- Segundo Max Weber o Estado moderno é reconhecido por dois elementos quais?

19 08- O que é democracia para você? 09- O que diz Claudio Lefort sobre o poder? 10- Quais as principais características do Facismo e do Nazismo? 11- No que se baseava o Nazismo? 12- Quem foi um dos representantes do regime totalitário no Brasil? 13- como surgiu o termo Nazismo? 14- Como costumam ser identificados os regimes totalitários?


Carregar ppt "Política: Para quê? Claudio Tozzi. A filosofia política Política do grego pólis, cidade. A politica é a arte de governar, de gerir o destino da cidade."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google