A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MAGISTRA - Escola de Formação e Desenvolvimento Profissional de Educadores III Seminário: Prevenção da Violência nas Escolas e promoção de uma cultura.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MAGISTRA - Escola de Formação e Desenvolvimento Profissional de Educadores III Seminário: Prevenção da Violência nas Escolas e promoção de uma cultura."— Transcrição da apresentação:

1 MAGISTRA - Escola de Formação e Desenvolvimento Profissional de Educadores III Seminário: Prevenção da Violência nas Escolas e promoção de uma cultura de paz: buscando caminhos 10 a 14 de Novembro de 2014 Hotel Tauá

2 O olhar para a diversidade presente no cotidiano escolar: processos de inclusão e exclusão

3 Reflexões e ações para a construção de uma Educação Humanista. Drª.Priscila Augusta Lima

4 Inclusão e exclusão: diferentes significados nos diferentes discursos. A inclusão do aluno com deficiência na escola.

5 “A inclusão não significa um espaço a ser ocupado, mas sobretudo uma atitude e um valor que deve iluminar políticas e práticas que deem apoio a um direito tão fundamental quanto esquecido para muitos excluídos do planeta – o direito a uma educação de qualidade, e a práticas escolares onde predomine a necessidade de aprender, no cenário de uma cultura escolar de aceitação e respeito pelas diferenças.” (ECHEITA, 2006, p. 76)

6 Dados sobre pessoas com deficiência. Deficiência: Enfrentam alguma dificuldade de ouvir, enxergar ou se locomover? Deficiência severa : tem grande dificuldade ou não consegue de modo algum enxergar, ouvir, caminhar? 0 a 14 anos - 7,53% referem-se a deficiência 2,39 referem-se a deficiência severa 15 a 64 anos - 24,9% referem-se a deficiência 7,13 referem-se a deficiência severa 65 anos ou mais - 67,73 %referem-se a deficiência 41,81 % referem-se a deficiência severa

7 Dados do Censo de brasileiros, 23,9% da população total, têm algum tipo de deficiência : visual, auditiva, motora e mental ou intelectual (26,5%) são mulheres (21,2%) são homens pessoas vivem em áreas urbanas em áreas rurais

8 Variação de 2000 a ,5% - população de de pessoas ,9% - população de de pessoas Aumento de 12,4 pontos percentuais Justificativas oficiais: mudança de método, idade da população

9 Distribuição da população pelo tipo de deficiência Visual – 18,60% Auditiva-5,1% Motora – 7% Mental ou intelectual -1,40% Minas Gerais pessoas- 22,62% (diferenças regionais)

10 Variações conceituais Concepção de deficiência severa Surdez? Deficiência mental/ intelectual como condição permanente.

11 Indicadores Indicadores para avaliar o processo de inclusão escolar: Quantitativos e qualitativos Censo INEP registra aumento do número de matrículas na Educação Especial na rede pública em Idade – 15 anos ou mais -61% sem instrução ou com fundamental incompleto-( Cart. Censo)

12 Qualitativos Como os estudantes estão se desenvolvendo. Interferências da inclusão na escola como um todo (transformações culturais?). Relação aluno-aluno,Professor-aluno Pais e escola,Comunidade e escola Escola e sociedade Outros

13 Elementos para avaliação qualitativa Condição de Surdez e Deficiência auditiva. O uso das LIBRAS. Trocas entre alunos. A condição de não ver e a possibilidade de conhecer. “cegos não vão ao teatro para ir ao banheiro". Propagandas e áudio descrição. O código Braile. IAT- novo cubarítimo. Inteligência e sua potencialização: Síndrome de Down e deficiências intelectuais. Condutas típicas de Síndromes: Autismo. (transtornos do espectro Autista ou TGD).

14 Considerações Finais Aspectos terminológicos como um esforço de categorização, porém a realidade da escola escapa a generalizações. Contradição: aceitação e prevenção. Pesquisa científica e distribuição de renda.

15 Considerações finais Inclusão de pessoas com deficiência na escola como prática e conceito em movimento. Elementos não estáticos. Exigem ressignificações. Novas práticas podem favorecer novas representações nas gerações que se sucedem introduzindo novos valores e novas formas de interação entre as pessoas.

16 Referências ECHEITA, G. Educación para la inclusión o educación sin exclusiones. Madrid: Narcea, p. LIMA, P.A. Educação Inclusiva e Igualdade Social, Ed.Avercamp, São Paulo, 2006,2010. ____Educação Inclusiva: Indagações e Ações nas áreas da Educação e da saúde, Ed.Avercamp, São Paulo, 2010.

17 REILY, Lucia. Escola inclusiva: Linguagem e Mediação; 4ª ed., Campinas, SP: Papirus, 2012 Vídeos Djk

18 Referência dados sobre deficiência Cartilha do Censo 2010 – Pessoas com Deficiência / Luiza Maria Borges Oliveira / Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) / Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNPD) / Coordenação-Geral do Sistema de Informações sobre a Pessoa com Deficiência; Brasília : SDH-PR/SNPD, 2012.

19 Censo Escolar Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Censo da educação básica: 2012 – resumo técnico. – Brasília : Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, p. ; tab ISBN: Educação básica. 2. Estatísticas. I. Título. CDU


Carregar ppt "MAGISTRA - Escola de Formação e Desenvolvimento Profissional de Educadores III Seminário: Prevenção da Violência nas Escolas e promoção de uma cultura."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google