A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DISTÚRBIOS DO SONO NA CRIANÇA NOS AMBULATÓRIOS DE PEDIATRIA GERAL E SUBESPECIALIDADES DO CENTRO DE SAÚDE N° 08 E HOSPITAL MATERNO - INFANTIL DE BRASÍLIA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DISTÚRBIOS DO SONO NA CRIANÇA NOS AMBULATÓRIOS DE PEDIATRIA GERAL E SUBESPECIALIDADES DO CENTRO DE SAÚDE N° 08 E HOSPITAL MATERNO - INFANTIL DE BRASÍLIA."— Transcrição da apresentação:

1 DISTÚRBIOS DO SONO NA CRIANÇA NOS AMBULATÓRIOS DE PEDIATRIA GERAL E SUBESPECIALIDADES DO CENTRO DE SAÚDE N° 08 E HOSPITAL MATERNO - INFANTIL DE BRASÍLIA Ana Virginia Lopes de Sousa Orientadora: Dra. Lisliê Capoulade

2 DISTÚRBIOS DO SONO NA CRIANÇA NOS AMBULATÓRIOS DE PEDIATRIA GERAL E SUBESPECIALIDADES DO CENTRO DE SAÚDE N° 08 E HOSPITAL MATERNO- INFANTIL DE BRASÍLIA Monografia de conclusão da Residência Médica em Pediatria, apresentada à Secretaria de Estado de Saúde do DF, Hospital Materno-Infantil de Brasília, Unidade de Pediatria, sob orientação da Drª. Lisliê Capoulade Nogueira Arrais de Souza, pneumologista pediátrica. R2 Ana Virginia Lopes de Sousa Brasília, 23/10/2007

3 INTRODUÇÃO Desordens do sono na prática pediátrica Desordens do sono na prática pediátrica Abrangem 25% a 40% das crianças e adolescentes Abrangem 25% a 40% das crianças e adolescentes Questionamentos sobre o sono da criança como screening Questionamentos sobre o sono da criança como screening Higiene do sono Higiene do sono Ana Virginia Lopes METZER, L. J., Psychiatr. Clin. North Am. Philadelphia,v.29,n.4,2006

4 INTRODUÇÃO Arquitetura do sono Arquitetura do sono Funções do sono: Funções do sono: Processo ativo e restaurador Processo ativo e restaurador Consolidação da memória e aprendizado Consolidação da memória e aprendizado Regulação da respiração Regulação da respiração Aspectos culturais, familiares e ambientais Aspectos culturais, familiares e ambientais Ana Virginia Lopes BORN, J. WAGNER, U. Sleep Medicine Clinics,v.2,2007

5 Ana Virginia Lopes Desordens do sono Disfunções cardíacas ventriculares Cor Pulmonale Respiração oral Sonolência diurna Atraso do crescimento TDAH Déficit de memória Problemas de aprendizado e comportamento Metabolismo da glicose

6 INTRODUÇÃO CLASSIFICAÇÃO Dissonias Dissonias Parassonias Parassonias Associadas a desordens neurológicas ou outras condições médicas Associadas a desordens neurológicas ou outras condições médicas Outras desordens do sono Outras desordens do sono Ana Virginia Lopes American Academy Sleep Medicine

7 INTRODUÇÃO DISSONIAS Ana Virginia Lopes American Academy Sleep Medicine Desordens intrínsecas do sono Incidência Síndrome da Apnéia Obstrutiva do Sono 1 - 3% 1 - 3% Ronco Primário 7 - 9% 7 - 9%

8 INTRODUÇÃO PARASSONIAS Ana Virginia Lopes NUNES, M.L. Jornal de Pediatria. v.78, n ParassoniasIncidênciaSonambulismo 1 - 6% Terror noturno 2,9% Sonilóquio56% Bruxismo 10 – 15%

9 OBJETIVOS Ana Virginia Lopes Geral Geral Identificar pela história clínica, a presença de sintomas/sinais sugestivos de distúrbios respiratórios do sono e parassonias na criança em diferentes especialidades pediátricas. Identificar pela história clínica, a presença de sintomas/sinais sugestivos de distúrbios respiratórios do sono e parassonias na criança em diferentes especialidades pediátricas.

10 OBJETIVOS Ana Virginia Lopes Específicos Específicos Identificar a relação entre ronco e tabagismo domiciliar. Identificar a relação entre ronco e tabagismo domiciliar. Avaliar o perfil da higiene do sono. Avaliar o perfil da higiene do sono. Revisar a literatura sobre desordens do sono para orientar melhor o pediatra geral. Revisar a literatura sobre desordens do sono para orientar melhor o pediatra geral.

11 PACIENTES E MÉTODOS Ana Virginia Lopes Tipo de estudo Tipo de estudo Estudo descritivo, observacional e prospectivo Estudo descritivo, observacional e prospectivo Período de maio a setembro de 2007 Período de maio a setembro de 2007 Aplicação de questionários aos pais/responsáveis das crianças Aplicação de questionários aos pais/responsáveis das crianças Ambulatórios: Ambulatórios: Pediatria Geral do Centro de Saúde n° 08 Pediatria Geral do Centro de Saúde n° 08 Pneumopediatria, Gastropediatria e Endocrinopediatria do HMIB Pneumopediatria, Gastropediatria e Endocrinopediatria do HMIB

12 PACIENTE E MÉTODOS Ana Virginia Lopes Critérios de inclusão: Critérios de inclusão: Idade a 2 anos e a 12 anos Idade a 2 anos e a 12 anos Ambos os sexos Ambos os sexos Sem diagnóstico prévio de distúrbio do sono e/ou uso drogas que alterem ciclo sono-vigília Sem diagnóstico prévio de distúrbio do sono e/ou uso drogas que alterem ciclo sono-vigília

13 PACIENTE E MÉTODOS Ana Virginia Lopes Critérios de exclusão: Critérios de exclusão: Pacientes portadores de doenças genéticas, neuromusculares e/ou encefalopatia crônica não progressiva Pacientes portadores de doenças genéticas, neuromusculares e/ou encefalopatia crônica não progressiva Pacientes com transtornos psiquiátricos Pacientes com transtornos psiquiátricos Crianças com síndromes craniofaciais Crianças com síndromes craniofaciais Idade 12 anos Idade 12 anos

14 PACIENTE E MÉTODOS Ana Virginia Lopes Delineamento do estudo Delineamento do estudo Protocolo de pesquisa foi explicado aos pais Protocolo de pesquisa foi explicado aos pais Treinamento dos entrevistadores Treinamento dos entrevistadores Aplicado questionário de sono adaptado para faixa etária pediátrica. Aplicado questionário de sono adaptado para faixa etária pediátrica. BRUNI, O. et al. J. Sleep Resp., v.5,n.4,1996.

15 PACIENTE E MÉTODOS Ana Virginia Lopes Delineamento do estudo Delineamento do estudo Dados clínicos de suspeição de distúrbios respiratórios do sono Dados clínicos de suspeição de distúrbios respiratórios do sono Parassonias Parassonias Ronco – Apnéia – Acordar sentindo-se sufocado – Sono agitado Sonilóquio – Bruxismo – Sonambulismo – Terror Noturno

16 HOSPITAL MATERNO –INFANTIL DE BRASÍLIA QUESTIONÁRIO DO SONO ADAPTADO PARA FAIXA-ETÁRIA PEDIÁTRICA Ambulatório: Nome da criança: Data do questionário: Idade: Peso: Estatura: Data do Nascimento: No prontuário: Endereço: Cidade/UF: CEP: Telefone: Nome do responsável: QUESTÕESNÃOSIM 1. Há fumantes em casa? Quem? Quem? 2. Ele(a) ronca? 3. Qual a freqüência do ronco? ( ) raramente ( )1-4 x / mês ( )> 1 vez / sem ( ) maioria das noites 4. Ele (a) pára de respirar quando dorme? 5. Ele(a) fica com lábios ou pele roxos durante o sono? 6.Ele(a) já acordou se sentido sufocado(a)? 7. Dorme de boca aberta? 8. Baba no travesseiro? Ana Virginia Lopes

17 10. Ele(a) costuma ter muito sono durante o dia? 11. Assiste TV ou usa computador antes de dormir? 12. Que horas costuma acordar? 13. Que horas costuma dormir? 14. Quantas horas de sono noturno? 15. Quais pessoas dormem no quarto? ( ) Pais ( ) Irmãos ( )Sozinha ( ) ENQUANTO DORME ELE(A): Fala? Caminha? Range os dentes? Tem sono agitado, com movimentos bruscos? Acorda com sonhos violentos, gritando ou confuso? 9. Durante o dia, ele(a) costuma dormir? Se sim, quantas horas? ( ) manhã ( ) tarde QUESTÕESNÃOSIM Ana Virginia Lopes

18 PACIENTE E MÉTODOS Ana Virginia Lopes Aspectos éticos Aspectos éticos Aprovação pelo Comitê de Ética em Pesquisa da SES - DF Aprovação pelo Comitê de Ética em Pesquisa da SES - DF Pais e/ou responsáveis assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido Pais e/ou responsáveis assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido

19 PACIENTE E MÉTODOS Ana Virginia Lopes Análise estatística Análise estatística Programa SPSS 12.0: análise estatística com α=5% Programa SPSS 12.0: análise estatística com α=5% Estatística descritiva: média, mediana, valores máximo e mínimo e desvio-padrão Estatística descritiva: média, mediana, valores máximo e mínimo e desvio-padrão Qui-quadrado: associação entre tabagismo domiciliar e ronco Qui-quadrado: associação entre tabagismo domiciliar e ronco

20 RESULTADOS Ana Virginia Lopes Foram entrevistadas 111 crianças, no entanto 3 Foram entrevistadas 111 crianças, no entanto 3 foram excluídas do estudo foram excluídas do estudo A mediana da idade foi de 6 anos A mediana da idade foi de 6 anos A média de peso foi de 23±11 kg (variando de 8 a 59 kg) e da estatura foi de 115±21 cm (variando de 73 a 160 cm) A média de peso foi de 23±11 kg (variando de 8 a 59 kg) e da estatura foi de 115±21 cm (variando de 73 a 160 cm)

21 RESULTADOS Ana Virginia Lopes Figura 2. Distribuição percentual dos pacientes estudados segundo o sexo nos ambulatórios de Pediatria Geral e subespecialidades pediátricas do Centro de Saúde n° 08 e Hospital Materno- Infantil de Brasília. Distribuição segundo o sexo

22 RESULTADOS Ana Virginia Lopes Figura 1. Distribuição percentual das crianças estudadas quanto aos distúrbios do sono nos ambulatórios de Pediatria Geral e subespecialidades pediátricas do Centro de Saúde n° 08 e Hospital Materno-Infantil de Brasília

23 RESULTADOS Ana Virginia Lopes Figura 3. Distribuição percentual dos locais de procedência dos pacientes avaliados nos ambulatórios de Pediatria Geral e subespecialidades pediátricas do Centro de Saúde n° 08 e Hospital Materno-Infantil de Brasília.

24 RESULTADOS Ana Virginia Lopes Figura 4. Prevalência em percentual do tabagismo domiciliar no contexto familiar dos pacientes estudados nos ambulatórios de Pediatria Geral e subespecialidades pediátricas do Centro de Saúde n° 08 e Hospital Materno-Infantil de Brasília.

25 RESULTADOS Ana Virginia Lopes Sim Sim (%) (%) Não Não (%) (%)Ronco Apnéia 397 Acordar sentindo-se sufocado Sono agitado Sonolência diurna excessiva 892 Respiração oral Babar no travesseiro Tabela 1. Dados clínicos sobre o questionário de sono do grupo estudado Ana Virginia Lopes

26 RESULTADOS Figura 5. Distribuição percentual do ronco em cada especialidade pediátrica estudada do Centro de Saúde n° 08 e Hospital Materno-Infantil de Brasília.

27 RESULTADOS Ana Virginia Lopes Figura 6. Distribuição percentual da apnéia, sono agitado, acordar sentindo-se sufocado, em relação ao total da amostra, segundo as especialidades pediátricas estudadas do Centro de Saúde n° 08 e Hospital Materno-Infantil de Brasília.

28 RESULTADOS Ana Virginia Lopes Sim Sim % Não Não %Sonilóquio Sonambulismo Bruxismo Terror noturno Tabela 2. Parassonias no grupo estudado

29 RESULTADOS Ana Virginia Lopes Figura 7. Distribuição percentual do sonilóquio e sonambulismo em relação ao total da amostra, segundo as especialidades pediátricas estudadas do Centro de Saúde n° 08 e Hospital Materno- Infantil de Brasília

30 RESULTADOS Ana Virginia Lopes Figura 8. Distribuição percentual do bruxismo e terror noturno em relação ao total da amostra, segundo as especialidades pediátricas estudadas do Centro de Saúde n° 08 e Hospital Materno-Infantil de Brasília.

31 RESULTADOS Ana Virginia Lopes Associação significativa entre ronco e tabagismo domiciliar (p=0,01). Associação significativa entre ronco e tabagismo domiciliar (p=0,01). Em 77% das crianças estudadas (n=83), foi observado o hábito de assistir televisão ou usar o computador antes de dormir. Em 77% das crianças estudadas (n=83), foi observado o hábito de assistir televisão ou usar o computador antes de dormir.

32 RESULTADOS Ana Virginia Lopes Houve relação entre assistir televisão antes de dormir e sonolência diurna (p = 0,03). Houve relação entre assistir televisão antes de dormir e sonolência diurna (p = 0,03). 84% (n=91) das crianças dormem com outras pessoas, sendo os pais em 85% dos casos. 84% (n=91) das crianças dormem com outras pessoas, sendo os pais em 85% dos casos.

33 CONCLUSÃO Ana Virginia Lopes A prevalência de ronco foi elevada. A prevalência de ronco foi elevada. Houve relação estatisticamente significante entre ronco e tabagismo domiciliar. Houve relação estatisticamente significante entre ronco e tabagismo domiciliar. Os sinais/sintomas sugestivos de distúrbios respiratórios de sono foram relatados com maior freqüência no ambulatório de Pneumopediatria. Os sinais/sintomas sugestivos de distúrbios respiratórios de sono foram relatados com maior freqüência no ambulatório de Pneumopediatria.

34 CONCLUSÃO Ana Virginia Lopes O sonilóquio apresentou baixa prevalência, com maior número de casos no ambulatório de Pneumopediatria. O sonilóquio apresentou baixa prevalência, com maior número de casos no ambulatório de Pneumopediatria. A ocorrência de sonambulismo foi concordante com a literatura, mais prevalente no ambulatório de Pneumopediatria. A ocorrência de sonambulismo foi concordante com a literatura, mais prevalente no ambulatório de Pneumopediatria.

35 CONCLUSÃO Ana Virginia Lopes A prevalência de bruxismo e terror noturno foi elevada, com maior freqüência nos ambulatórios de Pneumopediatria e Gastropediatria, respectivamente. A prevalência de bruxismo e terror noturno foi elevada, com maior freqüência nos ambulatórios de Pneumopediatria e Gastropediatria, respectivamente. A maioria das crianças tinham hábito de assistir televisão antes de dormir, com relação estatisticamente significante com a sonolência diurna, evidenciando a inadequada higiene do sono. A maioria das crianças tinham hábito de assistir televisão antes de dormir, com relação estatisticamente significante com a sonolência diurna, evidenciando a inadequada higiene do sono.

36 OBRIGADA Ana Virginia Lopes


Carregar ppt "DISTÚRBIOS DO SONO NA CRIANÇA NOS AMBULATÓRIOS DE PEDIATRIA GERAL E SUBESPECIALIDADES DO CENTRO DE SAÚDE N° 08 E HOSPITAL MATERNO - INFANTIL DE BRASÍLIA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google